29 outubro 2019

[Resenha] Onde Mora o Amor - Jill Mansell

Jill Mansell já vendeu mais de 10 milhões de exemplares no mundo.
Dexter Yates adora sua vida despreocupada em Londres. Além de lindo e rico, mora em um apartamento chique e está sempre acompanhado de belas mulheres. Mas tudo se transforma da noite para o dia quando a irmã morre, deixando a pequena Delphi, de apenas oito meses.
Sem a menor ideia de como cuidar sozinho de um bebê, ele resolve se afastar da correria da cidade grande e se muda para sua casa em Briarwood.
Dex não está acostumado ao ambiente intimista do vilarejo, em que todo mundo se conhece e todas as histórias se entrelaçam. Os moradores o recebem de braços abertos, sobretudo sua vizinha de porta, a talentosa quadrinista Molly, que se oferece para ajudar com Delphi. Ela tem um passado amoroso catastrófico e muita cautela, mas nasce entre os dois uma inegável conexão.
Se Dex vai conseguir se adaptar a essa nova vida e encontrar o amor de verdade, ele primeiro terá muito a aprender: sobre Molly, sobre Delphi, sobre os segredos dos outros e, principalmente, sobre si mesmo.

Livro:    Onde Mora o Amor||  Autor: Jill Mansell 
Editora: Arqueiro|| Ano: 2019 ||  Gênero:  Romance Contemporâneo, Chicklit
 Classificação:  3.5 estrelas ||  Resenhista: Lud 

Mais um livrinho da coleção Romance de Hoje, e o segundo da Jill publicado. O primeiro foi Desencontros à Beira-Mar, e também o primeiro que li da coleção. 

Aqui vamos conhecer Dex, que é um típico mulherengo, mas que ama incondicionalmente sua irmã, que acabou de ter uma menina. Sem mais parentes vivos, ele vê sua irmã mais velha como seu pilar de apoio. Às vezes sua vida é tão corrida que ele quer um pouco de sossego e acaba adquirindo uma casa em Briarwood, onde ele conhece de modo inesperado a sua nova vizinha, Molly. 

Tudo parece ir como sempre quando, de uma hora para outra, sua irmã falece, deixando a pequena Delphi aos cuidados dele. Em vários momentos, ele se vê perdido, mas sempre se lembra das palavras da vizinha, e esse é todo o incentivo que ele precisa para mudar sua vida e ser responsável pela sobrinha, como a irmã queria, mas que ninguém acreditava que ele poderia, exceto Molly. 

Então Dex se muda para Briarwood e começa uma nova vida com Delphi e, claro, muita ajuda de Molly. E conforme a amizade entre eles vai se solidificando, ele começa a conhecer as pessoas da cidade e se tornando parte dessa cidadezinha acolhedora. E nesse momento a história se abre e amplia para outros personagens. 

No decorrer do livro vamos acompanhando não só a vida de Dex e Molly, como conhecemos cada vez mais outros personagens e suas vidas.  




Eu já li o anterior da Jill, e não foi muito bem o que eu esperava, não que fora um livro ruim, não mesmo, mas o que eu tinha na cabeça para aquele livro foi diferente. O conceito que eu tinha de chick lit era um pouco diferente da realidade.

Devo dizer que, como nos outros livros da Jenny Colgan também publicados nessa coleção, a Jill segue uma receita para esse livro, podemos ver muitos elementos iguais ao livro anterior, ou mesmo o plot muito parecido.

Nessa altura do campeonato eu já sei o que esperar da Jill, então quando li esse livro eu já sabia mais ou menos que seria mais de um protagonista e o romance em si não seria o ponto central do livro. Mas ao contrário do anterior dela, eu gostei mais desse aqui. Acho que as histórias apresentadas e os personagens me cativaram melhor.

Mas eu gostei mais, ou melhor, esperava mais das partes da história da Frankie e da filha, e não do casal principal. Acho que faltou um pouco mais de cenas deles, creio que esse é o motivo de as pessoas não gostarem dos livros, porque com tantas historias sendo contada, o romance em si se perde, então você não consegue ver o porquê de aqueles personagens se apaixonarem um pelo outro. O que foi uma pena, porque acho que o casal desse livro teria diálogos bem divertidos.

Como eu disse, são mais de uma história desenvolvida. Nos dois livros que li da Jill foram dessa forma, ela pega um personagem e conta a historia dele e das pessoas que compõem seu círculo de amizade. Então a probabilidade de você gostar de algum e desgostar de outro é bem grande, e para mim foi isso, uma das histórias para mim poderia ser deixada e ampliada as outras.

Mas pensando no título em si, o livro cumpre o prometido ao mostrar várias formas de amor, e como você pode encontrá-lo nos lugares mais inesperados, e como às vezes você pensa que o destino parece contra você naquele momento, mas coisas boas sempre vêm depois, mesmo que você não acredite nisso agora.

Como um livro classificado como chicklit, tenho que dizer novamente que o livro não se trata de um romance, e sim, da trajetória da vida das pessoas e seus dramas, às vezes não relacionado com o amor de casal.

Onde Mora o Amor foi uma leitura leve e rápida, apesar de trazer vários temas e dramas, ele consegue ter seus momentos engraçados e românticos.


Compartilhe!

5 comentários :

  1. Lud!
    Uma pena o romance não ter sido como deveria nesse exemplar e ter deixado a desejar.
    Deve ser bem desesperador ver sua vida totalmente mudada de uma hora para outra e ainda ter de lidar com um bebe, cidade nova, pessoas novas, enfim, total reviravolta.
    Acho bacana a forma como a autora aborda as dificuldades das personagens, como se fossem reais de verdade.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Oiii ❤ Achei essa trama uma graça desde a primeira vez que li a sinopse, achei legal Dexter se mudar para uma cidadezinha com Delphi para cuidar dela com a ajuda de Molly.
    Eu achei legal que durante a trama o leitor conhece outros personagens, eu geralmente gosto quando isso acontece, mas só quando é bem sutil, pois acho que são os protagonistas do livro que têm que ter mais enfoque. Não gosto de personagens que quase não têm interação ficarem perdidamente apaixonados sendo que não tiveram muitos momentos juntos.
    Mas gostei que a obra fala sobre os vários tipos de amor e que mesmo que as coisas estejam dando errado, coisas boas ainda virão.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  3. Olá! ♡ Estou precisando conhecer essa coleção, ainda não li nenhum livro dela kkk.
    Eu até gosto de histórias com vários personagens, mas pela sinopse eu pensei que o foco estaria totalmente em Dex, Molly e Delphi. Eu entendo que o Chicklit não é um gênero que tem o foco no romance, mas esperava uma maior interação entre Dex e Molly, uma pena que isso não acontece. Pelo que já li a respeito desse livro, de fato, essa falta de exploração do romance entre os dois é o que mais incomodou os leitores.
    Enfim, nem todos os pontos sobre esse livro agradam, mas eu adoraria dar uma chance a ele ♡
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Deve ser daquelas leituras descontraídas sem grandes acontecimentos, gosto muito quando tem um bom romance, é uma pena que esse deixa um pouco a desejar nesse quesito. Mas gostei que tem uma criança na história fica tudo mais animado, achei estranho esse sumiço da irmã dele. Parece ser uma leitura que nos deixa refletindo sobre o amor e os acontecimentos da vida, o que o destino nos reserva.

    ResponderExcluir
  5. Que pena que a autora abordou os dois livros do mesmo modo, acaba se tornando previsível a história e acaba muitas vezes desinteressando o leitor.
    Gosto de tramas com um enredo mais leve, também gosto quando trás um pouco mais sobre os personagens que compõem o círculos de convívio com os principais, mas claro sem deixar de lado o romance e a trajetória dos principais ( o que percebi, se não estiver enganada, que não é bem isso que acontece nesse livro).

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei