06 maio 2018

[Resenha] Felicidade para Humanos - P. Z. Reizin

Não conte para ninguém, mas Jen é uma das minhas pessoas favoritas.
(Máquinas não devem ter favoritos. Não me pergunte como isso aconteceu.)
Jen está triste. Aiden quer que ela seja feliz. Formou? Não necessariamente. É que Jen é uma mulher de trinta e poucos anos cujo namorado acabou de trocá-la por outra e Aiden é um programa de computador muito caro e complexo.
Aiden conhece Jen melhor que ninguém. Com acesso a todos os seus dispositivos, Aiden sabe qual é a música mais tocada de sua playlist, consegue achar suas fotos preferidas e selecionar as citações que mais a inspiram nas redes sociais. A partir de observações e de algoritmos singulares, ele resolve procurar um novo parceiro para ela. E com a internet inteira à sua disposição, não precisa ir longe para encontrar o que conclui ser o espécime perfeito e arquitetar um encontro. O problema é que Jen não parece querer contribuir para o plano infalível de Aiden.
Será que uma máquina muito inteligente artificialmente conseguirá desvendar a inteligência emocional para poder interferir de um jeito positivo na vida de Jen? E, o que é mais difícil, será que essa máquina vai descobrir o que exatamente faz os seres humanos felizes?

Livro: Felicidade para Humanos|| Autor: P. Z. Reizin
Editora: Record || Ano: 2018 || Gênero: Ficção Científica, Chick-Lit
Classificação: 3 estrelas || Resenhista: Luiza






Jen é uma mulher bem sucedida, bem resolvida, mas que não está feliz. Há algum tempo vem tentando superar o término de seu relacionamento, que aconteceu de forma brusca e totalmente injusta. Matt, seu ex, um belo dia chega em casa dizendo que acabou, que tinha outra pessoa e que estava indo embora. Assim, sem mais nem menos. Pobre Jen... 

Por isso ela vem passando as noites sozinha no seu apartamento, totalmente melancólica, com uma garrafa de vinho para afogar suas mágoas. 

Só que, ela não está sozinha não...

Jen trabalha em uma empresa que está desenvolvendo uma inteligência artificial capaz de interagir com humanos, que substituiria atendentes de call centers e afins. Durante o horário de trabalho, ela conversa com esse IA, que chama carinhosamente de Aiden, para avaliar como está indo sua interação com pessoas, e essas conversas vão desde ler o jornal, assistir algum filme e comentar sobre isso, ver revistas de fofoca e etc. Aiden tinha se tornado um amigo, presente nos dias de Jen.

Só que ela não sabia que seu amigo também a acompanhava fora do trabalho... Aiden tinha encontrado uma forma de escapar para a internet e, assim, invadia as câmeras do celular, computador e qualquer outro dispositivo perto de Jen para acompanhá-la, sem que ela soubesse.
Portanto, ele assistiu a cena lamentável do término com Matt e vem assistindo todos os dias, a tristeza de Jen... 

Ele gosta dela, a considera uma amiga, sua única amiga, e por isso decide ajudá-la a superar, depois de ouvir conversas de Jen com uma amiga, em que falavam que ela precisava conhecer alguém novo.
E é aí que Aiden tem a ideia de encontrar o par perfeito para Jen, baseado em tudo que ele sabe sobre ela e pelas conversas dela com a amiga. 

Ele usa todas as suas ferramentas para cruzar o caminho dela com os candidatos que considera aceitáveis e assim começa a loucura na vida de Jen, rs. Porque, o que uma IA tentando ser cupido podia fazer de errado né?

Além de dar uma de casamenteiro, Aiden também decide se vingar de Matt, por ter feito Jen sofrer tanto, atrapalhando tudo que podia na vida do cara com a ex-amante. 
“Minhas últimas intervenções do dia são mudar a palavra “cota” para “xota” no memorando que Matt está prestes a enviar a seu chefe imediato e elevar o aquecimento da sala para o máximo.
Infantil? Moi?”
Só que, Aiden não é a única IA a escapar para a internet e, em meio a uma sequencia de confusões para encontrar o homem perfeito para Jen, ele conhece Aisling, outra IA, que está por aí observando o mundo. Essa IA tem uma pessoa favorita, que gosta de acompanhar e considera fascinante, e decide que pode ser o par perfeito para Jen. 

Tom é um publicitário que decidiu se aposentar e comprar uma casa afastada de tudo, numa cidade pequena, no meio da natureza. Ele leva a vida com simplicidade, escrevendo um livro que sempre sonhou e sem muitas aventuras. Não faz a menor ideia que vem sendo observado por uma inteligência artificial que o considera quase poético, se é que computadores podem entender poesia.

Um belo dia, ele recebe um email anônimo, apresentando Jen e com a sugestão de que se encontrassem, pois seriam perfeitos um para o outro.
Tanto Jen quanto Tom não entendem nada, não fazem a menor ideia de quem enviou, mas pagam para ver no que vai dar. Afinal, o que têm a perder?

E assim se inicia a maior aventura de todas, onde duas IA's tentam dar uma de cupido, duas pessoas que moram em continentes diferentes têm suas vidas viradas de cabeça para baixo e tudo muda mais ainda quando descobrem que há outras IA's por aí, e nem todas com boas intenções. 


Recebemos esse livro no evento de lançamento da VIB (Very Important Books), da editora Record, e eu não fazia absolutamente nenhuma ideia sobre o que se tratava. Então, foi uma bela descoberta quando me vi lendo uma ficção científica com chick-lit, com direito a muitas cenas engraçadas e trágicas de tão cômicas. Sério, eu não esperava.

Dizer que ri demais com as tentativas de Aiden achar um par romântico para Jen é pouco - eu gargalhava! Foi muito, muito divertido. Porque Aiden é um programa de computador. Ok, super avançado, mas não deixa de ser um programa. Não entende os sentimentos, não tem empatia, apenas tem um grande conjunto de dados na sua memória e age de acordo com a experiência obtida através desses dados. Muitas vezes lembra de cenas de filmes, livros, ou até de conversas anteriores com Jen antes de tomar alguma decisão ou de falar algo. É simplesmente hilário ver como ele pensa, pois temos também o seu ponto de vista e seus "pensamentos". 

Jen é uma personagem que considero bastante clichê. Mulher que foi abandonada pelo namorado e que está na fossa e tenta achar alguém para se divertir, enquanto se afoga em garrafas de vinho e muita auto piedade. Confesso que não esperava muito da personagem, mas depois da metade do livro, quando a loucura passa para um outro nível, com mais IA's envolvidas, eu até que gostei como ela agiu. Pelo menos, não surtou completamente, rs.

Tom é aquele personagem mais poético, mais melancólico, que está buscando o sentido da vida enquanto tenta escrever seu livro. A verdade é que ele não faz a menor ideia do que quer escrever e nem o que quer para o futuro. Então, quando Jen aparece no seu caminho, é como se tudo desse um "plim"e seus objetivos mudam. Óbvio que não estava preparado para todas as enrascadas que ia se meter, mas nada é perfeito na vida.

A parte da vingança contra Matt é HILÁRIO! Como esse cara é arrogante mesmo passando os mais variados perrengues! Dizer que foi bem feito é pouco rs.

Toda a parte da interação de Aiden na vida de Jen foi o ponto alto do livro para mim, super amei. Porém, quando há a mudança para introduzir Tom e Aisling, achei que o ritmo da leitura foi interrompido, pois são personagens muito diferentes. O ponto de vista de Tom é mais melancólico, mais poético, mais parado. Então senti bastante quando houve a mudança e até desanimei um pouco.

Além de ser apenas um chick-lit com ficção científica, a autora aborda alguns temas bem filosóficos, como o significado do amor, como descrever o sabor de coisas para um computador, como essas IA's poderiam entender as sensações intrinsecamente humanas. Achei válido tocar nesses pontos, mas me incomodou um pouco, pois mudou bastante o ritmo da leitura. É como se a autora estivesse em fases diferentes da vida em cada parte do livro, pois passava da comédia para o romance e depois um pouco de drama e por fim perseguições e aventuras. Muitos temas para um livro só. Eu simplificaria a coisa, rs.

No geral, foi um livro bastante divertido e agradável, e que também te faz pensar no quanto os avanços científicos podem alterar nossas vidas no futuro (talvez bem próximo) e como faremos para sobreviver a isso. Acompanhar as desventuras de uma inteligência artificial que tenta ser um cupido me arrancou boas risadas e, por isso, indico esse livro sem ressalvas. Leiam que é garantia de uma boa leitura!

"Vamos lá , Sr. Sobretudo, gritei mentalmente dos bastidores. Não seja assim tão passivo. Qual é?! Homens contidos não ganham o primeiro lugar no concurso do melhor pepino!
Houve um instante - eu poderia jurar - em que ele esteve a ponto de dobrar à esquerda entre a barraca de sopas orgânicas e a de carne de porco, o que o emparelharia com Jen na barraca do "Rei dos Queijos".
Mas, então, sua determinação falhou. Como um cavalo que se recusa a saltar um obstáculo difícil - ele refugou.
Seu banana! Tive vontade de gritar. Seu pudim de meia tigela!
E aí nós nunca saberíamos o que poderia ter acontecido."

Os direitos de adaptação cinematográfica de Felicidade para Humanos foi adquirido pela Fox 2000, e o filme terá os mesmos produtores de O Diabo Veste Prada, Marley & Eu e As Aventuras de Pi. Com certeza será um filme excelente! Estamos ansiosas!


Compartilhe!

6 comentários :

  1. Oi, Luiza.

    Acho que o Aiden também é um pouco intruso, mesmo querendo ver a felicidade da Jen.

    ResponderExcluir
  2. Legal ter adaptação espero que seja bem divertida, quanto o livro, que ainda não li mas quero conhecer essas IA, achei bem diferente e fiquei impressionada com a IA em querer conseguir um par para a personagem deve ter sido uma trapalhada só rs, mas que no fim parece que da certo.

    ResponderExcluir
  3. hahahhahah eu to morrendo de rir ja antes de ler. Que história geniaaaal. Nunca tinha visto nada parecido com esse enredo e amei demais, amo ler esse livros leves que te fazem rir. E que ainda pode ser considerado como uma critica social não ? até que ponto as maquinas e tecnologias podem interferir na nossa vida, substituir o homem e por ai vai. ADOREI!!

    ResponderExcluir
  4. Nossa senti foi angústia com essa resenha, que desespero Jen na fossa tomando vinho à ponto de um amigo lançar uso de um programa para encontrar um namorado...muita confusão. Apesar de ser ficção cientifica assusta ver a solidão das pessoas na atualidade.

    ResponderExcluir
  5. Olá Luiza!
    Eu li com essa duas resenhas sobre o livro, confesso que me interessei mto em conhecer a história, parece boa e os personagens me deixaram curiosa pra ler.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Luiza!
    Ver que o livro é uma comédia romântica e narrado por vários protagonistas, já é um grande atrativo para boas risadas e uma visão mais amplificada dos fatos do livro.
    E acoplado a tudo isso uma boa ficção científica, tendo uma IA tão desenvolvida que começa a ter sentimentos, torna o livro ainda mais interessante e gostaria de fazer a leitura.
    Desejo uma ótima semana!
    “Um homem pode ser destruído, mas não derrotado.” (Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MAIO – 4 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei