07 março 2018

[Resenha] Só Escute - Sarah Dessen


Para encarar a verdade, você precisa estar disposta a ouvi-la.
Ano passado, Annabel era a típica “garota que tem tudo” — inclusive era esse o papel que interpretava no comercial de uma loja de departamentos da cidade. Este ano, porém, ela é a garota que não tem nada: não tem mais a amizade de Sophie; não tem uma família feliz desde a descoberta do distúrbio alimentar de uma de suas irmãs; e não tem ninguém com quem passar a hora do almoço na escola. Até conhecer Owen Armstrong.
Alto, misterioso e obcecado por música, Owen é um garoto que vivia se metendo em brigas, mas agora está tentando mudar. Um de seus novos lemas é sempre falar a verdade, não importa qual seja, e jamais guardar ressentimentos.
Será que com a ajuda desse amigo inesperado Annabel vai conseguir encarar a verdade e enfrentar o que aconteceu na noite em que brigou com Sophie?


Livro: Só Escute || Autor: Sarah Dessen
Editora: Seguinte||Ano: 2017 || Gênero:  Romance
 Classificação: estrelas || Resenhista: Lud, YA

Participe do Top Comentarista de Março
Nesse livro conhecemos Annabel, uma garota em uma família perfeita, com duas irmãs e pais amorosos e atenciosos. Desde pequenas, todas trabalham como modelos, gerenciadas pela sua mãe, que vê a carreira das meninas um motivo para se ocupar e sair de uma fase difícil da vida - a morte da mãe. 

Annabel sempre teve uma personalidade diferente das irmãs: uma era mais fechada, outra estourada, e ela, a amável. Desde pequena, ela manteve amizade com Clarke, mas tudo muda com a chegada da Sophie, uma menina da mesma idade que ela, mas que insiste em seguir sua irmã mais velha. E com um pedido da mãe, ela se aproxima da Sophie e constrói uma amizade com ela. 

Mas Sophie destoava muito da personalidade de Clarke e Annabel, e a separação é inevitável. Então agora é Annabel e Sophie, indo para festas, sendo as populares, humilhando as outras meninas (Sophie, mas Annabel não fazia nada para impedir). Até que, em um belo dia, Annabel virou a inimiga de Sophie, e agora ela que recebe os xingamentos, os olhares, ela é a excluída da escola. Ninguém sabe o que aconteceu de verdade, apenas os rumores sobre uma festa.    

Sem mais nenhum amigo, ela passa a sentar no pátio, encostada na parede, ao lado de um menino, que em seu primeiro dia de aula deu um soco em outros, e boatos dizem que esteve preso e tudo mais. Mas Owen acaba se aproximando de Annabel, e através de discussões sobre música e o péssimo gosto de Annabel, os dois criam uma amizade, que logo é testada pelos segredos que Annabel esconde de todos. E então, ela está naquela encruzilhada, onde tem que decidir se os segredos valem tudo isso mesmo. 

Eu estava começando a perceber que o desconhecido nem sempre era o que mais deveríamos temer. As pessoas que nos conhecem melhor podem ser mais perigosas, porque suas palavras e seus pensamentos podem não apenas ser assustadores, mas verdadeiros.


Esse foi o meu primeiro contato com a escrita da Sarah, antes quem lia era a Lala, mas com ela deu uma pausa para se organizar na mudança, eu me ofereci para ler. 
E posso dizer que não me decepcionei nem um pouco com esse livro, dizem que seria o mais fraco da autora, mas como não tenho com que me basear, para mim foi muito bom. 

Esse livro já tinha sido publicado no Brasil em 2010 pela editora Farol, então é um livro bem antigo da autora, e claro que, comparado com os novos, deve ter uma leve diferença na escrita. 

Bem, falando do livro, ele aqueceu meu coração. Ele aborda diversos assuntos de uma forma suave, mas que não deixa de te impactar do mesmo jeito. Aqui não há aqueles bigs dramas, com sofrência o livro todo, pelo contrário, a narrativa se assemelha à personalidade da Annabel, uma menina doce, amável, que evita confrontos, mas que quando decide lutar por si, faz isso com grande emoção. 

São vários temas abordados aqui, e não apenas sobre a Annabel, todos os personagens que aparecem aqui no livro têm sua história, sua bagagem, e todos afetam a vida um de outro, sendo de forma positiva ou não.

Ao decorrer do livro, podemos ver como Annabel pensa e qual a sua personalidade, então a vemos lutar contra os vários dilemas da sua vida, como o bulliyng, as decisões tomadas no passado. Ao mesmo tempo que precisa lidar com a mãe e sua carreira de modelo e, mais tarde, com os problemas das irmãs. Mas o que mais se destaca é a personalidade dela, a dificuldade dela de se impor, de se expressar, de dar voz ao que pensa. Ao contrário de Owen, que não mente de forma alguma. E essas duas personalidades opostas conseguem encontrar um meio-termo, uma forma de se completarem.

Além dos problemas de Annabel, temos o retrato da sua família, que parece perfeita aos olhos de todos, e o mais interessante para mim foi a forma retratada da hierarquia dos filhos. Como é ser o mais velho, o do meio e o caçula. E como isso afeta a forma como se veem entre si.

A autora também faz comparações sutis, como a casa deles serem de vidro - parece estranho, né, mas como o pai é arquiteto, ele construiu a casa de uma forma que a parte da frente é de vidro, então quem passa consegue ver a família jantando na mesa, por exemplo. E para quem olha, parece a família perfeita para quem olha de fora. São coisinhas que você percebe depois, e fica : "Nossa, como não vi a ligação antes."

O fato de ela explorar os problemas de uma família, que é perfeita aos olhos de todos, foi muito genial. As duas irmãs da Annabel, Whiteney e Kirsten, cada uma com sua personalidade, só agregam mais à história, de uma forma totalmente positiva.

Nem preciso citar a 'vilã' da história, você consegue ver que Sophie é muito complexa, isso que temos apenas alguns vislumbres da história da personagem. Mas aqui você fica pensando o que leva uma criança a tais ações, até que ponto os pais afetam a formação de personalidade, e muito mais assuntos que você pessoa encaixar aqui.

Eu adorei como a autora desenvolveu os diálogos do Owen com a Annabel. O fato de explorar os conceitos do programa de controle de raiva e fazer com que eles elaborassem e dissessem o que queriam dizer com mais do que apenas duas palavras, foi perfeito. Essa parte da autora de trabalhar a fala das pessoas, como não dizer o que pensa pode te afetar, como as palavras podem ser mal interpretada.

Eu falei alguns pontos, mas não são apenas esses, tem muito mais a ser contato nesse livro. É um livro complexo, contado de forma sutil, suave, mas que levanta muitos questionamentos. Foi um livro que me tocou, tanto pelos personagens como pela sensibilidade da autora.  

Recomendo o livro para todos - porque acho que não existe isso de idade - e para as mães que procuram livros adolescentes para os filhos. Sim, aborda temas como bullyng, assédio, mas não é algo agressivo ou mesmo descritivo.

Owen começou a abaixar o volume, e a estática diminuiu pouco a pouco. Todo mundo tem um momento na vida em que o mundo fica em silêncio e a única coisa que fala é nosso próprio coração. É preciso ouvir esse som. Do contrário, nunca vai ser possível entender o que ele está dizendo.

Compartilhe!

14 comentários :

  1. Oi Lud, ainda não tive a oportunidade de ler nada dessa autora mas tô de olho nesse livro, essa é a segunda resenha que leio dele e ambas foram super positivas e destacaram a sensibilidade da autora ao abordar os temas do livro. É um livro adolescente mas nem por isso parece ser cheio de mimimi haha, muito pelo contrário, gostei da descrição dos protagonistas e fiquei curiosa sobre os segredos da trama. Já tá na lista dos livros que quero ler e agora só falta comprar :D :D Ótima resenha ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Lili,

      eu adorei a escrita da autora, espero que você leia e goste muito!
      =)

      Excluir
  2. Oi Lud.
    Eu só li esse livro da autora e gostei bastante. Preciso ler outros livros dela.
    Gostei muito da forma como a autora mostrou como as palavras podem machucar os outros e como algumas vezes precisamos só escutar para ajudar os outros.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Pam,

      eu também preciso ler os outros, apesar de ter resenha aqui no blog, foi a Lala que fez!
      Mas acho que vou amar todos os outros!

      Excluir
  3. Ainda não li nenhum livro da autora, mas tenho curiosidade em conhecer sua escrita. Fiquei interessada em ler esse livro, a Annabel parece ter muitos altos e baixos em sua vida e esta aprendendo a lidar com eles. É bem verdade que as palavras podem ser mal interpretadas já vi muito isso acontecer, a leitura deve deixar o leitor pensativo sobre alguns assuntos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Maria,

      é um livro tão espetacular, eu simplesmente amei. Espero que consiga ler também!

      Excluir
  4. Lud fico feliz que a leitura te agradou, estou com esse livro na estante aguardando eu colocar minhas leituras atrasadas em dia, assim que eu conseguir qro mto ler, o enredo me chamou bastante atenção...
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Aline,

      eu estava atrasada com esse livro, sempre olhava e deixava, com medo de ser muito drama e tal. Mas eu ameiiiii...a escrita da autora é muito boa ! Recomendo

      Excluir
  5. Oi, Lud.

    Para a Annabel, deve ser difícil viver em uma casa com uma família supostamente feliz, mas que passa por difíceis dilemas corriqueiros.

    Essa amizade com o Owen com certeza a fez ver um outro lado dele, e não os que as pessoas julgam ser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Daiane!

      Realmente, as aparências enganam muito, mas Annabel aprende a ter a própria voz e superar as dificuldades.

      Excluir
  6. Lud!
    Os livros da autora sempre trazem grandes reflexões para o cotidiano de nossa realidade, talvez porque aborde problemas tão reais que as personagens e enredo tornam-se críveis de forma incontestável.
    E tem um pouquinho de tudo, inclusive de música, deve ser um ótimo livro.
    Bom final de semana!
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  7. Acho muito importante esse tipo de leitura não importa a idade, pois tratam assuntos muito importantes e as vezes quando somos jovens não pensamos que por tras da vida perfeita que as pessoas aparentam ter não é tão perfeita assim.

    ResponderExcluir
  8. Percebi no fim da resenha que até mesmo o título do livro tem uma profunda ligação com a história, Só escute, e bem acho que foi uma sutil referência ao Owen,mas também a Annabel que de certo modo precisa ouvir o que seu coração diz pra então conseguir lidar com tudo o que está acontecendo a sua volta.
    Achei o livro beeeem interessante, retrata um pouco das nuances da vida de uma adolescente que perdeu aquilo que ela considerava ser "tudo" e acha uma ótima sacada da autora de tratar de vários temas e intercalar à sua narrativa,até porque pode ajudar na formação do caráter de um leitor precoce,acho isso incrível.
    Por fim,tá eu admito gostei da história e torço pra que Owen e Annabel se tornem um casal,bem senti um climazinho de amor pairando entre os dois. Sarah tá de parabéns com sua escrita e Deus,eu quero já!

    ResponderExcluir
  9. Esse livro também foi meu primeiro contato com a autora e eu também não me decepcionei com essa leitura achei ela envolvente e contagiante e um drama gostoso de se ver gênero esse que é bem difícil de me agradar

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei