11 abril 2019

[Resenha] A Caça - M. A. Bennett

"O ano letivo começou e Greer ­MacDonald está se esforçando ao máximo para se adaptar ao colégio interno onde ela entrou como bolsista. O problema é que a STAGS, além de ser a escola mais antiga e tradicional da Inglaterra, é repleta de alunos ricos e privilegiados – tudo o que Greer não é.
Para sua grande surpresa, um dia Greer recebe um cartão misterioso com apenas três palavras: “caça tiro pesca”. Trata-se de um convite para passar o feriado na propriedade de Henry de Warlencourt, o garoto mais bonito e popular do colégio... e líder dos medievais, o grupo de alunos que dita as regras.
Greer se junta ao clã de Henry e a outros colegas escolhidos para o evento, mas esse conto de fadas não vai terminar da maneira que ela imagina. À medida que os três esportes se tornam mais sombrios e estranhos, Greer se dá conta de que os predadores estão à espreita... e eles querem sangue.
Que a caçada comece!"


Livro:  A Caça|| Série:  S.T.A.G.S #01 || Autor: M. A. Bennett
Ano: 2019 ||  Editora: Arqueiro  || Gênero: Romance de Época
Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Karla

Skoob || Compre || Editora
Comente no Top Comentarista de Abril
A primeira vez que li a sinopse desse livro, fiquei doida para ler -  fui logo futucar as amigas: viram esse livro? Agora que terminei, meu primeiro pensamento foi: deveria virar filme! E isso devido ao tipo de narração.

Logo no início do livro, nós já sabemos que Greer, Nel e Shaffen estão em apuros. Ela narra como se estivéssemos vendo as cenas, como num filme. E depois disso, ela começa a narrar a história do início, de tudo que aconteceu até culminar nesse acontecimento.

Tudo se inicia na STAGS –  
a escola mais antiga e tradicional da Inglaterra –  existe uma classificação que divide os alunos em duas turmas, os selvagens e os medievais. Se você usa alguma tecnologia, como celular, notebook você será considerado um Selvagem. E o contrario disso, você é considerado do grupo dos Medievais. E para monitorar a escola, existem seis alunos Medievais. Eles são aquele grupinho composto pelas pessoas mais bonitas da escola e os mais esnobes também.

Greer é como toda jovem na atualidade, gosta de Facebook, Twitter, Instagram, Youtube, ama assistir filmes com seu pai, não vive sem o celular. Então imagina descobrir que tudo isso não é permitido na escola?

E apesar de se achar a frente de seu tempo, feminista e de personalidade própria, Greer é como qualquer outra adolescente e não quer se destacar, não quer ser diferente do resto, apenas quer ser aceita. E para ser aceita, acaba indo com a maré, mas ela não está sozinha na tentativa de se adaptar, assim como Chanel, Nel para os amigos, princesa da telefonia e nova rica; e Shafeen, príncipe indiano, que apesar de estudar na STAGS desde novinho, também não é aceito pelos monitores medievais. 

Então quando finda o semestre, e é época de voltar para casa para o feriado, Greer recebe um convite em que apenas está escrito: 

CAÇA TIRO PESCA

São os Medievais a convidando para passar o feriado na casa de Henry de Warlencourt - o líder deles - um evento que muitos desejam para si mesmos, e mesmo que nunca tenham se falado, e ela até sente que algo ruim está por vir, mas ela quer ser aceita, quer ter amigos - assim ela parte rumo ao desconhecido, mesmo quando uma antiga conhecida diz para não ir. E quando chega lá, ela encontra Chanel e Shafeen, os três são os convidados dos seis medievais em um local sem pais, sem escola, somente com a autoridade de um jovem que acha que o mundo deveria voltar a ser o que era antes, sem tecnologia, somente o prestígio do dinheiro antigo e do nome de família, onde aqueles que são diferentes não devem acender.

Quando os jogos começam, ela percebe que algo está terrivelmente errado, mas agora não tem como voltar atrás, apenas sobreviver.

"Para que as espécies mais elevadas prosperem - continuou Henry em tom comedido, razoável - as inferiores precisam ser restringidas."


Fazia tempo que não lia um livro com essa pegada juvenil, mas a autora conseguiu escrever de uma forma bem fluida, a escrita te pega e gruda de um jeito bom. Ela aborda e faz referências muito atuais, desde bullying, sororidade, o tempo que passamos em frente ao computador, ao celular, como deixamos de conversar pessoalmente para viver enfurnados e as pessoas que não conseguem ter tempo de viver o real. Realmente, o enredo ficou muito bom. 

Greer Mcdonald, nossa protagonista, é filha de um cineasta de vida selvagem. Na verdade, Greer tem por hábito relacionar tudo que vê com filmes que assistiu. Por isso quando chega à escola e a mesma é separada por casas, nós duas temos o mesmo pensamento: Harry Potter! E quando as três loiras vêm pelo corredor, Meninas Malvadas surge com tamanha limpidez que ri sozinha.  E isso é um fato muito interessante na narração, porque conseguimos nos relacionar com a personagem.

Eu evitei de falar o mais legal do livro que é a parte do thriller psicológico, porque bem, é a parte do suspense! Se eu sofri, você vai sofrer também. Mas com o nosso cenário de terror atual, em que nossas escolas são alvos de assassinos, o que eles passam nesse livro chega muito perto da realidade. Você pensa, isso pode acontecer comigo, com minha filha ou filho, com meus sobrinhos, com minha vizinha. E o que você faria para sobreviver?

Tive vontade de olhar o final umas quatro vezes. É lógico também que eu sabia que algo iria desandar, ninguém em sã consciência iria atrás de alguém que nunca nem disse um oi, quanto mais dormir na casa de desconhecidos, mas o livro é bem cativante. 

"Como bem diz Hannibal Lecter em O Silêncio dos Inocentes, é quando os gritos param que a gente precisa se preocupar."

A autora acerta com sua escrita envolvente em primeira pessoa, e apesar de não curtir tanto - esse livro precisava desse modelo de narrativa - ela explica muitos termos da caça de animais, traz muitas referências cinematográficas, além da parte da caçada em si, mas sem nunca diminuir o ritmo do livro. Além de trazer alguns assuntos como o que é certo ou errado e o que fazer quando as normas e regras normais não se aplicam.

Algumas vezes quis bater na Greer, mas isso até passava rápido porque ela via a burrice dela logo! Adoro personagem que percebe logo a burrada! Existem vários vai e vem de sentimentos, o que é totalmente inerente a característica de ser jovem e de estar aprendendo. E mais, o que amei, foi que a autora continua a trama depois do primeiro desfecho, até me perguntei se sairia outro coelho da cartola e não é que ela criou uma trama secundária? (Ou seria principal, o tempo todo?) Se o final foi clichê? Foi. Se foi menos legal por isso? De jeito nenhum.  Ele me prendeu até o fim, me deixando louca pelo próximo.


                          "Livros eram medievais. Kindle eram selvagens!"

A CAÇA pode ter começado;
O TIRO pode vir de onde menos imagina;
E a PESCA pode enfim colocar tudo no lugar.

E como a protagonista gosta de relacionar tudo com filmes, eu gosto de fazer também com livros. E esse livro me lembrou demais a dinâmica de a Casa Glass de Rachel Caine.


Book;trailer:



Compartilhe!

10 comentários :

  1. Oi! Eu não curti tanto essa obra porque não faz bem p meu estilo de leitura, mas as decisões de Greer me matavam um pouco. Toda hora ela fazia uma asneira que me dava nos nervos haha eu não senti tanto impacto do final como achei que teria, infelizmente.
    Beijo!

    http://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O final foi previsível kkkkkkk Eles foram bem inocentes ali, mas acho que tudo fez parte para montar o enredo para o próximo. Vamos ver como ela vai conduzir o segundo!

      Excluir
  2. Já li várias resenhas sobre esse livro e todas me empolgam bastante para a leitura.
    Gosto desses thrillers que mal te deixam respirar. E, se esse livro é bom a ponto de virar filme, deve ser eletrizante mesmo.
    Preciso ler logo.

    ResponderExcluir
  3. Karla!
    Confesso que apesar de ser um thriller psicológico, que gosto muito por sinal, achei um tanto confuso.
    Não sei, fiquei com a impressão de que falou algo que não é tão empolgante quanto achei que seria pela sinopse e mesmo com sua resenha positiva, fiquei bem na dúvida se lerei ou não.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Rudy, o livro é bom, mas essa é uma resenha que se escrever muito perde a graça. Mas eles são jovens, então tem aquela imaturidade um tiquinho básica, mas nada que te deixa sem vontade de terminar!

      Excluir
  4. Fiquei querendo ler adoro esse estilo de leitura, um bom suspense onde o leitor fica imaginando o que vai acontecer nessa caça. Mas confesso que não aceitaria um convite desses é bem sinistro kk.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Adorei o livro, fiquei bastante curiosa pelo enrendo..Agora não é por nada eu jamais iria a um lugar desconhecido por causa de um bilhete..preferiria ficar em casa e segura.kkkk
    Espero ler em breve!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  6. Ja tinha visto esse livro e me lembro de ter gostado bastante. E realmente a història da mais para filme do que para livro, valeria mais a pena, mas por enquanto vamos nos contentar com o livro.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei