12 junho 2018

[Resenha] A Marcha - John Lewis




O parlamentar John Lewis é um ícone nos Estados Unidos e uma das principais figuras do movimento pelos direitos civis. Seu comprometimento com a justiça e a não violência o levou de uma pequena fazenda no Alabama para os corredores do Congresso norte-americano; de uma sala de aula segregada para a Marcha em Washington; dos ataques da polícia ao recebimento da Medalha Presidencial da Liberdade pelas mãos do primeiro presidente negro dos Estados Unidos.
A Marcha retrata a longa batalha de Lewis pelos direitos humanos e civis, seu encontro com Martin Luther King Jr. e a luta para dar fim às políticas de segregação no país.


Livro: A Marcha|| Série: A Marcha #1 || Autor: John Lewis
Editora: Nemo || Ano: 2018 || Gênero: HQ
 Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Lud

Bora para mais um HQ maravilhoso. Na minha saga pelos quadrinhos, eu falei várias vezes que preferia um livro colorido do que preto e branco, agora posso dizer que estou verdadeira apaixonada por esses traços de Nate Powell.


Para quem não conhece, John Robert Lewis (nascido em 21 de fevereiro de 1940) é membro da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos pelo 5.° distrito congressional da Geórgia desde 1987, e foi um dos "Seis Grandes" líderes de grupos que organizaram a Marcha sobre Washington de 1963, também desempenhou muitas funções-chaves no Movimento dos Direitos Civis e nas ações para terminar com a segregação racial legalizada nos Estados Unidos.

Lewis foi premiado com diversos graus honoríficos e ganhou vários prêmios de instituições nacionais e internacionais eminentes, incluindo a mais alta honraria civil nos Estados Unidos, a Medalha Presidencial da Liberdade. (Fonte)

E nesse HQ vamos acompanhar a sua trajetória, nascido em Troy, no estado do Alabama, John Lewis vivia em uma fazenda com os pais e os irmãos e desde sempre teve a vocação para a oratória, mesmo seu público cativo sendo apenas suas galinhas, ele já lhes aplicava longos sermões. Mas tudo muda para ele quando o tio o leva para conhecer a cidade de Dothan. Já na viagem, ele percebe a preocupação do tio ao atravessar estados para o Norte, onde a segregação era ainda maior. Tudo era minimamente pensado, onde abastecer, onde comer, onde parar, onde olhar, tudo para chegarem são e salvos em seu destino.

Considerada uma cidade mais liberal, ele se vê descobrindo uma nova vida, além de comparar com a sua cidade, e perceber a grande diferença entre elas.E foi ai que ele começou a pensar mais no assunto, e ver como a sua cidade era dividida.


Junto com essa mudança de percepção causada pela viagem quando era criança mais os protestos de Sr. King, inspiraram não só Lewis a lutar, como pessoas iguais a Rosa Parks que em 1º de dezembro de 1955 se recusou a sentar no fundo do ônibus, e foi presa por isso. 


Quando fez 16 anos, Lewis começou a palestrar na igreja, e essas palestras eram tão significativas que ele foi convidado pelos pastores James Lawson e Rev. Kelly Miller Smith para participar em oficinas de não-violência realizadas no porão da Igreja Metodista Unida Memorial Clark. Lá, ele se tornou um dedicado seguidor da disciplina e da filosofia da não-violência.


E com essa filosofia, ele deu início aos SIT-In's. Que nada mais eram do que entrar em um restaurante e se sentarem no balção para serem servidos, que na época não era permitido. E esses SIT-In's foram aumentando, e ganhando cada vez mais seguidores, chamando a atenção da população, que começou a atacar de volta. Mas ao contrario de Lewis, eles atacavam com violência e morte.


Ainda temos mais livros para acompanhar, mas nesse primeiro podemos conhecer um pouco mais da vida de Lewis, o que o levou a encabeçar os movimentos, e mais do que isso, mostra como era organizado essas intervenções e protestos.

Não posso deixar de dizer como essa HQ é importante, como é bom olhar para a história e ver a luta,  a garra e a coragem pela busca dos direitos. Mas mais do que isso, é um tapa na cara das pessoas brancas, e no modo como elas deliberadamente mataram pessoas inocentes por coisas tão ridículas, como sentar em um banco.

Diversas passagem te tocam de uma forma, que é impossível não sentir a injustiça, a dor. Mas ao mesmo tempo, o orgulho pela coragem dessas pessoas que mudaram a história.


Livros assim deveriam ser obrigatórios nas escolas. Essa HQ deveria ser obrigatório para todos. O impacto das palavras, das expressões de ódio das pessoas brancas, e das expressões de amor das pessoas Negras, são um contraste que abala qualquer um.   

Compartilhe!

20 comentários :

  1. Oi, Lud.

    Acredito que essa, é uma história bastante importante e que nos deixa a par do que realmente o autor lutou. Não conheço muito sobre a história do John. Então, essa seria uma oportunidade para mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daiana,
      espero que tenha a oportunidade de lê-lo.
      =)

      Excluir
  2. Oi Lud, inicialmente eu pensei HQ não é muito a minha, mas ai fui lendo e percebendo que essa não é só mais uma HQ, e sim um livro que trás uma história de luta que não pode ser menosprezado e que deve ser visto pelo máximo de pessoas possíveis, principalmente por jovens em formação de caráter como você sugeriu ser obrigatório nas escolas. Algumas histórias trazem períodos tristes que sempre me emocionam, o questionamento sobre como amar o agressor, a não violência e a história do Emmett Hill que dá pra ver pelas fotos que você incluiu do livro me tocaram bastante, pensar no tanto de gente que morreu pra que possamos ter hoje direitos é assustador, os motivos banais para as mortes, revoltante. Bela resenha, ótima dica, ;) :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Lili,

      esse foi realmente um livro que me pegou. Além do assunto tão importante, e que merece ser exaltado. Os traços são de um realismo que te toca profundamente. Espero que tenha o prazer de lê-lo.

      Excluir
  3. Oi Lud!
    Acho interessante uma HQ tratar de um assunto tão sério como a trajetória desse homem, que conta desde sua infância tudo que passou, Achei engraçado que ele fazia sermões para as galinhas...
    Depois com a boa influência de M L King foi inspirado na luta contra o racismo. Gostei de ler que ele sempre foi partidario da não violência. Enfim uma HQ que trata de um assunto sempre importante para todos. Acho que se fosse em cores perderia a dramaticidade do tema. Atualíssimo. Obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Mariângela.

      Eu adorei conhecer esse outro lado dele, de como foi construído essa personalidade que luta pelos seus diretos e dos outros. Recomendo.

      Excluir
  4. Muito interessante essa HQ, mostra como os brancos eram, quanta injustiça que faziam e por nada, por coisas bestas. Gostei do personagem que mesmo pelo que deve ter passado era contra a violência, uma historia com grandes reflexões, uma leitura muito triste e emocionante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Maria,
      realmente, essa história merece ser lida por todos. Espero que consiga um tempinho para lê-lo.

      Excluir
  5. Lud!
    Apesar de ser um HQ é daquelas bem pesadas e tornam a leitura tensa e densa, porque são assuntos impostantes de serem lidos porque envolve a justiça e suas ações, bacana!
    “Sou uma só. (...) Sou um ser. E deixo que você seja. Isso lhe assusta? Creio que sim. Mas vale a pena. Mesmo que doa. Dói só no começo.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oieee

      é um assunto mais pesado, mas o traço traz uma suavidade incrível. Foi um casamento perfeito.

      Excluir
  6. Olá, essa obra impressiona tanto pela história quanto pelos belíssimos traços do quadrinhos, os quais conseguem passar toda a personalidade Lewis, um ícone revolucionário que lutou pela igualdade até o fim. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Alison,
      realmente, uma obra impressionante, estou aguardando ansiosamente pelo próximo.

      Excluir
  7. Oi Lud!
    Segunda resenha que leio sobre o livro, tenho mto interesse em ler, adorei as ilustrações tbm, o assunto abordado parece ser bem escrito, espero ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Aline,

      é muito bem escrito e ilustrado, espero que você tenha a chance de ler.

      Excluir
  8. Oi!
    Já tinha lido algumas HQ que tinha uma ou outro pagina preta e branco, mas nunca li nenhuma toda em preto e branco, gostei muito dessa modo de apresentar a historia e o enrendo me chamou atenção, principalmente por todo o seu significado, se tiver oportunidade quero ler !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Suzana,

      confesso que as preta e brancas não são minhas favoritas, mas eu definitivamente, amei os traços desse.

      Excluir
  9. Olá! Mais uma HQ muito interessante e intensa e acima de tudo de leitura obrigatória. Muito enriquecedor saber um pouco mais sobre a história de pessoas que lutaram contra a injustiça e porque não tomar como exemplo e tentar fazer algo melhor na sociedade atual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Elizete,

      acho que você falou tudo, foi muito enriquecedor mesmo. Eu não imaginava que tinha sido como está descrito.

      Excluir
  10. A principio eu não havia me interessado no livro. Mas ai eu vi que era uma Hq e isso mudou a historia. Fiquei bastante interessada em ler o livro apesar de não ser muito a minha praia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Carolina,

      eu não costumo ler muitos assuntos assim também, mas como era uma HQ eu me arrisquei, e foi uma ótima leitura, recomendo.

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei