04 julho 2020

[Resenha] Pistas Submersas - Maria Adolfsson


Bem-vindo ao mundo único de Doggerland! Uma nação formada por grande extensão de terras, hoje, a maior parte submersas, das quais restaram apenas três ilhas, localizada em algum lugar entre o Reino Unido e os países nórdicos. É lá que Maria Adolfsson cria o cenário perfeito para uma história arrebatadora. Na manhã seguinte ao grande festival das ilhas de Doggerland, norte da Escandinávia, a detetive Karen Hornby acorda em um quarto de hotel com uma ressaca gigantesca, mas não maior que os arrependimentos da noite anterior. Na mesma manhã, uma mulher foi encontrada morta, quase desfigurada, em outra parte da ilha. As notícias daquele crime abalam a comunidade. Karen é encarregada do caso, algo complexo pelo fato de a vítima ser ex-esposa de seu chefe. O homem com quem Karen acordou no quarto de hotel... Ela era o seu álibi. Mas não podia contar a ninguém. Karen começa a seguir as pistas, que vão desenrolando um novelo de segredos há muito tempo enterrados. Talvez aquele evento tenha origem na década de 1970... Talvez o seu desfecho esteja relacionado a um telefonema estranho, naquela primavera. Ainda assim, Karen não encontra um motivo para o assassinato. Mas, enquanto investiga a história das ilhas, descobre que as camadas de mistérios daquelas terras submersas são mais profundas do que se imagina.

  Livro:  Pistas Submeras||  Série: Doggerland #1 ||Autora: Maria Adolfsson
Ano: 2020||  Editora: Faro Editoriaç|| Gênero:Ficção / Suspense e Mistério
Classificação: 3 estrelas || Resenhista: Luci






A detetive Karen está determinada a provar seu valor em um meio predominantemente masculino, na delegacia de polícia de Doggerland, onde a misoginia é explícita. Assim, ela busca sempre ser sagaz e inteligente nesse meio, procurando crescer profissionalmente.

Infelizmente, dormir com seu superior, após uma noite de bebedeira, não era a melhor forma de conseguir o que queria, porque isso poderia agravar ainda mais um relacionamento já conturbado. Mas a situação piora quando, horas depois, ela é chamada para investigar um assassinato, cuja vítima é Susanne Smeed, ex-mulher do seu chefe, que se torna o principal suspeito, e ela, pode ser o seu único álibi.

Promovida temporariamente para investigar a morte de Suzanne, Karen se torna determinada a desvendar todos os mistérios que envolvem o assassinato dessa mulher, e quando ela decide ir além do presente e adentra mais no passado da vítima, descobertas surpreendentes vão mostrar que nada é como se acredita, e que um assassino ainda está à espreita, e agora, o alvo dele é a própria Karen.



Esse livro é o primeiro de uma trilogia e o romance de estreia de Maria Adolfsson. 

O primeiro ponto que devo ressaltar é a narrativa. A autora a construiu de forma lenta, arrastada, com muitos detalhes que considerei dispensáveis para a construção da história. Esse, de fato, foi o maior motivo para que eu demorasse tanto na leitura. O livro começa a se tornar verdadeiramente interessante a partir do capítulo 52 (o livro de 91 capítulos), para se ter uma ideia. Os diálogos não foram tão instigantes quanto um thriller de suspense pede. E considero a narrativa e os diálogos em um suspense algo fundamental para instigar a mente do leitor a consumir cada página até a sua culminância, e esse livro falha ao ofertar isso.

Por outro lado, Adolfsson vai relevando a personagem Karen de uma maneira gradual, e lentamente vamos passando de ver uma personagem fria, distante, para alguém que tem uma vulcão emocional dentro de si, e ouso dizer que a descoberta do assassino chega até a rivalizar com a descoberta do passado de Karen, o que a afasta do estereótipo de alguém sem vida e vazia.

Outro ponto que devemos considerar aqui é a forma como a autora entrelaça a vida dos personagens que vão sendo apresentados ao longo do romance. Em um primeiro momento o leitor pode chegar a se confundir sobre o papel deles, por que eles foram inseridos, mas tudo vai se harmonizando e criando um desfecho que chega a ser surpreendente.

Os pontos falhos podem ser relevados, considerando que é um primeiro romance. Ele não chega a ser ruim, mesmo que ansiemos por certos elementos na narrativa. Indico que leiam e tirem suas próprias conclusões.

Compartilhe!

2 comentários :

  1. Lucilene!
    Mesmo gostando de detalhes, ver uma leitura arrastada, principalmente em um livro investigativo, é difícil de ler.
    Quando não temos conexão com uma história, é difícil chegar até o final de um livro, mesmo que o plot seja bom.
    De qualquer forma, como é uma história investigativa com muito suspense e mistério, fiquei curiosa para ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Olá! Doida pra ler esse livro, curto muito Suspense e Mistério, essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi tudo que foi dito aqui, essa trilogia promete.
    Bjs

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei