06 fevereiro 2018

Capa de Império das Tormentas

Hello pessoas, 

Editora Arqueiro está lançando uma trilogia nova de Fantasia. Confira a capa e a sinopse, e depois dê uma lida em uma entrevista do autor que traduzimos. 


“Império das Tormentas é uma leitura divertidíssima. Mal posso esperar o próximo livro da série.” – Fantasy Book Review
Em um império fragmentado, circundado por mares selvagens, dois jovens de culturas diferentes se unem por uma causa comum.
Uma menina de 8 anos é a única sobrevivente do massacre de sua vila por biomantes, uma das mais poderosas forças do imperador. Batizada com o nome de seu vilarejo para nunca se esquecer do que perdeu, Bleak Hope é treinada em segredo por um mestre guerreiro para se tornar um instrumento de vingança.
Um estranho garoto de olhos vermelhos fica órfão nas esquálidas e sujas ruas de Nova Laven, mas é adotado pela pior pessoa que o destino poderia lhe apresentar: Sadie Cabra, uma das criminosas mais infames do submundo. Batizado como Red, ele é treinado para ser um exímio atirador de facas – além de ladrão, mentiroso e trapaceiro.
Quando um senhor do crime estabelece um acordo de poder com biomantes para tomar o controle do submundo de Nova Laven em troca da miséria da população, as histórias de Hope e Red finalmente se cruzam. Seja por honra ou vingança, essa improvável aliança os levará para a maior batalha da vida deles.
Jon Skovron marca aqui o início da trilogia Império das Tormentas, uma fantasia embalada por uma espadac



Aqui vai a a entrevista que o autor deu para o blog  O Qwillery em 2016 , quando foi lançado o livro 1 da trilogia. 
Quando lança uma série/trilogia de algum autor que não conhecemos ainda, eu gosto de dar uma pesquisada sobre a série, então bora dar uma conferida:



TQ :  Hope and Red(O Império das Tempestades 1) é seu primeiro livro para adultos. Escrever Hope and Red foi diferente (ou a mesma coisa), de quando escrevia livros para jovens adultos? 


Jon : A maior diferença para mim foi simplesmente abordar tópicos que não estão diretamente relacionados à experiência de adolescente. Existem muito poucas "regras" em YA. Bem, talvez isso não seja tão verdadeiro quanto era há 5-10 anos atrás ... mas acho que a maior parte disso ainda é válido. Uma das coisas que define YA, porém, é que deve ser direto e especificamente sobre a experiência adolescente. E enquanto isso é divertido, legal e tudo mais, é bom lidar com alguns temas mais adultos. 


Além disso, mais sexo e xingamento! YAY!


Curiosamente, acho que o fator tripas saindo do corpo é quase o mesmo ... embora eu não pense que eu poderia sair impune com genitália explodindo em um YA. 


TQ :  Descreva Império das Tormentas (Hope and Red )em 140 caracteres ou menos. 

Jon :  Hope and Red é o meu romance pirata, gângster, kung fu e com tiroteio ! 



TQ :  Conte-nos algo sobre  Império das Tormentas  (Hope e Red) que não é encontrado na descrição do livro. 

Jon : Pode ser muito engraçado, às vezes. Red e seu mentor, Sadie, vêm de um mundo subterrâneo criminoso e urbano, onde todos têm um senso de humor muito ... terroso(grosseiro, vulgar) . 



TQ :  O que o inspirou a escrever  Império das Tormentas  (Hope e Red)O que te atrai sobre escrever Fantasia? 

Jon: Em geral, a fantasia era o que eu mais lia quando criança. E eu acho seguro dizer que eu principalmente leio para escapar dos limites tristes de crescer a classe média no Centro-Oeste. Eu deixei a fantasia quando eu estava na faculdade, achando isso não suficientemente intelectual, ou algo pretensioso como esse. Deixe os outros me dizer o que ler. E isso foi bom por um tempo porque eu li muita literatura incrível, desafiadora e impactante. Mas quando eu decidi começar a escrever sério, perguntei-me o que era que eu queria escrever, e voltei bastante rápido para a fantasia. Em parte porque é o que me fez apaixonar por livros e escrever em primeiro lugar. Mas também porque percebi que a fantasia não é simplesmente escapismo. Ao ser varrido é uma parte do prazer,


Mais especificamente, fiquei inspirado para escrever Hope e Red como paliativo para as pressões comerciais de escrever a ficção YA. Eu decidi escrever algo totalmente para mim. Eu queria fazer um mundo completamente do zero e preenchê-lo com todas as coisas que eu mais amava. Acontece que outras pessoas gostam dessas coisas também! 




TQ :  Que tipo de pesquisa você fez para Hope and Red ? 

Jon: Eu amo a pesquisa. Talvez um pouco demais. Eu gosto de mergulhar profundamente. Então fiz uma extensa pesquisa sobre táticas navais e piratas, particularmente durante as guerras napoleônicas e a "idade de ouro" da pirataria. Eu pesquisei a história inicial da cidade de Nova York como um modelo para minhas próprias configurações urbanas. Eu leio um monte de folclore samurai e, claro, o Bushido. Voltei a assistir todos os meus filmes favoritos de kung fu (que dificuldade!), E eu li o máximo de wuxia que eu conseguiria, que é a fonte de muitas narrativas de kung fu. 



TQ :  O que o inspirou a escrever  Império das Tormentas  (Hope e Red)? O que te atrai sobre escrever Fantasia? 

Jon: Em geral, a fantasia era o que eu mais lia quando criança. E eu acho seguro dizer que eu principalmente lia para escapar dos limites tristes de crescer na classe média no Centro-Oeste. Eu deixei a fantasia quando eu estava na faculdade, achando que não era suficientemente intelectual, ou algo pretensioso como isso. Deixei os outros me dizer o que ler. E isso foi bom por um tempo porque eu li muita literatura incrível, desafiadora e impactante. Mas quando eu decidi começar a escrever, perguntei-me o que era que eu queria escrever, e pensei bem rápido em fantasia. Em parte porque é o que me fez apaixonar por livros e escrever em primeiro lugar. Mas também porque percebi que a fantasia não é simplesmente escapismo. Enquanto ter um escape é uma parte do prazer, mas há também essa forma de usar metáfora na fantasia para ver coisas em nossas próprias vidas por uma nova perspectiva. 

Mais especificamente, fiquei inspirado para escrever Hope e Red como paliativo para as pressões comerciais de escrever a ficção YA. Eu decidi escrever algo totalmente para mim. Eu queria fazer um mundo completamente do zero e preenchê-lo com todas as coisas que eu mais amava. Acontece que outras pessoas gostam dessas coisas também! 



TQ :  Que tipo de pesquisa você fez para Império das Tormentas  (Hope e Red) ? 


Jon: Eu amo pesquisar. Talvez um pouco demais. Eu gosto de mergulhar profundamente. Então fiz uma extensa pesquisa sobre táticas navais e sobre pirataria, particularmente durante as guerras napoleônicas e a "idade de ouro" da pirataria. Eu pesquisei a história inicial da cidade de Nova York como um modelo para minhas próprias configurações urbanas. Eu li um monte de folclore samurai e, claro, o Bushido. Voltei a assistir todos os meus filmes favoritos de kung fu (que dificuldade!), E eu li o máximo de wuxia que eu consegui, que é a fonte de muitas narrativas de kung fu. 


TQ :  Em Império das Tormentas  (Hope e Red) , quem foi o personagem mais fácil de escrever e por quê? E o mais difícil e por quê? 


Jon: Hope foi provavelmente a mais fácil, porque ela sempre estava na minha mente desde a primeira página. Não havia história antes de Hope. Ela entrou em minha mente, e tudo o mais fluiu dela. Eu tentei o meu melhor para manter as coisas equilibradas entre ela e Red, e eu acho que eu consegui. Mas, no fundo, meu coração pertence à Hope. 

Há um personagem chamado Brigga Lin que passa por uma transformação significativa durante a história, e trabalhei muito para escrever sobre isso da forma mais sensível que pude. Brigga Lin foi um prazer absoluto em escrever, então não foi exatamente difícil. Mas eu senti uma responsabilidade de lidar com isso do jeito certo. 




TQ :  Por que você escolheu incluir ou não incluir questões sociais em Império das Tormentas  (Hope e Red) ? 


Jon : Não me propus a escrever sobre questões sociais. Por exemplo, quando mencionei ao meu amigo Darren que o melhor amigo de Red no livro é gay, ele apenas me deu um sorriso irônico e disse: "Escreva o que você sabe, eh Jonny?" E é isso mesmo. A raça, o gênero, a classe e a orientação são simplesmente aspectos da minha vida. Família, amigos, todos ao meu redor são afetados por eles. Estes tópicos podem ser enriquecedores ou divisivos, mas estão sempre presentes. Não vejo nenhuma razão para que eles não estejam presentes em um mundo de fantasia. Na verdade, eu acho que um mundo que não incluiu uma infinidade de raças, culturas e crenças seria terrivelmente chato. 


Capas originais.



Jon Skovron
Jon Skovron já foi ator, músico, salva-vidas, bilheteiro da Broadway, funcionário de depósito, escritor de manuais e desenvolvedor web. Finalista do prêmio Morningstar por Império das Tormentas, Jon é autor de diversos livros para jovens leitores e seus contos já figuraram em várias publicações e antologias. Mora no subúrbio de Washington com dois filhos e dois gatos, e gosta de histórias sombrias, estranhas e ligeiramente engraçadas.

Compartilhe!

Postar um comentário





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei