09 abril 2019

[Resenha] O Cara dos Meus Sonhos (ou Quase) - Jenn Bennett


E se você tivesse que atravessar o país para descobrir um grande amor?
A cinéfila Bailey “Zibelina” Rydell troca mensagens com um nerd carismático igualmente apaixonado por filmes – Alex, seu crush virtual. Eles viviam separados por mais de mil quilômetros, até Bailey se mudar para a casa do pai na Califórnia – mais precisamente, para a mesma cidade de Alex.
Insegura e temendo que o Alex da vida real seja muito diferente de suas idealizações, Bailey não conta a ele que estão na mesma cidade. Ou que conseguiu um trabalho num museu “caça-turistas” local. Ou que ela está, pouco a pouco, sendo fisgada por um rapaz irritantemente atraente que trabalha no lugar – Porter Roth, cujo berço é uma lendária família de surfistas.
Só que a vida é muito mais complicada que qualquer filme, principalmente quando Bailey percebe a estreita fronteira entre ódio, amor ou seja lá o que estiver sentindo por Porter. Além disso, descobrir a verdadeira identidade de Alex mostra-se uma tarefa mais difícil do que ela imaginava.
Assim, conforme o verão passa, Bailey precisa decidir se permanece apegada a suas projeções de um Alex que ela nem sabe se existe ou se arrisca uma relação com Porter. Afinal, o cara dos seus sonhos não pode ficar só no mundo virtual. Mas o que Bailey não sabe é que Porter também guarda um segredo…

 Livro:  O Cara dos Meus Sonhos (ou Quase)  ||   Autor: Jenn Bennett
  Editora: Plataforma 21  ||Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Lud
 Ano: 2018 || Gênero: YA, Romance.


Vamos para mais uma resenha amorzinho, estou descobrindo que a Plataforma está virando minha editora do coração, porque foi uma sequência de três leituras muito boas.

Bayle Rydell é uma cinéfila que acaba encontrando uma pessoa que tem o mesmo gosto para o cinema que ela, o Alex. Os dois trocam mensagens através de um fórum de filmes e acabam engrenando uma amizade com um toque de flertes. E por coincidência, Alex mora na mesma cidade que o pai dela está morando agora. 

Quando as coisas ficam difíceis com a mãe, Bayle decide morar com o pai, mas não conta para Alex que ela está na cidade, por medo de que o relacionamento deles pela internet não seja o mesmo ao vivo. Então, ela esconde isso e começa a tentar descobrir quem é esse menino, pelas pequenas pistas ao longo das diversas conversas de ambos. 

Ao chegar à cidade, Bayle arruma um emprego em um Museu, e lá conhece Porter. Logo de inicio, os dois não se dão muito bem, estão sempre discutindo, mas tem algo mais aí. Com o passar dos dias, eles engatam uma amizade com algo a mais. 

E agora Bayle está tentando descobrir quem é Alex, ao mesmo tempo que tenta entender um pouco mais sobre o Porter, o menino que a irrita como ninguém, mas desperta algo a mais.

“Se formos feitos um para o outro, e se ele for a pessoa que imagino que seja, então tudo vai ficar bem. Ele vai ser incrível e, até o fim do verão estaremos loucamente apaixonados.




Preciso parar de dizer que eu amo um YA em toda resenha que faço, porque já está chato, né?
Eu não conhecia a autora, então fui dar uma stalkeada básica, e vi que ela tem vários livros publicados, inclusive duas séries de fantasia *.* Mas os romances YA são livros únicos, e eu contei três até agora, inclusive dois deles publicados pela Plataforma (A anatomia de um coração e esse aqui)

Devo dizer que no começo do livro não botei muita fé, a personalidade da Bayle não me conquistou muito, mas como dizem : 'não julguem o livro pela capa'. E conforme a leitura foi fluindo, eu me vi adorando essa menina, e mais do que isso, vendo-a crescer e desabrochar. Acho que não tem como descrever de outra forma, uma menina que era emocionalmente fechada e que não se socializava bem com outras pessoas aprender sobre o amor, e não apenas com um garoto, mas aprender sobre amizades e confiar nas pessoas, e aprender realmente que ela pode ter tudo isso e mais.

Um ponto muito positivo no livro é a relação entre a Bayle e o pai. Eu acho que nunca li um livro que tinha esse tipo de cumplicidade. A forma como o pai enxerga a vida e como consegue ler as pessoas é impressionante, Pete conhece muito bem a personalidade da filha, e de quem ela puxou cada característica. Mas, mais que isso, ele impulsiona a filha a ser uma pessoa melhor, a viver as próprias experiências, superar as decepções e embarcar em aventuras. Eu realmente gostei desse personagem, singelo e calmo, mas com uma complexidade fora do normal. 

– Por que você nunca abre o jogo e me fala o que tá tentando dizer, mestre Yoda?
– Porque eu tô tentando criar você para pensar por si só, jovem padawan. Posso oferecer conselhos, mas você tem que botar a mão na massa. O objetivo principal de ser pai é fazer com que você se torne uma mulher independente e consiga suas próprias respostas. Não devo dá-las a você. 
Eu gostei muito da construção da autora quanto ao universo do cinema. Além dos personagens gostarem muito de filmes antigos e trocarem conhecimento sobre isso, todo começo de capítulo tem uma frase de um ator/atriz de algum filme famoso. E a cada capítulo novo eu esperava ansiosamente para saber de qual filme a frase sairia. 

No enredo temos várias pontas que dariam início a várias questões, como o relacionamento com a mãe, sobre a opinião do psicólogo que ela ia antes, e alguns outros assuntos, mas nada disso foi abordado de forma profunda, e não vejo isso como algo ruim, já que se fosse encaixado no enredo mudaria toda a dinâmica e seria um livro mais pesado de se ler, com uma carga dramática bem maior. Então, ao invés de abordar tudo de uma vez, a autora foi dosando, e eu gostaria de um livro dois, contando o desenrolar com a mãe dela. *.* Posso sonhar, não?

A resenha está big enorme e eu nem falei dos personagens. Mas devo destacar o Porter, um menino com uma personalidade maravilhosa e contagiante. Ele era engraçado, doce e às vezes provocador e sexy, é uma combinação maravilhosa. Ele é tipo um príncipe <3. A Bayle é uma menina que no começa vem com uma bagagem pesada, meio perdida sem saber quem ela é, mas que aos poucos vai se descobrindo e se torna uma menina com uma personalidade forte, que te conquista de muitas formas. Tem mais personagens nos livros, os secundários tem papéis fundamentais e são bem construídos. 

O motivo das minhas quatro estrelas, é que o começo me pegou um pouco, eu demorei para engatar, e o leve suspense que a autora colocou no livro - sobre a identidade do Alex -, é descoberto muito facilmente. Todo mundo (nós, leitores) sabíamos a verdade, menos a Bayle. E a capa, para mim, não mostra nem 1% do livro, não entendi até agora.

Tenho que citar que o livro lembra o filme Mensagem para você (You've Got Mail), mas na versão YA. Então se você gosta desse tipo de enredo, deverá gostar desse livro.

Finalizando, O Cara dos Meus Sonhos (ou Quase) é um romance que beira ao clichê, mas que te deixa com um sorriso no rosto. Uma leitura leve, gostosa e divertida, sobre se descobrir como pessoa, fazer amizades e, claro, se apaixonar. 

Termino com essa frase de abertura do livro (dedicatória da autora): "Para aqueles que fogem, evitam, desviam, dão um passo atrás. Deve haver um bom motivo para vocês se esconderem. Que sejam capazes de lidar com isso e descubram sua força interior."


Quotes:

"Às vezes você tem que aguentar situações dolorosas para perceber que é mais forte do que imaginava."

"Talvez o poeta Walt Whitman tivesse razão. Todos de fato nos contradizemos e temos multidões dentro de nós. Como é que poderemos descobrir quem somos de verdade, então?

"Alguém precisa colar uma placa enorme escrita PERIGO! nas costas desse garoto antes que eu me eletrocute."

"Minha mãe diz que estamos todos conectados: pessoas, plantas e animais. Todos conhecemos uns aos outros por dentro. E o que está do lado de fora que nos distrai. Nossas roupas, nossas palavras, nossas ações. [...] Passamos a vida tentando encontrar outras pessoas. Às vezes ficamos confusos e damos as costas para as distrações."

“É difícil pensar na semana seguinte quando não se tem certeza de que vai sobreviver ao dia de hoje.”

"– Sabe, você é obstinada e teimosa. Herdou isso da sua mãe. É o que a torna uma advogada ótima. Eu amo mulheres obstinadas. Foi o que me atraiu em Wanda. É o que a torna uma policial ótima.(...) Entretanto, essa obstinação também tem seu lado ruim, porque é como só ir em frente, mas com antolhos. Como um cavalo, sabe?(...) Vocês vão em frente e progridem, mais do que outras pessoas, mas não conseguem ver o que se passa de cada lado da estrada. Vocês têm pontos cegos. Ignoram as coisas que estão bem ao lado. Sua mãe fazia isso o tempo todo."


Compartilhe!

5 comentários :

  1. Olá!
    Que livro fofo..Tem uma ótima premissa e uma historia cheia de emoções..Fiquei um tanto curiosa por ele e principalmente pela personagem e como ira desenrolar essa trama toda. Já irei anotar na listinha!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  2. Awn, parece ser um livro amorzinho mesmo.
    Pela capa eu não daria muita coisa pelo livro. Mas gostei do enredo que você descreveu, principalmente porque, mesmo a Bayle sendo chata no começo, ela cresce e evolui.
    Sim, já coloquei esse livro na minha imensa lista de desejados. Quero ler!

    ResponderExcluir
  3. Parece ser uma leitura gostosa e descontraída, é bom acompanhar personagens como a Bayle, que vão amadurecendo no desenrolar da trama. Deve ser muito bonito esse relacionamento dela com o pai, é uma pena que nem todos na realidade são assim. Achei que a identidade do Alex, seria um grande mistério e que demoraria para o leitor descobrir.

    ResponderExcluir
  4. Lud!
    Bom quando nos vemos envolvidos em uma leitura.
    Faz tempo que não leio um YA, porque chegou uma hora que tudo ficou mais do mesmo, mas só pelo fato do relacionamen to de Bayle com o pai ser bom demais, já me ganhou.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Adoro romance clichê, acho a maioria que leio bem agradável. Esse livro eu não conhecia, mas pelo primeiro contato me agradou muito e a capa achei bem chamativa e simples, não encontrei motivos para não ler futuramente.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei