27 abril 2019

[Resenha] Os Noivos do Inverno - A Passa-Espelhos # 1 - Christelle Dabos



Vencedor do Grand Prix de l’Imaginaire.
Honesta e cabeça-dura, Ophélie não se importa com as aparências. Mas, por baixo de seus óculos de aros largos e cachecol desgastado, a garota esconde poderes únicos: ela pode ler o passado dos objetos e atravessar espelhos. A vida tranquila que leva em Anima se transforma quando Ophélie é prometida em casamento à Thorn, herdeiro de um distante e poderoso clã.
Agora, ela terá que deixar para trás tudo o que conhece e seguir seu noivo até Cidade Celeste, a capital flutuante de uma gelada arca conhecida como Polo. Ali, o perigo espreita em cada esquina, e não se pode confiar em ninguém. Sem se dar conta, Ophélie torna-se um peão em um jogo político mortal, capaz de mudar tudo para sempre.


Livro:  Os Noivos do Inverno || Série: A Passa-Espelhos # 1 ||  Autor:  Christelle Dabos
Ano: 2018 ||  Editora: Morro Branco  || Gênero: Romance, Hot
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Daiana

Na mitologia da francesa Cristelle Dabos, o mundo é divido por arcas, e cada arca possui habitantes com dons únicos e um espírito familiar. Em Anima, todos os objetos ganham vida. O prédio dos Arquivos familiares, por exemplo, está sempre de mau humor. E o que ele menos gosta é de visitantes que resolvem aparecer tarde de noite, fora do horário de funcionamento. Achei esse é um dos detalhes mais cativantes da história.

“Passar por espelhos exige enfrentar a si mesmo. É preciso ter estômago, sabe, para se olhar bem nos olhos, se ver como é, mergulhar no próprio reflexo.”

A história gira em torno da protagonista, Ophélie, que está prometida em casamento a Thorn, um descendente da família dos dragões de uma arca congelada - e isso não é um trocadilho - chamada de Polo; uma cidade vertical, e umas das arcas mais distantes. E como costume de todo o casamento nesse mundo singular, Ophelie tem que residir na arca do noivo - a Cidade Celeste - até o dia do casamento. 

“Quando as ilusões somem, só resta a verdade.”

No Polo, habitam os Miragens, capazes de criar ilusões. A Teia, onde todos estão conectados literalmente - o que um vê, todos veem. E os Dragões, que são capazes de infligir qualquer tipo de dor, sem que seja necessário tocar a pessoa. 

Ophélie é uma garota introvertida - com suas roupas largas e seus óculos antiquados - que prefere a companhia silenciosa dos objetos do museu do qual é administradora. Ophélie é uma passa-espelho, o que significa que ela pode viajar entre os espelhos, e também uma Animista, capaz de ler a história de qualquer objeto apenas tocando-o com as mãos. 

“Ler um objeto exige esquecer-se um pouco de si para dar espaço ao passado dos outros. Passar por espelhos exige enfrentar a si mesmo. É preciso ter estômago, sabe, para se olhar bem nos olhos, se ver como é, mergulhar no próprio reflexo. Aqueles que escondem o rosto, que mentem para si, que se veem melhores do que são, nunca conseguiriam”.

O noivado tira Ophélie da sua zona de conforto, e ela se vê obrigada a embarcar para a Cidade Celeste na companhia do seu irritante e inexpressivo noivo, que parece desejar o casamento tanto quanto ela. 

Deixando sua vida pacata para trás, e adentrando em um mundo com pessoas e costumes completamente diferentes e hostis, Ophelie vai ser vítima da tirania, de uma traição mais do que improvável, e também conhecerá o poder de alianças inusitadas, além de começar uma busca para entender as verdadeiras motivações daquele casamento arranjado. 

Acompanhamos o crescimento dela, dos personagens secundários e da sua relação com Thorn. No começo você se recusa a gostar dele, mas fica difícil manter o coração fechado depois de algumas páginas. Ódio mesmo, todos sentirão da tia Berenilde. Eu consegui imaginar mil mortes diferentes para ela durante toda a leitura.

Vale ressaltar que embora a história gire em torno de um casamento arranjado, o romance não é o foco, ele é um mero coadjuvante nesse primeiro livro.

A criação da autora é bem diferente do que estamos acostumados, e este livro foi realmente uma grande surpresa. Você se conecta rapidamente com os personagens e com os cenários peculiares, e passa horas imaginando todas aquelas arquiteturas tão mirabolantes criadas pela autora.

Meus dias agora são uma contagem regressiva para me reencontrar com a protetora tia Roseline, com o ranzinza e misterioso Thorn, com a corajosa Gaelle, o audacioso Raposa, e com o carente, fofo e temperamental cachecol da Ophélie.

“Suspensa no meio da noite, suas torres afogadas na Via Láctea, uma formidável cidadela flutuava sobre a floresta sem que qualquer coisa a prendesse ao resto do mundo. Era um espetáculo completamente louco, uma enorme colmeia expulsa pela terra, um entrelaçado tortuoso de masmorras, pontes, nichos, escadas, arcobotantes e chaminés.”

Tudo começou com uma leitura despretensiosa, e se revelou uma viagem a um mundo brilhante que foge a todos os estereótipos. 

Sem dúvidas, essa edição tão caprichosa da editora Morro Branco é uma leitura obrigatória para todos os fãs de fantasia - e para os que não são também.

Compartilhe!

5 comentários :

  1. Ansiosa para ler esse livro comprei mês passado e adoro fantasia, gostei que é diferente, assim a leitura fica mais interessante com esse universo criado pela autora, mas confesso que queria o próximo para poder ler na sequência. Adorei que os personagens ganham vida e fiquei curiosa com esse noivo misterioso, adoro um mistério e fiquei me perguntando se vou gostar dele rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria! Tenho certeza de que irá gostar, não só do Thorn, mas de toda a história!

      Excluir
  2. Lud!
    Tão bom quando nos surpreendemos com um livro e em vários aspectos, não é mesmo?
    Gosto muito do gênero, embora esteja lendo pouco porque acho que tudo acaba ficando sempre igual, porém me surpreendi com essa série, é algo diferente e traz uma protagonista de opinião forte.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Ainda não conhecia esse livro nem tinha lido nenhuma resenha sobre ele. O que vejo é que essas distopias estão ficando cada vez mais profundas e instigantes. Eu gosto disso. A mocinha muitas vezes se joga de verdade nas aventuras e podemos ir acompanhando o seu crescimento e melhoria nos demais volumes. Com certeza é mais uma distopia que entrou para a minha lista de desejados, esperando também que a editora não demore para publicar os próximos livros.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Eu já tinha lido resenha sobre ele, a historia é muito boa..uma premissa que deixa o leitor muito curiosa pela trama. Adorei a historia e estou muito curiosa para ler.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei