23 setembro 2019

[Resenha] Misery, Louca Obsessão - Stephen King




Paul Sheldon descobriu três coisas quase simultaneamente, uns dez dias após emergir da nuvem escura. A primeira foi que Annie Wilkes tinha bastante analgésico. A segunda, que ela era viciada em analgésicos. A terceira foi que Annie Wilkes era perigosamente louca. Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho.
A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo.


Livro: Misery, Louca Obsessão|| Autor: Stephen King
Editora: Suma de letras||Ano: 2014 || Gênero:  Suspense
 Classificação:  4,5 estrelas || Resenhista: Karina

SkoobCompre |Editora
Participe do Top Comentarista Setembro
Se você nunca leu nada do King e tem estômago forte para cenas com requinte de crueldade (nem tanto física, mas psicológica) esse certamente deveria ser seu primeiro contato com o rei. Não é o meu favorito, mas a atmosfera criada aqui para qualquer leitor avido é sensacional e você não vai passar medo, mas nervoso... aah, isso com certeza você vai sentir!

Misery já foi adaptado para o cinema, inclusive o subtítulo do livro: Louca Obsessão, é o titulo da adaptação que eu pretendo conferir muito em breve, (sim, eu prefiro ler primeiro o livro e só depois assistir o filme) e pelo o que eu vi por aí na internet, a adaptação é tão boa quanto o livro, inclusive a atriz que faz o papel da Anne Wilkes ganhou o oscar.

Apesar de ser uma história fictícia, o plot de Misery é bem metalinguístico, aqui temos um livro onde o personagem principal é um autor de sucesso, Paul escreve um série em que a personagem principal se chama "Misery" e apesar de ser uma série de sucesso, ele não aguenta mais escrever sobre. Paul acabou de escrever um novo livro que nada tem de relação com a série, e sai para comemorar apesar da forte nevasca e acaba sofrendo um acidente, é ai que o caminho de Paul e Annie acaba se cruzando. Anne é uma enfermeira aposentada que encontra Paul BEM machucado e o leva para casa e presta os primeiros socorros.

Devemos estar atentos que esse é um livro do King e o que parece bastante sorte para o Paul, no fim, é uma baita de uma enrascada. Annie é aposentada e uma leitora voraz, ela se diz fã número um dos livros do Paul e uma grande entusiasta de Misery, o que ela não sabe é que Paul matou a personagem no último livro.

Pela primeira vez o pensamento emergiu na mente de Paul Sheldon: Eu estou encrencado. Essa mulher não bate bem.



Depois de ler esse livro, eu não digo nunca mais que sou fã número um de alguém e se eu fosse uma autora de sucesso, eu ia ter muito medo de leitoras entusiasmados, rs. A narração alterna entre terceira pessoa e alguns pensamentos do Paul, a sensação de claustrofobia é bem real como qualquer livro de confinamento, as sutilezas e os rompantes de raiva que Annie demonstra aos pucos nos faz questionar até quando Paul pode sobreviver ao carcere.

Obviamente, nada que Annie faz é justificável, longe da minha pessoa querer bancar a psicopata, mas quando Annie descobre que Paul, seu amado escritor, matou sua personagem favorita, ela compra um máquina de escrever e o obriga a reescrever a história ( mas que ousadia do autor matar Misery, não é mesmo?) quem nunca ficou chateado com aquela morte que o diga [alôooo fãs de divergente]. Paul que no começo se mantém como uma pessoa controlada e calma, se vê tendo que negociar com uma pessoa sem nenhum equilíbrio mental, mas usa dessa demanda de Annie por um novo desfecho como uma oportunidade para sofrer o menos possível .

Então qual era a verdade? Já que você quer saber, a verdade é que a crescente percepção do seu trabalho pela crítica literária como um ‘autor popular’ (que, em seu entendimento, ficava apenas um degrau – um degrau baixo – acima de farsante) o tinha magoado muito. Não casava com sua imagem idealizada de Escritor Sério que só lançava uns livros de merda para subsidiar o seu (trompete, por favor) TRABALHO DE VERDADE!

Se tem uma coisa que eu descobri, é que não há foco mental que resista a uma dor física e aparentemente, Anne sabe disso muito melhor que eu, você ou Paul, e todo o desespero do Paul por um comprimido que aliviasse a dor dele se torna o nosso desespero também.

Definitivamente, a cereja do bolo pra mim é a capacidade do King de segurar uma história inteira praticamente dentro de uma casa e com interações majoritariamente entre dois personagens, se eu pudesse um dia encontrá-lo e perguntar alguma coisa seria: Misery é seu maior pesadelo como autor? Porque devido ao tamanho do sucesso que ele faz entre nós, meros leitores, ele já deve ter recebido mensagens bem esquisitas durante esses anos! "It, a coisa" ainda é meu favorito, mas definitivamente Misery está entre as primeiras indicações. Qual o seu favorito?



Compartilhe!

6 comentários :

  1. Oiii ❤ Acho que não leria esse livro, apesar dele ter me causado certa curiosidade, pois não gosto de ler cenas de tortura, esse tipo de cena me deixa mal, então costumo evitar.
    Nossa, que horror! Deve ser terrível ficar em cárcere, ainda mais com alguém que claramente é desequilibrada e obsessiva.
    Estou curiosa para saber se Paul reescreve o fim do livro e saí vivo dessa história toda.
    Nunca vi uma história onde um leitor sequestra um autor, então achei esse um livro bem curioso.
    Ps: Ainda não superei o final de Convergente rsrsrs.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  2. Olá! ♡ Nunca li nada do autor, mas tenho curiosidade em conhecer sua escrita, que todo mundo fala tão bem. Não curto terror, então talvez esse livro possa funcionar para mim, apesar de que também não gosto de passar nervoso kkk.
    Parece uma leitura bem angustiante, coitado do Paul ao ter que viver encarcerado com uma mulher maluca dessas, não há psicológico que aguente.
    Tá certo que é uma droga quando um personagem que a gente ama morre, mas Annie exagerou, credo. Nem me lembre do final da trilogia Divergente, fico com raiva só de lembrar kkk.
    Deve ser interessante ver como King conseguiu narrar uma história inteira praticamente no mesmo ambiente e em torno de apenas dois personagens.
    Obrigada pela indicação! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  3. Karina!
    O que mais admiro no King é a forma como ele traz histórias criativas, mesmo sem o terror original, porém como aqui, com aquela tensão durante todo o livro, com dor, o embate entre a inteligência do autor (protagonista) e da obssessão de sua 'enfermeira'.
    Tive oportunidade de ler e no início achei um tantinho só arrastado, porém vale super a pena a leitura.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Já li alguns livros do autor, meu favorito é Iluminado também gostei muito de Sob a Redoma, apesar que passei muita raiva rs. Esse ainda não li, mas quero, fiquei imaginando se os leitores resolvessem se vingar dos autores que matam seus personagens preferidos na vida real, seria uma calamidade rs. Deve dar uma angustia o sofrimento que o Paul passa da mão dessa louca. Vou querer assistir o filme também.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Uau, acredita que não li nada do autor ainda. Eu tenho o livro It e estou doida para ler mas estou planejando ler no inicio no ano que vem porque provavelmente demorarei quase 4 meses pra ler..kkkk
    Adorei o livro, tem uma ótima premissa, o que o king não faz né. Espero conhecer mais obras dele!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  6. King é King, so ele com essas criatividades perfeitas. Li a resenha desse livro ha algum tempo e tinha me esquecido. Para esse livro eu tenho estômago, por não ser terror. Quero muito esse livro e ja anotei para não esquecer dele na próxima compra.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei