29 novembro 2019

[Resenha] Guia Para Assassinos sobre Amor e Traição - Virginia Boecker


Na Inglaterra do século XVII, praticar a fé católica era um pecado mortal. E, por essa razão, Sir Richard Arundell foi considerado traidor e assassinado a mando da rainha Elizabeth I. Por isso, Lady Katherine ‒ a filha do acusado ‒ precisou fugir da Cornualha. Sem família e com os bens confiscados, ela foi para Londres à procura dos antigos aliados de seu pai... e de vingança. Assim, a jovem se vê envolvida em um plano para assassinar a rainha.
Mas, para que a artimanha funcione, Katherine precisa virar Kit Alban e fazer com que todos acreditem que ela é um garoto. E, o mais importante, deverá entrar para o elenco da peça Noite de reis. Dirigida pelo famoso William Shakespeare, a peça estreará exclusivamente para Sua Majestade, a rainha. O que Kit não sabe é que a montagem não passa de uma armadilha articulada por Toby Ellis, um jovem e astuto espião que trabalha para a Coroa, com a intenção de prender conspiradores.
Kit e Toby irão dividir não apenas o palco, mas também uma atração inexplicável um pelo outro. No entanto, essa relação poderá pôr em risco seus disfarces. Quando os verdadeiros papéis que interpretam forem revelados, eles saberão manter-se fiéis aos próprios planos ou o amor falará mais alto?


Livro:   Guia Para Assassinos sobre Amor e Traição||  Autor: Virginia Boecker
Editora: Plataforma 21||Ano: 2019 || Gênero:  Fantasia, YA
 Classificação:  5 estrelas || Resenhista: Daiana
Inglaterra, 1601. Todos haviam sido forçados a fazer um juramento afirmando sua lealdade a nova rainha Elizabeth, à sua autoridade e sua religião. Qualquer família que se recusasse comparecer aos ritos protestantes é suspeita. Qualquer família que celebre missas católicas, ou ainda mantenha seus costumes, é culpada de traição. Mas existem aqueles que discordam de suas leis, e, é esta parte da Inglaterra que mantem escondido um sentimento de raiva pela rainha.

Katarine viu seu pai ser assassinado pelas mãos dos homens de Elizabeth Regina. Sozinha, ela decide terminar o que seu pai começou, viajando para Londres para se encontrar com mais sete homens forçados a renunciar à sua religião, e que agora, planejam derrubar a Rainha e restaurar o catolicismo na Inglaterra.

Tobias é um aspirante a escritor, mas seu título oficial é espião da rainha. Sua atual missão: evitar que sua soberana seja morta em um golpe político e religioso, onde possivelmente, a Inglaterra se tornará um estado fantoche da Espanha. Há meses, Tobias vem interceptando cartas cifradas/criptografadas trocadas entre famílias católicas dentro da Inglaterra, com o objetivo de descobrir o quanto antes, os nomes dos possíveis traidores.

E é aí, que Tobias tem a ideia de reescrever uma peça atual de Shakespeare, contando sobre a Noite de Reis, e incluindo personagens com nomes de santos para atrair o grupo católico que ele acredita estar envolvido na trama contra a rainha.

No teatro Globo, Tobias e o famoso dramaturgo William Shakespeare, trabalharão juntos nessa peça, e entre muitas farpas darão início ao plano, contratando novos atores e criando um ambiente propício para Tobias identificar os conspiradores.
A única exigência da Rainha, foi a de que o próprio Tobias interpretasse o papel principal na peça, pois ela queria, em suas próprias palavras, vê-lo se apaixonar.

Katherine, que encontrou o círculo com o qual seu pai se comunicava há meses, pede para ter um papel no plano contra a rainha, então, Catesby - aparentemente o cabeça de toda operação - pede que ela seja os olhos e ouvidos do grupo pela Londres. 

Para Katherine, uma mulher não poderia escutar fofocas em lugares respeitáveis, então, ela decide cortar o cabelo e se disfarçar como um garoto, assumindo o nome de Kit Alban.
Katherine adorou viver a vida como um garoto, segundo ela, era como ter um removido dos olhos um véu que ela nem sabia que existia.

Katherine ouve falar sobre a nova peça, Noite de Reis de Shakespeare, e tanto ela, quanto  Catesby, ver nisso a oportunidade perfeita para assassinar a rainha. 
O elenco do teatro conta com garotos que também interpretam papeis femininos, e é ai q fica uma bagunça haha, pois Katherine faz o teste como o garoto Kit para conseguir um papel na peça, e descobre que interpretará a protagonista, Viola, que na trama, é uma garota disfarçada de garoto, assim como ela. Ou seja, uma garota vestida de garoto que na peça se vestirá de garota só para depois se vestir de garoto de novo. Ufa! Que confusão não é mesmo?


Guia para assassinos é um romance de época, que envolve intrigas, conflitos religiosos e jogos políticos, e, que traz também um protagonista bissexual - numa época em que estar com outro homem era ilegal e um crime punido com a força - assim como vários outros pontos que também abordam muitas  questões de gênero. 

A história é narrada em primeira pessoa, intercalando capítulos de Katherine/kit e Tobias, mas sem quebrar o ritmo da narrativa. Os diálogos, os personagens, são muito bem construídos, e até os personagens secundários são interessantes.

O romance não é o foco, mas foi muito bem conduzido durante a trama e explorado na medida certa. Afinal, há muito química tanto entre Toby e Kit quanto entre Toby e Katherine, e o envolvimento dos dois, apesar de contido, é muito fofo. 

A cada página você vai se envolvendo com os rumos das artimanhas pessoais dos protagonistas, e tudo isso com um toque fora da nossa época que deu todo o charme ao livro.

E, mesmo que as intrigas e os jogos políticos não sejam nada inovadores, é impossível não gostar da história, pois o desenvolvimento é agradável, e não enfadonho, como devemos supor que seria algo com um conceito e atmosfera totalmente histórica

Embora Guia para Assassinos, seja uma ficção, ele nos traz alguns personagens, cenários e acontecimentos não fictícios, como Shakespeare, George Corey, alguns ministros da rainha Elizabeth e outros que fizeram parte da Conspiração da Pólvora em 1605.  Também não é fictícia, a rebelião de Essex, o teatro Rose, o teatro globo e a peça Noite de Reis. E isso, para os amantes de história, é toda a cereja do bolo. 

Mesmo com um final excelente, eu terminei o livro com aquela sensação de que poderia haver mais. De que tantas outras portas, poderiam ser abertas. A gente, às vezes, reclama tanto de séries extensas, e quando se depara com uma narrativa como esta, deseja que ela dure por alguns anos mais.

Por fim, como é mencionado na própria nota da autora, ocultação, disfarce, gênero e identidade pessoal são características marcantes da peça Noite de Reis que se refletem em Guia para Assassinos, uma ideia que surgiu do desejo de Virginia Boecker querer combinar uma boa história a seu interesse pessoal pelo período.  Diante de tudo isso, devo dizer a vocês, que ao fim deste livro - um clichê talvez - eu aplaudi de pé o seu espetáculo. 

“Tudo começa com uma ideia. Ideias são infalíveis, são indestrutíveis; a única coisa mais forte que um exército de homens é uma ideia cuja hora chegou”

Compartilhe!

5 comentários :

  1. Daiana!
    Acredito que a autora deve ter feito uma pesquisa aprofundada sobre a época para tornar as personagens e a própria história mais crível.
    Sem dúvida parece um daqueles livros interessantes que nos prendem do início ao final.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Gosto dessas histórias com intrigas, desconfianças e tudo mais, apesar de passar muita raiva rs. Deve ter ficado divertido e um pouco confuso essa história de se disfarçar de homem e vice versa. Gostei que pelo menos tem um romance, pra mim não precisa ser o foco, mas desde que tenha nem que seja de leve já me agrada, a leitura parece que envolve o leitor.

    ResponderExcluir
  3. Adoro romances de época, mas nunca cheguei a ler um livro desse gênero cheio de intrigas e conspirações politicas da época.
    Gostei do fato da autora misturar ao mesmo tempo a sua narrativa ficcional com fatos que aconteceram de verdade.
    Espero tem a oportunidade de ler esse livro em breve.

    ResponderExcluir
  4. Olá! ♡ É a primeira vez que vejo falar sobre esse livro e já gostei demais de sua premissa!
    Gosto de ficções que contam com doses de fatos históricos, sou uma amante de História então não posso deixar de ficar super feliz quando me deparo com um livro nesse estilo!
    A trama parece muito bem desenvolvida, de maneira que cativa o leitor com facilidade ao nos vermos envolvidos na trama, em meio às intrigas e artimanhas dos protagonistas!
    Obrigada pela indicação, esse livro vai direto para minha lista de desejados!
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  5. Oiii ❤ Esse livro parece incrível! Gostei que a obra tem a ver com fatos históricos, apesar de ser fictícia, isso é o que mais me faz querer ler esse livro.
    Bom saber que mesmo o romance não sendo o foco da trama, ele é bem construído.
    Gostei que é um livro cheio de intrigas e que traz um personagem com uma orientação sexual que era proibida na época.
    Estou curiosa sobre esse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei