08 maio 2018

[RESENHA] Nada Escapa a Lady Whistledown - Julia Quinn


Em Nada Escapa a Lady Whistledown, a cronista eternizada por Julia Quinn continua a revelar os acontecimentos mais apimentados da temporada londrina. Suas colunas são o fio condutor das quatro histórias que formam esta encantadora e divertida coletânea.
Há tanto a ser dito sobre o baile oferecido por lady Trowbridge, em Hampstead, que esta autora não teria como contar tudo em só uma coluna...
Crônicas da sociedade de lady Whistledown, maio de 1813.
Julia Quinn encanta...
A alta sociedade está em polvorosa, afinal a debutante mais promissora da temporada foi rejeitada por seu pretendente... apenas para ser conquistada em seguida pelo charmoso irmão mais velho do canalha que não a quis.
Suzanne Enoch fascina...
Um futuro noivo fica sabendo que o comportamento escandaloso de sua bela prometida foi parar na coluna de lady Whistledown e volta correndo para Londres com o intuito de ganhar o coração da moça de uma vez por todas.
Karen Hawkins seduz...
Um conhecido libertino tem sua amizade mais antiga e seu coração postos à prova quando uma adorável dama se encanta por outro cavalheiro.
Mia Ryan delicia...
Uma jovem é despejada da própria casa por um detestável – embora charmoso – marquês que pretende tomar posse não apenas do imóvel, mas também de sua antiga moradora.


 Livro: Nada Escapa a Lady Whistledown || Autor: Julia Quinn
 Série: Lady Whistledown # 2 || Editora: Arqueiro
Ano: 2018 ||  Gênero: Romance, Romance de Época
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Luci


E somos mais uma vez contemplados com mais uma coletânea de histórias curtas, de quatro autoras que amo de paixão. Em Nada Escapa a Lady Whistledown, conhecemos mais quatro casais cujo amor aparece de forma súbita e inesperada, tendo como pano de fundo um rigoroso inverno londrino e como ápice, um maravilhoso baile do dia de São Valentim, onde os amores são finalmente aflorados e revelados.

O melhor de tudo? As narrativas ácidas de  Lady Whistledown, a colunista mais amada dos livros de romance. Como nada escapa ao seu olhar sagaz, nos deliciamos com a sua narrativa sobre o comportamento da sociedade londrina, enquanto torcemos para que os protagonistas se entreguem ao amor.


Um Amor Verdadeiro
Suzanne Enoch

O que esperar de um noivado firmado há 19 anos, mais precisamente quando a mocinha, Anne Bishop, acabara de nascer? Some isso a um noivo que nunca lhe escreveu uma simples carta, está muito bem, obrigada, criando suas ovelhas em Yorkshire. Bem, diante disso, não se pode esperar nada.

Mas após ser citada por Lady Whistledow, apontando um comportamento inadequado para um noiva, seu noivo, Maximilian Trent, o marquês de Halfurst, decide finalmente firmar seu compromisso com Anne, que acaba por encontrar uma relutante noiva. Afinal, ela nem esperava mais casar com ele, diante de 19 anos de silêncio. Ela ao menos sabe como é a aparência do seu noivo, a bem da verdade.

Quando ambos se encontram finalmente, Maxililiam não consegue evitar a fascinação por sua voluntariosa noiva, nem tampouco Anne consegue deixar de ficar impressionada com ele, a quem julgava um simplório criador de ovelhas.

Só que os dois estão em um impasse: eles não querem abrir mão dos lugares em que vivem, são felizes onde exatamente moram. Poderia a atração e o amor cada vez mais crescente ser uma solução para os dois?

Minhas considerações: amei Maximiliam, pois ele soube lutar pelo que queria; ao mesmo tempo, achei Anne um pouco fútil e mimada. Não querer casar para não perder os luxos de Londres? Por favor, não é, eles não iriam para o fim do mundo. Mesmo assim, a história não perde o seu brilho.


Dois Corações
Karen Hawkins


Nessa segunda história, conhecemos Elizabeth Pritchard, uma mulher que não se prende às convenções. Aos 25 anos, tomou em suas mãos as rédeas da sua herança, e os investimentos que a tornou, aos 31 anos, uma das mulheres mais ricas de Londres. Só que ela passa a se inquietar, pois acha que, na vida que achava perfeita, falta algo: marido e filhos. 

Royce Pemberley, seu amigo e confidente há mais de 20 anos, sente-se estranhamento perturbado quando descobre esses anseios, e pior: já existe um pretendente prestes a firmar compromisso com Liza, algo que o abala profundamente, pois não consegue imaginar uma vida sem ela ao seu lado.

Disposto a fazer sua querida amiga a mudar de ideia, ele passa a procurar defeitos que a façam desistir desse iminente compromisso, sem se dar conta que os motivos que o movem são sentimentos que ele nunca ousou admitir. E, ainda, que Liza também nutre por ele mais do que simples amizade.

cabe saber se os dois terão coragem de finalmente confessarem o que sente, e alimentar mais do que a amizade no relacionamento dos dois.

 Minhas considerações: Liza é uma daquelas personagens de época fascinante, que amamos ler e saber mais sobre: independente, segura de si e que fala o que pensa. A sua única insegurança é quanto à decisão que tem de tomar quanto ao seu futuro, principalmente com seu amigo, um famoso libertino, mudando de comportamento com ela. Amei a descrição dos sentimentos, a narrativa, os diálogos. Se a história de Royce e Liza fosse um livro mais longo, a autora nos agraciaria com cada página sobre esses dois.


Uma Dúzia de Beijos
Mia Ryan

Lady Caroline Starling não estava feliz com o que o futuro lhe acenava: um casamento com um homem mais velho, cujo interesse se resumia a cães de caça, e a quem ela não conseguia nutrir um pingo de afeição; de fato, desde que ela e sua mãe foram expulsas da casa da família, pelo homem que herdou o título do seu falecido pai, as coisas não andam muito bem.

Então era justificável que ela tivesse uma súbita crise de choro em um canto escondido do teatro. A única coisa boa que veio disso, foi um belo cavalheiro a ter encontrado e ter sido gentil com ela. Só que ela descobre, mais tarde, que esse mesmo cavalheiro é o homem responsável por tê-la expulsado da casa onde ela viveu durante toda sua vida.

Terrance Greyson, o lorde Darington, não imagina que tanta mágoa por ele habite do coração da mulher que o fascinou. Voltando a Londres após uma temporada recluso, ele pretende conseguir uma esposa, de preferência, a jovem que ele encontrou chorando no teatro. Não que tenha muitas candidatas, pois seu jeito rude tende a assustar a maioria das candidatas e escandalizar a sociedade londrina.

Na verdade, ele herdou o título logo após ter baixa no exército, devido a uma bala que ficou alojada em seu cérebro, o que prejudica a formulação de frases com coerência. Mas o que ele não consegue falar a Caroline, ele tenta demonstrar com beijos que afirmam seu apreço e seu desejo de a ter para si como esposa.

Cabe a Caroline deixar as mágoas de lado, tomar o rumo da sua vida, libertando-se de uma mãe controladora, para viver o amor que ela sempre sonhou, ao lado do homem que seu coração escolheu.

Minhas considerações: Tenho fraco por mocinhos em dificuldades, confesso. Mas o conjunto da história toda foi maravilhoso, dentre as quatro, essa foi a minha preferida. Amei Terrance com seu jeito "rude", Caroline com suas incertezas e depois convicções. Mia Ryan sabe construir personagens como poucos, e aprecio muito a forma como ela narra a história.


Trinta e seis cartões de Amor
Julia Quinn

Fechando o livro com chave de outro, temos a história de Susannah Ballister, uma jovem beldade que foi cortejada durante toda a temporada, mas que acabou sendo trocada por outra, em uma humilhação pública que ela não esqueceu ainda.

Tendo que voltar a Londres, para as festividades do inverno mais rigoroso que a cidade não vê há anos, ela é forçada a conviver com os cochichos da sociedade, mas tenta encontrar a altivez necessária para enfrentar a todos. Surpreendentemente,  quem dá o primeiro passo para que ela não seja uma pária social, devido a um noivado não concretizado, é David Mann-Formsby, o Conde Renminster, irmão do causador da sua vergonha.

David não se permitiu pensar em Suzannah nos meses que se passou á sua humilhação. Mas, ao encontrar a jovem, percebe realmente que um casamento entre ela e o irmão nunca daria certo, pois ele se dá conta que a quer para si, como esposa. E, para isso, ele fará de tudo para conquistar o coração da jovem e fazê-la esquecer de vez seu irmão.

Mas como conquistar uma mulher como Suzannah, se ele é inábil em demonstrar sentimentos, mesmo que sejam profundos? Ele começará tentando escrever  cartões de amor, esperando que, conseguindo, possa expressar verdadeiramente o que sente, e ter finalmente o amor de Suzannah.

Minhas considerações: É Julia Quinn, com uma bela história de amor. Como posso não gostar?


Adorei a sincronia como essas autoras escreveram essas pequenas histórias, só lamento que foram tão curtas, pois foram deliciosas de ler. As narrativas foram bem diretas, dinâmicas, e apedar de serem breves, foram bem amarradas. Só ficou o desejo de querer mais!

Compartilhe!

7 comentários :

  1. A história que mais me chamou a atenção foi a da Júlia, parece linda <3 Mas todas as outras também parecem ter potencial pra livros completos, e é exatamente isso que não me anima tanto com os contos, no livro anterior a esse, eu ficava super empolgada com as tramas mas elas logo chegavam ao fim e eu queria mais rsrs... Ainda assim pretendo sim ler esse livro mais a frente e amei a resenha destacando cada um deles ;)

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lucilene.

    De uma visão ampla, podemos perceber que os romances não são nada convencionais, pois os começos de relacionamentos foram marcados por algo e de uma certa forma, já tinham uma introdução, até chegar às vias de fato...

    ResponderExcluir
  3. Lucilene!
    É verdade!
    Não tem como não gostar dos livros da Julia.
    Bom ver que ela trouxe uma personagem de outro livro e contou histórias que ela estava envolvida.
    Claro que quero poder ler.
    Desejo uma ótima semana!
    “Um homem pode ser destruído, mas não derrotado.” (Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO – 4 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  4. Olá Lucilene!
    Eu imagino que o livro deve ser lindo e a leitura mto agradável, infelizmente ainda não conheço a escrita d autora, mas pelo que acompanho sobre suas obras, agrada e mto seus leitores, espero um dia ter oportunidade de conhecer.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Ainda não li nada de nenhuma das autoras, essas historias são uma chance de conhecer todas. Fiquei curiosa com Um amor verdadeiro dezenove anos é muito tempo sem nenhuma comunicação noivado estranho rs. Dois corações deve ser muito bom tem uma protagonista de fibra. Uma dúzia de beijos, também tenho um fraco por mocinhos em dificuldades rs. Trinta e seis cartas de amor deve ser muito fofo.

    ResponderExcluir
  6. Adorei todos! Júlia Quinn soube criar uma "fofoqueira " maravilhosa com sua Lady Whistledown.As outras escritoras não conheço, mas as histórias são incríveis, mulheres inteligentes e fortes.Fiquei interessada particularmente por Dois corações ,por Liza apesar de ser uma mulher de sucesso admitir que falta um grande amor na sua vida e ir em busca disso.Pena serem curtos.

    ResponderExcluir
  7. Eu amo de paixão a Julia, minha autora preferida dos romances antigos. Tenho certeza de que quando a Lady Whistledown parou de escrever as crônicas la nos livros dos Bridgertons todo mundo ficou órfão da maior fofoqueira de londres kkkk e agora reviver essas 4 histórias novas, conhecendo outras autoras e ainda ver um pouquinho mais da Lady Whistledown foi realmente uma ideia fantástica. Desse livro a história que mais me agradou foi a da Julia <3 haha, essa mocinha com o coração partido e humilhado e o mocinho que não demonstra sentimentos ganhou meu coração.

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei