01 novembro 2019

[Resenha] Skyward - Joe Henderson, Lee Garbett e Antonio Fabela


Em direção ao céu! Um dia, a gravidade na Terra de repente se torna uma fração do que é agora. Vinte anos depois, a espécie humana se adaptou à sua nova realidade de baixa gravidade. E, para Willa Fowler, que nasceu pouco antes do Dia G, isso é ótimo. Afinal, quem não gostaria de planar pelo céu? Mas há perigos também, e não apenas o fato de que, com um passo incerto, você pode sair voando da face da Terra. Alguns perigos se escondem muito mais perto do que ela imagina…
O roteirista Joe Henderson (showrunner de Lúcifer da Netflix) e o artista Lee Garbett (Lúcifer, Loki:Agente de Asgard) apresentam a história da jornada de uma jovem para encontrar o seu lugar em um mundo de pernas para o ar.




Livro: Skyward || Autor: Joe Henderson 
Ilustrador: Lee Garbett ||Colorista: Antonio Fabela ||Editora: Devir
Ano: 2019 || Tradução: Guilherme Miranda|| Genero: HQ
 Classificação:  4 estrelas || Resenhista: Karina

Skyward é uma HQ recentemente lançada pela Editora Devir que facilmente chamaria sua atenção pela combinação de azul e roxo da capa com um garota de ponta cabeça, antes mesmo de abrir o quadrinho, o traço já chama atenção!

O plot também não deixa por menos, imaginem que de uma hora para outra o planeta como conhecemos perdesse quase toda a gravidade? Você está andado e de repente, começa a flutuar... seria incrível, né? Seria, se flutuar não nos colocassem em risco, a ponto de flutuarmos para fora do planeta, ficar perdido por aí vagando na melhor das hipóteses, não é lá muito divertido.

Os primeiros quadros começam numa família específica, onde Willa ainda é uma bebezinha, seus pais estão tomando café da manhã e BOOM some a gravidade, perdemos a mãe de Willa nos primeiros storybords, temos um salto temporal de 20 anos, onde vamos descobrir que o pai de Willa se tornou recluso e tem pânico de sair de casa e a garota se adaptou sozinha como pode durante esses anos.



Obviamente nem todo mundo consegue ver o lado bom de poder flutuar por aí, tem uma galera rica que paga fortunas por botas que as mantém presa no chão, tem o núcleo das pessoas próximas a Willa que são superficialmente apresentadas, uma vez que esse é apenas o volume 1, e tudo acontece num ritmo bem acelerado, sem grandes explicações.

Willa trabalha fazendo entrega e em uma das entregas é abordada por assaltantes de carga que aparentemente tem muito interesse na carga que ela transporta,  Willa é BEM explosiva rs e dona se si mesmo, dessas personagens que tomam a frente e saem resolvendo 2 problemas e se enfiando em mais 10.

Quando a entrega é feita, descobrimos que o carregamento eram caixinhas de leite (MAS PERA LÁ, porque leite é valioso?) Acho que vamos ter que esperar o próximo volume para descobrir rs.

Entre os ricaços, Willa descobre que tem um cara que era muito amigo do pai antes de acontecer o dia G(quando a gravidade sumiu) obviamente a garota vai atrás desse cara para pedir ajuda para convencer o pai a retomar a vida, Willa só não sabia que seria mais seguro deixar o pai bem longe do passado, afinal de contas, o pai dela não só previu o dia G como sabe como consertá-lo.

Durante as perseguições que ocorrem pelas tomadas de decisões impensadas de Willa, a garota é ajudada pelos amigos e vemos cenas divertidas de como é a maneira mais segura de reproduzir a raça humana, agora que a gravidade quase nem existe (pare por um minuto e imaginem coisas cotidianas que necessitam da força da gravidade para serem feitas), imaginem como seria uma chuva de verão/ tempestades daquelas bem fortes e essa cena ai embaixo talvez te dê alguma pista de como teríamos que nos adaptar.


As páginas acomodam os storyboards de maneiras sobrepostas, entrecortadas, encaixadas de uma maneira que combina com a história. Em alguns momentos, o traço parece que perde um pouco da definição, mas isso nem de longe é ruim, dá vontade de sair por ai emoldurando algumas páginas, tanto a ilustração quanto a coloração dão contam muito bem dos detalhes do roteiro, inclusive tem uma página dupla que retrata uma cena sem lá TANTA importância, mas que ainda sim, perdi uns bons minutos apreciando cada detalhe.

O cliffhanger para o próximo volume não poderia nos deixar mais ansioso, talvez a perda da gravidade não seja irreversível, será que voltar ao que conhecíamos antigamente é perigoso? Quem tem reais interesse por traz disso? Exatamente como Willa, descobrimos que o pai dela tem um plano e não sabemos no que se baseia esse plano... alguém acelera ai a publicação do segundo volume, por favor ?  

Essa série já tem no currículo indicações ao Eisner (o oscar dos quadrinhos) na categoria de Melhor Nova Série. O quadrinho pode ser encontrado com duas capas, essa aí de cima e uma capa exclusiva para quem comprar direto da Amazon.

Compartilhe!

3 comentários :

  1. Karina!
    Realmente o plot da HQ é bem interessante, ainda mais por ser uma ficção carregada de mistérios a serem desvendados nos próximos exemplares.
    Vou acompanhar as próximas resenhas, caso leia os próximos volumes.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. A história parece ser bem interessante, fiquei com várias perguntas. Por que a gravidade de repente some? Por que o leite é tão importante, já quase foi roubado?
    Mas devo admitir que não gosto de HQ.

    ResponderExcluir
  3. Nossa já tem indicações a prêmio, deve ser muito boa, fiquei curiosa com essa HQ achei interessante o que acontece com o planeta sem gravidade, fiquei pensando se acontecesse na realidade seria um verdadeiro caos, eu acho. Deve ser uma leitura instigante, para saber como vão resolver esse problema e saber o que o pai da protagonista esta escondendo, já que sabe como resolver isso.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei