21 janeiro 2019

[Resenha] Paixão ao entardecer - Lisa Kleypas - Os Hathaways #5

Mesmo sendo uma família nada tradicional, quase todos os irmãos Hathaways se casaram, até mesmo Leo, que era o mais avesso a essa ideia. Mas para a caçula Beatrix, parece não haver mais esperança.
Dona de um espírito livre, apaixonada por animais e pela natureza, Beatrix se sente muito mais à vontade ao ar livre do que em salões de baile. E, embora já tenha frequentado as temporadas londrinas e até feito algum sucesso entre os rapazes, nunca foi seriamente cortejada, tampouco se encantou por nenhum deles.
Mas tudo isso pode mudar quando ela se oferece para ajudar uma amiga.
A superficial Prudence recebe uma carta de seu pretendente, o capitão Christopher Phelan, que está na frente de batalha. Mas parece que a guerra teve um forte efeito sobre ele, e seu espírito, antes muito vivaz, se tornou bastante denso e sombrio.
Prudence não tem a menor intenção de responder, mas Beatrix acha que ele merece uma palavra de apoio mesmo depois de tê-la chamado de estranha e dito que a jovem é mais adequada aos estábulos do que aos salões. Então começa a escrever para ele e assina com o nome da amiga. Beatrix só não imaginava o poder que as palavras trocadas teriam sobre eles.
De volta como um aclamado herói de guerra, Phelan está determinado a se casar com a mulher que ama. Mas antes disso vai ter que descobrir quem ela é.


  Livro:  Paixão ao entardecer ||  Série: Os Hathaways #5  ||Autor: Lisa Kleypas 
Ano: 2015 ||  Editora: Arqueiro|| Gênero: Romance de época/Ficção
Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Luiza

Skoob || Compre || Editora
Resenha do livro 010203, 04

Participe do Top Comentarista de Dezembro 
De todos os irmãos Hathaway, Beatrix é a única que não tem muita esperança em encontrar um par adequado. Ela é ainda mais diferente dos outros, e olha que são todos bem peculiares.

Beatrix é daqueles espíritos que gostam de viver livres, na natureza, em contato com os animais. Salões de baile a aprisionam, etiquetas são um suplício. Ela já frequentou por anos as temporadas sociais, mas nunca encontrou alguém remotamente interessante.

É uma pessoa gentil, uma amiga muito atenciosa, com um coração de ouro. E é por isso que ainda visita sua (fútil) amiga Prudence, que é daquelas mulheres que não parecem ter nada na cabeça.

Pru recebeu uma carta do Capitão Christopher Phelan, um dos mais cobiçados partidos de Londres. Ele foi enviado para a guerra e isso tirou completamente o interesse de Prudence, que nem quis responder à carta. Beatrix ficou com pena, ao ler as palavras angustiadas do capitão. Nem parecia a mesma pessoa esnobe que ela conhecia. Na carta, ele parecia seriamente abalado com os acontecimentos da guerra. E ela nunca deixou de ajudar a quem precisa.

Então, respondeu a carta assinando o nome de Prudence, pois Christopher Phelan jamais aceitaria receber uma carta da estranha Beatrix Hathaway. Escreveu palavras gentis que ele precisava para ter algum alento na guerra, e assim trocaram muitas cartas.

O que antes começou como um ato de bondade, agora era um sentimento que crescia a cada dia.

Christopher era outro homem. Não era mais aquele galanteador animado que participava de festas e flertava com as damas. Não tinha mais aquela serenidade. A guerra o mudou. Viu muitas mortes, amigos se foram, matou muita gente. Cumpria seu papel no exército, mas perdia um pouco de si a cada dia. As únicas coisas que lhe davam alento e força para seguir em frente eram as cartas que recebia de sua amada e a companhia de Albert, seu companheiro canino.

Ele não era mais a mesma pessoa que todos conheciam. E esperava descobrir que tinha chance de uma nova vida ao lado daquela que amava. Mas, antes, precisaria descobrir quem ela é....

Beatrix não sabia como resolveria essa situação. Ela estava apaixonada por uma pessoa que não sabia que era ela que escrevia as cartas que recebia. E, frente a frente, esse sentimento parecia ainda mais vivo.

Conseguiria Christopher descobrir sua verdadeira amada? Seria ele capaz de aceitar uma pessoa tão diferente como Beatrix? Teria capacidade de encontrar a felicidade, mesmo tendo tantos fantasmas assombrando-o depois da guerra?

Leiam para descobrir!


E chegamos ao final dessa série maravilhosa! Não poderia ter fechado de forma melhor ❤️

Foi tão maravilhoso acompanhar a trajetória dessa família doida e querida! Ver como a família de órfãos se tornou tão bem-sucedida e feliz. Como cada um encontrou o amor, mesmo em lugares improváveis.

Não poderia ser diferente com a doida e querida Bea, né? Claro que seu destino seria o mais improvável. 

Depois de tanto procurar, ela acabou encontrando o amor em uma pessoa que consideraria extremamente imprópria há uns tempos. Um soldado, de família nobre, que já havia zombado dela no passado e muito famoso entre as damas. Quem iria imaginar? Logo ela, uma mulher totalmente da paz,que passa mais tempo em companhia de animais do que de pessoas e que sonha viver livre, na natureza.

E quem diria que um cara mimado e egocêntrico poderia se transformar tanto? Um herói condecorado da guerra que não faz a menor questão de seus títulos. Christopher mudou muito. Mas mudou a ponto de aceitar em sua vida uma mulher doida, inteligente e muito excêntrica? Que se anima fazendo partos de animais e se compadece de qualquer um que for ferido, não importa se é um pequeno inseto ou seu ouriço de estimação....

Ai, eu amei amei essa história! Não esperava mesmo esse par para Bea e achei muito perfeito ❤️

Ver a história sob a ótica de uma pessoa que foi para a guerra, cheio de angústias, muita culpa e desespero, foi algo que acrescentou demais na série. Ao mesmo tempo que contrasta com a leveza de Beatrix, seu jeito fácil de encarar as coisas, de achar soluções simples para problemas difíceis.

É um final mais do que digno para uma série apaixonante. Observar como dois opostos não apenas se atraem, como se completam, vai com certeza te conquistar também! Leiam!

Compartilhe!

2 comentários :

  1. Luiza!
    Adoro quando uma série termina a contento e com chave de outro, embora não tenha lido nenhum dos livros da série, mas já está entre minha favoritas.
    Gosto da premissa das cartas porque o amor é pela essência da pessoa e não pela aparência e gostaria de acompanhar Beatrix e o Capitão em seu impasse pessoal ao se encontrarem e descobrirem a troca das pessoas que respondia as cartas... Bom demais!
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Ainda não li nenhum da série, é maravilhoso quando terminamos uma e de forma que agrada. Parece ser uma leitura gostosa e sentimental, devido as cartas pois acho tão romântico, pena ele não saber de quem é, fiquei imaginando qual seria sua reação em relação a isso, deixa uma expectativa no leitor. Que bom que o mocinho mudou, mas é uma pena que ele tenha que ter passado por tanto sofrimentos para isso acontecer, a guerra muda muita gente.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei