31 janeiro 2018

[Resenha] Amityville - Jay Anson

Depois de passar algumas décadas fechada, a propriedade no número 112 da Ocean Avenue no subúrbio de Nova York finalmente abre as portas para os leitores da DarkSide® Books. Cercada pela natureza, com janelas amplas e uma sacada espaçosa, ela poderia ser uma casa de bairro tranquila como todas as outras, não fosse seu passado devastador e sangrento. Em 1975, George e Kathleen Lutz resolveram recomeçar a vida em uma nova residência que compraram por uma pechincha. Vinte e oito dias depois, os cinco membros da família fugiram aterrorizados, deixando a maior parte de seus pertences para trás. Estranhos eventos começaram a acontecer, afetando a vida dos Lutz e indicando que uma presença maligna habitava a casa. Embora tenha sido amplamente divulgada pela mídia, em especial nos jornais e nas revistas da época, muitas vezes de maneira sensacionalista, a história da casa nunca havia sido contada com riqueza de detalhes — até Jay Anson decidir reconstruí-la e transformar seu livro de não-ficção em um dos relatos paranormais mais importantes e conhecidos de todos os tempos.





Livro: Amityville || Autor: Jay Anson
Editora: Darkside || Ano: 2016 ||  Gênero: Terror, literatura estrangeira.
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Amanda

Como vocês sabem, estamos participando do desafio do "Clube de Temas" e esse é o livro do tema de Janeiro: Terror.

Que livro, gente! Quem acompanha o blog sabe que adoro terror - tanto cinematograficamente quanto literariamente - e Amityville é um dos melhores livros que eu li do gênero. Terminei de ler de madrugada, quase 4h da manhã e eu tenho que dizer: ele me deixou com medo. Podem rir. Eu ri de mim também. Eu tava nas ultimas páginas e senti... sabe quando vocês tem a sensação de alguém olhando pra você? Eu senti isso, olhei pra cima e eu tenho uma bonequinha de pano do tamanho da palma da mão pendurada no armário. Acontece que eu tinha deixado a porta do armário aberta - eu sou muito bagunceira, exceto com meus livros que são todos arrumadinhos na estante -  e a boneca estava virada pra mim e eu juro que a impressão que eu tive era de que a boneca tava me encarando. Eu sou maluca, então só acenei pra ela e voltei a ler, mas eu confesso que mesmo zombando de mim mesma e me achando ridícula, quando eu terminei de ler eu levantei e fechei a porta do armário antes de apagar a luz e ir dormir. E essa é a minha confissão constrangedora do ano.

Histórias constrangedoras à parte, vamos ao livro!
"George e Kathy Lutz se mudaram para o número 112 da Ocean Avenue em 18 de dezembro. Vinte e oito dias depois, fugiram aterrorizados."

Esse livro conta a história da família Lutz, que estava procurando uma casa nova, que estivesse dentro de seus critérios, e a casa 112 da Ocean Avenue se mostrou não apenas se adequar ao que a família queria, mas excedeu todas as expectativas. Era a casa dos sonhos, os meninos teriam o quarto deles, a pequena Missy, que é a filha mais nova, teria um quarto apenas para ela e  as crianças ainda teriam um quarto só para brincarem, enquanto o casal ficaria com a suite principal, com direito a banheiro incluso, além de outras coisas como vaga de garagem, abrigo para barcos, jardim, etc. Era a casa perfeita. Ao menos era o que pensavam até se mudarem para lá.

O casal tinha consciência de que a casa tinha uma história. A corretora explicou sobre a família anterior, que a casa havia pertencido aos DeFeo. 

Acontece que Ronald DeFeo de apenas 23 anos matou o pai, a mãe, os dois irmãos e as duas irmãs enquanto eles dormiam no dia 13 de novembro de 1974. Os seis corpos foram baleados por um rifle e todos estavam deitados na mesma posição, de bruços com a cabeça descansando sobre os braços. Durante o interrogatório Ronald disse que simplesmente não conseguia parar. Que nos meses que antecederam os assassinatos ouviu vozes, mas nunca via ninguém. Ele achava que Deus falava com ele. DEUS. Pasmem comigo.

Mas a família Lutz apenas disse que não eram supersticiosos e compraram a casa por 80 mil dólares, o que pra uma propriedade daquele porte convenhamos, estava muito barata. Mesmo assim, foi um investimento grande para a família que investiu toda sua economia para comprar a casa. Parte dos móveis foram comprados à parte e pertenciam à família DeFeo, o que eu tenho que dizer: achei bizarro. Não por ser supersticiosa, mas móveis pra mim é algo pessoal... e pertenceram àquelas pessoas com uma história tão terrível. A casa eu até concordaria sabe, é de se esperar que numa casa antiga tenha havido a morte de alguém e os EUA é cheio dessas casas antiquíssimas. Mas, enfim...!

Eles chamam um padre para benzer a casa (o que eu achei uma contradição interessante ao fato deles não serem supersticiosos e lembrei do Dr. House falando que sendo religioso ou não, quando você atravessa a rua você olha pra ambos os lados). O padre Mancuso é quem vai benzer a casa e logo sente as vibrações ruins e uma voz dizendo que ele fosse embora dali.

"Então existem as chamadas atividades extraordinárias do diabo neste mundo, que costumam afetar os objetos ao redor da pessoa. Talvez você esteja enfrentando isso, que chamamos de infestação."

Logo ao sair da casa, o carro do padre apresenta defeitos bizarros e ele chama um amigo para ajudá-lo e lhe dar uma carona. Quando chega ao presbitério cai doente e o amigo que o ajudou? Também teve problemas com o carro! Achando tudo estranhíssimo e com medo pela família o padre tenta alertá-los, mas o telefone apresenta interferências e assim começa o martírio da família.


O livro alterna entre o que acontece ao padre, os efeitos sofridos ao tentar auxiliar a família e entre o que acontece na casa dos Lutz. E são muitas coisas bizarras, móveis que se mexem sozinhos, vozes, cheiro de perfume, toques de pessoas que não apareciam em lugar nenhum... que culminam na fuga da família com as roupas do corpo da casa no vigésimo oitavo dia. 

Uma nota final do autor que eu achei bem curiosa é a de que ele tentou averiguar todos os fatos e que até onde ele sabe tudo ali é real e que a maior prova de todas talvez seja a mais circunstancial: ninguém abandonaria a casa dos sonhos, comprada com toda as economias, com apenas a roupa do corpo. E é exatamente isso gente. Não faz o menor sentido. Tudo bem, que depois eles podem ter conseguido algum dinheiro na venda dos direitos da história, mas seria todo um processo, não é como se eles fossem ficar ricos do dia para a noite contando uma historinha macabra... Pode ser que algumas coisas tenham sido aumentadas para dar um charme, vai saber, mas eu  acredito que a casa pode ter alguma coisa sim. Especialmente porque, ao averiguar a história da casa, até os indígenas que viviam naquela área tinham medo daquele terreno e acreditavam que existiam demônios ali.

"(...) Contudo, o relatório apontava que os shinnecocks não usavam aquele pedaço de terra como cemitério porque acreditavam que era infestado por demônios."

Foram feitos alguns filmes baseados na história, que são bem mais ou menos, com finais super fantasiosos. Esse livro é narrado como um documentário, mas a sensação é a de ler um conto, o tempo passa rápido e você termina com aquela sensação de "uau". Eu recomendo, masssss se você for uma pessoa medrosa leia durante o dia, porque eu sei que eu não tenho medo de histórias de terror e no final... senti aquele frio na espinha.



Confiram as resenhas dos blogs participantes do Clube de Temas:

A Estrada da Noite (Joe Hill) – Blog: Alfarrábios Literários

Belas Adormecidas (Stephen King) – Blog: A Menina que Comprava Livros

O Vilarejo (Raphael Montes) – Blog: Respire Literatura

Legado de Sangue (Alfer Medeiros) – Blog: Faces de uma Capa

Meia Noite (Daniel Henrique) – Blog: Garotas Devorando Livros

O Culto (D. A. Potens) – Blog: Alfas Literárias

Horror na Colina de Darrington (M. V. Barcelos) – Blog: The Best Words BR

Caixa de Pássaros (Josh Malerman) – Blog: Tell me a Book

H.P. Lovecraft: O Cão de Caça e Outras Histórias (H.P. Lovecraft e Gou Tanabe) – Blog: Manuscrito Literário

Sementes no Gelo (André Vianco) - Blog: Sou Aficcionado

Compartilhe!

10 comentários :

  1. Então Amanda, terror não é mesmo comigo e ainda mais pra ler até as 4 horas da madrugada, com certeza eu iria acordar a casa toda e passar um mês dormindo de luz acesa rsrs. Mas achei a resenha interessante e se morasse perto passaria longe dessa casa :D :D A resenha tá ótima e tenho certeza que quem curte o gênero vai se interessar pela história ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKKKKK eu confesso que tenho curiosidade sobre a casa e que passaria uma noite lá pra ver se acontecia alguma coisa...

      Excluir
  2. Esse tipo de livro não funciona pra mim, sou muito cética e não consigo sentir o medo e ansiedade que eu sentiria se estivesse assistindo a um filme de terror sobrenatural por exemplo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, geralmente eu sou assim também, mas ele me pegou de surpresa e_e''

      Excluir
  3. Oi Amanda!
    Ando lendo bastante terror ultimamente, e olha, tô né surpreendendo. Já vi vários e vários filmes do gênero com casas amaldiçoadas e ainda não peguei Amityville para ler por medo de ser mais do mesmo, mas até que a história é boa. Sou medrosa, e mesmo insistindo em coisas assustadoras depois não consigo dormir sem deixar uma luz acessa (tá aí minha revelação do ano, rsrs), provavelmente, se o livro de fato assusta, eu também passaria um pouco de medo. Pretendo ler, espero me surpreender como você!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom! Se junte ao clube <3 haha'
      Tbm gosto de filmes assim. Eu sou justamente o contrário, não consigo dormir com nenhuma luz acesa...
      Espero que goste da história tbm!
      Bjs ;*

      Excluir
  4. Eu não sou muito de ler livros de terror mas como uma das minhas metas de leituras para esse ano era sair da minha zona de conforto e ler mais livros do gênero acho que eu vou anotar sugestão já ouvi muita gente falar bem desse livro da Editora Darkside inclusive da própria Editora também então acho que eu vou dar uma conferida e eu adorei a resenha espero me surpreender da mesma forma que você

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha, Carol. Espero que o livro te surpreenda também.
      Os livros da dark de terror costumam ser os melhores <3

      Excluir
  5. Oi Nanda!
    Eu não li o livro apenas vi o filme, curti bastante, espero que um dia eu leia o livro, gosto mto de ter mais informações detalhadas da história.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim, Aline. Apesar de curtir o filme, o livro é sem dúvidas bem melhor!

      Excluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei