30 outubro 2018

[Resenha] Caçadora de Dragões - Kristen Ciccarelli



Primeiro volume de uma trilogia fantástica, em que dragões e humanos estão em guerra — e cabe a uma garota matar todos eles.
Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas. Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.

Livro: A Caçadora de Dragões || Série: Iskari #1 ||  Autor: Kristen Ciccarelli
Editora: Seguinte || Ano: 2018 ||  Gênero: Fantasia, YA
Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Luiza

Skoob Editora | Compre 
“O Antigo se sentia solitário. Então, para ter companhia, criou dois seres. O primeiro foi formado a partir do céu e do espírito, e recebeu o nome de Namsara. Era um menino de ouro. Quando ria, estrelas brilhavam em seus olhos. Quando dançava, guerras chegavam ao fim. Quando cantava, doenças eram curadas. Sua presença por si só era o bastante para unir o mundo.

O Antigo criou o segundo ser com sangue e luar, e lhe deu o nome de Iskari. Era uma menina triste. Aonde Namsara levava risadas e amor, Iskari levava destruição e morte. Quando Iskari aparecia, as pessoas se escondiam em suas casas. Quando falava, todos choravam. Quando ela caçava, nunca errava o alvo.”
Asha é chamada de Iskari. A filha perigosa do rei que mata dragões e traz suas cabeças para seu pai. Ela é temida, implacável e muito sombria. Tudo para se redimir de uma grande tragédia que causou quando era criança. Uma catástrofe que matou milhares. E tudo começou com uma pequena história...

Contar histórias era proibido, pois elas atraíam os dragões, seres antigos e poderosos que haviam sido banidos do reino de Firgaard. Asha era uma criança inquieta, atormentada por pesadelos, e sua mãe contava histórias para acalmá-la. E, assim, a própria menina se tornou dependente dessas histórias. Ela fugia durante a noite para contá-las. E acabou despertando o dragão mais poderoso de todos, o primeiro dragão, chamado Kozu.

Kozu queria possuí-la. Queria-a para si, para que pudesse alimentá-lo para sempre com suas histórias. Mas, ela temeu ser levada por ele, e se recusou. Em sua fúria, o dragão a queimou com sua chama mortal e devastou a cidade. Asha sobreviveu por pouco. Leva cicatrizes para se lembrar todos os dias do seu erro. Por isso serve ao rei como matadora de dragões, por isso aceita o nome que lhe foi dado: Iskari. Aquela que traz o mal.

Firgaard é um reino dividido. Há os nativos que não aceitam o governo tirano do rei dragão e estão em constante conflito. Há os skrals, um povo que foi escravizado pelos draksors de Firgaard. Um skral jamais pode olhar um draksor nos olhos ou falar seu nome, nem tocá-los sem permissão, e não podem nunca beber do copo ou comer do prato de um draksor.

Asha sentia na pele as consequências desse governo autoritário. Seu pai a havia dado em casamento ao atual comandante do exército, Jarek, o menino que a salvou quando Kozu atacou. Era uma forma de “pagamento” ao povo pelo dano causado, mas quem sofreria o maior dano é Asha.

Jarek é um homem odioso, violento e extremamente confiante na posição que ocupa. O exército o segue, mais do que ao rei, e esse poder nas mãos de uma pessoa cruel é o prelúdio de grandes tragédias. O que aconteceria quando ele casasse com Asha e tivesse ainda mais poder?

Dax, o irmão de Asha, e herdeiro do trono, é completamente o oposto. É uma pessoa pacífica e gentil. Nada do que se esperaria do herdeiro do rei. Seu comportamento tem causado certa estranheza na irmã, e ela sabe que seu irmão estava metido em algo.

O que ninguém sabe, é que a própria Asha ainda esconde muitos segredos. Segredos perigosos, que podem colocá-la em uma posição difícil. Com a dificuldade de atrair novos dragões para caçar, Asha os atrai com histórias… Sim, isso foi o que a colocou nessa posição de caçadora em primeiro lugar, mas ela não se importa. Precisa de uma forma de atraí-los, então correria o risco. 

Até que uma caçada sai do controle e o fogo do dragão queima sua mão. Todos descobririam, pois os dragões só ganham o poder de expelir fogo quando são alimentados com histórias e ganham força. Para esconder sua ferida, ela aceita ser tratada por um escravo de Jarek, e é aí que sua aventura começa.

Torwin não é um escravo qualquer. Desde o primeiro olhar, Asha se sente capturada. Sabe que tem algo diferente nele e vai contra todos os seus instintos ao aceitar essa ajuda e se envolver em outras situações para salvá-lo.

Acontece que nada é como Asha imaginava e ela tem muito pouco tempo para descobrir o quanto é verdade de tudo que sabe sobre o passado e sobre si mesma, pois escolhas definirão o rumo de todo um reino. Acreditar no impossível talvez não seja tão absurdo assim…
“Que a morte envie seu pior. Frio para congelar o amor no meu coração. Fogo para transformar as memórias em cinzas. Vento para me obrigar a passar pelos seus portões. E tempo para enfraquecer a minha lealdade. Esperarei você nos portões da morte.”


Está aí um livro que eu queria MUITO ler! Desde quando a editora divulgou o lançamento, a história me atraiu. Uma fantasia com dragões? Tinha tudo para ser excelente, e foi mesmo.

A história de Asha começa um tanto quanto enigmática, a autora revela pouco no início e vai alternando o presente com contos sobre o passado. Esses contos fazem com que os questionamentos de Asha façam sentido e adicionam ainda mais adrenalina à história.

Asha é arrogante e muito sombria. Sabe muito bem papel que ocupa no reino de seu pai e não se orgulha disso nem um pouco. Seu objetivo é apenas matar e matar dragões para manter sua posição. É a única coisa que  sabe fazer e é muito muito boa nisso. As coisas começam a sair de seu controle quando conta cada vez mais histórias. Os dragões estão mais resistentes, mais poderosos, mas ela segue desafiando o destino.

Essa é aquela personagem que evolui a cada página. As circunstâncias fazem-na mudar muitas vezes seu modo de pensar, ainda mais quando começa a descobrir que a maioria do que acreditava é uma grande mentira. E é aí que vemos a verdadeira Asha, com sangue nos olhos, aquela que lutará pelo que é certo, mesmo que vá contra todos os seus princípios.

E aquele que desperta esse desafio dentro dela é Torwin. Um mero escravo, dono de um olhar hipnotizante e péssimas maneiras. O jeito que ele a desafia é aterrador. Como ousa, né? Um mero skral dizendo o que a princesa tem que fazer… Nada bom sairia disso. Mas Asha nunca foi de escapar de um desafio.

Torwin é aquele personagem que apaixona desde o início. Corajoso, irreverente, sonhador e muito, muito louco, rs. O romance que surge entre ele e Asha é tocante e apaixonante. Um desenvolvimento sutil que certamente torna o livro mais emocionante.

Dax é o personagem que me trouxe dúvidas desde o início. Seu comportamento duvidoso coloca várias pulgas atrás da orelha, o que me deixava o tempo todo com desconfiança. 

Jarek é odioso. Um homem vil e cruel, que usa de toda sua influência para abusar do poder e tomar tudo que quer. É o maior pesadelo de Asha, ela tenta encontrar todas as possibilidades para fugir desse casamento. Jamais deixaria esse homem encostar um dedo nela.

Há vários personagens interessantes que contribuem para a trajetória de Asha. A prima dela, Safire, é uma das mais importantes. Uma skral com um tipo de status, mas sem os benefícios de um draksor. Uma pessoa que se revelará muito mais importante do que parece…

O desenvolvimento da história é perfeito, com momentos de ação na hora certa. Já estou bastante acostumada a ler esse gênero, então não me incomoda a autora ir revelando os fatos aos poucos, desde que não deixe muitas coisas em aberto. Muitas respostas já foram dadas nesse primeiro livro, o que ajudou bastante a consolidar o enredo e deixar uma curiosidade saudável pelo próximo. 

A fantasia tem elementos já conhecidos de contos de fadas, utilizados de uma forma diferente de tudo que li. Adorei a forma de como contar histórias gera poder e me apaixonei pelos dragões <3. Óbvio que ainda tem muita coisa pela frente, com certeza essa premissa fantástica ainda vai surpreender.

Além disso, há discussões muito pertinentes sobre temas importantes, como a escravidão e o autoritarismo. A construção de poder do reino vem de muito tempo, de guerras passadas, mas com consequências que perduram e que colocará a paz em risco novamente. Se há muita injustiça, é sinal de que há muito pelo que lutar, e uma reunião no mínimo inusitada de certas pessoas fará com que o futuro de Firgaard comece a ser reescrito.

É um livro para todos os gostos, capaz de prender a sua atenção do início ao fim. Tem uma narrativa instigante que torna quase impossível fazer muitas pausas na leitura, você simplesmente precisa saber o que acontecerá e se vê envolvido de uma certa forma que não vê o tempo passar. É um início sensacional para uma trilogia que promete arrebatar muitos leitores pelo mundo. 
''Algumas histórias são perigosas demais para ser contadas."

Esse é o livro de estreia da autora Kristen Ciccarelli, que já entrou para lista dos best sellers. Em 2017 ganhou prêmios e já teve seu livro traduzido para mais de doze línguas. No site da autora há mais informações e curiosidades. Lá nos EUA já foi lançado o livro 2 (The Caged Queen) e o 3 será lançado no meio do ano que vem. Aqui ainda não temos previsão para o 2, mas acreditamos que será logo!

As capas sempre chamaram a atenção, vejam algumas edições pelo mundo:


Quais gostaram mais? Eu sempre fui apaixonada pela americana (a da Faca) e a Ludmila ama a alemã (Da menina em pé).


Compartilhe!

8 comentários :

  1. Luisa!
    Gosto de toda mitologia que envolve os Dragões.
    Tão boa premissa do início que tornou a leitura mais lúdica, ttrouxe uma leitura de entretenimento fascinante, embora umas poucas críticas que nem prejudicaram a leitura.
    Uma boa semaninha!
    “O passado é uma cortina de vidro. Felizes os que observam o passado para poder caminhar no futuro.”(Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Oi Luisa!
    Só de ler sua resenha a história já me prendeu, gostei mto da sua opinião, eu tina lido uma resenha apenas sobre o livro e agora conhecendo mais sobre ele espero que surja uma oportunidade de ler logo, estou curiosa.
    Bjs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline! Leia sim que você vai adorar!!!
      😚

      Excluir
  3. Oi, Luiza,

    Essa característica dos dragões surgirem por meio das histórias contadas - e o que elas causaram através da Asha -, é o encaixe perfeito. Com elementos bem caracterizados e criativos.

    E a Asha me parece ser o tipo de personagem que é forte, por enfrentar os dragões, por mostrar destreza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daiane,
      Com certeza é uma forma de tornar a série diferente das outras!
      Asha é mesmo uma personagem super forte, mas o que mais gostei nela é que mesmo sendo forte, aprendeu com os erros e mudou bastante!
      😚

      Excluir
  4. Desde que vi esse livro fiquei interessada, sou fascinada por historias de dragões, e essa parece que foi muito bem elaborada cheia de aventuras e segredos. A personagem parece ser muito durona, mas devido ao que aconteceu da para entender, apesar dela ser arrogante isso não gosto, mas ainda bem que no decorrer da historia ela vai mudando. Fiquei querendo saber mais sobre o que vai acontecer com ela e os dragões que estão cada vez mais forte, pena que ainda não tem todos os livros, odeio ficar esperando rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria,
      Também sou fascinada por histórias com dragões ❤️ Ansiosíssima para ler a continuação! 😚

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei