12 dezembro 2018

[Resenha] Vox - Christina Dalcher

Uma distopia atual, próxima dos dias de hoje, sobre empoderamento e luta feminina.

O SILÊNCIO PODE SER ENSURDECEDOR #100PALAVRAS

O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.

Esse é só o começo...

Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.

...mas não é o fim.

Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.



Livro:  Vox  || Autora: Christina Dalcher ||  Editora: Universo dos Livros
Ano: 2018  ||  Gênero: Ficção, Distopia
 Classificação: 4.5 estrelas || Resenhista: Lud e Luci

Skoob | Editora | Compre

Participe do Top Comentarista de Dezembro
Hello, pessoas, hoje venho com a resenha do livro VOX, que foi uma leitura coletiva entre mim, Karin e Karina. Eu geralmente não leio distopia, mas como esse foi um livro em que as  três manifestaram interesse em ler, mesmo com gostos totalmente diferentes, decidimos que ele realmente tinha um certo apelo e encaramos a leitura. 

Como a sinopse diz, e o marketing do livro também, o livro conta a história de uma época não muito longe onde um homem chega ao poder através de eleições diretas, e ao assumir, instala várias mudanças na constituição, e uma delas é sobre o papel da mulher na sociedade, tão duramente conquistado não últimos anos. 

Nessa nova era, as mulheres só podem falar 100 palavras por dias, tendo um contador nos pulsos que, passando o limite, aplica um choque cada vez maior, se ela não se calar. 
Além de retirar todos os privilégios, como trabalho, direito à opinião e muito mais...

Nós vamos acompanhar essa nova vida através dos olhos da Jean McClellan, uma cientista e fonoaudióloga que fazia estudos de como reativar a parte do cérebro ligada à linguagem, que se encontra em adaptação às novas regras impostas, já que antes ocupava uma posição de destaque na medicina por seu estudo sobre ..... 

Mas em um dia, tudo de repente muda, quando o governo a procura para retomar a sua pesquisa, já que era necessária para curar o irmão do presidente que sofre um acidente e fere justamente a parte do cérebro que é motivo de estudo da doutora. E agora, com acesso às suas pesquisas novamente, ela tem a chance de mudar o rumo da história. 



O que foi esse livro ?? 
Como eu disse no começo, não segue o meu gênero de leitura, mas é um dos melhores livros que já li esse ano. É um livro aterrorizante, de tal proximidade com a realidade atual, que chega a causar pânico e medo de que a ficção se torne realidade. 

Pegando um gancho com a nossa realidade, vemos que, nos últimos anos, a sociedade vem apontando um interesse maior por uma política de valores conservadores, envolvendo segmentos religiosos cujas ideias chegam até a ser extremistas. E lendo esse livro, não pude deixar de relacioná-lo constantemente com o momento social que vivemos, onde o feminismo é totalmente deturpado e visto como algo maléfico para a sociedade e até mesmo para as mulheres. E isso é extremamente perigoso, pois incute uma ideologia errada sobre esse movimento. Quantas vezes vimos que "mulheres de bem" são aquelas que não aderem ao movimento feminista, mesmo usufruindo das conquistas que o feminismo conseguiu através de décadas?

Mas voltando ao livro, ele mostra uma narrativa bem crua sobre esses "novos tempos", onde o extremismo religioso ganhou um espaço enorme na política, diminuindo gradativamente a participação feminina nos espaços de poder e trabalho, até reduzi-las a nada, a pessoas sem voz, meros acessórios do lar, para reforçar a ideia política-religiosa.

Ao longo da narrativa, conhecemos o antes e o depois da instauração desse poder religioso extremista, através de Jean, dos seus pensamentos inquietos e angustiantes de como será o futuro da filha, que desde cedo tem que sufocar a vontade de falar; de como teve que abdicar de um trabalho, de uma pesquisa revolucionária pela simples condição de ser mulher; e ainda, os castigos impostos ao sexo feminino pelo ato de se rebelar contra isso, e até mesmo se ousar ir contra o ideal de "pureza". E isso recorça um retrato tão cru dessa nova realidade, que nos sufocamos com ela, nos causa revolta e temor, pois, por mais que a luta feminina pela consolidação de espaços seja intensa, ainda há um movimento opressor crescente que quer calar nossas vozes.

Enfim, o que posso dizer é que esse livro mexe com todo o seu psicológico, e é tão angustiante em algumas partes que você precisa parar de ler e respirar um pouco. Além de que o medo surge em diversas ocasiões proporcionado pela analogia que podemos fazer com o que estamos vivendo agora. Posso resumi-lo em uma palavra: intenso. E se causa temor, também estimula para refletirmos e intensificar a luta das mulheres pela não objetificação; pela conquista e garantia de direitos. Nem um a menos, e mais respeito.

Eu recomendo esse livro para todos....

Compartilhe!

2 comentários :

  1. Desde que li sobre esse livro fiquei interessada e imaginando isso na realidade como estaríamos perdidas, é uma leitura e tanto para o momento em que estamos passando com a politica e tudo mais, leitura importante e bem reflexiva. Só de imaginar as situações que as mulheres passam nesse historia da uma agonia imagina lendo os detalhes.

    ResponderExcluir
  2. Eu achei maravilhoso a proposta desta distopia Só pelo fato de eles abordarem universo mas as mulheres são limitadas a falar e a possuir no terminado o número de palavras que podem ser ditas no dia nos faz questionar o quanto essas distopias estão abordando tema atuais

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei