13 agosto 2018

[Resenha] Sob a luz da escuridão - Ana Beatriz Brandão

O mundo não está a salvo dos humanos... Da autora de O garoto do cachecol vermelho.
Guerras e destruição, causadas pela ganância de um homem, quase levaram a raça humana à extinção. Com a radiação das bombas nucleares, o DNA humano sofreu mutações e uma nova espécie surgiu: os metacromos, seres especiais, com poderes extraordinários.
Em meio ao caos de um mundo pós-apocalíptico, Lollipop e Jazz são resgatadas do instituto onde eram mantidas prisioneiras. Com as memórias apagadas, elas não sabem por que estavam ali nem quem as libertou. E, enquanto buscam respostas sobre suas origens, só lhes resta lutar pela sobrevivência.
Evan, um vampiro milenar, lidera com mãos de ferro uma das mais poderosas áreas do planeta. Mas quando, por obra do destino, ele reencontra a mulher que pensou estar morta há décadas, tudo desmorona e ele é obrigado a enfrentar o passado.
Ana Beatriz Brandão apresenta um mundo totalmente novo ao leitor em Sob a luz da escuridão. A raça humana não é mais a mesma, novas espécies foram criadas e agora é cada um por si. Uma história eletrizante, cheia de ação, tensão e romance, que vai provocar fortes emoções no leitor. Prepare-se e escolha seu lado nessa guerra: você é um metacromo ou um Deles?

 Livro: Sob a luz da escuridão || Autor: Ana Beatriz Brandão || Editora: Verus
Ano: 2018 || Gênero: Literatura Nacional / Ficção Pós-Apocalíptica
 Classificação: 3 estrelas || Resenhista: Barbara

Skoob || Compre || Editora

Participe do Top Comentarista de Agosto

Esse é aquele livro que te encanta e te irrita ao mesmo tempo. Vou explicar o porquê.

O livro de início me prendeu completamente,  me deixou apaixonada, principalmente pela escrita da autora brasileira, Ana Beatriz Brandão, que é fácil, rápida, te envolve e te faz querer ler cada vez mais. O livro começa bem rápido, nos apresentando Lollipop (sim, esse é o nome da protagonista, devo admitir que eu amei o nome e a ideia dele) e Jéssica, mais conhecida como Jazz (outra jogada fantástica com o nome). As duas são as protagonistas dessa história e ambas começam o livro fugindo de um local conhecido como O Instituto.

O mundo está um caos, pois a 3ª e 4ª Guerra Mundial destruiu tudo que conhecemos, trazendo o mundo pós-apocalíptico que nos é apresentado no início do livro. O mundo está um completo caos, os poucos existentes se matam sem motivos e aqueles que ainda buscam uma forma civilizada de viver se dividem em clãs por áreas. As armas químicas usadas nas guerras fizeram com que os humanos desenvolvessem habilidades especiais e são conhecidos como metacromos – ou singulares.

“Assim foi criado o mundo em que vivíamos: as pessoas matavam por nada e brigavam por tudo. O planeta tinha sido tomado pelo caos. O que tínhamos a perder? Ninguém poderia nos castigar, e sentir medo da morte era para os fracos. Aliás… o medo era um sentimento quase inaceitável. Quem tivesse não sobreviveria uma semana sequer naquele lugar.”

Ao fugirem do Instituto, Jazz e Lolli são resgatadas por Chris, um humano que a partir desse momento passa a treiná-las, dedicando-se a transformar Lollipop na sua substituta caso algo venha a acontecer. Ambas são metacromos, Lollipop possui telecinese e Jazz é capaz de criar e controlar o fogo. Só que além dos metacromos, o livros nos apresenta aos vampiros, que são diferentes dos vampiros que muitos estão acostumados, mas eles mantém algumas características semelhantes, como imortalidade e desejo por sangue. Lolli e Jazz encontram um vampiro secular, Evan e seu “filho” adotivo Sam e são aceitas pelo Clã deles.


Um ponto muito bom que tenho que citar aqui é a dinâmica entre Lolli e Jazz, que fica dividida entre mãe e filha e irmã mais velha e irmã mais nova. As duas são muito semelhantes e muito diferentes ao mesmo tempo, o que torna tudo mais interessante e divertido, pois elas não estão juntas a muito tempo, mas parece que viveram a vida inteira ao lado da outra. Além delas, tem a dinâmica de Sam e Evan, que eu gostei bem mais, pois os dois estão sempre se provocando, se xingando, mas sempre preocupados demais um com o outro e muitas vezes vemos Sam assumir o papel de pai, o que torna tudo mais divertido, pois Evan é muito mais velho do que ele.

Mas como eu disse no começo, foi uma história que de início me prendeu e muito, eu não conseguia parar de ler, pois era tudo muito dinâmico, rápido e cheio de informações, me fazendo querer chegar logo no próximo capítulo e saber mais sobre a história. Um ponto importante, a historia é em primeira pessoa e é dividida entre os personagens narrando seus pontos de vista, o que tornou tudo mais empolgante. Só que ao mesmo tempo que tudo foi muito rápido e apresentou muita coisa, eu esperava mais. Foi nesse ponto que me irritei.

O universo pós-apocalíptico que a autora criou é fabuloso e eu queria ver mais sobre ele, mas no momento que Lolli e Jazz chegam no clã, a história para e começa a se tornar chata e presa a um romance duplo enrolado e cansativo. Eu amo romances e no inicio, eu estava apaixonada pelos casais e pela forma como eles funcionavam, mas com o tempo se tornou desgastante, pois parecia que estava andando em círculos e nunca chegariam em ponto algum e por mais da metade do livro se focou apenas nos romances e nada mais. Eu gostaria de ver mais do mundo, do Instituto, dos outros Metacromos, dos Eles, que são a maior ameaça do livro e que aparecem sem desenvolvimento em apenas umas dez páginas.

Os quatro personagens principais são fabulosos, únicos e cheios de personalidade, mas que deveriam ser trabalhados sozinhos, explorados mais e não em suas duplas românticas e se fecharem a isso. E quando o livro finalmente chega em seu auge, que parece estar disposto a tomar um novo caminho ele termina, deixando em aberto muitas possibilidades, das quais eu espero serem capazes de sanar todo esse desejo por algo a mais que eu senti. Eu quero sim, saber mais sobre o mundo, sobre os outros personagens, até mesmo aqueles que são apresentados e aqueles que ainda podem ser apresentados, quero saber mais sobre os metacromos e principalmente sobre os grandes vilões, o Instituto e os Eles.

Acima de tudo, eu espero ansiosa pelo próximo, que vou ler com certeza, pois Ana Beatriz Brandão me conquistou com sua escrita e sua ideia, mesmo que tenha travado um pouco nesse primeiro livro, vejo um grande potencial para sua continuação.

E se vocês, assim como eu, tinham qualquer receio sobre escritores brasileiros, mas estão dando uma chance – pois eles merecem -  leiam esse livro, a escrita é impecável, a dinâmica é ótima, assim como a ideia. E se vocês amam um romance clichê e que o foco principal seja esse, vão amar esse livro com toda certeza.

Compartilhe!

17 comentários :

  1. Nossa acho que é um livro que eu leria, gostei muito desse mundo que a autora criou é muito interessante e cria no leitor um interesse muito grande e também uma curiosidade. Essa junção de fantasia com esse "novo mundo" e os vampiros parece ter sido uma ideia genial.
    Fiquei interessada na leitura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luana,

      Você vai amar e acima de tudo, assim como eu vai implorar pela continuação, apenas para conhecer mais desse mundo e os desafios que obviamente virão. Leia e vem me dizer se concorda comigo, o que achou, vou adorar saber.

      Excluir
  2. Oi, Bárbara,

    Apesar de um pouco clichê, essa mistura de elementos é empolgante e devidamente envolvente. Ao mesmo tempo em que é intrigante - levando em conta o estado no qual o mundo se encontra - e mantém o leitor ávido a cada página virada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daiane,

      Eu concordo, você ver o amor em meio ao caos é algo reconfortante, por mais que eu quisesse saber mais do mundo do que do amor, mas ainda assim é algo que faz você se envolve na história e percebe que a esperança quase não existe. A ideia do mundo apocalíptico me fascina, são meus preferidos. Vale a pena, Ana Beatriz é uma escritora fantástica, sem duvidas.

      Excluir
  3. Bárbara!
    Gosto muito de conhecer autores nacionais e não conhecia a autora.
    Achei interessante ver a ficção criada pela autora em um mundo pós-apocalíptico e pelo que falou, foi muito bem descrito.
    E que pena que apesar do romance, tudo passou a ficar cansativo.
    Uma ótima semana!
    “As religiões são caminhos diferentes convergindo para o mesmo ponto. Que importância faz se seguimos por caminhos diferentes, desde que alcancemos o mesmo objetivo?.” (Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA AGOSTO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy,

      A ela é suma uma autora fantástica e já quero ler mais sobre ela, pois Sob a Luz da Escuridão foi o primeiro que tive a oportunidade, mas não quero parar por aí. Mas olha, mesmo ele ficando um pouco cansativo, é compensado no final, ainda mais deixando aquele gostinho de quero mais.
      Boa semana, beijos.

      Excluir
  4. Oi Barbara, fiquei curiosa depois de ler tua resenha sobre esse livro, é a primeira que leio e ainda não conheço a escrita da autora, mas histórias ágeis e com romance me empolgam, e mesmo que nem tudo tenha te agradado, a história terminou e te deixou cheia de vontade de ler a continuação o que é positivo pro livro. Ter dois casais de protagonistas é algo diferente e espero poder ler pra ver se terei a mesma impressão que você logo logo ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lili,

      Isso que me surpreendeu no livro, mesmo ele tendo um baixo, ao meu ver, no meio da história, não deixou de ser interessante e me fazer querer continuar, querer mais e mais. Eu vejo que a continuação tem um grande potencial, Ana Beatriz criou muitas oportunidades e não vejo a hora de saber o que ela pretende pro final disso tudo.
      Leia, vou adorar saber o que você achou, vem me contar, por favor <3

      Excluir
  5. Olá Bárbara!
    Tenho lido muitos livros de autoras nacionais e cada vez amando conhecer...
    Este eu ainda não conhecia, adorei, o enredo parece ser bem desenvolvido, a capa me prendeu atenção tbm, espero ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Aline,

      Olha, vou admitir que eu ando nessa vibe de me permitir experimentar novos autores e gêneros. Quando escolhi ler esse livro, foi pela capa, aí fui pesquisar sobre a autora e a história e me apaixonei, Ana Beatriz ganhou um pedaço no meu coração. Espero que leia sim, pois quero saber mais sobre a opinião de vocês, vem me contar, quero poder conversar mais sobre isso.
      Beijo.

      Excluir
  6. Já tinha visto o livro, mas é a primeira resenha que leio, gosto desse tema de fim de mundo e adoro historias que envolvam vampiros ainda mais quando são diferentes, fiquei com vontade de ler o livro. Pena ter focado muito no romance depois, é bom quando sabemos mais sobre os outros personagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Maria,

      Ah se você gosta de vampiros e fim do mundo, vale a pena ler. Pois nunca imaginei uma forma de encaixá-los em uma história de forma tão harmoniosa. Sim, o romance pode ser um ponto negativo, mas depende muito do gosto, eu queria saber mais do mundo, dos vilões, por isso fiquei um pouco cansada, mas vale a pensa sim.

      Excluir
  7. Eu já tive a oportunidade de ler alguns livros da Ana e realmente a escrita dela é bastante dinâmica, te prender do início ao fim. Eu amo distopias e acho que esse livro se encaixa bem nesse gênero, por conta do cenário e da proposta que traz em si. Gosto da ideia principal, dos metacromos e dos vilões, mas concordo contigo com relação ao desenvolvimento da obra. Acredito que o foco aqui não deveria ser o romance entre os protagonistas, mas o universo criado em torno deles e de suas habilidades, tornando assim o enredo ainda mais rico e complexo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi oi Patrini,

      Ah eu quero muito ler outros livros da Ana, ela tem uma escrita que me agrada e que me faz querer mais. Sem contar que a mente dela é fascinante e as ideias são fantásticas. E concordo plenamente, não que eu não goste de romances, eu sou uma boba que se derrete por eles, mas nesse livro o mundo me ganhou mais, os metacromos e os vilões, é uma mistura de sentimentos rs.

      Excluir
  8. Oi Barbara.
    Ainda não li nada da autora, mas fiquei bem interessada em ler esse livro.
    Parece que a autora criou uma trama envolvente e personagens com personalidades interessante. Que pena que a autora acabou focando no romance a partir de certo ponto na história.
    Provavelmente eu também iria ficar com vontade de saber mais sobre outros aspectos da histórias.
    Mesmo assim, ainda quero ler o livro.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Pamela,

      Ah eu aconselho todos a lerem, ainda mais por ser uma autora brasileira ganhando destaque nesse mundo de fantasia e distopia. Acredito que vai gostar sim, vai querer mais, o lado ruim é ter que esperar o próximo sair rs.

      Beijos.

      Excluir
  9. Caramba! Terceira e quarta guerra mundial? Gosto muito de històrias assim, pois são ideias que não são tiradas apenas da imaginação, mas são baseadas em algo. E eu gosto de saber sobre possibilidades. Com certeza vou ler.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei