22 outubro 2018

[Resenha] Céu sem Estrelas - Iris Figueredo





"Um romance sensível e envolvente sobre autoestima, família e saúde mental.
Cecília acabou de completar dezoito anos, mas sua vida está longe de entrar nos trilhos. Depois de perder seu primeiro emprego e de ter uma briga terrível com a mãe, a garota decide passar uns tempos na casa da melhor amiga, Iasmin. Lá, se aproxima de Bernardo, o irmão mais velho de Iasmin, e logo os dois começam um relacionamento.
Apesar de estar encantado por Cecília, Bernardo esconde seus próprios traumas e ressentimentos, e terá de descobrir se finalmente está pronto para se comprometer. Cecília, por sua vez, precisará lidar com uma série de inseguranças em relação ao corpo — e com a instabilidade de sua própria mente."



Livro: Céu Sem Estrelas || Autora: Iris Figueiredo ||  Editora: Seguinte || 
Ano: 2018  ||  Gênero: Romance, juvenil
 Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Renata

Skoob | Editora | Compre




O livro de Iris Figueiredo vem para nos convidar a observar bem de perto como uma pessoa que tem um transtorno mental, porém, não sabe disso, vive consigo mesma e com os outros.

Conhecemos Cecília, uma jovem que recém entrou na faculdade e que acabou de completar 18 anos e estava trabalhando em uma livraria. (sonho da maioria dos bookaholics, certo?) Porém, era um emprego temporário e Cecília é demitida. Através da demissão de Ceci e do medo que ela tem de contar esse fato para família podemos imaginar como esse núcleo familiar se comporta.

Cecília mora com a mãe, mas sempre teve uma relação complicada com a mesma. Ela nunca soube quem é seu pai e a mãe se recusa a falar sobre o assunto. E podemos acompanhar no relacionamento de ambas, a forma como a mãe de Cecília derrama todas as frustrações e cobranças em cima da filha, mas não leva essas cobranças para a própria vida e isso causa um sentimento de solidão em Cecília, mesmo dentro da própria casa. 

Mas nem tudo é complicado em relação à família, Cecília sempre pode encontrar conforto com a avó, a única pessoa que sempre a apoiou e lhe deu amor. E em várias ocasiões, sua querida avó a acolheu em sua casa quando a mãe não soube lidar com ela e a mandou embora.

E claro que Cecilia tem amigas que adora, e tem uma melhor amiga que é um dos seus portos seguros, chamada Iasmin. Em várias situações já pediu ajuda para a amiga, e também já a amparou muito. É daquelas amizades que nada no mundo pode prejudicar. 

Cecília tem uma paixonite de adolescência pelo irmão de Iasmin, Bernardo, mas nunca falou para amiga. Jamais. Ela morre de vergonha. Por se achar acima do peso e total fora do padrão de meninas que vê com Bernardo, ela se esconde e nunca se aproxima. Mas mesmo assim, nunca foi capaz de esquecê-lo.

Bernardo é estudante de engenharia, que também tem seus dramas para resolver. Ele conhece Cecília, mas não são muito próximos. Contudo, depois de uma grande briga com a mãe, Cecília sai de casa e vai para a casa de Iasmin, passando a viver na mesma casa de Bernardo e então eles passam a se conhecer melhor.

E por mais improvável, uma conexão se forma entre essas duas pessoas fragilizadas cada um da sua forma. Porém, por falta de esclarecimentos e um mau entendido, isso se esvai e ambos se afastam.

Mas parece que o destino está dando uma forcinha, e em meio aos projetos, Bernardo e Cecília se encontram novamente fazendo parte de um novo ambiente em comum. Os dois não são mais os mesmos, muita coisa aconteceu, mas tentarão se reaproximar e encontrar um novo elo. O que surge disso tudo? Só lendo o livro pra saber!


O livro aborda de forma muito sensível a questão das mães narcisistas, que punem os filhos para parecerem boas mães. A mãe de Ceci foi traída pelo padrasto, mas perdoou. Agora, o fato de Cecília ter omitido uma demissão que diz respeito apenas a ela, a faz ser punida, a ponto de ser expulsa de casa. Dois pesos e duas medidas. O que vai adicionando mais sofrimento e distorção na vida da menina.

Depois de tantos problemas, Cecília passa a viver cada vez mais reclusa e percebe que a sua mente não a obedece mais, sendo um transtorno que vai se desenhando. Não pensem que foi abrupto, ou tenha aparecido do nada, apenas por conta de uma decepção amorosa, nada disso. Tudo foi uma questão de acúmulo que estoura lá na frente.

Bernardo também tem uma evolução que não é desencadeada por um objetivo aparente ou além dele mesmo. O garoto percebe que sua vida está indo por caminhos muito despidos de sentido e tenta se centrar, sempre analisando a situação que tem em casa e comparando com o que viveu com Cecília. Ao mesmo tempo que tenta encarar as consequências dos seus atos, tenta agregar razão para continuar seu curso, se engaja em projetos e dedicação pela carreira, surpreendendo amigos íntimos que preferiam uma vida de mais diversão em detrimento do estudo. Importante destacar que Bernardo progride porque ele assim o quer e não para conquistar um amor ou por outra pessoa.

O livro é extremamente sensível com muitas questões espinhosas, temos a questão da auto-estima de Cecília que faz um contraponto com a autoestima da mãe, a noção de família, temos episódios pra questionar o racismo, relações familiares, auto conhecimento, transtornos mentais e relacionamentos abusivos. É uma oportunidade única de sensibilizar um debate muito importante.

Boa leitura a todos.

Compartilhe!

4 comentários :

  1. Renata!
    Um romance que aborda temas importantes como a questão da aceitação do seu próprio corpo, depressão, ataques de pânico, suicídio e automutilação, realmente é bem diferenciado e sai da mesmice do plot comum desse tipo de livro, bem interessante.
    Desejo uma semana feliz!
    “Algumas quedas servem para que levantemos mais felizes.” (William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA OUTUBRO - 5 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Renata,

    Ultimamente - volta e meia -, estou procurando livros intensos e sensíveis, como esse, por viabilizar assuntos importantes e presentes na vida de muitas pessoas, e que evidencia uma identificação.

    Não sabia da intensidade e abordagens presentes no livro e da mensagem realizadora, então agora, mais do que nunca, desejo lê-lo.

    ResponderExcluir
  3. Parece ser uma leitura interessante, pelos temas abordados, só li um livro com transtornos mentais e gostei muito, é bom saber mais sobre o assunto e em como a personagem lida com ele, achei essa mãe dela sem comentários, ao invés de ajudar a filha só piora a situação.

    ResponderExcluir
  4. Oi Renata!
    Gosto mto de livros que abordam esses assuntos, gostaria de uma oportunidade para conhecer esse livro, deve ser lindo.
    Bjs!

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei