28 dezembro 2018

[Resenha] Um acordo pecaminoso - Lisa Kleypas



Lady Pandora Ravenel é muito diferente das debutantes de sua idade. Enquanto a maioria delas não perde uma festa da temporada londrina e sonha encontrar um marido, Pandora prefere ficar em casa idealizando jogos de tabuleiro e planejando se tornar uma mulher independente. Mas certa noite, num baile deslumbrante, ela é flagrada numa situação muito comprometedora com um malicioso e lindo estranho. Gabriel, o lorde St. Vincent, passou anos conseguindo evitar o casamento, até ser conquistado por uma garota rebelde que não quer nada com ele. Só que ele acha Pandora irresistível e fará o que for preciso para possuí-la. Para alcançar seus objetivos, os dois fazem um acordo curioso, e entram em uma batalha de vontades divertida e sensual, como só Lisa Kleypas é capaz de criar.



Livro:  Um Acordo Pecaminoso|| Série: Os Ravenels 03 || Autor: Lisa Kleypas
Ano: 2018 ||  Editora: Arqueiro  || Gênero: Romance Histórico
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Gaby

Skoob || compre || Editora
Alguns autores são tão bons em seus trabalhos que criam personagens capazes de deixar saudade quando suas histórias acabam. Os leitores assíduos da Lisa sabem que suas séries estão todas interligadas e que personagens de uma vivem pipocando e fazendo pequenas participações na outra. Esse livro é um caso excepcional onde personagens de séries passadas tem grande destaque, o mocinho aqui é filho de um dos casais mais amados da Lisa, os protagonistas de Pecados no Inverno. Devo deixar claro aqui que a leitura das outras séries da Lisa não é necessária para entender a série Ravenels, e que ela por si só é completa e gostosa, porém, a sensação de nostalgia que ela causa nos fãs dos trabalhos antigos da Lisa é sensacional. 

O livro conta a história de Pandora e Gabriel, que logo nas primeiras páginas são pegos em uma situação comprometedora e forçados a considerar a ideia de casamento, mesmo ambos tendo suas reservas e sendo contra essa instituição. Acontece que a atração entre eles acaba falando mais alto que as ressalvas.

Algo que já citei em minhas resenhas anteriores de trabalhos da Lisa é a sua preocupação em mostrar o contexto histórico, nas Estações do Amor lembro de cometar sobre a atenção dela em falar sobre o declínio da aristocracia e a emergência de comerciantes. Aqui o papel da mulher é discutido de forma impar para um romance de época. A personagem Pandora é construída como uma moça forte e que busca sua independência de todas as formas, ela sonha em construir sua própria industria de jogos de tabuleiros empregando o máximo de mulheres possíveis e sendo uma prova viva de sororidade.

" - Você está dizendo que eu devo confiar a um homem o poder de, por toda a vida, tomar decisões por mim, de modo como eu desejaria que fossem tomadas, quando eu preferia tomá-las eu mesma? - Com um toque sincero de perplexidade, Pandora perguntou: - Porque eu faria isso?
- Porque o casamento é mais do que um arranjo legal. Inclui companheirismo, segurança, desejo, amor. Nenhuma dessas coisas é importante para você?
- Todas são - disse Pandora, e baixou os olhos para a areia diante deles. - E é por isso que jamais conseguiria sentir qualquer uma delas por um homem se eu fosse propriedade dele."
Um Acordo Pecaminoso desnuda um pouco do ideal romântico que temos do casamento nos livros de época, mostrando a verdade nua e crua do que significa casar na época vitoriana, na falta de liberdade, na impossibilidade de possuir alguma coisa e a dependência que isso gera. É impossível não pensar no inferno que seria um casamento arranjado e sem amor, algo praticamente impensável em um livro de romance. E esse contexto faz com que os personagens principais sejam ainda mais únicos.

Nossa mocinha, diferente de tantas outras que começam seus livros como rebeldes e acabam sendo domesticadas ao longo da história, permanece fiel ao seu cerne e ao criar várias condições para aceitar se casar consegue assim manter sua liberdade e excentricidade. E Gabriel, o que dizer desse mocinho que é perfeito em tantos níveis, além de bonito e sensível, a maneira que ele tem de amar é a ideal, ele simplesmente abraça todas as peculiaridades da Pandora e em nenhum momento tenta mudar e adequar ela aos padrões sociais.

“- Quer saber por que adoro jogos de tabuleiro? Porque as regras fazem sentido, e são as mesmas para todos. Os jogadores têm oportunidades iguais.
- A vida não é assim.
- Com certeza não para as mulheres.”

Sendo assim, o livro pra mim é só mais um volume incrível dessa série que está se mostrando como o ápice de Lisa Kleypas. A série tem um nível perfeito de romance, humor, veracidade e ouso dizer nostalgia. É uma leitura obrigatória para os fãs de romances históricos e um ótimo ponto de partida para quem quer começar no tema e na autora.

Compartilhe!

Um comentário :

  1. Eu adoro um bom e velho romance de época que por acaso é um dos meus gêneros favoritos e a Lisa kleypas é a minha autora favorita e esse é o livro da série que mais me chamou atenção porque eu adoro quando o mocinho se apaixona pela mocinha que não está nem aí para ele

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei