22 julho 2019

[Resenha] As Garotas Madalenas: Quem poderá salvá-las? - V.S. Alexander

Dublin, 1962. Dentro dos portões do convento das Irmãs da Sagrada Redenção opera uma das Lavanderias de Madalena da cidade. Outrora um lugar de refúgio, as lavanderias haviam evoluído para sombrios reformatórios de trabalhos forçados. É para lá que a jovem Teagan Tiernan, de 16 anos, é levada pela família, depois de ter sido transformada em personagem de uma intriga que também envolvia um jovem e belo padre. Convivendo com mulheres “em desgraça” – mães solteiras, prostitutas, menores infratoras – e garotas comuns, cujos únicos pecados se resumiam a serem bonitas ou independentes demais, Teagan faz amizade com Nora Craven, uma jovem rebelde que pensava que nada poderia ser pior do que sua miserável vida familiar. As duas jovens se tornam reféns da Madre Superiora e de suas punições cruéis – sempre em nome do amor. Entre fracassadas tentativas de fuga, Teagan e Nora vão descobrir como é árduo o mundo exterior, principalmente para jovens de reputação arruinada. Narrado com franqueza, compaixão e riqueza de detalhes históricos, As garotas Madalena é um primoroso romance sobre a vida dentro dessas polêmicas instituições da Igreja Católica. É uma história inspiradora de amizade, esperança e incansável coragem.

Livro: As Garotas Madalenas: Quem poderá salvá-las? ||  Autor: V.S. Alexander
Editora: Gutemberg ||Ano: 2019 || Gênero:  Romance
 Classificação: estrelas || Resenhista: Sheila
Skoob | Compre | Editora
Participe do Top Comentarista Julho
Eu fiz já fiz uma resenha aqui para o blog de um livro desse autor  – Um banquete para Hitler  achei extremamente bem escrito e você pode achar a resenha aqui. Sendo assim eu esperava com ansiedade pelo próximo.

Nesse livro, V. S. Alexander  segue a base do primeiro que escreveu e usa fatos históricos e tece sua historia de ficção em cima desses fatos, mais uma vez também as mulheres são as protagonistas, o que entrega a preocupação do autor com o universo feminino e o seu apoio a causas feministas, ressaltando também nesse livro o excesso de poder do patriarcado e da igreja sobre as mulheres.

Para entender a história é necessário entender que existiam lavanderias espalhadas pela Europa desde os meados de 1700 até o ano de 1993, que funcionavam a pleno vapor lavando a roupas das famílias que se dispunham a pagar, as roupas eram lavadas, alvejadas, cerzidas se necessário, engomadas e passadas e então entregue as famílias. Quem fazia esse serviço? As mulheres jovens que caiam em perdição, as jovens pecadoras que ganhavam o nome de Madalenas nessas instituições clericais cristãs comandadas por freiras. O lucro ficava para a igreja e as madalenas faziam todo o trabalho supervisionadas pelas freiras e castigadas fisicamente e psicologicamente tudo em nome do amor cristão para que se regenerassem.

A história que resenho hoje não se passa em 1800 e por isso as informações seriam poucas, época mais patriarcal, seria mais condizente coma  historia... mas não, ela se passa em 1962, já existia rádio, televisão, jornal, faculdades, mas a mão de aço da igreja ainda era muito forte em determinadas partes da Europa. E o que faziam essas meninas para serem madalenas? Por vezes nada, elas apenas tinham a culpa de serem muito bonitas e por isso ‘tentarem’ os homens com sua visão, ou eram envolvidas em intrigas, ou ainda eram mães solteiras, vítimas de estupro ou não. Eram mulheres que caíam em má fama e por isso deveriam encontrar nesse trabalho forçado a redenção de seus pecados.




Assim, três jovens de 16 anos de diferentes áreas de Dublin, se encontram vítimas desses sistema. O pecado de Tiernan nascida na parte rica de Dublin é ser bonita demais e tentar um padre com a sua beleza, sem se insinuar nem nada, o padre resolve contar a seu superior, que conta ao pai da moça que ela é uma perdida, pois seduz padres e o pai define assim o destino de Tiernan entregando a moça as madres. A segunda jovem é Nora, nascida na parte pobre de Dublin, tem o pecado de ser muito liberal para a época e ser vista pela mãe em uma posição comprometedora com um rapaz muito canalha, que a julga e conta ao pai que determina seu futuro; e por último Lea, nascida na parte rural, perde sua mãe e seu padrasto não tendo como lhe sustentar a entrega as irmãs.

O objetivo do convento é quebrar o espírito dessas pecadoras através de muitos trabalhos e castigos, para que elas se arrependam e assim achem  salvação. Ao entrarem as jovens são destituídas de seus nomes e recebem nomes de santas, os cabelos lhe são cortados, todos os objetos pessoais retirados e devem se enquadrar em um regime de trabalhos forçados e uma alimentação insossa e pouco nutritiva. Não podem sair nunca mais do convento a não ser que um parente lhes busque.

As três se unem planejando sair dali, Lea é a única que não se importa de ficar no convento aonde recebe um trabalho que ama e menos cansativo pois tem o dom para as artes e cópia livros, as outras duas, trabalham ativamente na lavanderia, Nora o dia inteiro e Tiernan meio período pois a tarde trabalha com bordados. As meninas fazem de tudo para escapar, Nora é a primeira a fugir, mas não se dá bem sem perspectivas de abrigo e vida lá fora, é recapturada, tenta assegurar sua liberdade com sexo e assim perde sua virgindade e ainda volta grávida; Tiernan é a segunda a fugir e também acaba por ser recapturada, o livro segue assim, a contar as desventuras das meninas e tem um final realístico e não de romance.

Muito bem escrito, com forte crítica a igreja e ao patriarcado, baseado em fatos reais, levanta mais uma das polêmicas que a igreja luta por esconder e expõe mais uma das injustiças que muitas mulheres sofreram, simplesmente por terem nascido mulheres e serem sempre julgadas pela sociedade.

Achei que o escritor desenvolveu bem as personagens tanto das madres com suas variações de caráter e dedicação, quanto das garotas madalenas e suas nuances de personalidade. Foi possível ver a evolução da escrita do autor, nesse livro, ele se empenha em três protagonistas em um universo preenchido de mulheres e explora ao máximo cada sentimento, de revolta, tristeza, resignação e dor.

Achei o livro muito bom por revelar mais uma faceta do mundo feminino e indico sobretudo para uma ampliação da realidade das mulheres e para entenderem a busca por direitos iguais.

Compartilhe!

4 comentários :

  1. Oiii ❤ As mulheres sempre foram condenadas pela sociedade quando tentaram almejar algo que na época não lhes era permitido ou algo diferente do que era considerado normal para a sociedade. Desde sempre fomos padronizadas pelo patriarcado, isso é muito triste.
    É tão errado o que fazem com essas mulheres, que além de não terem um trabalho remunerado, são vítimas de castigos severos. Essa coisa de "tudo em nome do amor" é horrível. É uma justificativa tão deturpada. Triste que a igreja corroborava com isso.
    Gosto muito que o autor tenha trabalhado esses temas no livro, isso é tão importante para as pessoas abrirem os olhos sobre como a mulher nunca teve e ainda não tem direitos iguais aos homens.
    Quero muito fazer essa leitura, estou muito curiosa pra saber sobre o final do livro. Adorei a indicação de leitura ❤
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  2. Olá! ♡ O título desse livro sempre me intrigou, mas eu nunca tinha procurado mais sobre o livro para ver sobre o que ele se tratava e agora que sei sobre o que o livro fala sinto que preciso o ler o mais rápido possível.
    Achei muito importante as críticas que o livro faz a respeito do patriarcado e da igreja, são de fato muito importantes e delatam comportamentos que infelizmente ainda hoje são presentes em nossa sociedade.
    É tão triste ver o quanto essas garotas sofreram, o quanto foram julgadas, maltratadas, injustiçadas. E o que mais dói é ver que ainda hoje as mulheres continuam sendo julgadas por uma sociedade tão machista e que sempre quer diminui-las.
    Com certeza vou querer ler este livro, muitooo obrigada pela indicação!
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Um livro e tanto. Essa época as mulheres eram rejeitada e tratada como algo ruim só por ser mulheres e claro tinha que ser julgado, ainda mais que com o tempo as coisas foram melhorando até hoje ainda falta muito por melhorar. O livro é interessante, fiquei bastante curiosa pela trama. Espero muito poder ler!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia essa história das Madalenas, fiquei indignada, que horror, um verdadeiro absurdo, mais injustiças contra as mulheres. Deve ser uma leitura revoltante e que mexe muito com as nossas emoções, só de imaginar o que elas passaram da uma agonia. Parece que foi muito bem elaborado tanto nos personagens quando no enredo, gostaria muito de ler e já fiquei imaginando um filme.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei