03 janeiro 2020

[Resenha] Um Amor Conveniente - Girl Meets Duke # 2 - Tessa Dare



Depois de perder o seu sustento, Alexandra Mountbatten assume uma tarefa impossível: transformar duas órfãs rebeldes em damas da sociedade. Alex, porém, logo percebe que não é de disciplina que as crianças precisam, e sim de um lar repleto de amor. Mas como irá convencer o guardião delas, Chase Reynaud, disso? Chase é herdeiro do duque e um verdadeiro cretino quando se trata de assuntos do coração. Várias damas de Londres tentaram mudá-lo, mas falharam na missão.
Como qualquer libertino que se preze, Chase vive de acordo com uma regra: não se apaixonar. Quando uma jovem obstinada tenta corrigir o seu comportamento, o futuro duque decide provar-lhe que não pode ser domado. Contudo, Alex é inteligente, perspicaz e apaixonante, excedendo as expetativas de Chase. Além disso, ela recusa-se a vê-lo como uma causa perdida, sentindo que deve alcançar o seu coração para ajudar as duas órfãs. Mas conseguirá ela proteger seu próprio coração?


  Livro:  Um Amor Conveniente   ||  Série: Girl Meets Duke # 2
Autor: Tessa Dare || Ano: 2019 
Editora: Gutemberg|| Gênero: Romance de época/Ficção
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Luci



Desde que li Um Casamento Conveniente eu venho esperando pelas histórias dos outros personagens, pois já antevia romances maravilhosos. E em Um Amor Conveniente não me decepcionei.

Nele vamos conhecer Alexandra Mountbatten, uma mocinha que teve uma criação não muito convencional, na proa de um navio. Inteligente, espirituosa, mas sem dote ou posição social, ela se dedica a consertar relógios, fazendo uma poupança dessa sua atividade, para se dedicar à sua verdadeira paixão, a astronomia. 

Há meses, Alex também acalenta outro sonho: encontrar o estranho com sorriso sedutor, com quem esbarrou na biblioteca, despertando nela sonhos românticos. Mas, de todos os cenários possíveis que sua imaginação criou, ela jamais imaginou encontrá-lo ao oferecer seus serviços de relojoeira, e muito menos vê-lo se dedicando a construir um antro de libertinagem na própria residência dele.

Chase Reynaud não esperava ser herdeiro do ducado de Belvoir. Estava muito bem vivendo sua vida de libertino, sem compromisso. Mas a herança caiu em seu colo junto com a responsabilidade de criar duas meninas, com comportamento um tanto mórbidos e que se recusam a ser educadas, aterrorizando todas as governantas que ele contrata. Mas ele nem podia imaginar que a governanta perfeita bateria em sua porta, justamente quando ele está arduamente trabalhando em sua sala particular para praticar sua libertinagem.

Ao finalmente encontrar Chase, claramente um libertino (era só ver o quarto que ele estava construindo para receber mulheres), todas as fantasias de Alex caem por terra. E quanto à sua proposta de aceitar ser governanta de suas pupilas? Jamais! A não ser, claro, que ela perca todo seu material de trabalho e precise desesperadamente de dinheiro. O que justamente acontece. Agora, ela tem uma nova missão: tentar educar duas mocinhas muito reticentes enquanto tenta resistir à atração que seu patrão exerce sobre ela.

Quanto à Chase, como se dedicar a uma vida de devassidão, quando a governanta das crianças a quem ele deve cuidar ocupa todos os seus pensamentos e desejos? Principalmente quando esses desejos evoluem para sentimentos que podem ter o poder de abalar todas as suas resoluções...


Mais um livro de Tessa Dare que os fãs de romance de época farão questão de ter na estante.

Como marca registrada da autora em seus livros, os personagens centrais são maravilhosos, que conquistam completamente o leitor: uma mocinha determinada a atingir seus objetivos e que trabalha por isso. Com uma personalidade determinada e ao mesmo tempo sonhadora, Alex é uma daquelas personagens que entra fácil na lista de personagens queridas em uma série. Quanto à Chase, ele faz o melhor tipo de libertino que amamos encontrar nos livros. Super espirituoso e engraçado, ao longo da trama vemos mais profundamente desse orgulhoso sedutor. Alex e Chase têm uma química perfeita, a autora soube dosar bem o romance dos dois, com elementos que particularmente amo ler, como boas pitadas de humor, amor e paixão.

Sobre os personagens secundários, obviamente o destaque fica com Rosamund e Darcy, as duas garotinhas sob a tutela de Chase. Com certeza, as duas figuras deram a vida necessária à trama, foi impossível não rir com as peripécias das duas ao interagir com o tutor e com Alex. 

– Sr. Reynaud, por gentileza, diga algumas palavras.
Chase olhou para cima. Que Deus o ajudasse.
– Pai Todo-Poderoso – ele começou num tom desanimado –, entregamos à sua guarda a alma de Millicent. Cinzas às cinzas. Pó ao pó. Ela era uma boneca de poucas palavras e ainda menos movimentos autônomos, mas ainda assim será lembrada pelo sorriso constante, que alguns até diriam que é pintado, em seu rosto. Pela graça de Nosso Redentor, sabemos que ela ressuscitará, quem sabe até antes do almoço. – Baixinho, ele acrescentou: – Infelizmente.

Sobre a narrativa, esta é leve e divertida, assim como os diálogos, que destacam bem a personalidade dos personagens. A história transcorre de forma bem dinâmica, a autora amarra todos os pontos, e, no final, terminamos a leitura com aquela feliz sensação que temos quando lemos um romance que nos tocou e que teve o poder de interagir com o leitor.

Se não conhecem Tessa Dare, sugiro que remedeiem isso. Ela é sempre uma aposta de uma leitura leve, engraçada e cheia de romance.

Compartilhe!

2 comentários :

  1. Olá! Doida pra começar a ler essa nova série da Tessa Dare, curto muito romance de época e essa autora é uma das minhas favoritas nesse gênero, cada resenha que vejo dos livros me deixa ainda mais ansiosa em conferi logo essas histórias. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Lucilene!
    Gostei muito de um engano, fazer com que surja um romance e que ela ainda consiga educar as crianaças e o próprio libertino.
    Deve ser um romance com drama e hilário.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei