14 junho 2021

[RESENHA] Esplêndida - Damas Rebeldes # 01 - Julia Quinn

Existem duas coisas que todos sabem sobre Alexander Ridgely. A primeira é que ele é o duque de Ashbourne. E a segunda, que é um solteiro convicto.

Isso até uma linda jovem se jogar na frente de uma carruagem para salvar a vida do sobrinho dele. Ela é tudo que Alex nunca pensou que desejaria em uma mulher: inteligente e engraçada, cheia de princípios e corajosa. Mas é uma criada, inadequada para um nobre. A menos que, talvez, ela não seja bem o que parece...

A herdeira americana Emma Dunster pode estar cercada por ingleses, mas isso não significa que pretenda se casar com um, mesmo tendo concordado em participar de uma temporada em Londres.

Quando ela sai da casa dos primos vestida como criada, só quer um último gostinho de anonimato antes de ser apresentada à sociedade. Em vez disso, vai parar nos braços de um duque perigosamente lindo. Em pouco tempo, fica claro para Emma que o amor floresce quando menos se espera e é capaz de derreter até o mais teimoso dos corações.

Livro: Esplêndida|| Série: Damas Rebeldes # 01 || Autor: Julia Quinn
Ano: 2021 ||  Editora: Arqueiro  || Gênero: Romance de Época
Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Luci

Skoob || Compre || Editora

Emma Dunster é uma jovem americana de 20 anos que, diferente das jovens da sua idade que sonham em se casar e formar uma família, tem como objetivo assumir os negócios do pai, que tem um bem-sucedido estaleiro. Infelizmente, devido à mentalidade machista da época, uma jovem mulher, ainda mais solteira, não pode ficar à frente de qualquer negócio. Pensando em uma forma de distraí-la desse sonho, seu pai a envia para a Inglaterra, com o objetivo claro de que ela arranje um casamento e desista da ideia.

Só que sua apresentação à sociedade, seguida de bailes em meio à aristocracia inglesa, não é algo que atrai muito Emma, que tem uma personalidade bastante forte e um espírito inquieto. Assim, em meio ao tédio, somado ao espírito de rebeldia, ela se veste de criada para se livrar da tensão da expectativa de um baile organizado por sua tia, mas ao sair à rua, acaba se envolvendo em um acidente que a leva diretamente aos braços de  Alexander Ridgely, Duque de Ashbourne.

A última coisa que Alex quer na vida é casar. Aos 29 anos e dono de uma fortuna e título invejáveis, planeja arranjar uma esposa lá por volta dos 40 anos, quando pretende ter seu herdeiro para o título. Por enquanto, ele está muito bem confortável com sua vida de solteiro, enquanto mantém uma ou outra amante e cultiva sua fama de conquistador. Então, quando uma bela criada de cabelos cor de fogo cai em seus braços, ele imediatamente tem em mente transformá-la em sua amante, pois se sente instigado pela jovem que, logo de cara, o desafia e lhe desperta desejo.

Infelizmente, seus planos de ter uma conquista fácil cai por terra quando ele descobre que a beldade ruiva é uma rica americana, sobrinha de um conde. Porém, resolvido a conquistar Emma, ele decide elaborar um plano de sedução para levá-la para sua cama, sem se comprometer com casamento.

Mas Emma está longe de ser uma jovem tola. Apesar de Alex despertar nela sentimentos que nunca imaginou sentir, ela não vai cair nas garras desse notório sedutor. E enquanto Alex aprende que não é tão fácil fazer com que Emma faça suas vontades, nele também vão surgindo sentimentos que podem fazê-lo mudar de ideia sobre tudo o que ele acreditava sobre relacionamentos. Basta saber qual dos dois teimosos vai ceder primeiro.


Fiquei surpresa ao ver que essa história se tratava do primeiro livro escrito por Julia Quinn. E apesar de ser seu romance de estreia, a autora nos entrega elementos que amamos ler em livros de época: personagens muito bem estruturados e um cenário de fundo bem descrito, junto com uma trama bem ambientada. 

Como sempre, a personagem feminina é pouco comum: Emma tem uma força bem característica, com uma personalidade forte e de atitudes firmes. Apesar de alguns poucos pontos baixos ao longo da trama (certas atitudes "birrentas", de quem quer ter sempre razão), isso não ofuscou a vivacidade da personagem de pensamento rápido e inteligente. Gostei muito como a autora a centraliza na trama, ela vai muito além da mocinha que desperta os desejos do mocinho e sua história gira em torno do personagem masculino; não, ela é, de fato, a protagonista, mesmo tendo sua história em um período histórico tão predominantemente masculino.

E enquanto Emma é um mulher à frente do seu tempo, Alex, por outro lado, é uma homem do seu tempo: o típico conquistador que acha normal seduzir jovens, sem compromisso. Alguns leitores podem achar o personagem arrogante e com comportamento inadequado, mas ele é apenas o retrato de uma sociedade da época, por isso afirmo que ele foi muito bem descrito e escrito. Claro que o auge de tudo é quando ele encontra em Emma alguém que não será submissa aos seus caprichos, e aí somos contemplados com aquele maravilhoso clichê (sim, sei que esse nunca cansa) de um casal que vive entre brigas e beijos, mas que soltam faíscas através das páginas dos livros.

Os diálogos, tendo dois personagens tão determinados, não poderiam deixar de ser engraçados e inteligentes, complementando uma narrativa bem leve e gostosa de ler. Também destaco os personagens coadjuvantes, que completaram maravilhosamente a história, dando aquele dinamismo que deixa a leitura bem mais prazerosa.

Enfim, em Esplêndida encontramos humor, romance e aventuras, tudo isso proporcionado por um casal nem um pouco convencional, mas cuja união, pelas habilidosas mãos de Julia Quinn, nos proporciona uma leitura muito prazerosa e agradável, principalmente para os fãs da autora e de romances de época.


Compartilhe!

Postar um comentário





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei