30 dezembro 2018

[Resenha] Nora Roberts - Os Guardiões #1 - Estrelas da Sorte


“Sasha Riggs é uma artista assombrada por sonhos que transforma em pinturas maravilhosas, cenas que preveem o futuro. Ela nunca conseguiu assumir seu dom, mas desta vez não consegue ignorar as visões que a atormentam e viaja para a ilha grega de Corfu.
É lá que encontra as pessoas com quem sonha: um mágico, um arqueólogo, um viajante, um lutador, um solitário. Elas também foram atraídas por uma força inexplicável. Dotadas de habilidades extraordinárias, cada uma terá um papel fundamental na aventura que as espera: encontrar as míticas Estrelas da Sorte, que caíram do céu, pondo em risco o destino de todos os mundos.
Sasha é quem os mantém unidos e vê no mágico, Bran Killian, um homem de imensa compaixão. Ela tem dificuldade para lidar com sua vidência, mas Bran está lá para apoiá-la. Porém, os dois não devem desviar sua atenção da missão, pois uma ameaça sombria procura corromper tudo que está no caminho para alcançar as estrelas.”

Livro: Estrelas da Sorte || Série: Os Guardiões #1 || Autor: Nora Roberts 
 Editora: Arqueiro || Ano: 2018  ||  Gênero: Fantasia, Romance
 Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Karla

Skoob | Editora | Compre


Eu amo Nora Roberts. Até hoje não teve um livro dela pelo qual não me apaixonasse. Estrelas da Sorte não foi diferente.

Era uma vez três deusas de muita luz - Celene, Luna e Arianrhod - que queriam dar um presente único à nova rainha Aegle, pois sabiam que seu reinado seria de paz e justiça. Elas forjaram estrelas de poder para que a rainha olhasse para o céu e visse a beleza delas ao lado da lua. Mas, Nerezza, deusa da escuridão e da mentira, queria o poder das estrelas da sorte para si e maculou-as com sua escuridão. Elas um dia iriam cair do céu e, quando isso acontecesse, Nerezza sugaria a magia das estrelas para si e destruiria todos os mundos existentes. 

As três deusas não poderiam impedir a queda das estrelas, mas poderiam manipular onde e quando isso iria acontecer, e colocariam guardiões para buscá-las e encontrá-las antes da deusa sombria. 

O tempo passou e a espera para encontrar as estrelas estava chegando ao fim.

Sasha Riggs não aguentava mais sonhar. Eram sonhos de morte, dor, sangue e destruição. Ela não queria o seu dom, mas ele não desistia dela. Sonhava com lugares lindos, paisagens arrebatadoras e com as cinco pessoas que apareciam com ela. Eram sempre os seis, e dentre eles, tinha um homem misterioso que mexia com sua mente, corpo e coração. Ela sentia em sua alma a ligação que tinha com ele, mas não queria mais esses sonhos que a deixavam ensopada de suor e com medo. Porém, Sasha sabia que precisava ter coragem e decidiu comprovar se seus sonhos poderiam ser mais do que isso. Então, fez as malas e seguiu viagem para o lugar que sonhava – a ilha de Corfu, na Grécia.

Logo ao chegar, vê a mulher de olhos dourados de seus sonhos sentada no pátio do mesmo hotel em que está e percebe que tudo era real. Ela se aproxima da mulher, temendo que ela achasse que era louca. Porém, Sasha mostra seus desenhos a ela, os quais fez antes de vê-la e conhecê-la e Riley não se mostra nem um pouco surpresa em Sasha ter visões retratadas em pintura - Riley procura as estrelas da sorte há muito tempo e sabe que o mundo é muito mais do que aparenta - e Sasha logo de cara vê que ela é destemida, inteligente e corajosa. Um tornado cheio de energia.

Num momento repentino, o homem de seus sonhos chega no mesmo hotel e se apresenta. O nome dele é Bran, e é poderoso, destemido, muito real, inteligente e corajoso. Eles conversam e percebem que o destino os uniu ali. Apesar da desconfiança inicial, partem em sua jornada para encontrar os outros que faltam e  para procurar as estrelas. 

Bran não quer contar quem realmente é, afinal eles mal se conhecem, mas ele é atraído para Sasha como uma abelha é atraída para o mel. Ela é sensível, meiga, mas forte como aço. Ele sente a dor dela, entretanto, mais do que isso: ele a vê como realmente é. Bran sabe que não poderá manter seus segredos por muito mais tempo, e logo eles percebem que para vencer deverão baixar suas defesas e escudos. A medida que eles vão se conhecendo, a relação de Bran e Sasha vai ficando mais intensa e eles criam um laço poderoso de amor. Eles buscam as estrelas ao mesmo tempo em que se apaixonam e no fim da batalha, o amor será a chave para vencer.

“É verdade? Você conhece os sentimentos, Sasha. O que sente é uma centelha, uma atração, um pouco de paixão e excitação? Ou é amor, que se mantém, espera e se expande?”

Sawyer é o próximo a ser encontrado, caminhando na estrada que levava à casa em que eles estavam hospedados. Ele é o viajante: aventureiro, forte e leal. Annika aparece logo depois na praia perto da casa e ninguém sabe de onde surgiu, mas Sasha sabe que ela é a alma mais pura que já viu e uma lutadora sem igual, ela é leal e protetora. Doyle surge por último, o espadachim destemido e solitário, um verdadeiro guerreiro; os salva de uma situação complicada com os subordinados de Nerezza. E assim, finalmente, os seis estão juntos. Cada um tem o seu dom e poder, e são especiais e fenomenais à sua própria maneira. 

Sasha sabe que somente unidos poderão ter chance de vencer o mal. Em suas visões, eles sempre estão juntos. Os seis. Assim, partem em aventuras e desafios, lutando contra as criaturas enviadas por Nerezza. E, por mais difícil que seja confiar uns nos outros, só assim o bem e a luz irão reinar.

“Para proteger, respeitar, defender, sustentar.”


Nora Roberts sempre me surpreende. 

Ela inventou um mundo cheio de magia, com uma trama surpreendente. O livro não foca exatamente no casal Bran e Sasha, apesar da relação deles florescer nesse livro. Os seis tem participação efetiva em quase tudo, em todas as buscas e desafios. Na verdade, um dos pontos centrais do livro é se eles conseguirão conviver e confiar uns nos outros, porque só assim poderão vencer. Juntos. E, a cada surpresa e segredos revelados, eu ficava arrepiada.

Com tantos personagens assim, se espera algo vago, mas cada um deles te cativa, principalmente porque surpreendem em cada momento do livro. Cada um com seu segredo, tentando ao máximo não se entregar e no momento que descobrimos, uau! Adoro essas surpresas. Foi assim até o último capítulo. A autora criou personagens fortes, leais, destemidos, corajosos, fiéis e inteligentes.

É um mundo fantástico e cheio de paisagens lindas, você consegue se imaginar lá, sentindo a brisa e o vento. Eu amo quando ela sempre põe magia em seus livros e esse está cheio dela. Porém, o mais importante é que ela não deixa de mostrar o que é marca registrada de seus livros: o poder do amor, da amizade, da lealdade e confiança. Nora mostra que a amizade pode te trazer coisas fabulosas e ainda mais: uma família. 

O livro é surpreendente mágico e rápido de ler. A jornada para encontrar as estrelas está somente no início. Capri nos espera no segundo livro da trilogia: Baía dos Suspiros.


Compartilhe!

4 comentários :

  1. Adoro magia e ser surpreendida, gosto dos livros da autora e esse me lembrou uma trilogia dela que amei, pois também eram seis personagens em busca de algo e com seus poderes. E que sonhos da Sasha, bem estranhos e misteriosos, mas ela mal sabia que iriam ser reais, deve ser gostoso e assustador acompanhar a busca deles pelas estrelas, afinal outras pessoas a querem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei essa trilogia Maria! Fiquei querendo mais quando acabou.

      Excluir
  2. Eu particularmente achei essa série uma das mais fofinhas da nora Roberts sei que muitos não acharam isso mas eu gostei do desenvolvimento da autora durante a narrativa e isso conseguiu com que eu montei esse o foco total no livro coisa que não aconteceu com outras séries publicadas por ela como por exemplo o Quarteto das Noivas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, gostei que o foco não foram os casais, mas os amigos em si.

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei