15 janeiro 2019

[Resenha] Até Você Chegar - Judith McNaught


Professora de uma escola para damas da alta sociedade, Sheridan Bromleigh é contratada para acompanhar uma das estudantes, Charise Lancaster, até a Inglaterra, onde encontrará seu noivo. Quando a jovem sob sua responsabilidade foge com um estranho, Sheridan questiona-se como explicará isso ao pretendente, Lorde Burleton. Stephen Westmoreland, o Conde de Langford, presume que a jovem vindo em sua direção é Charise Lancaster, e a informa sobre sua participação no acidente fatal envolvendo Lorde Burleton na noite anterior. No momento em que iria explicar o mal-entendido, Sheridan também sofre um acidente e fica inconsciente. Ela acorda na mansão de Westmoreland, sem lembrar quem é. A única pista sobre seu passado é o estranho fato de todos a chamarem de miss Lancaster. Tudo o que ela realmente sabe é que está apaixonada por um belo conde inglês, e que sua vida está repleta de maravilhosas possibilidades...

  
Livro:  Até Você Chegar||Série: Dinastia Westmoreland # 3 ||Autor: Judith McNaught
Ano: 2018 ||  Editora: Bertrand Brasil|| Gênero: Romance de época/Ficção
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Luci

Skoob || Compre || Editora

A americana Sheridan Bromleigh trabalha em uma escola de damas de alta sociedade, como professora de etiqueta e boas maneiras, pertencente à sua tia, que a acolheu após a morte do seu pai, o responsável por ter lhe proporcionado uma infância intensa e a estimulou a ter um espírito livre e rebelde. Só que, agora, ela deve se conter para instruir às jovens ricas quanto aos ritos da alta sociedade.

Sheridan recebe como atribuição levar Charise, uma jovem dama petulante, até a Inglaterra, onde ela deve se encontrar com seu noivo, Lorde Burleton. No entanto, a jovem foge antes de chegar ao seu destino, deixando Sheridan em maus lençóis. Afinal, como ela iria explicar que seu trabalho falhou?

Temerosa, ela decide procurar Lorde Burleton e o informar sobre a fuga da sua noiva com outro homem, e quando ela se depara com Stephen Westmoreland, à espera no cais, ela o confunde com o noivo abandonado, mas antes de explicar o que aconteceu, um acidente a impede, e isso muda totalmente seu destino.

Stephen Westmoreland, agora conde de Langford, barão de Ellingwood, quinto visconde de Hargrove e visconde de Ashbourne, se envolve em uma fatalidade: ao sair da casa de sua amante, ele acaba por atropelar Lorde Burleton, e quando descobre que este estava de casamento marcado e ia buscar sua noiva, o remorso o faz procurar por Charise, mas quando encontra Sheridan, acaba por confundi-la, mas antes que todo esse mal-entendido seja resolvido, ele vê a jovem sofrer um acidente e imediatamente toma para si a responsabilidade de cuidar dela, para aliviar sua consciência pesada.

Só que quando Sheridan acorda, infelizmente, não lembra de nada, e o erro sobre sua identidade continua, principalmente depois que Stephen decide afirmar que são noivos, pois de acordo com o médico da família, afirmar o contrário poderia gerar um choque físico e mental. Claro, tudo provisório, até seus parentes aparecerem para levá-la de volta à América.

Mas não seria tão fácil para Stephen como ele imaginava, pois a sua “noiva”, apesar de não ter noção de quem é, a amnésia não apagou dela o desejo por romance, de um casamento por amor. E ao buscar a presença dele, não como dois noivos cujo casamento foi arranjado, mas como duas pessoas que se escolheram devido a sentimentos fortes, Sheridan passa a povoar os pensamentos de Stephen, que se sente instigado por sua personalidade e atraído pelas sensações que ela lhe desperta.

Stephen não é mais o jovem cheio de sonhos amorosos, desde que caiu no erro de acreditar que a ausência de um título não faria diferença. Quando a mulher que ele amava o trocou por um homem bem mais velho, porque ele tinha um título e a influência que ele não possuiria, ele se transformou completamente; trocou as aspirações românticas por amantes, cujo interesse estava claro. E quando ganhou seus títulos de nobreza, ele foi mais duro ao relacionar-se com as jovens da sociedade londrina, cansado desses jogos de interesse.

No entanto, Sheridan, a quem ele acredita ser outra pessoa, abre novas perspectivas para sua vida, e o que começou como um engano, rapidamente se torna algo concreto e verdadeiro.  Até que a verdade vem á tona, e os dois passam a amargar a mesma desilusão.



O que mais gosto nos livros da Judith McNaught, e que me fez fã incondicional dela, com certeza é a forma como ela, tão habilmente, descreve as emoções dos personagens e dá vida a eles através disto.

Stephen era um personagem que, desde que o conhecemos em Whitney, Meu Amor,  você já anseia pela história dele, porque é impossível não se envolver com esse personagem, principalmente quando ele passa pela desilusão amorosa que o faz mudar tão completamente suas atitudes perante as mulheres. A autora explorou isso, e cada nuance de sua mudança, para o Stephen que conhecemos no livro anterior. Foi sutil e ao mesmo tempo bem presente na evolução da trama. O conflito de sentimentos, decidir acreditar outra vez, enfim. É um personagem que ganha vida e parece ultrapassar as páginas para conquistar o leitor.

Sobre Sheridan, ela tem as características marcantes das personagens de Judith McNaught: corajosa, atrevida, apaixonada. Ela começa frágil, mas ao longo do livro, somos presenteados como uma personagem maravilhosa, que ama, erra, mas que busca viver seus sentimentos. É basicamente a heroína dos livros que amamos ler em um bom romance e que não nos decepciona no final.

Os personagens secundários (que já foram protagonistas em outras obras), deram aquele complemento à obra, com suas maquinações em nome do amor e a amizade.
Enfim, para quem lê a sinopse e espera ler mais uma história clichê, com certeza é surpreendido no desenvolver da história, que nos presenteia com uma trama intensamente apaixonante, como só Judith McNaught sabe escrever.

  

Compartilhe!

3 comentários :

  1. Clichê e Judith nem combinam né?! rsrs.

    Amo a capacidade que essa autora tem de alcançar o leitor e lhe proporcionar muitos sentimentos controversos, as vezes amor, as vezes duvida, as vezes raiva... todos sentidos muito intensamente.

    Eu acho essa história maravilhosa. Tenho uma versão antiga, mas quero ter essa nova com certeza e achei sua resenha linda Luci.

    :D

    ResponderExcluir
  2. Não li nenhum livro da autora, parece ser uma historia muito bonita e logo no começo tem muita confusão com essa troca de personagens digamos assim, que deve ter ficado divertida mas que ganha grandes proporções. Stephen é um personagem que chama atenção afinal vive um grande conflito em confiar nas mulheres, fiquei curiosa em acompanhar essa evolução dele.

    ResponderExcluir
  3. Lucilene!
    Muito bom poder ler uma resenha de uma das autoras que mais gosto.
    Esse ainda não li mas já anotei aqui, porque tenho de correr atrás para poder acompanhar mais um enredo lacrimoso e emocionante... cheio da docilidade da autora.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei