10 junho 2018

[Resenha] A Cruz de Fogo Parte 1 e 2 - Diana Gabaldon

A Cruz de Fogo - Parte 1
Livro 5 - Série Outlander
Ano: 2017
Páginas: 720

Sinopse: Uma história sobre lealdade.O ano é 1771. Na Carolina do Norte, conserva-se a duras penas um frágil equilíbrio entre a aristocracia colonial e os esforçados pioneiros. E entre esses dois lados prestes a entrar em conflito está Jamie Fraser, um homem de honra exilado de sua amada Escócia. Convocado a liderar uma milícia para conter as insurgências, ele sabe que quebrar o juramento que fez à Coroa inglesa o tornará um traidor, mas mantê-lo será a certeza de sua ruína.A guerra se aproxima, garantiu-lhe sua esposa, Claire Randall. E, mesmo não querendo acreditar nesse triste futuro, Jamie Fraser está ciente de que não pode ignorar o conhecimento que só uma viajante do tempo poderia ter. Afinal, a visão única de Claire já os colocou em risco, mas também lhes trouxe salvação. A Cruz de Fogo é uma envolvente história sobre o empenho de Jamie em proteger sua família, construir uma comunidade e manter suas terras às vésperas de um conflito histórico. Nesses esforços, ele é ajudado por sua mulher, sua filha Brianna e seu genro Roger MacKenzie, que nasceram no século XX e agora tentam se adaptar à tortuosa vida do século XVIII.

A Cruz de Fogo - Parte 2
Livro 5 - Série Outlander
Ano: 2017
Páginas: 572

Sinopse: Não há mais como escapar: a guerra está diante de Jamie, Claire e sua família. Quando as tensões entre o governo e os rebeldes se acirram, a milícia é convocada mais uma vez e o conflito chega ao clímax na Batalha de Alamance. De volta ao vilarejo onde moram, os Frasers e os MacKenzies ainda terão que enfrentar diversas tribulações, que acabarão aproximando Jamie e seu genro, Roger. Os dois tramam um plano para acabar com Stephen Bonnet, o sórdido capitão que violentara Brianna, pondo em dúvida a paternidade de seu filho, Jemmy. Em meio a várias revelações, o mais surpreendente é o retorno inesperado de um conhecido, que traz uma pista capaz de desvendar os mistérios que cercam os viajantes do tempo. Grandiosa, envolvente e inesquecível, a segunda parte de A Cruz de Fogo é uma vibrante mistura de fatos históricos e dramas humanos.

As resenhas dos outros livros da série Outlander você pode encontrar AQUI. Essa resenha pode conter alguns spoilers dos outros livros.

Cá estamos! Livro cinco, mais de 4.000 páginas se passaram desde nosso primeiro encontro com Claire Beauchamp, desde então já passamos por: uma viagem no tempo, um julgamento de bruxaria, pela corte francesa, por uma revolução escocesa falida, outra viagem no tempo, uma filha, mais uma viagem no tempo, piratas, bandidos, a construção de um assentamento na América, um neto, índios e sim, mais viagens no tempo! Quando comecei minha jornada pela série Outlander, as meninas do blog me deram a seguinte alcunha: "Gaby, a sofredora de Outlander", mal sabia eu da verdade por trás dessas palavras. Claire Fraser e sua família são a personificação da Lei do Murphy, é problema, confusão, tiro, porrada e bomba com curtos e esparsos períodos de paz, mal dá para respirar entre um conflito e outro.

A Cruz de Fogo é um interlúdio para outra guerra, a Revolução Americana dessa vez. O título se refere a uma tradição escocesa em que o chefe de guerra de um clã constrói uma cruz enorme e então ateia fogo a ela de maneira ritualística como uma forma de pedir proteção e de chamar os homens de seu clã para a guerra que está por vir. O clima do livro reflete o período histórico no qual ele se passa, a tensão pré-revolução é palpável durante toda a história, com a formação de milícias e mais uma vez por causa do conhecimento de Claire acerca do futuro e da guerra eminente.
"É o anonimato da guerra que torna a matança possível. Quando os mortos anônimos recebem nomes de novo na lápide ou na cova, eles retomam a identidade que perderam como soldados e ocupam seu lugar no pesar e na lembrança, os fantasmas de filhos e amantes."
O livro começa logo de onde o outro parou, numa reunião de escoceses no Novo Mundo. E esse começo dita o ritmo e enfoque do livro, mostrando as tradições escocesas dos imigrantes, o desenvolvimento da Cordilheira dos Frases, com seus arrendatários e a vida doméstica da família Fraser. Logo no começo, durante a Reunião é que tomamos conhecimento da ação dos Reguladores, americanos insatisfeitos com a coroa britânica que estão incitando pequenos movimentos revoltosos e violentos, as sementes da Revolução. Como proprietário de terras Jamie é obrigado a formar uma milicia para ajudar a reprimir os revoltosos, assim podemos ter uma pequena amostra do que está por vir. No mais, o fantasmas de Stephen Bonnet ainda assombra a família, afinal ele é um risco para o pequeno Jemmy, filho de Brianna e Roger.
"Sobrevivi à guerra e perdi muito. Sei pelo que vale e pelo que não vale lutar. A honra e a coragem estão entranhadas em nossos ossos, e aquilo pelo que um homem mata é também, por vezes, pelo que ele morre. [...] Só pelo amor eu voltaria a atravessar o fogo."
Tirando as páginas dedicadas a reunião, ao casamento da tia do Jaime, Jocasta, e um ou outro infortúnio, o livro é isso, 'de boas', comparado com o resto da série pode até ser considerado tranquilo. Jamie só foi gravemente ferido uma vez, tendo seu papel de sofredor sendo transferido para Roger, que durante a história sofre uma grande perda que inclusive afeta seu casamento com Bree.

Os próximos livros prometem ser mais emocionantes, assim como A Viajante do Tempo foi um prelúdio para a Revolução Jacobita, a Cruz de Fogo parece ser a calmaria antes da tempestade da Revolução Americana. Acho que por ter sido tranquilo que demorou tanto para passar, de certa forma o livro se arrasta, tendo espaços muito grandes entre um clímax e outro, sendo dominado por uma narrativa um tanto quanto bucólica e doméstica. Ainda sim, a escrita é totalmente impecável como sempre, a riqueza de detalhes e personagens, o cenário histórico que pela primeira vez dominou totalmente, sem nem uma parte passada no presente, todos os elementos que caracterizam Outlander estão lá. Uma história envolvente e genuína, nada diferente do que estamos acostumados de Diana Gabaldon. Também acho importante registrar que a tradução melhorou muito, dessa vez não encontrei nenhum erro, nem de digitação nem de tradução, que foram coisas que me incomodaram no livro passado. No final o livo fica com uma nota 4/5, por causa de tanta tranquilidade.

Compartilhe!

7 comentários :

  1. Oi, Gaby.

    Apesar do livro ser ameno, é nítido que a autora pôde então, retratar bem os cenários que o livro se passa, os destacando.

    A parte 1 ser uma preparação para o que estava por vir na segunda parte, com certeza deixa o leitor ansioso.

    Essa, é uma série que não sei se um dia vou conseguir lê-la...

    ResponderExcluir
  2. Não tinha vontade alguma de ler, agora com essa resenha tudo mudou. Perdi o interesse nessa série por serem muitos livros, já ouvi até que a autora vai contar até o fim de Jamie/Claire...Não sei se aguento. Essa característica do livro A cruz de fogo que achou que se arrasta é justamente o que me atrai, narrativa bucólica e muitas descrições na narrativa. Essas partes "paradas" talvez dêem mais gosto nas partes de ação . Bom ler que a edição não tem erros, e a capa acho lindíssima. Quem sabe um dia tempo e dinheiro se unam para ajudar a ler essa série.

    ResponderExcluir
  3. Gaby!
    Fico completamente arrebatada com essa coleção, porque além de trazer assuntos interessantes e romance, fico pensando como a autora consegue escrever livros tão grossos e os assuntos não se repetem, tem sempre algo inusitado e novo a trazer.
    Maravilha!
    Uma semana cheia de luz e paz!
    “Sou uma pessoa insegura, indecisa, sem rumo na vida, sem leme para me guiar: na verdade não sei o que fazer comigo.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  4. Oi Gaby, eu assisto e amo a série mas confesso que ainda não enfrentei meu medo de ser sugada pra série de livros e não conseguir ler outra coisa haha, 4.000 páginas depois reforçam esse pensamento. Mas gostei muito da resenha, mesmo essa sendo uma história mais tranquila ela parece ter suas qualidades e imagino que vá gostar de ver essa fase retratada na série, porque essa família sofre viu rsrs e vê-lo só curtindo a vida doméstica vai ser bom pro meu coração :D

    ResponderExcluir
  5. Estou doida para ler essa série, por enquanto só estou assistindo e adoro. Que bom que esse tem conflito e confusão assim deixa a trama ágil para ler, mas é uma pena que depois fica tranquilo, deve deixar a leitura mais lenta, mas como tem acontecimentos e a riqueza nos detalhes deve deixar a obra bem agradável.

    ResponderExcluir
  6. Olá, eu acho incrível o trabalho histórico que Gabaldon faz para compor cada livro de Outlander, e este quinto volume não decepciona em nada e entrega mais um capítulo da história de Clare Fraser, a qual pode ser tudo, menos normal. Eu AMO a série e quero ler os livros há muito tempo, mas quero todos em mãos para ler de uma só vez. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Gaby!
    Sempre acompanho resenhas da série, confesso que não tenho aquela expectativa pra ler, mas tenho interesse em conhecer, parece ser uma boa história, espero ter oportunidade de ler e curtir a leitura.
    Bjs!

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei