13 março 2018

[Resenha] O Livro e a Espada - Antoine Rouaud


O general Dun-Cadal foi um dos maiores heróis do Império, mas hoje não passa de uma sombra do que foi, embriagando-se no fundo de uma taberna. Traído pelos companheiros e amargurado pelo desaparecimento de seu jovem aprendiz, Dun-Cadal não quer mais saber de política, batalhas, pessoas.É justamente ali, na taberna escura, que a jovem historiadora Viola vai encontrá-lo. Ela procura a Espada do Imperador, uma relíquia desaparecida no caos da revolução que derrubou a monarquia, teoricamente escondida por Dun-Cadal.Viola também espera descobrir quem é o assassino sem rosto que começou a agir na cidade, matando os antigos companheiros do general, que viraram as costas aos seus ideais para aderir à nova República.Graças à moça, o velho guerreiro vai vasculhar as lembranças de uma vida de glória e seus mais terríveis arrependimentos. À medida que ele conta sua história, os fantasmas do passado vêm à tona, reacendendo antigos rancores e a sede de vingança de um homem que se entregou ao caminho da fúria.


Livro: O Livro e a Espada || Autor: Antoine Rouaud 
Editora: Arqueiro || Ano: 2018 ||  Gênero: Literatura fantástica, Épico de fantasia.
Classificação: 4 estrelas || Resenhista: Amanda

Participe do Top Comentarista de Março

O Livro e a Espada foi um livro de autos e baixos para mim e, certamente, não foi amor às primeiras páginas. Eu comecei com a expectativa de que ele fosse bem mais puxado para fantasia do que era, fiquei me sentindo meio iludida, depois comecei a sentir o canto da sereia e no fim da primeira parte, eu já estava eufórica e devorei o livro. Mas vamos à resenha:


"Lançado ao fogo, não queima.
Passado ao fio da lâmina, não rasga. 
É feito do murmúrio dos deuses
e nada, jamais, irá destruí-lo."


O livro perdido do destino... O Liaber Dest que uma vez foi o pilar do Império, agora foi esquecido pelos homens. Supostamente indestrutível, ele teria sido escrito pelos deuses e conteria o destino dos homens. Apenas uma antiga lenda... será?

Dun-Cadal é um general do Império, bravo e corajoso, ele luta por aquilo em que acredita. Quando, porém, o Império entra em declínio, o velho general acaba caindo junto e nos atuais dias da República, ele não passa de um velho bêbado que conta sobre seus tempos de glória pra qualquer um que se dispõe a lhe ouvir. 


"... agora era apenas uma espada quebrada."


Com a chegada de Viola, que se intitula uma historiadora da República, as coisas prometem se tornar mais interessantes para Dun-Cadal. Finalmente, alguém se mostra interessado o suficiente em seu passado e respeita o soldado que ainda existe dentro dele. Logo, ele começa a abrir seu coração cansado e lhe contar sobre o passado que nunca conseguiu esquecer. O general guarda em seu coração uma ferida aberta, a perda de seu pupilo Rã, a quem ele chama de "o maior guerreiro de todos os tempos". Mas não existem registros de nenhum cavaleiro com esse nome, o que deixa Viola confusa e intrigada.

O livro então começa a intercalar o passado e o presente. O que aconteceu antes da queda do Império até os atuais tempos da República.

"Segundo os Usters, era assim que deviam ser as elites: capazes de defender tanto pela espada como pela palavra, optando por uma ou outra conforme a situação."

No Império, as coisas começam a dar errado com a execução do conde de Uster, um líder amado pelo povo das Salinas e um homem que acreditava que as palavras deveriam andar em conjunto com a espada nas mãos de um guerreiro. Após o enforcamento de seu líder, o povo começa a se impor contra o imperador, o que dá início a revolta. 

No começo, os governantes não vêem muita ameaça, eram apenas gente do povo que não tinha experiência com a espada, no entanto, quando a revolta começa a ganhar força e contar com apoio de outras regiões, o imperador começa a se alarmar. É quando o general Dun-Cadal entra em jogo. O capitão do exército, Étienne Azdeki, não consegue controlar a situação e agora se vê no comando do general, que foi chamado justamente para isso. Dun-Cadal e Azdeki sentem uma antipatia mútua desde o começo e quando o general o desmoraliza no meio de seus homens, a antipatia se transforma em profundo ódio.

"Toda ferida acaba se fechando. Ficam as cicatrizes para nos lembrar de sua existência. E, embora a dor se torne menos intensa, nunca deixa de ser profunda."

No meio da revolta, o grupo de soldados acaba esbarrando em ruargues - criaturas selvagens que atacam e se alimentam de humanos - e o general Dun-Cadal é abandonado para morrer, mas é salvo por um jovem das Salinas. Desconfiado, Dun-Cadal à princípio fica relutante em confiar no garoto mas, com o tempo, começa a se afeiçoar ao menino e passa a ajudá-lo a treinar para se transformar em um verdadeiro cavaleiro.

Recheado de lutas, intrigas e reviravoltas, O Livro e a Espada é uma história que vai te conquistando aos poucos. No final da primeira parte do livro, eu estava berrando para quem quisesse ouvir que o livro estava fantástico e que eu estava no chão. O final me deixou meio tristonha, porque ficou em aberto, sem termos muita certeza de nada, com aquela sensação de vitória amarga, onde apesar de ter vencido, você também perdeu.

"Nunca vou ser um simples murmúrio... Para você, eu serei um grito."

A escrita de Antoine é fluída e envolvente, apesar de no começo eu ter me apavorado achando que o livro ia se passar todo num marasmo de recordações de um "velho bebum", eu estava completamente enganada. Fiquei até me sentindo meio culpada por ter o Dun-Cadal em tão baixa estima no começo, porque acabei me afeiçoando de verdade ao personagem no decorrer da história. 

Eu recomendo muito para quem gosta de uma ficção com bastante história, intriga política e guerra. Quero muito ler a continuação!

Compartilhe!

16 comentários :

  1. Oi Nanda.
    O livro parece ser ótimo para os fãs de guerra e política. Não é muito o meu tipo de leitura. Não consigo me prender com esse tipo de trama.
    Fico feliz que o livro te surpreendeu e que você ficou bem animada em ler a continuação.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente eu diria que esse estilo também não seria minha primeira opção também, mas eu adoro experimentar e valeu a pena <3
      Bjs!

      Excluir
  2. Oi, Nanda.

    Acho que há um motivo para o general, de repente, ter sido esquecido. Talvez o tal assassino que anda agindo e causando uma verdadeira matança, tenha alguma coisa a ver com isso, ou seja até mesmo o aprendiz desaparecido. Afinal, o general teve/tem importância, e estava atrapalhando seus planos.

    Enfim, são só eu e minhas teorias loucas!

    ResponderExcluir
  3. Nanda!
    Então o livro é feitinho para mim, porque gosto demais de livros com ficçção/fantasia, onde há guerras e ainda mais com intrigas políticas, sempre rende muito a leitura.
    Uma pena que no início tenha achado o livro um tanto lento e sem mutios atrativos, e que bom que depois mudou totalmente de opinião, mais um estímulo para ler.
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então você com certeza vai amar, Rudy *-*

      Excluir
  4. Que bom que o livro melhora, fiquei ate assustada, pois tinha interesse em ler, mas ainda tenho rs. Só não gosto de finais aberto, mas se tem continuação fico menos preocupada com isso rs. Parece ter bastante coisas acontecendo, isso deve ter deixado a leitura bem agradável e ágil, adoro reviravoltas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, eu também fiquei com o pé atrás do início, mas foi só no comecinho mesmo. Depois que engata você não vai mais querer largar e vai estar ansiosa para saber o que vai acontecer *-*

      Excluir
  5. Oi Nanda!
    Não tinha visto esse livro ainda, é a segunda resenha que leio sobre ele e que me deixou ainda mais interessada pra conhecer a história. Espero ler me breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh que bom. Espero que também goste *-*

      Excluir
  6. Acho que a capa desse livro está magnifica. E história parece ser muito legal, pena que terá continuação e ela ainda não foi lançada, gosto de ler tudo junto. Adoro uma boa intriga politica sempre ficamos tentando descobrir o lado vencedor e quem será descoberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que lancem logo também, fiquei ansiosa <3

      Excluir
  7. Achei que o livro e a espada bem interessante,o livro tem os ingredientes certos pra me fisgar na leitura: lutas,reviravoltas e guerra,como você mesmo disse. E bem,também me sento culpada por julgar alguns outros livros precipitadamente,mas é sempre bom ser surpreendida e ver que aquelas expectativas que você criou foram superadas. Fico feliz por você ter gostado do livro e no final ele ter te surpreendido.
    Antonie Rouaud e seu livro já está na lista dos meus desejados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Kelly! Tomara que você goste bastante e que a continuação seja lançada em breve... *-*

      Excluir
  8. Adorei a história do livro Até porque eu sou apaixonada por livros de fantasia e ficção mas eu nunca ouvi falar no livro e olha que eu sou muito fã dessa Editora eu vou procurar saber mais sobre o livro se já tem data para lançamento dos outros mas com certeza eu me interessei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Carolina! Espero que curta bastante a leitura *-*

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei