05 fevereiro 2020

[Crítica] Carnival Row



Carnival Row é uma série de televisão americana de fantasia neo-noir (um subgênero policial) criada por René Echevarria. A série é estrelada por nosso queridinho Orlando Bloom e a maravilhosa Cara Delevingne. 

Em uma época parecida com a Inglaterra Vitoriana, e com elementos de um universo steampunk, a história nos traz o drama da cidade de Burgue e sua série de assassinatos não resolvidos, além da tensão entre seus habitantes humanos e os estrangeiros, que nesse caso, são as fadas, os faunos e os seres míticos, que são completamente impedidos de viver livremente e que, na maioria dos casos, desempenham papéis de criados ou algum outro tipo de trabalho inferior.

Vignette (Cara Delevigne) é uma fada com um passado de guerra triste e que acabou de deixar seu país. Em Burgue, ela acaba reencontrando Philo (Orlando Bloom), o antigo amor que ela acreditou por sete anos que estava morto e que agora é um detetive respeitado que investiga a série de assassinatos horrendos  da cidade.

Fora o plot principal, temos outros núcleos que se desenrolam em arcos isolados, são o Chanceller Absalom e de sua calculista e fria mulher, Piety, e os irmãos Imogen e Ezra, com seu novo vizinho, o fauno Agreus; e este último aqui, retrata bem a intolerância e o preconceito com os seres míticos. 
Durante os episódios, temos uma pequena volta ao passado, para conhecermos os horrores da guerra com o Pacto e o começo da relação de Philo e Vignette, o que dá uma nova luz aos acontecimentos.

Carnival Row foi a melhor surpresa em termos de series esse ano, lançada pela Amazon Prime um serviço de Streaming menos conhecido aqui no Brasil, onde a queridinha do povo é a Netflix, surpreende pela qualidade mostrada.

A serie possui uma maquiagem, fotografia e montagem de cenários maravilhosa, extremamente enriquecedora aos olhos de amantes do gênero de fantasia. A preocupação da direção foi de realmente criar um mundo novo e fazer questão da imersão por parte do espectador. 

A série sem ser baseada em livros, permite que a criatividades flua sem dever nada ao autor ou ao leitor, que sempre monta durante a leitura seu mundo imaginário. E assim, livre dessas amarras, cada cômodo, personagem, nuance apresentada pela série, encanta. Encantam os sotaques, as paisagens, as singularidades das espécies apresentadas, o físico delas, a anatomia, bem como toda a parte psicológica, suas ambições, preconceitos e singularidades.

Carnival Row traz ainda um fator político muito forte, a diferença de etnias e a migração desses povos fugidos de uma guerra, trazem a tona rixas e preconceitos ambientados na fantasia que espelham a realidade atual geopolítica que vivemos.

Um dos maiores trunfos dessa série, com certeza foi o grande leque de criaturas míticas que ela nos traz. Séries de fantasia são quase raras hoje em dia, e se deparar com uma produção com trolls, fadas, centauros, faunos, bruxas, leva ao êxtase qualquer amante de fantasia. 

Com uma narrativa que se desenvolve aos poucos, Carnival Row, além de entretenimento, segue também com metáforas sociais abordando a relação frágil e desigual entre os humanos e as criaturas mitológicas.

A primeira temporada foi regida com primor, como quem rege uma orquestra aonde cada personagem ressoa como uma nota afinada, a musica, alias, é parte presente e intocável dessa série espetacular.

Confira o Trailer:



Compartilhe!

5 comentários :

  1. Lud!
    A série é baseada no livro Carnival?
    Achei bem interessante e vou ver se encontro para poder acompanhar, fantástico.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa série não é baseada no livro, mas é fantástica!!!

      Excluir
  2. Olá! Curto muito fantasia de qualquer tipo, essa série parece ser maravilhosa, essa sua crítica me deixou ainda mais curiosa em conferi isso tudo que foi dito aqui. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Ahhhh, eu amei. Apesar no início ter ficado impaciente com a indecisão dele sobre quem ele queria. Depois que me chamaram atenção para o fato de que era menos "com quem ele queria ficar" e mais sobre "quem ele era e o que ele queria ser", só que usando o romance para ilustrar essas possibilidades.
    O visual da série é uma maravilha também. Quero continuação logo!!

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Sempre que entro na Amazon prime, vejo essa serie e sempre me chama atenção. Não tinha conhecimento e também não procurei saber dele.Ao ler a resenha fiquei bem curiosa pela trama, bem o estilo que gosto. Irei tirar um tempinho para assistir.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei