28 maio 2018

[Resenha] Dez Mil Céus Sobre Você - Claudia Gray

MARGUERITE CAINE fez o impossível, viajando por dimensões alternativas com o Firebird — uma invenção brilhante criada por seus pais, seu namorado, Paul, e o amigo da família, Theo. Mas ela também chamou a atenção de inimigos poderosos, dispostos a seqüestrar, chantagear e até matar para usar os poderes do Firebird para propósitos escusos.
Quando a alma de Paul é dividida em quatro fragmentos — que se encontram presos dentro de Pauls em outras dimensões —, Marguerite fará qualquer coisa e irá a qualquer lugar para salvá-lo. Mas o preço de seu retorno em segurança é alto. Se ela não sabotar os próprios pais em múltiplos universos, Paul vai continuar perdido para sempre.
Mas Marguerite acredita que é possível salvar seu amor sem sacrificar a família, e para isso pede a ajuda do brilhante Theo. Os dois criam um plano para recuperar Paul e o Firebird, mas para que ele dê certo eles precisarão superar um concorrente genial e vão colocar em risco não só sua vida mas também a de todas as versões de si mesmos em várias dimensões.
Desta vez a missão leva os dois aos universos mais perigosos até então: uma São Francisco dividida pela guerra, o submundo do crime de Nova York e uma Paris iluminada onde a outra Marguerite esconde um segredo chocante. Cada salto deixa Marguerite mais perto de salvar Paul — mas sua jornada revela verdades sombrias que fazem com que duvide da única constante que encontrou em todos os mundos: o amor que sentem um pelo outro.

Livro: Dez Mil Céus Sobre Você || Série: Firebird#2
Autor: Claudia Gray || Editora: Agir Now
Classificação: 2 estrelas || Resenhista: Luiza
Ano: 2016 || Gênero: Ficção científica, romance, young adult


Participe do Top Comentarista de Maio

Depois de viajar mundos para encontrar seu amor, as aventuras de Marguerite estão muito longe de terminar...

Tudo estava maravilhoso, Paul estava em casa, seu pai estava vivo e todos tinham saído ilesos. Mas, não era bem assim...

Theo estava sofrendo com o vício de Furtanoite e fazia de tudo para esconder e não preocupar os outros. Porém, não havia mais como esconder, seu estado se torna muito grave, e a família Caine precisa achar numa forma de salvá-lo.

E é Paul que toma uma atitude (impensada) para tentar salvar o amigo: viaja novamente para outras dimensões para tentar achar a cura. Porque ele ama Theo como a um irmão e, em grande parte, porque sente que a culpa é sua pelo estado do amigo...

Marguerite se vê sem seu amigo e sem seu amor, e não consegue ficar parada sem fazer nada. É claro que ela iria atrás dos dois.

Só que Wyatt previu isso tudo e a pegou em sua teia de maquinações. Ele revela a ela que "fragmentou"a alma de Paul em quarto partes, e, para salvá-lo, ela deveria encontrar essas partes e junta-las, antes que fosse tarde demais. E, ainda, propôs o seguinte acordo: daria a cura de Theo se ela realizasse uma pequena missão: impedir que seus pais descubram a tecnologia Firebird nas dimensões que passar, sabotando de alguma forma o trabalho deles.

Era uma escolha quase impossível de se fazer. Sabotar os pais ou salvar Paul e Theo?

Ela escolhe salvá-los e parte nessa aventura perigosa. Não foi como da primeira vez. Ela não era a mesma Marguerite. Tinha passado por muitas coisas e visto muito dos mundos que passou para entender que tudo tem uma consequência.

Ela conhece um mundo dominado pela igreja, em que Paul era padre e ela, seu amor proibido. Vai parar em um mundo em guerra, que não reconhece nem a si mesma. Tudo era diferente, seus pais eram diferentes, havia muita morte e desolação, Paul era distante dela e Theo ocupava um lugar que ela não esperava. Havia também o mundo que tudo estava invertido, seus inimigos não eram inimigos, seu Paul era seu atacante...

Era tão difícil para Marguerite encarar essas realidades sozinha... Jamais pensou ver uma versão de si mesma tão oposta, assim como dos seus pais. O que isso significava?

Cada vez mais ela se dá conta que não tem o direito de interferir tanto nas vidas das outras dimensões, e tudo ganha uma proporção tão maior... Seus questionamentos são tantos que a fazem duvidar até de seu amor inabalável por Paul. Seria mesmo incondicional, não importa onde?

Como ela faria para juntar os pedaços se já não sabia mais se seus objetivos justificavam suas ações? Será que, no final de tudo, ela conseguiria encarar a si mesma ? 

Leiam para descobrir.
"Mas eu já sabia que Paul e eu fomos feitos um para o outro. Destinados, de uma forma real, literal, verificável. Não se pode lutar contra o destino, e eu nem queria tentar."

Eu estava tão ansiosa para ler essa série. As capas me encantaram tanto, e a premissa de arrasar...

Mas a empolgação foi morrendo cada vez mais... Não sei explicar, é como se a autora fosse perdendo o seu propósito pelo caminho e esquecendo o que estava fazendo...

O primeiro livro me encantou pela ficção científica envolvida. Achei essa ideia genial, muito bem descrita e com enorme potencial.

O segundo livro foi a decaída. Sério. Muito mais romance e drama do que explorar a premissa maravilhosa.

Aqui vemos uma Marguerite mais melancólica e não é para menos. Tinha acabado de passar por uma experiência assustadora ao viajar por dimensões atrás de Paul e enfrentar diversos desafios que jamais imaginaria... E aí, logo depois, quando acha que as coisas se resolveram, está nessa situação novamente: viajar através de dimensões desconhecidas para salvar não só a Paul como a Theo, e, ainda, sabotar o trabalho dos pais... Azarada ou imã para problemas? rs.

Ela sente muito mais pelas suas ações do passado, aprendeu a medir as consequências dos seus atos, mas não deixa de ser bastante egocêntrica, rs. Tudo tem que ser culpa dela ou para ela ou algo relacionado a ela. O mundo não gira em torno de você não... rsrs

Rolou bastante drama, muitos questionamentos sobre as suas diversas existências, ao ver o quanto poderia ser diferente, dependendo das circunstâncias. E aí vem uma mensagem legal da autora, em que ela diz que todos possuímos dentro de nós o potencial para o bem e para o mal, e o que nos tornamos depende tanto de nós mesmos quanto do mundo em que vivemos, das pessoas que nos cercam e das circunstâncias em que fomos criados. Ninguém é absolutamente mal ou absolutamente bom. E Marguerite vê isso ao conhecer versões ruins de todos que amava.

Teve um triângulo amoroso básico, já esperado e sem grandes expectativas da minha parte. Concordo que podemos amar mais de uma pessoa e nos sentir atraídos por outro enquanto amamos alguém. Faz parte da vida.

O último mundo por onde ela passou foi o que se mostrou mais revelador e bombástico, e podemos conhecer todo o motivo dessa busca desenfreada de Wyatt pela tecnologia do Firebird pelas dimensões. Dá toda uma ideia do que esperar pelo próximo livro e já sabemos que tudo vai mudar. 

Eu só não sei se terei vontade de ler o terceiro livro, mesmo com as reviravoltas, porque essa história me cansou bastante, os personagens também me cansaram e não estou animada para voltar aos dramas de Marguerite, rs.

Dez Mil Céus Sobre Você é um livro que passa mensagens interessantes, embora com muitas partes desnecessárias. Acompanhamos Marguerite em outra grande jornada para salvar àqueles que ama, mesmo podendo perder a si mesma pelo caminho. É a história de uma personagem corajosa que descobre que nem todas as versões de si mesma são como imagina. Embarquem nessa grande aventura para descobrir um desfecho de deixar o queixo caído.
"Existe uma força dentro de nós que não compreendemos até que ela seja necessária. Nós fomos, lá no nosso âmago, feitos para sobreviver."

Compartilhe!

6 comentários :

  1. Oi Luiza!
    Ainda não li os livros mas pelo que acompanho em resenhas é bom, a escrita agradou mtos leitores, espero ter oportunidade de ler um dia, cada vez mais me interesso em conhecer.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Achei uma loucura mas qual ficção cientifica não é ? kkkk Imagino como a Marguerite se sentiu tendo que tomar essa decisão de sabotar os pais pra salvar seu amor e seu amigo, achei ela bem corajosa de arriscar tudo para salvar aqueles que ama. Por outro lado esse triangulo amoroso acho que seria um problema pra mim, gosto de tomar as dores dos personagens hahaha. Que pena que a leitura ficou cansativa, mas espero que o próximo livro consiga suo erar isso e você prossiga a leitura

    ResponderExcluir
  3. Oi, Luiza.

    É notável um pouco do amadurecimento e desenvolvimento da Marguerite.

    Além disso, a trama criada, paralela à diversos mundos, é incrível. E, é uma pena que, nesse livro a autora não soube aproveitar e explorar por completo o enredo proposto.

    ResponderExcluir
  4. Esse com certeza seria um livro que eu compraria pela capa, pois ficção científica não é meu gênero preferido, um livro que passa por muitos mundos , várias dimensões definitivamente não é pra mim, apesar de ter uma história interessante.

    ResponderExcluir
  5. É uma pena que esse foi cansativo, apesar das reviravoltas que teve e que adoro, achei interessante a personagem ver outras versões das pessoas que ela conhece de outra maneira que ela não imaginava, assim podemos imaginar isso na realidade se tivesse outras dimensões. Não gosto quando os autores incluem triângulos amorosos nas historias são tão desgastantes.

    ResponderExcluir
  6. Luiza!
    Uma pena que tenha se cansado e estressado na leitura do livro e não lerá o próximo, mesmo com as reviravoltas.
    Como nada é perfeito, a autora deu um pequeno deslize, mas acredtio que não deve ter interferido muito na trama.
    Bom feriado!
    “O meu objetivo é colocar no papel aquilo que vejo e aquilo que sinto da mais simples e melhor maneira.. “(Ernest Hemingway)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei