23 novembro 2020

[Resenha] O Inferno de Gabriel - Sylvain Reynard

A salvação de um homem. O despertar da sexualidade de uma mulher. 
Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites. 
O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados. 
Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligência dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer. 
Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir. 
Primeiro livro de uma trilogia, O inferno de Gabriel explora com brilhantismo a sensualidade de uma paixão proibida. É a história envolvente de dois amantes lutando para superar seus infernos pessoais e enfim viver a redenção que só o verdadeiro amor torna possível.

Livro:  O Inferno de Gabriel || Série: O Inferno de Gabriel #01 || Autor: Sylvain Reynard
Ano:
 2013 ||  Editora: Arqueiro || Gênero: Romance
Classificação:  4 estrelas || Resenhista: Luiza

Obviamente a maioria de nós (leitores) acha que o meio literário está saturado de romances que envolvem um protagonista forte, rico e influente e uma mocinha que vai mudá-lo e direcioná-lo para o 'felizes para sempre'. Em sua maioria posso dizer que concordo, já li tantos desses livros que é difícil até contabilizar. Foi com esse pensamento que li O Inferno de Gabriel. Ele se encaixa nesse estereótipo? Sim e não. Eu gostei? Bastante. Então leiam a resenha para saber por que.


Temos aqui uma história de amor entre um professor universitário e sua aluna, um romance "proibido". Ele é um homem intenso e sedutor, que leva uma vida de prazeres sombrios, ela é uma jovem pura, ingênua e inocente. E os dois tem mais em comum do que imaginam.


Gabriel Emerson é um famoso professor e pesquisador da Universidade de Toronto, especialista em Dante e com bastante prestígio no meio acadêmico. Mesmo novo, faz parte de uma categoria promissora demais e que provavelmente vai subir de cargo em breve. Pessoalmente, ele é um verdadeiro enigma. Dono de uma personalidade difícil e rigorosa, nunca foi conhecido por manter algum relacionamento sério, é extremamente controlador com as pessoas ao seu redor.


Julia Mitchell é uma jovem sonhadora e inocente. Não teve uma vida fácil, mas mesmo essa escuridão do passado não foi capaz de apagar sua beleza interior. Ela sempre acredita no melhor das pessoas, sempre vê o lado bom de cada situação, e muitas vezes se machuca por isso. Vive muito dentro de si mesma, pois ainda não encontrou seu verdadeiro amor, que a fará desabrochar pelo mundo. Ela espera por esse amor a vida toda, e nunca vai perder as esperanças. Seu interesse por Dante vem desde a adolescência, e desde então não parou de seguir esse caminho.


O que parece uma história improvável entre dois opostos que se atraem, na verdade pode se mostrar muito mais. 

É um reencontro entre duas almas muito machucadas, que já se conheciam, só que um deles não se lembra ainda do outro. E eles tem muito mais em comum do que imaginam: ambos se acham indignos de receber um amor assim. 


Num romance intenso, cheio de conteúdo e nuances, vocês conhecerão um amor cheio de encontros e desencontros entre passado e presente, com muita sensualidade e ao mesmo tempo leveza. Impossível não se render à paixão entre Gabriel e Julia.

“Quero que façamos amor porque me importo com você. Quero venerar seu corpo nu com o meu e descobrir todos os seus segredos. Quero lhe dar prazer, não por alguns minutos, mas por horas e dias a fio. Quero vê-la arquear as costas em êxtase e olhar nos seus olhos quando a fizer gozar.”



Eu li esse livro há muito tempo pela primeira vez. Lá naquela época do grande sucesso de Cinquenta Tons de Cinza, quando saíram muitos livros desse tema. Me lembro que não curti muito, achei intenso demais, com muito drama, não era o que eu estava procurando. Agora, li com outros olhos, não lembrava de quase nada da história, então foi quase como ler pela primeira vez.


E é mesmo um livro bastantes intenso. Não é apenas um romance. Tem TANTO, mas tanto conteúdo atrelado à história, que você percebe que a pessoa que escreveu com certeza é muito inteligente e pesquisou bastante para criá-lo. Tudo gira em torno do Inferno de Dante, e não é só no nome. Os personagens se inspiram e não meramente no nome ou posição na história. As características, convicções, pensamentos, tudo leva à Divina Comédia. Certamente que o autor deve ter uma familiaridade muito grande com a obra de Dante Alighieri.


Em O Inferno de Dante temos a história de um homem que caminha pelo Inferno à procura da absolvição para entrar no Paraíso. Um homem pecador que caiu nos desejos da carne, que traiu o amor por sua musa, e que não se julga merecedor do seu amor. E Beatriz não é apenas a amada de Dante. Ela é um anjo que o enche de luz e o leva ao Paraíso. Ela é para ele, um ser de coração puro que deve ser protegido e jamais maculado.


Gabriel Emerson é o nosso Dante. Ele teve um passado muito difícil, e isso o tornou um adulto sombrio e amargurado. Não se julga merecedor do amor de ninguém. Para ele existe apenas o Inferno, e nele, ele caminha como um perfeito conhecedor. Seus desejos sombrios são parte do que ele é. Mas a vida desse professor muda de cabeça para baixo com a chegada de sua nova aluna.


Julia é a Beatriz do Dante. Muito pura, muito sonhadora, muito simples e ingênua. Ela tem um propósito muito grande em seguir o caminho de estudar Dante, e é muito inteligente e muito competente, além de determinada.


Esse encontro muda a vida dos dois. Um passa a seguir na direção do outro. Julia passa a evoluir, a ver a vida com mais realismo, Gabriel passa a entender que ele pode ser digno de algo bom. E o resultado disso é um história de amor intensa que te prende mais e mais.


Tem muitas cenas sensuais, e essa sensualidade vai aumentando e aumentando ao longo da história, à medida que Julia vai se abrindo para ele. 


O jeito que o autor descreve o amor é lindo e se constrói com a história dos dois. Podemos ver vários lados do amor. O fraterno, o amor romântico, o sensual, o angustiante, o profundo, o dependente. 

 "- 'O Real não é o que você é; é algo que acontece. E, neste momento, você precisa que algo de bom lhe aconteça."

Os personagens não são daqueles que encantam à primeira vista, esse não é um livro construído para isso. A arrogância do Gabriel é bem revoltante, assim como o excesso de ingenuidade da Julia. As personalidades são tão opostas que causa estranheza. Com certeza vai te tirar um pouco da zona de conforto e te fará chegar ao final com uma opinião diferente sobre eles. A construção é a chave, a evolução de cada um, com certeza, é o ponto alto da história na minha opinião.

" - Obrigado por tornar tudo belo pelo simples fato de existir." 

A narrativa é em terceira pessoa, e muito bem feita por sinal. Muda-se o tempo todo os pontos de vista, mas sem prejuízo para a história. Acho um ponto positivo e necessário para construir essa trama que se entrelaça com uma história clássica. Passado e presente se alternam, e é interessante ver os fatos sendo revelados, o que complementa a história no presente e nos ajuda a entender como os personagens chegaram até ali e porque eles são assim.


Lá no início, eu disse que O Inferno de Gabriel se encaixava no estereótipo, (Sim e não). Sim porque o Gabriel é um personagem rico, intimidador e bastante controlador. Julia é inocente, ingênua e apaixonada, e o amor vai mudar a vida dos dois. Mas as semelhanças param por aí. Todo o conteúdo e o rumo que a história toma tiram completamente a impressão de que é apenas mais um romance igual aos outros dessa época.


Não sou a maior fã de literatura clássica e nem de histórias tão intensas e com esses dramas pessoais, mas não posso negar que é um livro muito bom, bem escrito e muito bem construído. O andamento da história é lento na opinião de muitos, mas necessária na minha opinião, para poder construir muito bem toda essa base que se entrelaça à história de Dante.


Sem dúvidas indico essa obra para os amantes de livros de romance. É uma bela história de amor carregada de referências e com muita sensualidade. Em O Inferno de Gabriel aprendemos que o verdadeiro amor vai muito além do amor carnal e físico, e esse amor pode ser tanto o inferno quanto a salvação. Leiam e se apaixonem também.

“- Se você for esperar que sua cicatriz desapareça, Julianne, vai ficar esperando para sempre. Cicatrizes nunca desaparecem. (…). Feridas podem se fechar e talvez até sejamos capazes de nos esquecer delas com o tempo, mas as cicatrizes são para sempre. Nem mesmo Jesus perdeu as suas.”


Para quem não sabe - esse livro foi adaptado pela Passionflix (conheça aqui). Durante essa semana postaremos sobre a adaptação, nossa opinião sobre cada parte, comparação com o livro e uma surpresa especial <3
Fiquem de olho nas nossas redes sociais!


Compartilhe!

Um comentário :

  1. Eu tô lendo esse livro, e vou ser totalmente sincera. Tô achando o livro muito chato e cansativo, não tô com vontade de ler os outros e nem vou. A Júlia pra mim é uma personagem muito chata e imatura, Gabriel é só mais um mocinho mandão e chato, não é um personagem que me "encantou" tô meio presa no livro só pra saber sobre a Paulina.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei