17 julho 2020

[Resenha] Invisível - Tarryn Fisher





Margô mora em uma casa caindo aos pedaços, num bairro abandonado, com sua mãe que a ignora há dois anos. Ela se sente invisível, até que a amizade com Judah, seu vizinho cadeirante, muda suas perspectivas e a desperta. Quando uma criança de sete anos desaparece em seu bairro, Margô resolve investigar o caso com a ajuda de Judah e o que ela descobre a transforma por completo. Agora, determinada a encontrar o mal, caçar todos os molestadores de crianças, torna-se a razão de sua vida. Com o risco de perder tudo, inclusive sua própria alma, Margô embarca num caminho sem volta... E o que isso diz a ela sobre si mesma? Por que decidiu fazer justiça? O que a tornou tão invisível?






 Livro:  Invisível ||Autora: Tarryn Fisher
Ano: 2020 ||  Editora: Faro Editorial || Gênero: Thriller e suspense
Classificação:  5 estrelas || Resenhista: Laura

Skoob || Compre || Editora
“A tristeza é um sentimento em que você pode confiar. É mais forte do que todos os outros. Ela faz com que a felicidade pareça instável e indigna de confiança. Ela permeia tudo, dura mais e substitui os bons sentimentos com uma facilidade tão eloquente que você nem sente a mudança, até que, de repente, você está enrolado em suas correntes.”

Sou fã da Tarryn, isso não é segredo. Mas uma das coisas que mais gosto nos seus livros é a surpresa.
Sabe quando você está prestes a dar um discurso ou prestes a dar um beijo, aquela sensação de suspense, aquele momento antes de algo acontecer que você sabe que vai mudar tudo o que acredita? Às vezes, você da sorte de sentir isso antes de um bom livro. Com a Tarryn? Eu sinto todas às vezes.

Invisível nos apresenta a história de Margô, uma garota cercada de injustiça, que mora em um bairro esquecido, com uma mãe que sempre a ignorou e levando uma vida nada admirável.

Durante anos, Margô vive em um bairro abandonado completamente invisível para todas as pessoas, inclusive para sua mãe. Todos os dias, ela segue uma rotina sem graça, até que se depara com Judah, seu vizinho cadeirante, que de alguma forma se torna parte da vida de Margô, como um ponto de luz no meio de tanta escuridão.

Tudo parece melhorar agora, até que uma garotinha, que parecia a única a enxergar a Margo, desaparece. Então ela e Judah decidem investigar por conta própria, mas o que ela acaba descobrindo muda a sua forma de ver o mundo e todos a sua volta. E é esse momento, sem volta, que começa a moldar os próximos passos de Margo.

“A gente precisa estar disposta a ser feliz. Apesar da confusão da nossa vida, apenas aceitar o que aconteceu, jogar fora os nossos ideias e criar um novo mapa de felicidade para seguir.”
 

Assim como em Harry Potter e as Relíquias da Morte (para você saber que esse feeling acontece bem raramente), antes de abrir o livro eu respirei fundo e me preparei para mergulhar em uma realidade que ninguém além dessa mulher é capaz de criar. Cada livro seu é diferente e você nunca sabe o que esperar, então sim, a cada livro dela, eu dou essa respirada funda e me preparo para o inevitável.

Margo tem uma personalidade sem dúvidas sombria, mas de alguma forma, você se vê cativada pela protagonista e seu senso de justiça. Vi uma blogueira que acompanho descrever a Margô como aquela personagem que você ama odiar e odeia amar. Isso definitivamente descreve os sentimentos que você terá ao ler o livro.

A história foca muito no bairro em que eles vivem, Bone, com todos os personagens quebrados, mas tão belamente descritos. E isso é muito importante já que desempenham um papel muito crucial na formação da Margo, eles são tudo o que ela conhece, os únicos modelos para se espelhar.
Todos os personagens dessa história são cheios de defeitos, com uma personalidade extremamente complexa, principalmente a protagonista, e é possível ver a cada página como ela evoluiu, deixou de ser aquela menina tímida que se escondia no canto da casa para se tornar destemida e corajosa. Em muitos momentos, você se vê preso na mente da Margô e totalmente imerso nessa realidade cheia de desigualdade social, violência e morte.

"O que acontece com uma pessoa quando seu próprio cérebro se torna o inimigo? Eu não sei. Tenho medo de descobrir."

Devo lhe avisar que esse livro irá te incomodar de todas as formas possíveis. Ele irá te mostrar que nem tudo é preto e branco, e você irá se questionar sobre  o que é certo ou errado. E em vários momentos, você irá se sentir desconfortável, arrepiada e até mesmo aterrorizada, tanto com a história como com a sua visão de mundo. E o mais incrível, é que a Tarryn não apresenta as pessoas de uma forma fixa, ela vai te apresentando aos poucos, e muitas coisas que você irá enxergar na personagem dependerá muito da sua pessoa, do que você acredita.

Quer livro melhor que esse? Um livro assim é o motivo de nós sermos leitores, livros que te desafiam a questionar, que te instigam a ver mais do que apenas um lado da história.

Sem entregar muito da história - o que para mim faz parte dos livros da Tarryn, eu nunca conto muito, porque estraga o suspense - eu demorei muito para terminar essa resenha, comecei mais de 3 meses atrás, e deixei o livro na minha mesa, todo dia eu olhava para ele, pensava no que escrever e nada vinha. Dos livros da Tarryn, esse sem dúvida é bem diferente dos outros, é mais sombrio, puxa mais para o suspense e thriller psicológico (ponto forte da autora). Fora que pode conter alguns gatilhos, temos assassinatos, abuso infantil e mais algumas coisas.

“As pessoas fazem coisas ruins no escuro, sob o olhar vazio da lua. Ela está sorrindo para mim agora, orgulhosa do meu pecado. Eu não tenho orgulho. Eu não sou nada. Olho por olho, digo para mim mesma. Surra por surra.”

Se você gosta de um livro mais sombrio que mexa com o seu psicológico, não hesite em ler Invisível. E se posso te indicar outro livro da autora: O Lado Obscuro é um dos meus favoritos e tem essa mesma pegada sombria.

Quer saber mais sobre a autora? Confira aqui mais postagens sobre a Tarryn Fisher e seus livros.

Compartilhe!

3 comentários :

  1. Olá,
    Gosto muito desse tipo de livro e nem acredito que ainda não li nada dela. Gostei muito da sua resenha e fiquei ainda mais curiosa sobre o livro, com todo esse mistério para não contar muito e estragar a surpresa.

    Beijo!
    www.amorpelaspaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Olá! Estou doida pra ler esse livro, gosto muito da escrita dessa autora e curto muito thriller e suspense, essa resenha me deixou ainda mais interessada em conferi tudo isso que foi dito aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Laura!
    Gosto das leituras sombrias e surpreendentes.
    Nunca li nenhum livro da autora, mas achei bem bacana tudo que li em sua resenha, um super thriller que a princípio parece não conquistar muito, porém, com toda reviravolta que acontece e torna tudo surpreendente ao chegar no final, só por isso, acreito que já vale a pena poder fazer a leitura.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei