25 dezembro 2018

[Resenha] A Revolução dos Bichos HQ

A obra-prima de George Orwell adaptada para os quadrinhos. Clássico moderno, A revolução dos bichos ganha vida e movimento no traço do gaúcho Odyr. Ao narrar a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos, a obra mostra como o conflito os leva a uma tirania ainda mais opressiva que a dos humanos.
Odyr passou os últimos anos envolvido numa empreitada desafiadora: transformar em quadrinhos um dos maiores clássicos da literatura mundial, A revolução dos bichos. Em tinta acrílica, fazendo com que cada página se tornasse uma verdadeira obra de arte, Odyr deu forma à narrativa de George Orwell ― e a personagens antológicos como os porcos Napoleão e Bola-de-Neve. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945, essa breve narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. Mas não só. Mais de sessenta anos depois, A revolução dos bichos se tornou uma alegoria universal sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão de grandes ideias e projetos de revolução política.


Livro:   A Revolução dos Bichos HQ ||Autor: George Orwell 
Ilustrador : Odyr || Editora: Quadrinhos na Cia|| Classificação: 4 estrelas 
 Resenhista: Lud/Karina ||   Ano: 2018 ||  Gênero: HQPolítica, Adaptação

Skoob | Editora | Compre

Eu vi uma amostra desse HQ quando fomos visitar a editora, e claro que já me interessei porque os traços e as cores eram simplesmente maravilhosos. Apaixonada como sou por HQs, quis ler para saber se minha relação com a história iria se alterar, e já adianto que alterou, sim, alterou para melhor.

 Meu primeiro contato com a obra foi no texto original, não sei se as expectativas estavam muito altas, ou se na época que li não era o momento certo, acabei achando que a hype não se justificava com a versão em quadrinho e o momento atual que vivemos. Cada página era um tapa na cara e um AI MEU DEUS, como isso é real; então só posso chegar à conclusão que  HQs de clássicos são as melhores escolhas sempre que você quiser ter contato com grandes autores como Orwell.


O destaque aqui fica pela adaptação do texto, que está muito boa.



Para quem não conhece, essa HQ é uma adaptação do livro A revolução dos Bichos, de George Orwell, publicado em 1945 e considerado um verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século XX.

Escrito durante a Segunda Guerra Mundial, o livro nada mais é do que uma fábula sobre poder.  Ela satiriza a ditadura stalinista de uma forma feroz, o que causou desconforto na época e, claro, dificuldade na publicação do livro. Mas após publicado, foi amplamente usado pelo Ocidente como arma ideológica contra o comunismo, o que desagradou o autor, que era contra qualquer forma de manipulação política.

Nas primeiras páginas do HQ já temos um tapa na cara, que te faz pensar no mundo em que vivemos hoje, e devo confessar que nesse momento eu já tirei uma foto e enviei para as meninas e comentei: olha que tiro de frase.



Ao longo da narrativa, vamos acompanhar a revolução dos bichos da fazenda contra o seu dono, e posteriormente como os mesmos são corrompidos pelo poder, e passam a ser a 'sociedade' que aboliram no começo. Como as desculpas esfarrapadas e o 'fechar de olhos' sobre alguns assuntos contribuem para essa situação se agravar e acabar da forma como começou.

Mesmo se você não é muito ligado à história política, você ainda consegue pegar as referências contidas no livro. Como Napoleão sendo Stálin, Bola-de-Neve sendo Trotsky, e até mesmo os eventos políticos da guerra estão presentes na sequência de acontecimentos do livro - revolução/expulsão dos que estavam no poder, instituição de uma política onde se tem o controle da população e a manipulação da história em favor daqueles no poder; é ai que eu percebi o quanto a adaptação do texto foi bem-feita para os quadrinhos, que utiliza muito menos texto. 

Alguns animais ficaram de fora, mas o papel de imprensa, o poder no modo bruto e político, está todo representado; numa primeira leitura lá no texto original, eu achei sem noção total bichos com atitudes humanas, mas no quadrinho a pergunta que ficou ecoando na minha cabeça é: o quanto nós, humanos, somos/ficamos irracionais quando temos o poder na mão?


Mas apesar de ser escrito em 1945, e depois de tantas mudanças políticas até chegarmos em 2018, é claro como a história está presente nos dias de hoje. Como a escrita e o enredo brilham e se assemelham a muitas coisas que estamos vivendo hoje. Os animais, cansados do abuso dos humanos, instauram uma espécie de "Animalismo" - obviamente a escrita flerta com o socialismo, mas não é simplesmente uma defesa de sistema politico social, seja socialista, comunista e /ou capitalista. O texto aponta e tem por crítica social que, seja qual for o sistema empregado, há falhas por simples e pura ganância pelo poder. Podemos ainda citar que o livro narra as fraquezas humanas que levam à corrosão dos grandes projetos de revolução política. É a perfeita união entre fábula moral e sátira política.  

Diante de toda a analogia política que esse HQ faz, e como é complexo seu enredo, não podemos deixar de citar Odyr Bernardi, o brasileiro responsável pela adaptação do livro em HQ.  Devo dizer que é a coisa mais linda, todas as cores, o jogo de luz que altera o tom da narração são impressionantes (olha, estou parecendo até entendida). Agora, para essa próxima parte, eu fui pesquisar um pouco, porque é falado que o Odyr escolheu retratar a obra através do impressionismo, e para explicar um pouco isso, preciso de ajuda. 

"Os impressionistas buscavam retratar os objetos através do contraste de cor e luz, onde as próprias pinceladas dos pintores se tornam uma marca de luz e sombra na tela. A pincelada do impressionismo deixa uma marca na tela, como se fosse a letra do autor; seu relevo, deixado na tela propositalmente, faz com que a luz e sombra estejam presentes em cada pincelada."


A sensação que eu tive enquanto lia é que a aquarela da impressão de movimento, como não tem muita delimitação de story board, cada página parece um quadro mais aberto, o que ajuda a criar uma atmosfera de medo e uma certa paranoia. Mesmo com traços "menos duros", era quase como se eu esperasse a qualquer momento uma guerra entre os próprios bichos.

Não me encontro no momento mais positivista da vida, e acredito que os próximos anos serão mais difíceis do que imaginamos, mas acredito que a literatura está aí para nos servir de exemplo. Devemos tomar cuidado para não nos deixarmos oprimir pelo simples fato de sabermos como foi ser oprimido, e esse livro é uma bela reflexão que aponta para esse caminho.


Compartilhe!

2 comentários :

  1. Ainda não li o livro, embora seja bem comentado, gostei da ideia da HQ, deve ter ficado muito boa com as ilustrações e cores, gosto quando é assim colorida. A leitura deve despertar muitos sentimentos no leitor, e o deixar pensando sobre tudo que leu, uma historia que abre nossos olhos, nos faz analisar nossos conceitos, pois o poder é perigoso e sobe a cabeça.

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro livro A Revolução dos Bichos do George orwell eu acho que ele é uma crítica muito social ao que nós estamos vivendo então quando eu vi que a editora companhia das letras e ao lançar essa edição maravilhosa em quadrinhos eu fiquei completamente estupefata e é uma das obras que eu quero adquirir o mais breve possível

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei