13 setembro 2018

[Resenha] M. J. Haag - Contos da Fera 01 - Perversão



“Não entre na propriedade...
Benella preocupa-se com duas coisas: Evitar os dois meninos da aldeia que a atormentam, e, encontrar comida para ajudar a alimentar sua família. Infelizmente, as melhores frutas e legumes selvagens estão perto de uma propriedade escura e enevoada, habitada por uma fera implacável.
A Fera pune todos que entram...
Quando seus atormentadores a bloqueiam atrás dos portões maciços, Benella sabe que seu destino está selado. No entanto, o destino não é o que ela espera. Seu encontro com a fera começa um estranho ciclo de barganha pela sua liberdade. Uma liberdade que o animal parece determinado a não ceder.”



Livro: Perversão || Autor: M. J. Haag|| Série: Contos da Fera 01
Editora:  3DEA Editora ||Ano: 2018 || Gênero:  Fantasia, Romance, Hot
 Classificação: estrelas || Resenhista: Karla

Eu não conhecia a autora M. J. Haag, mas amo o mundo que envolve A Bela e a Fera, então fiquei curiosa para ler Perversão, que recria o conto de uma forma mais erótica. Com certeza este é um livro para adultos! 



Nesse primeiro livro, a autora nos apresenta o mundo mágico da Fera, as pessoas, os conflitos e problemas dos personagens. Apesar de ter cenas com erotismo e detalhes explícitos, se foca mais em nos apresentar os personagens e tecer a história que se fundamenta no segundo.


A história se passa numa aldeia onde nem tudo é fácil de se obter e o sistema de trocas ainda funciona, além do uso do dinheiro normal. Benella, nossa protagonista, mora em uma casinha simples com o pai, que é professor e um homem íntegro e suas irmãs, Blye que é costureira, mas não reparte tudo o que ganha e Bryn, que fica em casa com a responsabilidade dos afazeres domésticos, mas esconde grande parte da comida de Benella e do pai para ter mais para si. Apesar do emprego do pai e da irmã, Benella é quem praticamente sustenta a família e está muito difícil sustentar quatro pessoas com o pouco que ela e seu pai fazem.

Mas Benella logo descobre uma solução. Perto da aldeia existe uma propriedade mágica, com uma Fera escondida, mas ninguém se lembra desde quando ela está ali. Só se sabe que quem entra na propriedade é severamente punido. Além de seus muros, há frutos, raízes e flores e ainda se pode pescar no rio próximo, e é desse jeito que Benella acaba por levar comida para casa. Suas irmãs não sabem de onde ela consegue trazer alimentos, não perguntam de onde veio, nem o que ela precisou fazer para conseguir, apenas desfrutam do seu esforço; o que não serve para alimento, Benella leva para tentar trocar com os comerciantes da aldeia.

Em um dia comum, enquanto ela está procurando comida, é emboscada pelos filhos do ferreiro - que a assediam e perseguem desde que ela descobriu o segredo da mãe deles - e é lançada pelo muro para morrer. Mas Benella se recupera da queda e antes de conseguir fugir, sente o hálito da Fera em seu pescoço, mas é subitamente arremessada antes de conseguir dar uma boa olhada, ela sai machucada, mas viva. Mesmo depois desse incidente, Benella continua indo até os muros para achar comida e coisas para trocar com os comerciantes, ela sabe que não pode deixar o medo vencer e impedi-la de sobreviver.

Por isso, quando Benella está novamente colhendo frutos, é emboscada pelos filhos do ferreiro e jogada pelos muros, só que dessa vez, ela é pega pela Fera e ao invés de matá-la ou puni-la, ele a cura e lhe concede um desejo. É esse desejo que irá salvar sua vida mais vezes do que ela imagina. E ela nem sabe que precisará do desejo mais cedo do que pensa!

“Em todas as histórias sobre a propriedade, nunca tinha ouvido que a fera devorava invasores. O medo disso acontecer me deixou travada no lugar, e ele deu um passo à frente e repetiu a carícia. O arrastar lento de sua língua doía tanto quanto abrandava.”

Benella se arma de coragem e fibra e fica mais vigilante quanto aos irmãos, mas continua indo fazer suas colheitas na propriedade. Mas mesmo assim está difícil de sustentar a família e  as meninas mais velhas não conseguem arranjar um casamento, então não resta outra alternativa do que mudar para uma aldeia um pouco maior para que seu pai possa trabalhar em um novo emprego, e nesse cenário, Benella fará amigas em um lugar um pouco improvável. Mas mesmo mudando de aldeia eles ainda vivem em dificuldade, e ela não vê outra alternativa do que andar novamente todo o caminho para à propriedade da Fera para encontrar sustento. 



 Benella é literalmente uma sobrevivente e quando é lançada para a propriedade da Fera novamente, ela aceita sua morte como certa, mas a Fera lhe cura novamente e propõe um acordo. Quando ela não aceita e ele ruge e a expulsa pelos portões, ele tramará para conseguir o que quer. Benella fica então sem saída e precisa aceitar o acordo com a Fera, mas ela faz isso em seus próprios termos. O que ela não sabe é que ao tomar para si a incumbência de salvar seu pai, ela estará salvando não apenas a ele,  mas a si mesma, e no caminho, irá encontrar a  redenção de um Lorde há muito tempo esquecido.




“O buraco no muro zombava de mim. Era o único caminho possível, mas eu sabia o que me esperava se eu ousasse tomá-lo. Independente do que eu escolhesse, voltaria para casa com ferimentos e bem provável que com algo quebrado.”



Eu não tinha visto ainda uma recriação do conto dessa maneira. A autora nos deu uma mocinha forte, destemida, mas extremamente amorosa. Benella é uma lutadora, ela não desiste, nem cai sem lutar, ela é gentil e atenciosa e sempre pensa nos outros antes dela mesma e ela ama seu pai incondicionalmente e passa por tantas coisas que você se pergunta como ela suporta. 



A Fera, bem, é uma fera mesmo. Quatro patas, pelo, focinho, não vi nada de "humano" em sua aparência, mas ele também não pune sem razão. A Fera é justa, não diria bondoso porque ele só pensa no que vai ganhar com a barganha, mas eu também gostei muito dele. 




Suas irmãs? Eu odeio suas irmãs. Se eu contar o porquê, estarei estragando sua experiência, então vou ficar bem quietinha aqui. Mas não foram poucas as vezes que quis entrar no livro para bater em algumas pessoas. Elas são tão más, perversas e negligentes com Benella.


Eu gostei do livro, a autora escreve bem, alguns termos são mais antiquados, mas se adaptam muito bem ao fluir do livro, e você percebe que é exatamente o que o livro precisava. A Benella ensina que o amor e respeito são primordiais para se viver. Alguns personagens são encantadores e outros são terríveis, os sentimentos chegam a ser palpáveis. Aprendemos o valor da gentileza, persistência e atenção. É um livro bem rápido de ler e você instantaneamente quer o segundo para saber como tudo vai desenrolar, ou seja, a autora consegue prender a atenção. 

Compartilhe!

15 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Karla,

    Esse toque apimentado - acrescentado no livro - é um atrativo. É possível ver na personagem um grande potencial.

    Quero lê-lo o mais breve possível! 😍

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dai, eu gostei bastante, tanto que já li o segundo. Kkkk

      Excluir
  3. Olá Karla!
    Amei essa capa, é linda!
    Eu não conhecia a autora, agora fiquei super interessada em ler o livro, parece ser bom.
    Tá nos desejados!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei bastante, já li o segundo e quero o terceiro!

      Excluir
  4. Oi Karla, fiquei curiosa com essa história e vou ficar de olho nas resenhas das continuações. A trama é mesmo diferente, mas a autora parece saber conduzir bem e envolver o leitor e só com a resenha já fiquei interessada em ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela sabe envolver, não tem jeito, você acaba esse querendo o próximo.

      Excluir
  5. Não conhecia o livro, fiquei interessada o enredo é bem diferente, os personagens parecem que despertam sentimentos bons e ruins no leitor. Benella é um encanto e tão boa, gostei dela só lendo a resenha, imagina o livro todo que garra que ela tem e não se deixa abater, esta ali firme e forte apesar das dificuldades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, a autora te prende, você sente mesmo, achei isso maravilhoso. E a Benella é uma guerreira.

      Excluir
  6. Respostas
    1. Prende a gente de um jeito né? Gostei bastante e o segundo acaba de um jeitoooo!

      Excluir
    2. Desculpas. Apague o comentário sem quer.😅

      Não resisti! Já li o segundo todo e agora estou sofrendo pelo último.
      Ate mandei um e-mail para editora, para quem sabe, saber se ja tem data para o lançamento.

      Quero a conclusão 😭😭😭

      Excluir
  7. Ah! E se alguém estiver interessado ele sai de graça para quem é assinante do kindle unlimited da Amazon.

    ResponderExcluir
  8. Karla!
    Meu conto de fadas favorito é A Bela e a Fera e ver que a autora truxe uma releitura do conto clássico com um toque sedutoramente escuro, inebriante e arrebatador, é altamente interessante e já quero poder fazer a leitura.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro releituras de conto de fada principalmente a Bela e a Fera pois sempre foi meu conto favorito. Não gostei tanto assim da capa mas a historia aparenta ser incrivelmente intensa.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei