14 julho 2018

[Resenha] Um Planeta em Seu Giro Veloz - Madeleine L'Engle




Um unicórnio, um menino e o vento, juntos em uma só velocidade! 

Quando Charles Wallace Murry, agora com quinze anos, grita em desespero a invocação de uma antiga runa para afastar a escuridão, uma criatura radiante aparece. É Gaudior, unicórnio e viajante do tempo. Charles Wallace e Gaudior devem viajar até o passado através dos ventos do tempo e tentar encontrar um Pode-Ter-Sido, um momento do passado em que todos os eventos que se seguiram até o presente podem ser mudados, e o futuro da Terra – esse pequeno planeta em seu giro veloz – pode ser salvo.



Livro: Um Vento à Porta ||  Série : Uma Dobra No Tempo # 3 || Autor: Madeleine L'Engle
Editora: HarperCollins || Ano: 2018 || Gênero: Fantasia, YA, Ficção Cientifica 
 Classificação:  3 estrelas || Resenhista: Lud


Skoob | Compre | Editora 
Resenha Livro 01, 02

Participe do Top Comentarista de Julho
O terceiro livro da Série Uma dobra no tempo começa com um salto na história. Quando começamos a ler, já podemos ver a mudança. Somos apresentados a uma cena comum nos outros livros, que é a família reunida para jantar, mas com um salto de 10 anos. Meg está casada com Calvin e grávida; Calvin é um cientista renomado e está apresentando um trabalho longe de casa; Sandy está na faculdade de medicina; Denys está na faculdade de Direito; Charles Wallace está agora com 15 anos. 

E então, o Sr Murray recebe o telefonema do Presidente, informando que uma guerra nuclear se tornou uma possibilidade real, devido ao ditador de um pequeno país sul-americano chamado Mad Dog Branzillio. E é então que a sogra de Meg aparece. A mãe de Calvin não sabe por que está lá, apenas foi levada pela intuição, e é nesse momento que ela recita uma velha Runa irlandesa...

"Nessa hora sinistra,
Disponho o céu em toda sua força,
E o Sol em sua alvura,
E a neve em sua brancura,
E o fogo em sua potencia feroz,
E o relâmpago em sua ira veloz,
E os ventos na velocidade atroz,
E o mar em sua profundez,
E as rochas em sua ingremidez,
E a terra em sua aridez,
Todos disponho eu
Com a graça e o auxilio onipotentes de Deus
Entre mim e as forças das trevas!"
Essa runa tem o poder de mudar o rumo da história, e cabe a Charles Wallace embarcar nessa aventura em um unicórnio - Gaudior - viajando pelo tempo - para o passado - e descobrindo fatos e momentos que poderiam mudar o rumo dos acontecimentos de hoje.

"— Acho que tenho que descobrir qual é o vínculo entre Gales e Vespúgia, entre Madoc, Gwydyr e Mad Dog Branzillo."


Bora lá falar do livro. Esse foi um pouco mais difícil de ler, lutei um pouco com o começo do livro, porque esse salto de tempo sem explicação me pegou, e eu queria as explicações no meio, sabe. Outra razão foi essa coisa dos nomes de família - nomes que perduram por centenas de anos e de alguma forma continuam se cruzando.  Tipo: Madoc, Madog, Maddux e Mad Dog; Gwydder, Gedder e Gwen; Zyllie, Zyllah, Zylle; dois Branwens e um Charles e um Chuck. Tudo isso ao longo da história vai se enrolando na cabeça, se você não prestar atenção. 

Eu imaginei que com a Meg grávida, ela não seria a principal desse livro. E então temos o porquê, de nos livros anteriores, Charles Wallace ser tão importante e protegido, porque agora ele irá desempenhar o seu papel na história. E devo dizer que me empolguei, já que ele sempre foi um prodígio, então esperei ver muita ação e um enredo inteligente. Mas não foi o que aconteceu. Charles apenas acompanhou a história dos antepassados para formar uma ligação com o ditador, Mad Dog. Não podendo influenciar tanto a história assim, ele estava apenas como um expectador, dando suaves indicações às pessoas nas quais ele estava dentro. (sim, ele entrava na pessoa - ficção cientifica, pessoal). Claro que sua presença fez a diferença, já que mudou o rumo das coisas no presente.

Novamente temos a autora fazendo analogias ao bem e ao mal, assim como uma crítica à sociedade. Algumas coisas ficam bem nítidas, como o medo das pessoas ao desconhecido, os classificando como mal, e consequentemente querendo a sua morte. Há a luta pelo poder, como a ambição toma conta de uma pessoa e a leva para caminhos sem volta... e assim por diante. Esse é um dos elementos que você sempre vai encontrar nos livros da Madeleine. 

— Quando as pessoas são veneradas, cria-se um rastro de raiva e ciúme. Não serei venerado, tampouco serei rei. As pessoas deviam venerar os deuses, não a si mesmas." 
Confesso que, ao terminar, não foi o que eu mais gostei, e fiquei um tanto desapontada. Mas dei uma olhada no quarto, que será lançado esse ano, e vi que são os gêmeos os protagonistas, e estou muitooo empolgada novamente..  e que venha Muitas Águas.

Compartilhe!

6 comentários :

  1. Oi, Lud.

    Essa nova missão e a ambientação (e seus rumos) da mesma, me parece ser bastante envolvente.

    É também interessante acompanhar, agora, um Charles mais amadurecido, tendo mais destaque, tornando-se crucial para o desfecho final do livro.

    Gosto quando o autor nos entrega uma história como essa, complexa e com personagens bem desenvolvidos.

    Pena que ele não cumpriu as tuas expectativas!

    ResponderExcluir
  2. Oi Lud, uma pena esse terceiro livro não ter alcançado tuas expectativas. Ainda não li essa série e por enquanto tenho acompanhado só resenhas mas entendo que é mesmo chato quando esperamos ação e não encontramos isso. Ainda assim, você já renovou sua empolgação pro próximo :D e eu vou ficar de olho na resenha ;)

    ResponderExcluir
  3. Lud, Meg grávida?
    Preciso ler os livro logo!
    Eu li a edição da Dark e amei o primeiro vol, estou ansiosa pra ler os outros.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Também não gosto dessas saltos de tantos anos assim, fico perdida sem as explicações, é uma pena que esse volume deixa a desejar, gosto muito de ação, deve ter ficado uma leitura mais devagar sem ela.

    ResponderExcluir
  5. Lud!
    Não tive oportunidade de ler os livros anteriores dessa série, mas, desde o lançamento, desejo muito, porque assuntos como passagem de tempo, viagem no tempo e toda ficção que envolve enredos no estilo me atraem.
    Fiquei feliz em saber que pode ser lido de forma independente, mas o bom é ler na ordem, né?Pena que esse não foi dos melhores da série para vocÊ...
    Valeu pela resenha.
    Desejo uma semaninha de luz e paz!
    “É o coração que sente Deus e não a razão.” (Blaise Pascal)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JULHO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  6. Oi Lud,
    Eu gostei do enredo que vem sido apresentado desde o primeiro livro, mas acho o tema meio cansativo... Não é uma série que pretendo pegar para ler logo sabe?
    Que pena que não te conquistou completamente, e sim, passagens no tempo sem explicação é bem ruim!!
    Beijos

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei