19 abril 2018

[Resenha] Contra Todas as Probabilidades do Amor - Rebekah Crane


Sejam bem-vindos ao acampamento Pádua. Um retiro de verão para adolescentes problemáticos. Mas não se tratam de problemas comuns, como não querer estudar, mentir ou colar na prova. Não! Estamos falando de problemas reais. Alguns deles tão grandes, tão sérios, que até um adulto desmoronaria sob o peso deles. No acampamento, Zander, uma garota enviada pelos pais contra a sua vontade, encontra uma série de adolescentes na mesma situação, e com três deles ela estabelece uma relação de amizade — Grover, Alex e Cassie. Todos os quatro são tão diferentes quanto as pessoas podem ser, mas têm algo em comum — eles estão quebrados por dentro. Em meio às sessões de grupo e, à medida em que o verão dá as caras, os quatro revelam seus trágicos segredos. Zander encontra-se atraída pelos encantos de Grover, e então começa a se perguntar, depois de muito tempo, se pode apostar em ser feliz novamente.




Livro: Contra Todas as Probabilidades do Amor || Autor: Rebekah Crane
Editora: Faro ||Ano: 2018 || Gênero:  Young Adult / Romance
 Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Amanda
"Rezo a Santo Antônio de Pádua para que o que foi perdido seja encontrado. Para que a alma seja livre. E para que a vida seja duradoura."

Zander é uma jovem que está passando por uma fase difícil, mas que se recusa a admitir isso. Ela se desliga do mundo ao seu redor, conjugando verbos em francês mentalmente. Quando seus pais já parecem não suportar ver a apatia da menina, eles seguem a recomendação do psicólogo e a matriculam no Acampamento Pádua, um lugar para jovens problemáticos. Ali ela poderia conhecer outros jovens com problemas similares e, com esperança, voltar a se abrir.

Tudo o que Zander quer é não sentir absolutamente nada, se ela não se importar com nada, então nada poderá feri-la. Mas ela logo é desafiada por Cassie e instigada por Grover, que provocam vários sentimentos nela de raiva, curiosidade, preocupação e talvez, se ela se permitir... amor. 

"- Bem, eu sou assim mesmo. Sou uma aberração anoréxica, bipolar e maníaco-depressiva. Eu mesma me autodiagnostiquei."

Cassie tem diversos problemas. Com dificuldade em confiar devido a uma criação problemática, ela afasta a tudo e a todos com seu "gênio ruim" que é mais como uma capa que ela criou para se proteger e impedir as pessoas de chegarem perto demais. Já que todos acabam desistindo dela de qualquer forma, não há sentido em facilitar as coisas, não é mesmo? Ela frequenta há anos o acampamento e seu único amigo é Grover, que a venceu pela insistência.

"- Você é real?
- Sim, eu sou real.
Grover dá umas batidinhas no seu queixo com a caneta.
- Mas se você fosse imaginária, mesmo assim você diria que é real, apenas para me fazer acreditar que você é real. Então essa linha de raciocínio não funciona muito bem."

Grover não tem nenhum problema aparente, exceto pela convicção de que, de acordo com as probabilidades, um dia ele perderá sua capacidade de raciocinar, acabando por se perder dentro da própria mente. Isso porque a probabilidade de herdar a esquizofrenia de um parente direto é de dez para um. Ele não é bom em esperar as coisas acontecerem, então ele decide que já que se tornará maluco um dia de uma hora para outra, não há motivos para ser normal agora... ele pode muito bem já se comportar como maluco desde já e ir se acostumando com a ideia.

"(...) - Qual é o seu nome, cara?
- Tim.
- É um prazer conhecer você, Tim. Eu sei que você é real porque as garotas podem vê-lo. Mas por que veio parar aqui no acampamento?
- Eu matei uma pessoa - Tim responde com a boca cheia de comida, enquanto aperta a mão de Grover. - E na verdade meu nome é Pete.
- E quem você matou, Pete? - Grover indaga.
- Ninguém, eu só estou brincando de novo. Meu nome mesmo é George.
- Certo, George. - Grover faz uma anotação. - Vamos ver se eu adivinho... Mentiroso compulsivo?
- Eu não sou um mentiroso compulsivo. - Balançando a cabeça insistentemente, o garoto cruza os braços e se encosta no espaldar da sua cadeira, com a cara amarrada. - Tudo bem. Talvez eu seja. Mas eu também posso estar mentindo sobre isso."

Alex Trebek talvez seja o mais engraçado. Mentiroso compulsivo, o garoto mente sobre tudo praticamente o tempo inteiro, inclusive seu próprio nome. Nunca se sabe o que é verdade no meio de suas mentiras ou o por que dele ter sido mandado para o acampamento... e mesmo que ele diga, não se pode acreditar realmente por motivos óbvios.

Esse quarteto improvável acaba criando laços inesperados e descobrindo que a dor, não importa quão grande seja, uma vez compartilhada, acaba não doendo tanto assim. E que não existe nada de errado em estar um pouco quebrado.

"E o que tem de errado em estar quebrado? Você é perfeita por acaso?"

O livro foi maravilhoso do começo ao fim. No começo pegamos algumas implicâncias dos instrutores, mas acabamos vendo no decorrer do livro que todos tem seus fantasmas e que eles realmente se preocupam em ajudar esses jovens perdidos a se encontrarem. 

Me identifiquei principalmente com a Zander e várias vezes quis dar um abraço nos outros personagens - todos eles - porque todos ainda tinham cicatrizes que tentavam deixar de lado e fingir que não estavam ali... que não doíam mais, mesmo quando sabíamos que não era bem assim e eles apenas estavam tentando seu melhor para seguir em frente. 

Gostaria de poder dar esse livro para todas as minhas amigas, só para ter com quem falar depois... Leiam, vocês também vão se apaixonar!

Compartilhe!

14 comentários :

  1. Oi Nanda!
    Aah eu qro mto conhecer o enredo desse livro, pelas resenhas que acompanhei sobre a obra a leitura é mto linda e espero conseguir ler logo viu... A expectativa é grande.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nanda.

    Bom, acredito que nesse acampamento, todos os adolescentes ali presente tiveram a oportunidade de não somente conhecer os problemas um do outro, mas também ajudar, compreender, aprender algo.

    Tenho certeza que o livro é bastante profundo, por abordar diversos dilemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eles se ajudam e acabam amadurecendo juntos. Vale muito a pena *-*

      Excluir
  3. Oi Nanda,
    Juro que esperava algo completamente diferente da história, e tendo ela na prateleira, depois da sua resenha sem dúvidas pegarei para ler!!!
    Mesmo gostando muito de romances achei legal que a autora não se manteve só nisso, e sim nos problemas pessoas dos personagens, achei isso tudo bem próximo da realidade. Fiquei curiosa para saber o que aconteceu com Zander. Vou ler correndo!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corre mesmo, Vitória! Você com certeza vai adorar xD

      Excluir
  4. Oi Nanda!
    Apesar de achar o assunto batido,jovens com problemas reais e bem pesados,eu gostei.Não curto YA,,mas deve ser interessante. Um acampamento com adolescentes sem ter para onde ir e se "obrigando" a conviver e relacionar com outros em situação também complexa...daí surgindo relações de amizade e amor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ultimamente eu tenho estado meio receosa com YA mesmo, mas esse foi maravilhoso de verdade. Ainda estou passando as quotes para o meu caderninho *-*

      Excluir
  5. Parece ser uma leitura que mexe com o leitor, pois muitos desses problemas de adolescentes já passamos ou conhecemos alguém que passou por eles, é uma fase cheia de conflitos, fiquei pensando em quantas coisas passa pela mente da Zander e da Cassie.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elas passam por muitas dificuldades mesmo e a Cassie é particularmente difícil, mas a amizade que vai se construindo entre elas é algo bonito de se ler kkk
      Bjs! ;*

      Excluir
  6. Oi Nanda, esse livro já está na minha lista de leituras e provavelmente lerei em breve. Acho que esse entendimento dos personagens parece ser um ponto forte, saber porque cada um age de tal forma distinta é muito interessante. E relata um fato na vida, que todo mundo realmente tem os seus fantasmas e que precisamos lidar com eles da melhor maneira possível. Enfim parece um livro muito bom pra se ler. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Catarina!
      Pois é, cada um tem algum esqueleto no armário, e nesse livro podemos ver como os personagens aprendem a lidar com isso de uma forma mais saudável. Eu amei demais, espero que você também goste muito *-*
      Beijos ;*

      Excluir
  7. Nanda!
    Bom quando um livro nos surpreende positivamente.
    Como gosto de romances, já fiquei interessada e ainda mais por saber que talvez fosse um romance improvável, porém acaba acontecendo.
    E se é de autora nacional, fico ainda mais interessada.
    Bom final de semana!
    “Os piores estranhos são aqueles que vivem na mesma casa e fingem que se conhecem. Conversam banalidades, mas nunca o essencial.” (Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA ABRIL – ANIVERSÁRIO DO BLOG: 5 livros + vários kits, 7 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Rudy. O melhor é que todos os personagens tem personalidades bastante originais e a interação entre eles varia bastante, uma hora nos fazem rir de gargalhar, em outras é pura tensão...

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei