01 outubro 2019

[Resenha] Nocturna - Nocturna #01 - Maya Motayne

No primeiro volume de uma trilogia de fantasia inspirada na cultura latina, uma ladra capaz de mudar de aparência e um príncipe herdeiro se unem para proteger o reino de uma magia perversa.

Depois de se libertar da dominação dos inglésios, o reino de Castallan não esperava passar por mais nenhuma crise. Mas Dez, o herdeiro, foi assassinado, e agora nobres e plebeus precisam aceitar que o destino do reino está nas mãos do príncipe Alfie, que passou meses fugindo de suas obrigações enquanto bebia tequila em alto-mar. 

De volta a Castallan, Alfie não consegue acreditar que seu irmão morreu e, tentando provar o contrário, se depara com Finn Voy. Graças a sua habilidade de assumir a aparência de qualquer pessoa, Finn está sempre usando um disfarce para se proteger dos traumas de seu passado e de qualquer um que se meter em seu caminho. 

Quando os destinos de Alfie e Finn se cruzam, eles acidentalmente libertam uma magia poderosa e antiga que, se não for detida, vai mergulhar o mundo em escuridão. Com o futuro de Castallan em suas mãos, o príncipe e a ladra terão de aprisionar essa magia obscura a qualquer custo, mesmo que, no caminho, precisem confrontar seus segredos mais sombrios.

Livro: Nocturna || Série:   Nocturna #01 ||Autores: Maya Motayne
Editora: Seguinte  ||Ano: 2019 || Gênero:  Fantasia, YA
 Classificação: 2,5 estrelas || Resenhista: Lud e Daiana



 Mais uma vez essa resenha vai ser dupla, porque cada vez mais estamos lendo livros de fantasia juntas, então dessa vez é a Lud e a Dai. Mas como nossa opinião foi praticamente unânime, eu não separei por cores a visão de cada uma. 

Quando eu vi esse livro eu surtei muito, porque tinha tudo que eu mais amo em um livro. E como Rebelde é um dos meus livros favoritos da vida, eu estava ansiosa ao extremo por essa leitura. 
Nesse mundo, grande parte das pessoas possuem magia, mas uma magia que, na verdade, é uma afinidade com os quatro elementos, na qual você consegue manipular um deles, mas algumas pessoas foram agraciadas com uma magia própria, chamado de 'propio' que é ligada a alguma situação traumática que a pessoa vive, e é dessa forma que ela se manifesta pela primeira vez.

Quando seu irmão Dez é assassinado, o príncipe Alfear precisa assumir o trono e a responsabilidade de tomar as decisões para o seu povo, que tem um longo histórico de escravidão. Mas ele ainda não consegue lidar com a perda do irmão, e busca de todas as formas uma maneira de tentar trazê-lo de volta. 

Quando Alfie percebe que todas as suas tentativas de achar uma forma de recuperar seu irmão se mostram inúteis, ele se conforma com seu destino, até que seu melhor amigo é envenenado e Alfie se vê desesperado para não perder mais uma pessoa importante em sua vida, e recorre a uma magia antiga e sombria há muito aprisionada. E assim, ele barganha a vida do amigo em troca de libertar essa magia. 

Por uma coincidência do destino, Finn Voy, uma jovem ladra muito esperta que manipula a terra e possui um 'proprio' muito peculiar, presencia esse exato momento e consegue ver essa magia ser solta no mundo. Com uma vida nada fácil, e muitas vezes tendo o poder de decisão tirada de si, ela decide fazer alguma coisa para impedir essa magia. Então, a partir desse momento, uma ladra e um príncipe se unem para evitar que o mundo caia na escuridão.

"Magia é uma força pura que flui pelo mundo, mas precisa de um condutor, de um lar. Somos esses condutores (...) E quando terminamos, devolvemos a magia ao éter para que outro a tome."



Eu realmente queria dizer que esse foi um livro que eu amei, mas ao terminá-lo, o sentimento foi de decepção. E vamos escrever o porquê de o livro não não ter correspondido às expectativas.

Primeiro vamos começar com o plot do livro. É um plot que te chama, a construção da magia é muito interessante e você se sente cativado com a história e ansioso para querer descobrir mais sobre como essa magia funciona. Mas, ao mesmo tempo, você se depara com coisas muitoooo parecidas com outro livro (que é um dos nossos favoritos), Tons mais Escuros de Magia, da V.E. Schwab. E é nesse ponto que o livro começou a deixar de ter o seu apelo.

Muitas partes da construção da história, detalhes dos personagens e até cenas bem específicas remetem a Tons. Tem até como você ver um pouco da Lilah na Finn - mas só um pouco, pq a Lilah é...bem, a Lilah. 
E a expectativa que eu tinha depois de ver a chamada desse livro ‘para os fãs de Um Tom Mais Escuro de Magia’, caiu por terra durante a leitura, pois os detalhes quase idênticos, foi justamente o que me fez não gostar dele. Ao contrário de Kell (de Tons), o personagem principal aqui foi muito mal construído, e os outros também não tiveram profundidade nenhuma, e você realmente não consegue sequer simpatizar ou ter empatia por eles. 

Só para dizer que estamos sendo pouco imparciais por Tons ser um amor nosso, vamos citar algumas semelhanças. Esse livro traz os personagens principais, Alfie, Finn e Luka, iguais a Kell, Lila e Rhy(1). A construção da magia é muito semelhante, exceto por algumas diferenças bemmm pequenas(2). O vilão se liberta exatamente da mesma maneira, e coincidentemente se move pelos hospedeiros humanos(3) e foi derrotado exatamente da mesma maneira que em Tons(4). Então, temos motivos para ficar com o pé atrás quanto a história. 

Alfie, para mim, foi um personagem extremamente fraco e melancólico. E as suas lamentações foram um pouco cansativas. Ele não foi um príncipe de verdade, mesmo ao final da leitura, eu não engolia que ele merecia ser rei. Como que se depois de tudo o que foram passando durante o livro, ele não foi crescendo, aprendendo e evoluindo. Os pensamentos, as atitudes não eram o que eu esperava de um protagonista. 

Gostei um pouquinho da Finn, de seu espírito livre e audacioso e da sua luta para superar o seu passado. Mas, de novo, eu esperava mais dela, eu esperava que ela dominasse o livro, que fosse uma mocinha badass, que não apenas fosse uma menina com a língua afiada. Claro que a história dela é triste e tudo o que ela passou para sobreviver, mas ela simplesmente não te conquista completamente.

A representatividade da cultura latina nesse livro também ficou a desejar. O fato de o livro ser baseado na cultura Dominicana foi um dos motivos do meu interesse, e fora algumas palavras, não vi nada realmente substancial sobre a cultura. Na verdade, a história poderia se passar em qualquer lugar.

Achei as cenas de ação em um único ponto do livro um tanto excessivas. Ficou parecendo que a autora acumulou tudo para um único momento, daí virou aquela explosão de ação e ficou cansativo de ler. 

Os capítulos pelos olhos do vilão foram bons, finalmente uma ponto positivo, hein? Ficou realmente muito boa a construção dele como um manipulador de marionetes. A maldade estava presente, a forma de pensar e agir e todo o sadismo digno de um vilão.

Outro ponto importante: não há romance aqui. Existe o processo deles se apaixonarem, mas eles têm o mundo para salvar, então não sobrou tempo para sacramentar os sentimentos. Então, desculpa, não há nem um beijinho. 

No fim, o que podemos dizer que, o que de fato realmente gostamos igualmente, é do último capítulo do livro, que foi lindo e fofo de verdade.

Nocturna não atendeu às nossas expectativas, porque uma de nós esperava que ele levasse a uma fantasia com personagens Badass, e a outra esperava viver uma aventura semelhante, mas que não fosse explicitamente uma cópia ruim de um dos seus livros favoritos.

O final desse primeiro livro é bem fechado, o arco foi bem finalizado, mas a série será uma trilogia, a partir disso acreditamos que cada um dos dois últimos nos trará um vilão diferente.

Para quem não leu Um Tom Mais Escuro de Magia, ou não espera algo parecido com A Rebelde do Deserto, pode ser uma leitura proveitosa. Embora com personagens tão fracos, a mitologia é boa, a escrita também. Então, vale a pena ler e cada um tirar suas próprias conclusões.


Compartilhe!

7 comentários :

  1. Lud e Dai!
    Uma pena ver um livro que poderia ter um enredo bem desenvolvido, porque o plot chama atenção, se tornar uma mera cópia mal feita de um outro bem desenvolvido...
    Fiquei muito curiosa, mesmo com todas as ressalvas que fizeram sobre os fatos do livro.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rudy!
      Leia sim, e nos conte o que achou!
      Cheiro! :)))

      Excluir
  2. Como gosto de magia tinha até ficado interessada e achei que seria algo diferente, mas pelo visto não é, já que se parece com outro livro que por sinal quero muito ler. É uma pena a autora não ter trabalhado bem os personagens, pois eles são muito importante para o bom andamento da trama e para conquistar os leitores. Sentiria falta de um romance nem que fosse de leve, mas pode ser que aconteça nos próximos volumes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria!
      Com certeza a autora desenvolverá o romance nos próximos livros, porque é nítido o envolvimento dos dois.
      Gostaríamos muito de ver isso!
      Cheiro!

      Excluir
  3. Olá! Essa é a primeira vez que vejo falar desse livro, pela sinopse parecia ser bem interessante, mas depois de ler sua resenha fiquei desanima que você disse que é muito parecido com Um Tons mais Escuros de Magia, da V.E. Schwab, que alias já está na minha lista de leituras, mesmo assim talvez venha a ler pois curto muito fantasia. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá! ♡ É uma pena que a autora não explorou o quanto poderia a cultura/mitologia latina, isso foi o que mais tinha chamado minha atenção sobre a obra, já que adoro livros com mitologia.
    Eu adoro Fantasia e a premissa a princípio me agradou, mas alguns fatores desse livro me incomodaram demais, como o fato de Alfie não apresentar mudança nenhuma, eu adoro ver os personagens amadurecendo, evoluindo conforme a trama se desenvolve, de fato, ele não parece ser o tipo de protagonista que a gente espera encontrar em um livro nesse estilo.
    O que mais me incomodou é esse livro ter muitas coisas em comum com Tons mais Escuros de Magia, no entanto que já vi mais de uma vez compararem ambas as obras.
    Enfim, acho que vou dar uma chance a esse livro e tirar minhas próprias conclusões da história.
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  5. Oiii ❤ Essa premissa realmente chama bastante atenção, ainda mais por ter a ver com a cultura latina, algo que me encanta.
    Achei bem legal o poder de Finn e fiquei curiosa para saber o que ela fará para a magia do mal não seja liberada, como ela conhece o príncipe e como será essa parceria entre eles.
    É uma pena que essa obra seja tão parecida com Tons mais escuros de Magia, ainda mais por parecer uma história que tinha tudo para dar certo. É bem incômodo fazer uma leitura e perceber que ela é muito semelhante a outra.
    É uma pena que Alfie não evolua durante a trama, já que gosto muito de ver evolução nos personagens, comparar como eram no início com o que se tornaram no fim.
    Apesar disso tudo, gostaria de dar uma chance a essa leitura.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei