03 outubro 2019

[Resenha] Sessão da meia Noite com Rayne e Delilah

Uma história contemporânea divertida e emocionante sobre amizade, filmes de terror trash e amadurecimento.
Toda sexta-feira, as melhores amigas Josie e Delia se transformam em Rayne Ravenscroft e Delilah Darkwood, apresentadoras de um programa de terror exibido em um canal da TV local. Com o final do ensino médio se aproximando, Josie precisa decidir se vai mudar de cidade para estudar em uma universidade grande e ir atrás de seu sonho de seguir carreira na televisão — mas isso significaria ficar longe de sua melhor amiga… Enquanto isso, Delia sonha que seu pai, um fã de filmes de terror que abandonou a família anos atrás, assista ao programa delas na TV e retome o contato.
Em um fim de semana, as duas resolvem fazer uma viagem para a Flórida, onde vai acontecer a ShiverCon, a maior convenção do universo do terror e o lugar perfeito para conseguir um contrato com uma grande emissora. Mas pode ser que um jovem lutador de MMA, um produtor de televisão excêntrico e um basset hound idoso acabem transformando a vida dessas melhores amigas de uma maneira inesperada.


Livro: O Sessão da meia-noite com Ryne e Delilah || Autor: Jeff Zenter
Editora: Seguinte||Ano: 2019 || Tradução: Guilherme Miranda
Gênero: Young Adult
 Classificação:  5 estrelas || Resenhista: Karina

Jeff Zentner faz milagre com qualquer história comum, eu digo qualquer história comum porque o plot desse livro nada mais é, que duas adolescentes no último ano do colégio, em famílias comuns com escolhas a fazer; e cada escolha pode levar a um caminho diferente. E mesmo sem nada de inovador, você se apega a todos os personagens. Acompanhar duas adolescentes num programa de filmes de terror trash que vai ao ar aos sábados a noite, vai mexer com as suas emoções sem que você perceba.
Mire na lua porque, mesmo se você errar, vai ficar vagando pelo vácuo sombrio e gelado, ode vai morrer sozinho e ninguém vai ver o seu fracasso

Delia, que apresenta o programa com o nome de Delilah vive com a mãe num trailer, sua mãe é gerente da Target e o pai foi embora sem maiores explicações há mais de 10 anos, o amor pelos filmes de terror vem de todas as lembranças do pai que Delia tenta manter a qualquer custo.

"Não é incrível que a gente viva numa época em que temos acesso á arte ruim? -  Como assim ?-  Tipo, você nunca viu um quadro horroroso da Renascença. Nem todos os artistas do Renascentismo eram o Michelangelo, certo ? - Ah, verdade.- Devem ter existido alguns pintores renascentistas que eram verdadeiros desastres. E cadê as pinturas deles?"

Enquanto isso, Josie que se apresenta como Rayne, mora com os pais e tem uma irmã, desde que se entende por gente quis trabalhar com TV e encontrou na fixação da melhor amiga com filmes de terror, uma oportunidade de fazer o sonho de ambas acontecer, mas seus pais querem, obviamente, que a filha alce voos mais altos, e aquela velha cobrança de construir uma carreira mais sólida é bem presente na vida de Josie, mas ir morar em outra cidade, aceitar um estagio num canal de comida e além de tudo isso, deixar a melhor amiga para trás não parece nada promissor.

Conhecemos as duas e as pessoas que as rodeiam através de cenas com toneladas de referências a cultura pop, conversas aleatórias e muito, mas muito sarcasmo mesmo, qualquer um consegue se identificar na relação de amizade das duas por mais absurdas que sejam algumas situações.

Delia faz o programa na intenção que acidentalmente, o pai a veja e reapareça para que ela possa finalmente entender o porque foi abandonada. Então, ela contrata um investigador e descobre que o pai está morando na Flórida, o investigador lhe da um endereço de e-mail e é ai que meu coração começou a ficar apertadinho, apesar de eu, Karina, ter  um pai maravilhoso e memorias incríveis da minha vida com ele, a cada vez que Delia falava sobre a falta que o pai fazia, meu coração dava uma rachada, Jeff apresenta aqui uma baita lição de  empatia. Além da situação com o pai, Delia tem que estar sempre alerta porque a mãe luta há anos contra a depressão. E aqui vemos novamente, como Jeff trata assuntos delicados de uma maneira muito responsável.

"Mas vou prometer uma coisa: um dia vou aparecer na sua vida e fazer você me encarar nos olhos e explicar porque você foi embora.Você me deve pelo menos isso. Sua filha. Delia, deleto. Choro."

É quando o câmera do programa delas entrega para Delia um convite para uma conferência de terror na Flórida que ela decide que ambas devem ir para lá encontrar um produtor famoso que vai ajudá-las a fazer o programa crescer e quem sabe confrontar  o pai.

Enquanto Josie lida com  a cobrança dos pais, uma nova paixão (que aliás me rendeu muitos sorrisinhos bobos) e a nova vida na faculdade; Delia vai se descobrir além de entender que, às vezes, as memórias que pintamos são especiais só porque a criamos assim e da maneira que criamos uma, podemos criar outras.


Que as garotas vão até a tal convenção não é nenhum spoiler, mas o que acontece lá e quem as acompanha nessa viagem, vou deixar para que vocês descubram sozinhos, apenas indico que anotem todas as referências musicais e filmográficas porque você vai terminar essa história querendo ser amiga das duas.

"[...] seria muito fácil pensar que  dá para se proteger de se magoar simplesmente não amando ninguém. Meio como dá pra evitar ser atropelado por um ônibus se você nunca sair de casa. Mas isso não é jeito de viver. É melhor amar as pessoas e se magoar. Ninguém diz no leito de morte que gostaria de ter amado menos gente."

Mire na lua porque, mesmo se você errar, vai pousar entre as estrelas.


Então, basicamente o que resultou nas 5 estrelas dessa minha leitura é cada traço de personalidade das duas personagens principais, cada história familiar que serve de pano de fundo pros traumas vividos e desenvolvidos. Já nas primeiras páginas onde observamos as garotas escolher o filme do próximo programa de tv, já compramos a ideia de uma amizade verdadeira, de uma parceria dessas que são bem raras. As garotas se completam na mesma proporção do quanto são opostas.

Definitivamente, se me perguntarem sobre o que é o livro, eu vou dizer que é sobre a amizade de duas garotas, mas os eventos da vida das duas ganham um toque todo Jeff Zentner (para quem já leu as outras obras publicadas do autor aqui no Brasil "Dias de despedidas" e "Juntos somos eternos") vai entender o que eu estou dizendo, inclusive um paragrafo em todo o livro vai fazer você querer chorar, se você já leu "Dias de despedidas"; 

"Mas é bom que as coisas acabem.Isso obriga você a ama-las furiosamente enquanto as tem."

Li 90 %  do livro achando a história legal, mas nos últimos 10%, o aperto no coração virou lágrimas e mesmo sem qualquer plottwist e inovação, os diálogos trocados vão seguir comigo por muito tempo. Quem ler, por favor, vem me dizer qual foi a sua reação quando a Delia/Delilah estava tentando gravar o primeiro programa sem a Josie/Rayne.


Compartilhe!

10 comentários :

  1. Oi! Que bom que você gostou tanto da trama, eu recebi a ARC mas não fui muito a frente, não tava conseguindo gostar muito, acho que tem a ver com a formatação também e as primeiras cenas ainda não me fizeram simpatizar tanto com os personagens, mas agora pretendo dar uma nova chance devido a sua resenha. Tomara que eu consiga terminar de ler!
    Beijo
    Estou fazendo minha coleta de dados para o meu TCC. Então convido você a responder mais uma pesquisa (é a última, prometo)
    Pode enviar para o pai, irmão, amigos, TODO MUNDO PODE RESPONDER! Quanto mais melhor, please.
    Responder o formulário
    Capítulo Treze
    INSCREVA-SE NO CANAL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenta pegar o livro num momento mais relex, a historia parece mesmo que nao vai te levar a lugar nenhuma, mas de repente vc vai ver que estará torcendo e brigando com e pelas personagens !

      Excluir
  2. Não li nenhum livro do autor ainda. Parece ser um livro que mexe muito com as emoções do leitor, é triste esse problema com o pai da Delia, ela deve sentir muita falta dele e ainda mais não saber o que aconteceu com ele. A Rayne passa por um problema com os pais que muitos passam na realidade, os pais querem que os filhos façam a sua vontade e não a deles. Os temas são bem reais estão a nossa volta. Deve ser gostoso poder acompanhar a amizade das duas e fiquei na curiosidade de Delia encontrará o pai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que você goste tanto quanto eu , dos 3 que li curti todos o Jeff escreve personagens muitooooo gente como a gente !

      Excluir
  3. Olá! É a primeira vez que estou vendo falar desse livro, parece super interessante, agora fiquei bastante curiosa em conferi tudo que foi dito nessa sua resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi aproveita porque o livro é super lançamento !!!! Bjos.

      Excluir
  4. Karina!
    Não conheço a escrita do autor, mas se falou que ele transforma personagens comuns em elite e um enredo que poderia ser banal e comum em algo excepcional, deve ser bem interessante a leitura, e se fala de amizade, melhor.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Olá! ♡ Ainda não conhecia o autor, nem a obra, mas fiquei encantada com a premissa, por conta dessa linda amizade entre as protagonistas, o tipo de amizade difícil de encontrar hoje em dia.
    Realmente, o plot não traz nada inovador e é aí que acho que está a graça, pois o autor parece criar uma história cativante, mesmo com um plot aparentemente simples. De fato, não é qualquer um que consegue fazer isso, o autor está de parabéns ♡
    Já fiquei curiosa para saber o que acontece na tal convenção, quero muito acompanhar as garotas nessa viagem! Quero muito conhecê-las, elas parecem personagens incríveis, do tipo que a gente queria ter como amiga também ♡
    Adorei a resenha, e com certeza esse livro vai direto para minha lista de desejados! ♡
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oiii ❤ Realmente, a premissa dessa trama aparentemente é bem simples, não parece ter nada de mais, então deve ser incrível fazer a leitura e perceber que a história vai muito além disso.
    Gosto quando autores tratam de temas delicados com responsabilidade, acho isso muito importante.
    Parece ser legal acompanhar as mudanças que vão acontecendo na vida das garotas e qual será o impacto da convenção na vida delas.
    A amizade entre as personagens e a empatia que se cria pela situação deve ser um ponto alto do livro.
    Gostei que a obra tem referências a cultura pop, já que adoro esse tipo de referência.
    Gostaria de ler esse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  7. Confesso que a temática do livro não é muito do meu gosto.
    Mas gostei que o livro mostra e gira em torno da amizade dessas duas personagens, o que dá para perceber que elas têm uma amizade verdadeira e profunda.
    Fiquei curiosa para saber o que espera pelas duas na Flórida e na conferência, e saber se Delia reencontra o pai.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei