14 setembro 2020

Critica Família ao Resgate


E bora de mais um draminha para a coleção?

Como estou sofrendo sem minhas séries de sempre, comecei a ver várias na Netflix para passar o tempo, e uma que me chamou a atenção foi Família ao Resgate. 

A série irá contar a história dessa família que é praticamente um comercial de margarina, a mãe (Sarah), que se dá muito bem com os filhos, o pai (John), que trabalha como resgatista, e três filhos com suas peculiaridades, mas, que no geral, não dão trabalho. Até o dia em que tudo muda na vida deles com a descoberta de um câncer já em estagio avançado na Sarah. Agora, o que resta, é apenas digerir a ideia de que ela pode morrer a qualquer momento. 

Depois da morte da Sarah, John não consegue segurar muito as pontas com as crianças, principalmente com a mais velha, a Maddie. E com uma promoção no trabalho que já era praticamente certa sendo retirada, John decide se mudar para Turtle Island Bay, a cidade da sua cunhada Charlotte, que lhe oferece moradia. Mas na noite anterior a chegada deles, a casa pega fogo e todos ficam desabrigados e são obrigados a morar no aquário abandonado da cidade até a casa da Charlotte ser reconstruída. 

E é a partir daqui que vamos acompanhar a série e essa adaptação dos personagens a uma nova vida, em uma nova cidade. 

Bem, eu assisti tudo em uma sentada só, porque como original da Netflix, sabemos que sempre temos 10 episódios testes para confirmar a popularidade, para depois eles baterem o martelo para mais temporadas. 

Como eu disse, assisti tudo muito rápido, porque eu queria saber o desenrolar das coisas, e como são muitos personagens, temos sempre alguma coisa acontecendo com cada um deles individualmente, e é por isso que temos, no minimo, cinco plots principais. Mas, tem um que gira mais frequentemente, que é o da Maddie, que acha que a mãe escondia um grande segredo, e ela vai em busca de descobrir qual seria ele. 

Quando estava assistindo, eu realmente não vi falhas, porque estava super empolgada e curiosa com o que ia acontecer, mas confesso que depois que você vê e dá um tempo para analisar, você começa a ver algumas coisas, e a que mais notei, e aparece bem no plot, é que ninguém fala com ninguém. Tem três crianças/adolescentes que perderam a mãe, e mudaram de cidade, e ninguém nunca se preocupa em conversar com nenhum deles. 

O papel da Charlotte, que é a tia, deixou muito a desejar, porque ela fala para eles se mudarem para uma cidade menor, e que ela poderia ajudar, mas não é isso o que ela faz. Ela está sempre ocupada demais resolvendo os problemas da vida dela para notar que há algo de errado nos três sobrinhos. O pai, eu até entendo, porque é da personalidade dele, antes mesmo da esposa falecer, ele era dessa forma. A mãe sempre foi o pilar, sempre foi a ligação. 

Uma coisa que eu notei, é que o John - William Baldwin - tem a mesma expressão a série toda, coitado. Amalia Williamson - a Maddie é maravilhosa e eu adorei como ela foi abordada na série.

Mas, no geral, a série nos traz vários assuntos importantes como o luto. E mostra diversas facetas de como as pessoas enfrentam a perda de um ente querido.  E conforme avançamos, outros assuntos são inseridos conforme os personagens vão vivendo os seus dramas. 
 
O final é um pouco apressado para mim, tem mais de um fechamento, tem o da Maddie com o segredo da mãe e o da Charlotte com o ex dela. E claro, algumas coisas que acontecem, e que funciona como o gancho para a próxima temporada, que vai envolver mais a menor, a Taylor e o irmão, Scout. Mas a Maddie vai girar como principal ainda. 

Como sabemos, a Netflix faz apenas dez episódios, mas eu os considerei até que bom; eu assisti com gosto, e tudo em uma tarde. É claro que apesar de algumas criticas, eu queria que a série continuasse, para ter esse maior desenvolvimento dos personagens. E também, porque amo um drama. 
Então, só me resta aguardar e torcer para que eles produzam uma nova temporada.



Compartilhe!

Postar um comentário





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei