14 março 2018

[Resenha] Clara dos Anjos de Lima Barreto

Último romance escrito por Lima Barreto, tendo sido publicado postumamente, Clara dos Anjos é também o livro que condensa grande parte das preocupações que rondaram a obra do autor. Lá estão o subúrbio carioca, as questões raciais, as diferenças de classe e a modernização do Rio de Janeiro no início do século XX.
Clara dos Anjos é uma mulata pobre do subúrbio, filha do carteiro João dos Anjos e de Engrácia, uma mulher “sedentária e caseira”. Por meio de amigos do pai, Clara conhece Cassi Jones, malandro de família mais abastada e notório galanteador. A despeito dos alertas de seu padrinho - que será brutalmente assassinado -, Clara inicia uma relação com Cassi.
A partir desse encontro fadado à tragédia, Lima coloca o leitor dentro de um jogo de tensões de classe, sedução e preconceito. Ao mesmo tempo, traça um rico e minucioso panorama do cotidiano nos subúrbios do Rio, com suas tristezas e mazelas, mas também como local onde a vida da cidade acontece.
Nesta adaptação para os quadrinhos, os subúrbios saltam literalmente à vida, no magistral traço de Lelis. Apoiado em fotografias e gravuras, Lelis recriou de maneira fiel o ambiente de Clara dos Anjos, além de emprestar agilidade e drama à história. E Wander Antunes, que adaptou o texto de Lima Barreto, soube captar e condensar a intensidade da trama, sem perder o que ela tem de mais forte.

Livro: Clara dos Anjos || Autor : Lima Barreto
Editora:  Cia || Ano:  2011 ||  Gênero: HQ, Autor Nacional, Lit. Brasileira
Classificação: 4 estrelas || Resenhista:  Lud 

Skoob || Editora || Compre


Participe do Top Comentarista de Março
Voltamos com a saga dos HQ. Dessa vez, eu pedi Clara dos Anjos, que é um livro antigo do catálogo da CIA, de 2011. Mas me interessei por mera curiosidade de como seria o contato dessa história, em HQ, que tanto ouvimos falar no ensino médio. 

O formato é o mesmo do HQ de Christian Gray, um livro com um formato maior do que o padrão e mais fino. 

Os traços são lindos, eles seguem uma linha mais rústica que se encaixa perfeitamente aos personagens e à história contada. A coloração não é em todo quadro, mas ele se encaixa nos momentos certos, onde a história pede um pouco mais de atenção, ou mesmo uma cena mais leve. 


Para quem não conhece, esse é um romance inacabado de Lima Barreto, que foi publicado como conto pela primeira vez em 1920. Com vários aspectos autobiográficos, o enredo já apresentava as características da escrita forte e carregada de críticas. 

A cor é o elemento manipulado com maestria pelo autor, é um marcador social daquela época, onde mesmo o subúrbio, que era predominantemente negro e mestiço, tinha a maioria das pessoas tendendo a clarear o tom e classificar os locais pelos traços físicos e ascensão social. Então, mesmo dentro de um subúrbio, tínhamos um subúrbio elegante.

A história é sobre um malandro que se acha descendente de inglês, e por isso pensa estar acima de todos. Cassi é um mau-caráter, não trabalha e vive apenas para entrar debaixo das saia das moças, elas sendo casadas ou solteiras. Até que um dia ele se encanta pela Clara, e decide tê-la. Com falsas promessas de casamento e uma vida juntos, Clara se deixa levar e se entrega ao rapaz, que na mesma noite já vai embora para sua próxima conquista, deixando a pobre desonrada e grávida. 


Além de todo essa crítica na classe social e na cor, temos a parte da Clara, uma menina sonhadora, romântica, que é enganada e acaba solteira e grávida, como várias meninas da sua 'classe', pontuando mais uma vez a questão social. Além de Cassi Jones, um malandro que sustenta um sobrenome inglês, mas que é inventado pela mãe, e acha que por isso está a cima de todos.  A mãe de Cassi, dona Salustiana, é uma pessoa aproveitadora, maldosa, que acoberta todos os erros do filho, e coloca toda culpa nas meninas, com frases como : "E acaso Cassi forçou...".

É uma obra que, sem dúvida, mexe muito com os pensamentos. E mesmo sendo escrito há muito tempo, ele traz todos os questionamentos que estão em pauta hoje em dia, como o racismo, a inclusão social e a luta da mulher para ser respeitada. 


No final temos um making of dos personagens, como foi desenhar cada um e como eles se modificaram ao longo da história, e o ponto de vista do quadrinista de cada personagem quanto a sua personalidade.

E temos um Prefácio, contando sobre o livro, um pouco do autor, e sua trajetória, e até uma análise da obra apontando pontos como a crítica social e alguns pontos que poderiam refletir o autor naquele momento. 


Mesmo não tendo lido a obra, que possui muito mais detalhes do que um HQ, eu me sinto feliz de dizer que conheço um pouco da escrita do Lima Barreto e o que ele queria trazer com a ela. E um pouco do retrato da sociedade pelos olhos dele, já que Clara dos Anjos é considerado com partes autobiográfica do autor. 

Compartilhe!

16 comentários :

  1. Oi Lud.
    Que HQ maravilhosa.
    Também não li nada do Lima Barreto, mas fiquei com bastante vontade de ler essa HQ. Acho que é uma forma mais leve e despretensiosa de conhecer uma obra dele.
    Achei bem interessante a obra conter tantas críticas que ainda são importantes nos dias de hoje, como racismo e a luta da mulher para ser respeitada.
    Achei bem interessante ter um making of dos personagens!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Pamela, eu adorei o HQ porque eu não sei se conseguiria ler o livro.
      No final tem uns trechos do livro, e a escrita é complicada, não é algo fácil de assimilar.
      Recomendo!

      Excluir
  2. Lud!
    Tenho visto muitos clássicos, não apenas nacionais, mas internacionais também, sendo adaptados para HQs e acho fantástico, porque chama a atenção e estimula quem não gosta muito de leitura mais convencional, a conhecer as obras primas.
    Já li Clara dos Anjos em formato normal, mas achei a HQ bem lúdica, com os traços bem delineados e as expressões marcantes e ainda tem o making of, maravilha!
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oieee,

      eu também estou adorando essas adaptações!!! Vou procurar mais algumas brasileiras!

      =)

      bjoks

      Excluir
  3. Oi, Lud.

    O autor reuniu vários pontos importantes, bem como soube abordá-los e expô-los. Na minha opinião, isso é fundamental em um livro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Daiane, quando o autor sabe conduzir a história, não tem como não gostar.

      Excluir
  4. Tenho o livro mas não li. Não sabia da HQ achei legal e interessante, pois assim fica até mais fácil o entendimento e com as ilustrações dá uma boa visão dos personagens. Que megera a mãe do personagem não vale nada não é a toa que ele também não. Os assuntos abordados é importante ainda mais porque muitas pessoas os enfrentam na vida real.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Maria, eu gostei muito do HQ, achei bem acessível a leitura.

      =)

      Excluir
  5. Lud achei super diferente esse livro, já gostei de cara!
    Vai agora para os meus desejados!
    A ilustração está linda!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie ALine,

      adiciona mesmo na lista, que vale a pena ler!

      bjoks

      Excluir
  6. Acho muito bom os clássicos serem publicados em forma de HQ eu sou uma pessoa que não tenho muita paciência para esse tipo de leitura mas em forma de HQ acho que fica mais interessante e mais fácil de ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Samantha,

      Eu também estou amando descobrir esse HQ.
      E concordo que fica bem mais fácil ler, falando de Lima Barreto.

      =)

      Excluir
  7. Achei bem legal colocar um clássico da literatura nacional em formato de HQ. E concordo com você,desperta um pouco de curiosidade em saber como a história ficou,consigo até ouvir a voz da minha professora de literatura me mandando ler ese livro...Se naquela época,eu tivesse essa HQ meus problemas estavam resolvidos. Rs.
    Até porque como se trata de quadrinhos,a história fica mais sutil e mais entendível,logo,a compreensão dos temas abordados por Lima Barreto tornam-se mais evidentes. E como disse a minha professora,ele foi corajoso ao demostrar em sua obra a realidade da vida no surbúbio carioca,que à época e ainda nos dias atuais muitos ainda querem esquecer que existem. E em tratar de temas como racismo e participação feminina acaba informando o cenário de uma sociedade que ainda precisa evoluir.
    Goste muito do maKing of dos personagens,até porque adoro tentar uns rabiscos no papel!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Kelly,

      Concordo com você, porque eu dei uma folheada na obra, e a escrita (para mim) é de difícil entendimento. Não seria um livro que eu leria, mesmo pela importância da obra e do autor.
      O HQ, claro, não aborda tudo, mas eu acho que aborda os detalhes mais importantes que o autor quis enfatizar. E acho que posso ficar feliz em falar que vi 10% do que é Lima Barreto.

      =)


      Excluir
  8. Definitivamente o que mais me chamou atenção no livro foi o fato dele ser em quadrinho e isso realmente de um novo ar a história Adorei o fato de tratar as questões raciais e classiais dessa época

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Carolina,
      O Hq trata de assuntos que são atuais nos dias de hoje. Então mesmo sendo uma obra antiga, e o HQ de 2011, conseguimos nos relacionar com o que é contado!

      =)

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei