27 julho 2018

[Resenha] Graça e Fúria - Tracy Banghart



Duas irmãs lutam para mudar o próprio destino no primeiro volume de uma série de fantasia repleta de romance, ação e intrigas políticas. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.

Livro: Graça e Fúria ||  Autor:  Tracy Banghart
Editora: Seguinte| Ano: 2018 || Gênero: Fantasia, YA
Classificação:  4 estrelas || Resenhista: Karla
Duas irmãs.

Dois destinos.

E tudo aquilo que você faria por quem ama.

"Graça e fúria" acompanha duas irmãs que lutam para mudar o próprio destino. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças, jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro.

Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real, mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes.

Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram e farão de tudo para se reencontrar.



Eu fiquei bem surpresa ao iniciar este livro. Ele se passa em um mundo onde as mulheres não tem voz, não podem ler, não podem escolher, precisam aceitar o que é imposto. A autora retrata essa diferença muito bem, como se os homens tivessem medo do poder feminino. 

No livro, o Superior pode escolher as mais belas mulheres, três escolhidas a cada três anos para se tornarem graças e elas não podem recusar. Elas são escolhidas para que ele faça o que bem entender com elas. Então temos duas protagonistas completamente diferentes no início, Nomi, uma personagem que não aceita ficar calada, não aceita que seu destino deve ser imposto, é impetuosa e geralmente fala o que quer, o que não é aceito em Viridia e Serina, a delicadeza, a educação e a obediência em pessoa, treinada desde cedo para se adequar ao cargo de graça, que ela almeja para melhorar sua vida e de sua família. 

Logo no início do livro, elas são obrigadas a trocar de lugar e nós acompanhamos toda aventura que isso trará. Serina tem sua beleza. Nomi, um segredo. Enquanto Serina é linda, Nomi é invisível. E é incrível como a autora trabalha as diferenças das duas, como mostra a quebra de paradigmas, como mostra que por trás da beleza existe força e que por trás da força existe inteligência. Que nada é excludente e que dentro de nós existe graça e fúria. É um dos pontos mais fortes do livro.

— Nada devia estar além do nosso alcance. Esse é o ponto — Nomi disse.
— Eu não quero isso. Não é um prêmio, Serina. Devíamos poder escolher!
— Essa era a minha escolha — Serina disparou.
— Não. — Nomi sentiu um aperto no coração. — Não é uma escolha quando você não tem a liberdade de dizer não. Um “sim” não tem nenhum valor quando é a única resposta que se pode dar!”

O livro já começa cheio de ação. O segredo de Nomi acaba tirando a irmã dela, e agora, Serina que nunca trabalhou na vida foi condenada a trabalhar na prisão. Sua sobrevivência depende dela mesma e até agora, ela não sabe o que fazer, mas Serina aprende rápido e vemos um crescimento muito grande na personagem. E Nomi, que nunca aprendeu a arte da dança, da música e de ficar incomumente passiva deve ser vista e chamar atenção para si, para então assim conseguir informações para salvar Serina.

As duas personagens vão crescendo e se transformando no decorrer do livro e eu que desde o início me identifiquei com a Nomi, quando cheguei na metade do livro, pendi para a Serina, que mostrou uma força interior muito grande. A Nomi teve que aprender a ser suave, sair da invisibilidade que procurava. E Serina precisou lutar para comer, precisou trabalhar, algo que nunca tinha feito antes. Nós acompanhamos as mudanças das personagens, as crenças, os debates, a luta para mudar aquilo que acreditavam ser imutável. As duas trocam de lugar verdadeiramente e fazem escolhas que irão mudar suas vidas de uma vez por todas. Cada uma sente o que a outra passou a vida inteira. E cada uma vai arriscar tudo para conseguir salvar tanto a si mesma como a outra.

Eu gostei bastante de como a autora apresentou o livro, um capítulo para cada irmã e a leitura bem gostosa, bem fluida, bem escrita. O poder feminino, as mulheres lutando para serem ouvidas, suas escolhas, a busca pela liberdade e o crescimento das personagens encontrando forças dentro de si e com outros, tudo isso é apresentado de forma bem harmoniosa. O livro passa bem rápido, você realmente quer saber como elas sairão da enrascada em que caíram. E claro, quando chegou ao final, eu queria matar alguém. Como pôde acabar assim? Ou seja, louca pelo próximo!

Compartilhe!

15 comentários :

  1. Oi, Karla,

    A destreza da Nomi é muito evidente e se destaca e se faz necessária para grandes mudanças na história, pois a mesma é a representação do empoderamento feminino fictício ou não.

    É muito importante o que o livro passa e evidencia - ao abrir horizontes e luta contra a opressão -, pois a desigualdade e tudo o que é ditado por uma sociedade machista, deve persistir.

    Pelo o que eu percebi, é um livro muito denso e bem desenvolvido.

    Enfim, acredito que, pra mim, será uma leitura proporcional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dai, eu gostei muito dela até o meio, depois eu virei totalmente para Serina. Mas fiquei muito curiosa para o próximo. Espero que não demore.

      Excluir
  2. Oi Karla, ambas as irmãs parecem ser ter suas qualidades e cativarem o leitor a sua maneira e achei isso bem interessante. Já tinha visto e gostado da capa, agora gostei da resenha e quero sim ler ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lili, gostei da capa também. E realmente cada uma tem seus pontos fortes, mas precisam buscar outros meios para sobreviverem aos ambientes que estão. Leia mesmo!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Eu gostei da premissa e o livro já tava na lista, mas depois da sua resenha, furou a fila. Kkkk
    Obrigada por recomendar!!

    ResponderExcluir
  5. Karla!
    Gostei muito de todo plot do livro e chocada em ver uma sociedade onde a mulher é uma 'coisa', afinal não pode nada, a não ser satisfazer as vontades e necessidades dos homens.
    Bom saber que há um amadurecimento de ambas protagonistas no decorrer do livro e confesso que fiquei bem curiosa por fazer a leitura.
    Bom final de semana!
    “O prazer dos grandes homens consiste em poder tornar os outros felizes..” (Blaise Pascal)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JULHO - 5 GANHADORES - BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy, amadurecem e acabam entendendo o que cada uma passava. Fiquei com muita vontade de ler o próximo.

      Excluir
  6. Não conhecia esse livro fiquei muito interessada, adoro ação e tem logo no começo então já me conquistou. Fiquei impressionada com a troca de papeis das irmãs e muito curiosa com o segredo de Nomi que causou isso. Interessante abordar esse tempo em que as mulheres não podiam nada e ter duas personagens que vão fazer a diferença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, leia! É muito legal e a gente fica doida pelo próximo!

      Excluir
  7. Oi Karla,
    Achei legal a autora ter mostrado como a aparência não importa, principalmente nesse enredo completamente machista, da até medo imaginar uma sociedade assim né?
    Sabe outro ponto que chama atenção, como as duas irmãs, que mesmo sendo opostas uma da outra, precisaram se unir, uma para salvar a outra, e em como as suas se mantiveram fortes perante a isso.
    Apesar de ser classificado como fantasia, senti um leve toque de distopia também!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você também pensou em Jogos Vorazes? kkkkk Foi meu primeiro pensamento, mas não foi isso não! Mas eu gostei que mesmo que elas tem aquele sentimento de culpar a outra, elas logo voltam atrás. Se amam mesmo.

      Excluir
  8. Olá Karla!
    Adorei conhecer o livro através de sua resenha, nunca tinha ouvido flar dle, como gosto mto do gênero fiquei curiosa com a história, parece ser mto, espero ter oportunidade um dia de ler.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, foi uma grata surpresa, mas tomara que o segundo não demore! Acaba tenso!

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei