21 novembro 2019

[Resenha] Teto para Dois - Beth O'Leary

Eles dividem um apartamento com uma cama só. Ele dorme de dia, ela, à noite. Os dois nunca se encontraram, mas estão prestes a descobrir que, para se sentir em casa, às vezes é preciso jogar as regras pela janela.
Três meses após o término do seu relacionamento, Tiffy finalmente sai do apartamento do ex-namorado. Agora ela precisa para ontem de um lugar barato para morar. Contrariando os amigos, ela topa um acordo bastante inusitado.
Leon está enrolado com questões financeiras e tem uma ideia pouco convencional para arranjar dinheiro rápido: sublocar seu apartamento, onde fica apenas no período da manhã e da tarde nos dias úteis, já que passa os finais de semana com a namorada e trabalha como enfermeiro no turno da noite. Só que tem um detalhe importante: o lugar tem apenas uma cama.
Sem nunca terem se encontrado pessoalmente, Leon e Tiffy fecham um contrato de seis meses e passam a resolver as trivialidades do dia a dia por Post-its espalhados pela casa. Mas será que essa solução aparentemente perfeita resiste a um ex-namorado obsessivo, uma namorada ciumenta, um irmão encrencado, dois empregos exigentes e alguns amigos superprotetores?

Livro:   Teto para Dois || Autor: Beth O'Leary
Editora: Intrínseca||Ano: 2019 || Tradução: Sonia Branco
Gênero: Romance, SickLit
 Classificação:  5 estrelas || Resenhista: Daiana e Lud

Tiffy terminou seu relacionamento com Justin e precisa desesperadamente de um lugar pra ficar. Leon precisa de uma grana extra para pagar o advogado do seu irmão. Porque então, Leon não aluga seu espaço para Tiffy? Dividir o apartamento - e a cama - em troca de algumas libras por mês, não pode ser tão ruim.

O trabalho noturno do Leon, permite que das seis da tarde até as oito da manhã, o apartamento seja todo da Tiffy, que trabalha das nove as cinco. O que também garante o melhor e mais estranho arranjo de tudo isso: eles nunca irão se encontrar. Para garantir esse zero contato, toda a intermediação entre os dois é feito pela Kay, a namorada do Leon, então, Tiffy se muda sem nem mesmo conhecer o seu colega de  apartamento.

Tudo parece perfeito, e nada mesmo podia ser tão ruim, a não ser a quantidade enorme de coisas por toda a casa, além dos objetos estranhos redecorando o ambiente. Mas, Leon pensa nas trezentas e cinquenta libras e decide que em algum momento nem vai mais se importar.

Mas, de repente, eles começam a ter dúvidas sobre algumas coisas, e passam a deixar post-its espalhados pela casa toda, que acabam se tornando uma correspondência diária e fofa entre eles. (Bem parecido com o cenário de uma mente brilhante.)

“— A gente tem que sair para comprar um presente! — grito quando ele sai do quarto.
— Já dei a saúde de presente para ela! — berra ele de volta.
— Isso não serve. Tem que ser alguma coisa que dê para colocar numa caixa!”

Conforme a relação entre os dois vai progredindo em uma amizade, a vida da Tiffy também começa a se modificar, agora que ela está longe do Justin, ela começa a se lembrar das situações de um jeito diferente, e se dá conta de como muitas coisas estavam realmente erradas. Do quanto sua relação como o Justin não era cor-de-rosa como ela havia pintado. Tiffy gradativamente vai percebendo o quanto seu relacionamento não era saudável. E com a ajuda de seu amigo Mo, a Tiffy começa a se descobrir novamente, e se encontrar como pessoa.



Os capítulos são intercalados sob os pontos de vista da Tiffy e do Leon, porém, os do Leon possuem um pequeno detalhe: os diálogos, não possuem travessão, são tipo uma conversa de whatsapp do Leon. Achei legal isso da autora, dela escrever os capítulos do Leon, bem de acordo com a personalidade e espírito do personagem.

A Tiffy é uma mulher de roupas coloridas, tagarela e impulsiva, que está em um momento muito delicado da vida. Apesar da sua personalidade cativante, ela vem lutando com as sequelas de um relacionamento tóxico, lutando para entender porque se comportava de algumas formas, e começa a aprender que ela não era o problema, e sim, ele. O ex-namorado usava algumas formas de manipulação com ela, um fenômeno que os psicólogos chamam de Gaslighting, que significa “fazer o outro enlouquecer”.

 Leon é aquele cara que fala pouco, introvertido e que não é mesmo fã de muita interação social; ele é tipo, uma versão masculina minha :D (Daiana). A relação dele com a Kay, era simplesmente horrível, e outro exemplo de relacionamento tóxico, eu só queria chacoalhar ele, e falar : cai fora, cara.

Os dois são indiscutivelmente, fofos juntos ou separados. Eu ri alto em diversos momentos com a troca de bilhetes e seus diálogos cheios de referências - de Harry Porter à Gossip Girl. 

“Leon põe a cabeça para dentro do quarto.
— Chá?
— Você que fez?
— Não, pedi para o elfo doméstico.”

Essa leitura foi um pouco mais intimista para mim, pelo fato de já ter vivido esse tipo de relacionamento e passado por coisas bem parecidas como as que Tiffy passou. Foi uma leitura que me fez remexer em minhas próprias memórias ruins e confrontá-las um pouco mais, só que dessa vez, eu não estava sozinha. Eu me sentia indo a terapia com a Tiffy e fazendo os mesmos questionamentos para a terapeuta. Suas dúvidas e medos eram os meus. E eu queria exatamente o mesmo que ela. E, apesar de nunca ter procurado por esse tipo de ajuda, esse livro me fez valorizar mais essa ideia,  porque é evidente, que esse tipo de acompanhamento, em situações onde houve qualquer nível de trauma, é realmente essencial.

A autora também nos mostra a importância de amigos verdadeiros e acolhedores, desses que ficam do nosso lado - mesmo quando você tem medo de ficar muito perto - e que não desistem de você - nem mesmo nos seus piores dias.

“Quando repetimos uma verdade vezes o bastante, quando nos esforçamos o suficiente, um dia funciona.”

Ao final da leitura, eu estava surpreendida com esse livro. Eu esperava me divertir com um romance fofo, mas  recebi muito mais do que isso. Recebi um tapa na cara, e uma noção diferente da que tinha sobre o que é um relacionamento abusivo.

O que me chocou, na verdade, foi a personagem principal; eu não entendia como ela podia estar ainda disposta a voltar com o ex, e a autora de uma forma que não sei nem como explicar, te mostra a realidade da vítima, a forma como ela pensa e sente, em como na maioria das vezes, elas são manipuladas e não conseguem entender como aquilo é errado é doentio. E tudo isso é escrito de forma calma, tranquila, mas que te toca mais do que se fosse contado de forma mais agressiva ou dramática. Eu adorei a maneira como a Beth traz a tona as lembranças da Tiffy no decorrer dos meses, de como ela vai aprendendo com as memórias e finalmente se soltando das amarras do ex. E, o ponto forte, definitivamente, é o fato de que um dos seus melhores amigos é um psicólogo; o jeito que o Mo ajuda a Tiffy a se conhecer e se reconstruir, é como todos os profissionais deveriam ser.

“— Eu... me lembro de ser muito feliz com ele. Além de ser, tipo, infeliz pra cacete.”

Eu só queria escrever esse resenha de uma forma que as pessoas se encantassem e lessem esse livro. Porque ele aborda esse assunto tão importante e ainda tão menosprezado - infelizmente - pelas pessoas. A escrita da Beth é tão sincera, suave, e ela aborda tudo de uma forma tão verdadeira, mas sem trazer aqueles dramas intensos, e então você acaba o livro de forma tranquila, mas com um intenso aprendizado. 

“(...) e, para minha completa alegria, há uma fornalha enorme nos fundos. Eu me agarro à fornalha como uma fã que encontrou um antigo membro do One Direction em uma boate e não planeja ir embora sem ele.
—Eu deveria ficar com ciúme?—pergunta Leon atrás de mim (...)—Se sua temperatura corporal for mais alta que a desta fornalha, sou toda sua—digo a ele, virando-me”

Foi o nosso primeiro contato com essa autora e, nós já queremos ler absolutamente tudo dela.
Um Teto para Dois é um Sick-lit muito gostoso de ler, mas, ele também tem muito a nos ensinar, principalmente sobre as coisas extraordinárias que podem acontecer apesar de todas as dores e períodos de crise.  É uma daquelas leituras que você ama, mas que recebe muito mais do que somente amor de volta.

Ps: Sick Lit é um gênero literário no qual temos historias que trazem personagens envoltos de doenças graves como depressão, transtornos alimentares, câncer, altismo, esquizofrenia, automutilação, entre outras. Ex: a culpa é das estrelas, as vantagens de ser invisível, os 13 porquês. 

Compartilhe!

5 comentários :

  1. Daiana!
    Tão bom quando uma leitura nos surpreende.
    Adoro comédias românticas, que livro grande, hein?
    Que esquisito viver na mesma casa e só se comunicar por post it..kkk
    Gosto de narrativas em primeira pessoa no presente.
    Tão bom um livro divertido.
    Pelo jeito foi bom demais mesmo, fiquei com vontade de ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Parece ser uma leitura gostosa e interessante tema esse que deveria ser abordado mais, pois as pessoas não percebem que o abuso esta acontecendo com elas. Fiquei curiosa com esse esquema de divisão do apartamento de não se verem pessoalmente achei diferente também, mas e nos finais de semana trabalham também. Confesso que não esperava que esse livro fosse tudo isso, preciso conferir.

    ResponderExcluir
  3. Vi bastante fotos desse livro no último mês mas nunca cheguei a ler uma resenha sobre ele.
    Achei inusitado a forma de divisão do apartamento, ele fica de dia e ela de noite, ps: e ainda por cima tem apenas uma cama. Mas o fato que achei incrível foi que eles nunca se encontraram e trocavam mensagens por post-its espalhados pelo apartamento.
    Com certeza esse livro vai para a minha lista de leituras.

    ResponderExcluir
  4. Olá! ♡ Eu adorei a sua resenha, foi a que mais me tocou sobre esse livro ♡
    Sinto que preciso fazer essa leitura o mais rápido possível, quanto mais descubro sobre esse livro mais me vejo fascinada por ele, a autora parece de fato ter feito um trabalho incrível ao trabalhar temas tão importantes como relações tóxicas e abusivas, pois de fato é um tema que precisa ser trabalhado sempre com muita responsabilidade.
    Estou bem animada para ver como será quando os protagonistas se verem frente a frente pela primeira vez ♡
    Parabéns pela resenha! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  5. Oiii ❤ Ahhh, esse é de longe um dos que mais quero ler no momento. Já fiquei animada para fazer essa leitura desde que a li a sinopse pela primeira vez.
    Apesar de a história ter uma premissa clichê, já que os personagens vão dividir o apartamento, a autora parece ter criado algo bem original.
    Adorei que os personagens se comunicam através de post-it e que o livro é narrado tanto pela Tiffy como pelo Leon, já que amo narrativas alternadas.
    Estou curiosa para saber como será a primeira vez que eles realmente se encontram.
    Gostei também que a autora aborda o relacionamento abusivo na obra.
    Espero fazer essa leitura em breve.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei