27 setembro 2021

[RESENHA] Brilhante - Damas Rebeldes # 02 - Julia Quinn

Quando um pretendente diz a lady Belle que, por conta da beleza e da fortuna dela, está disposto a fazer vista grossa para as suas chocantes tendências intelectuais, ela decide se afastar do mercado casamenteiro e passar uma temporada no campo.
Belle não imaginava que, durante sua estadia, fosse conhecer lorde John Blackwood, um herói de guerra que a deixaria fascinada como nenhum outro homem da alta sociedade londrina fora capaz.
Apesar de já ter vivido coisas terríveis, nada aterroriza mais o coração atormentado de lorde John do que lady Arabella. Ela é inebriante, exasperante e... faz com que ele tenha sede de viver. De repente ele se vê escrevendo poesias ruins e subindo em árvores na calada da noite só para poder dançar com ela quando o relógio bater meia-noite.
Apesar de saber que nunca será o homem que ela merece, John não consegue parar de desejá-la. Será que quando a luz do dia substituir a magia da madrugada, os dois conseguirão deixar as diferenças de lado e se entregar ao amor?


 Livro: Brilhante|| Série: Damas Rebeldes # 02 || Autor: Julia Quinn

Ano: 2021 ||  Editora: Arqueiro  || Gênero: Romance de Época
Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Luci

Skoob || Compre || Editora
Resenha livro 01


Brilhante conta a história de lady Arabella Blydon, personagem que já conhecemos no livro 1 da série, e que nos é apresentada como uma jovem amante da leitura, muito inteligente, e que apesar de ter recebido várias propostas de casamento desde sua estreia na sociedade — o conjunto filha de um conde, com um bom dote, e uma grande beleza é algo que atrai vários pretendentes — ela não aceita um casamento que não seja por amor, por isso, finaliza mais uma temporada social tão solteira quanto a iniciou.

Sua viagem ao campo, para ficar com sua prima Emma, no entanto, a faz conhecer lorde John Blackwood, e com somente um encontro, seu interesse por esse homem é imediatamente despertado, de uma forma que nunca aconteceu antes. Instigada pelo atraente vizinho, ela passa a se comportar de uma forma que nunca ousou antes, tudo com o intuito de descobrir mais sobre ele e explorar mais os sentimentos que ele lhe desperta.

Lorde John Blackwood é um homem reservado. E desde que voltou da guerra, ganhando o título de Barão por sua atuação como soldado, ele não fez nada para tentar se integrar à sociedade. Devido a um acontecimento chocante ( a narrativa contém gatilhos) que o marcou na guerra, John se nega a qualquer tipo de felicidade, e se impõe a um castigo para se redimir da culpa que tomou para si. Isolado em sua propriedade rural, ele jamais poderia imaginar que a tentação de se entregar a sentimentos viria ao seu encontro, quando conhece Arabella e ela desperta o seu interesse.

Arabella passa, então, a ser a personificação do que John quer, mas precisa evitar. Porém, Arabella não é do tipo de moça que desiste quando quer alguma coisa. O que sente por John é verdadeiro, e ela percebe que há algo mais profundo entre os dois que ele tenta evitar, por isso, está disposta a derrubar qualquer obstáculo que John tenta colocar entre os dois.

E em meio a esse jogo de conquista e sentimentos, uma ameaça ressurge do passado de John,  colocando em risco tudo o que ele pode viver com Arabella.


Brilhante é uma daquelas histórias gostosas de ler, com personagens bem desenvolvidos e uma trama não muito complexa.

Nela, se destaca Belle, a protagonista, cuja personalidade é realmente marcante: espirituosa, decidida e muito objetiva. Sua personalidade não foi totalmente explorada no livro 1 da série, portanto, eu particularmente me surpreendi ao ver uma personagem muito mais vibrante do que nos é apresentada anteriormente. Se o objetivo da série é mostrar damas mais ousadas, que agem de acordo com os seus sentimentos, certamente Belle cumpre essa missão, pois são suas ações que desencadeiam e impulsionam a história.

Quanto ao protagonista masculino, John, achei interessante como a autora construiu as bases para a sua personalidade, que molda a posição de como ele se vê na sociedade, e como ele toma para si a culpa do que aconteceu, apresentando um senso de honra bem comum aos protagonistas escritos por Julia Quinn.  

O livro, além da narrativa fluida, ainda ganha destaque pelos personagens secundários — principalmente por revermos Emma e Alex — mas o antagonista da história é um pouco fraco, não me trouxe muita convicção a forma como foi inserido e desenvolvido ao longo da narrativa. Mas lembremos que é um dos primeiros livros de Julia Quinn, então é compreensível esse pouco amadurecimentos de determinados personagens.

Porém, apesar disso, para quem é fã da autora, é uma leitura para se deliciar com mais uma obra publicada no Brasil, e para quem busca garantir alguns momentos leves e relaxantes ao ler um bom romance.  

Compartilhe!

Postar um comentário





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei