04 outubro 2018

[Resenha] Reinado Imortal - A Queda dos Reinos #6

No último volume da série épica A Queda dos Reinos, grandes inimigos precisam se tornar aliados para salvar Mítica da ira dos deuses elementares. Os cristais da Tétrade foram reunidos e os deuses elementares que estavam aprisionados neles foram libertados, mas seu poder e magia não podem ser contidos por ninguém. Saindo do controle de humanos e imortais, os deuses se uniram e planejam destruir todos os reinos, começando por Mítica. Enquanto Jonas continua ignorando o destino que o liga a Lucia, a feiticeira está preocupada em encontrar maneiras de proteger sua filha — mesmo que isso signifique enfrentar sozinha Kyan, o deus do fogo. Amara também está disposta a encarar os deuses elementares. Apesar de ter voltado para o Império Kraeshiano, não desistiu de se tornar a mais poderosa dos reinos. Ao lado da avó, pretende conquistar Mítica só para si. Magnus e Cleo terão seus sentimentos testados mais uma vez. Com os inimigos se aproximando e uma magia maligna tomando conta dos territórios de Mítica, eles precisam descobrir se o amor que sentem é o suficiente para vencer as forças que querem destruí-los — e a toda a nação.

Livro: Reinado Imortal || Autor: Morgan Rhodes|| Série:  A Queda dos Reinos #6
Editora: Seguinte ||Ano: 2018 || Gênero:  Fantasia e magia
 Classificação: estrelas || Resenhista: Lud
Resenha livro 01 || 02 || 03|| 04 || 05
Senhor, que livro foi esse? 
E olha que enrolei para ler, acho que eu estava com medo de finalizar a série, mas devo dizer que li o quinto e sexto de forma seguida, em uma semana. Os sentimentos foram mistos, a Morgan fechou a série e as pontas soltas, e eu esperei até esse livro para tirar algumas conclusões quanto aos personagens. Bora lá, lembrando que tem **Spoiler**

Nesse último livro, temos todos reunidos em um único propósito, que é impedir os deuses elementares de andarem livremente e sem controle pela terra. Até quem ansiava pelo poder agora teme o mal que estava contido nas esferas. E uma aliança entre inimigos deve ser formada para conter o mal desperto.

Falando separadamente de cada personagem. 

Rei Gaius finalmente tem o fim que todos desejavam, eu não tiro a razão, porque não há como ele e Magnus governarem juntos. Mas mesmo com a história dele contada, eu esperava que ele fosse mais firme na personalidade, ele meio que amoleceu na minha perspectiva, havia como ter esse mesmo fim, com ele mantendo seu papel de vilão. A mãe de Gaius foi uma das personagens que entrou no livro anterior, e devo dizer que ela adicionou em muito, foi um curso intensivo em como manipular as pessoas e ser uma vilã com a desculpa de que fiz tudo pensando em você, meu filho.

Na resenha anterior, eu disse que três personagens entraram - dois pela primeira vez e outro que voltou. Quem voltou dos mortos foi Ashur, que não agregou em nada na história. Pensei seriamente que ele voltaria para fazer frente à Amara, pois como existia uma 'profecia' em volta daquele que voltava dos mortos, e ambos voltaram, Morgan poderia ter explorado isso e criado um personagem forte. Mas nope, eu também vejo que ele nunca teve a personalidade de querer governar e não seria agora que isso iria aparecer, então seguindo essa linha, foi coeso. Na verdade, acredito que ele tenha voltado apenas pela representatividade que ele e Nic representam como um casal.

Quem entrou de novo (além da mãe de Gaius) foi o irmão gêmeo de Theon - Taran. Não vi muito o porquê disso, mas ele entrou apenas por um único motivo, e mesmo assim, não agregou mais aos personagens ou mesmo à história. Mas, no fim, ele serviu para aquilo que veio. 

Jonas entrou na série como um personagem que tinha um potencial, mas ao longo do caminho foi perdendo muito da essência de rebelde e se tornou alguém comum, que luta ao lado daqueles que sempre odiou. E fiquei triste no livro anterior, por ele perder o par romântico, agora que ele finalmente desencanou da Cleo, mas nesse livro, eu vi o porquê disso, ele tem um novo par.

Lucia aprendeu com os erros anteriores e agora tenta reparar tudo e fazer o certo por sua filha, que conta com a proteção de Jonas. E durante o andamento desse livro, sentimos a construção de um casal no caminho, mesmo que não seja concreto, os indicativos são mais que suficientes. 

Cleo e Magnus, que amor! 
Você lê todos os livros esperando o casal principal, e finalmente você os tem, mas no último livro. Ambos estão em pleno funcionamento do relacionamento, todas as desconfianças acabaram e agora só existe a amor de ambos. São os dois personagens que mais cresceram durante toda a série, e isso é bem nítido.




No geral, esse livro teve muita ação e em cada capítulo tínhamos uma reviravolta e segredos descobertos e muito mais. Para mim, assim que acabei de ler, eu estava com o coração quentinho e um sentimento de saudades, e concluí que o livro entregou o que eu esperava. Mas agora, passando dias que finalizei, posso ver com mais clareza que faltou algumas pontas a serem fechadas, algumas perguntas que ficaram sem respostas. E olhando para a mitologia, faltou coisas a serem finalizadas também, muita explicação sobre o santuário e os vigilantes.

Os personagens foram meio a meio, alguns cresceram em seus papéis e ficaram mais sábios, e outros ou ficaram na mesma, ou simplesmente não conseguiram evoluir tanto assim na história. Claro que muito está ligado à conexão que se tem com os personagens, tenho simpatia por alguns e por outros, não.

Mesmo com esses problemas, eu não consigo dar menos que 5 estrelas para o livro. Essa série me pegou de jeito, mas não fui cega para os furos e problemas que cada livro continha, mas pesando entre os sentimentos, eles venceram a batalha. E agora eu encerro mais uma série, mas tenho o spinoff para ler.  <3

Compartilhe!

7 comentários :

  1. Oi, Lud,

    Comecei a ler essa série recentemente (estou finalizando o livro 1), então não prossegui com a resenha, por causa de possíveis spoilers.

    Porém - com o andar da carruagem -, tenho certeza que esse é um livro muito intenso e triunfal, com muitos acontecimentos finais importantes para a trama.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Daiane, eu não curto um spoiler também!
      Depois me fala o que achou, se você está gostando do livro.

      Excluir
  2. Lud!
    Tão bom quando uma série termina de maneira satisfatória, né?
    Não li nenhum livro da série, mas bom saber que o ritmo continuou o mesmo e proporcionanou uma boa leitura.
    Uma pena suas ressalvas, mas acredito que não tire o brilhe do enredo.
    Desejo um mês abençoado!
    “A gratidão é o único tesouro dos humildes.” (William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA OUTUBRO - 5 GANHADORES –
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Rudynalva,

      eu adoro finalizar séries, mas ao mesmo tempo temos aquele gostinho de saudade e quero mais.
      Mas a autora ganhou meu coração e vou acompanhá-la.

      Bjoks

      Excluir
  3. Faz um tempo que quero ler essa série, que bom que terminou assim posso ler de uma vez. Adoro ação e reviravoltas deixam a leitura mais eletrizante e surpreendente. Estranho voltarem ou entrarem personagens que não agregaram em nada, fica sem entendimento o que a autora queria. Mas mesmo com algumas pontas sem explicação, continuo querendo ler, deve ser uma leitura muito envolvente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oie Maria, é uma das minhas séries favoritas.
      Espero que tenha a oportunidade de ler.

      =)

      Excluir
  4. Oi Lud!
    Que bacana deve ser esse livro, gostei de saber que te agradou e que a leitura flui bem, primeira vez que leio sobre o livro e já estou curiosa pra conhecer a escrita e o enredo.
    Bjs!

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei