27 dezembro 2018

[Resenha] Outsider - Stephen King


O corpo de um menino de onze anos é encontrado abandonado no parque de Flint City, brutalmente assassinado. Testemunhas e impressões digitais apontam o criminoso como uma das figuras mais conhecidas da cidade — Terry Maitland, treinador da Liga Infantil de beisebol, professor de inglês, casado e pai de duas filhas.
O detetive Ralph Anderson não hesita em ordenar uma prisão rápida e bastante pública, fazendo com que em pouco tempo toda a cidade saiba que o Treinador T é o principal suspeito do crime. Maitland tem um álibi, mas Anderson e o promotor público logo têm amostras de DNA para corroborar a acusação. O caso parece resolvido.
Mas conforme a investigação se desenrola, a história se transforma em uma montanha-russa, cheia de tensão e suspense. Terry Maitland parece ser uma boa pessoa, mas será que isso não passa de uma máscara? A aterrorizante resposta é o que faz desta uma das histórias mais perturbadoras de Stephen King.


Livro: Outsider || Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras || Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Renata
 Ano: 2018 || Gênero: Ficção, Suspense

Skoob | Editora | Compre

Participe do Top Comentarista de Dezembro
Outsider do Stephen King é um daqueles livros que aparentemente entrega a trama de cara para adivinharmos, mas não é bem assim. Começamos com um crime brutal, onde uma criança, Frank Peterson, foi violentada de maneiras inimagináveis. A maneira como o crime é descrito, é intencional para que se odeie o perpetrador do mesmo. Não que seja muito difícil. A vítima aqui é uma criança de 12 anos e o suspeito praticamente comprovado é Terry Maitland, que é o técnico do time infantil de beisebol de Flynt City. Ralph Anderson, que é um policial da comunidade, juntamente com o promotor Samuels planejaram a prisão perfeita para um crime hediondo. 

Só que não é bem assim. Nada é o que parece.



Stephen King tem um estilo bem conhecido que é oferecer a seus leitores inúmeros fatos aparentemente aleatórios e sem sentido algum e que no final se encaixam. É uma estratégia muito conhecida, mas ao mesmo tempo, nos surpreende toda vez. E ele mexe com os leitores de maneira inigualável. 

A leitura começa travada no começo, pois são inúmeros fatos que vão ganhando forma, conforme a massa do bolo é criada. Detalhes pequenos como uma unha comprida demais ou ainda uma van abandonada vão criando um ambiente onde todos os personagens acabam questionando aquilo que acreditam que é verdade ou não. Às vezes, um personagem que você acha que será importante na narrativa é usado para levar um instrumento de uma ponta a outra e aí percebemos sua importância.

Algo importantíssimo a se destacar é o uso primoroso da verossimilhança, considerando que a história tem uma premissa sobrenatural, observando a capa, a história progride muito bem, colocando fatos cada vez mais impossíveis, mas ao mesmo tempo críveis. 

Vemos um personagem de uma trilogia querida do King que acaba participando ativamente de Outsider e as referências não acabam por aqui. Para leitores de Edgar Alan Poe, a premissa do livro se baseia em um dos contos mais misteriosos do escritor. Temos elementos da cultura mexicana, críticas leves à política atual e muito suspense e terror. 

É uma leitura que flui, mas ao mesmo tempo exige muita atenção e isso apenas um mestre da escrita pode fazer. 

Boa leitura a todos!

Compartilhe!

4 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Terminei de lê-lo agora, no Natal e posso dizer que fui muito bem introduzido ao mundo literário de Stephen King. Não havia lido a sinopse, então embarquei no livro por ser o mais novo do mestre do terror, e não me arrependi. As primeiras cem páginas são bem curiosas; em momento algum o livro fica chato, apesar de serem (no e-livro que li) 557 páginas.
    Realmente, a verossimilhança é importantíssima no livro e na obra de King em geral, pois percebi que ele sempre pesquisa muito bem os fatos antes de escrever. Em alguns momentos você é levado a quase "cair da cadeira" com alguma sacada em algum capítulo; em outros, porém, o suspense dá uma levantada e eu cheguei até a chorar em uma parte - não que seja a única em que isso é possível, hahaha.

    Tenho uma cena preferida e creio que ela será facilmente discernida por quem ler o livro. E uma frase preferida também, que acho que é a mais marcante do livro. Enfim, mais coisas, só na resenha que farei em breve hehe
    Beijos, galera!

    www.rapeizedinamica.biz

    ResponderExcluir
  3. Parece que o livro já começa chocando o leitor, quando se tem criança mexe muito com que lê. Adoro quando tem referencias, quando não conheço já vou pesquisar sobre elas rs. Deixa a leitura mais instigante quando o autor consegue enganar o leitor, impressionante como o autor tem uma imaginação e tanto e consegue interligar os acontecimentos e no fim da tudo certo.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que esse é um dos melhores livros de Stephen King para ser lido quando se quer entrar no universo criado pelo autor pessoas querem conhecer a obra do Stephen logo indo lendo livros maiores como it a coisa ou o iluminado e acaba não tendo o encantamento devido por não ter uma experiência anterior com Lúcifer e não saber como é a proposta de escrita dele esse livro para mim foi fenômenal e é simplesmente uma obra eletrizante

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei