13 dezembro 2017

[Resenha] Pegando fogo #14 - Abbi Glines



Nan Dillon, a bad girl de Rosemary Beach, é uma garota imatura e egoísta que não tem outra preocupação na vida a não ser manter o corpinho perfeito. Só que Nan está longe de ser feliz: nunca teve o amor dos pais, o irmão adorado não tem mais tempo para ela, e Grant, o único homem de quem gostou de verdade, resolveu trocá-la pela meia-irmã dela. Então, quando Major Colt a convida para sair, ela não pensa duas vezes. Apesar de saber que esse texano charmoso e de fala mansa não quer nada sério, ficar com ele é melhor do que estar com as colegas fúteis ou passar as noites sozinha vendo televisão.Mas logo Nan fica farta do comportamento descompromissado de Major e, depois que ele a deixa plantada em casa mais uma vez, decide ir a Las Vegas para um fim de semana sem regras e sem limites. Lá, conhece Gannon, um empresário sedutor e perigoso que sempre diz exatamente o que ela quer ouvir. Quando Major vai atrás dela implorar por uma segunda chance e Gannon mostra que não é tão perfeito quanto ela pensava, Nan tem que decidir a quem entregar seu coração. O que ela não percebe é que os dois têm uma estratégia de longo prazo para ela - e já estão várias jogadas à sua frente.

Livro: Pegando Fogo || Autor:  Abbi Glines || Série: Rosemary Beach #14
Editora: Arqueiro || Classificação: 3 estrelas || Resenhista: Karina
 Ano: 2017 || Gênero: Romance, NA, Contemporâneo 


Depois de 1 quadrilogia, 3 duologias, 1 conto e 3 livros individuais, Rosemary Beach chega ao fim. A personagem escolhida para fechar a série é ninguém menos que a NAN, a vilã que infernizou a vida de quase todo mundo ao longo dessa série, aquela que quando tudo estava lindo na vida alheia, vinha para estragar, pelo simples prazer de infernizar a vida.

Eu não ia negar os meus defeitos. Eu os conhecia melhor do que ninguém. Houve um tempo em que inventava justificativas para eles, mas não mais.

Abbi Glines jurou que todos iriam entender e se sensibilizar com a história dela. Eis que antes mesmo do lançamento, já tinha #NanLovers e #NanHaters. Sem mais delongas, começamos acompanhando Nan de volta à Rosemary beach, com uma vida até rotineira para quem vivia viajando por aí. E quem momentaneamente tem prendido Nan em Rosemary Beach é Major (primo do Mase), funcionário do pai da Reese ( na mesma linha profissional que trabalhava o Cap), cuja “missão” é dar uns pega em Nan para poder descobrir algumas coisas sobre o ex dela [ juro que demorei para entender quem era esse ex da Nan, o personagem foi criado/desenterrado, só para construir essa história, rs].

A gentileza de Major estava me conquistando, embora eu soubesse que não passava de mais uma garota para ele.

O único problema dessa missão é que Major é mulherengo demais para focar só na Nan, e mesmo usando as pessoas durante a série inteira, Nan é inteligente o suficiente para saber que se ela não se valorizar, não é a outra pessoa que está com ela que irá fazer isso por ela.

Eu queria ser a Harlow de alguém. Ou a Blair. Mas eu sempre seria a Nan. E ela não bastava. Nunca havia bastado, e definitivamente não ia mais tentar bastar.

Eu sempre fui Nan Hater e nem tudo o que ela passou durante a narrativa me fez cogitar a ideia de ser Nan Lover, pelo simples fato de que, por mais que você “sofra”, ou até mesmo negligenciada, você não tem direito de ser manipuladora com as pessoas. O máximo que Abbi conseguiu fazer foi com que eu a admire por aceitar o rótulo que ela mesma criou para ela. Em momento algum, Nan negou o que era.

As mulheres fingem que gostam de flores, e os homens gostam da ideia de agradá-la comprando algo tão fácil. [...] elas não querem flores. Querem considerações.

Determinada a dar um tempo na crescente dependência de Major, Nan vai para Las Vegas e acaba conhecendo Gannon, um cara misterioso, sedutor, bom de cama e que faz Nan se sentir como nunca se sentiu na vida. Claro que nem tudo é o que parece e vamos desfazendo esse nó, alternando entre as narrativas de Nan, Major e agora também as de Gannon. É quase um quebra-cabeça.

É de se imaginar que Major não vai querer perder Nan (pois isso significa não cumprir sua missão), então ele vai atrás de Nan até Vegas, e assim temos um senhor triângulo amoroso instalado. Nesse ponto, eu queria simplesmente morrer, pois odeio triângulos e isso ia estragar minha relação com Rosemary Beach. Acontece que Gannon é tão santo quanto Nan e Major, e ao não corresponder às expectativas da ruiva, acaba alimentando a ideia de que Major talvez valha uma segunda chance, e essa disputa de testosterona foi o que definitivamente tirou algumas estrelinhas da história na minha experiência de leitura.

Eu sabia que estava na hora de crescer e de lutar por minhas conquistas.Não estava fazendo um trabalho fantástico em relação a isso, mas também não me saia tão mal.Estava me virando do meu jeito.

Toda aquela postura que Nan construiu ao longo de 13 livros não existe nesse. Aqui temos uma NAN carente, insegura e que não imaginava como Gannon, no fim das contas, mexeria com ela. Quem muito usou as pessoas acaba sendo usada, não é mesmo?

Abbi pode até ter uma receita de como escrever, mas, ainda assim, ela consegue me surpreender no meio dessa confusão toda, desse triângulo esquisito, quando a situação se desenrola e a merda explode no ventilador. Acontece um fato que você fica, "OMG, mulher, por que a senhora escreveu isso?" Você vai lá, sofre um pouquinho e vida que segue, e, de repente, volta Abbi e joga uma bomba na sua cara e você fica: OI?

Era a garota que todo mundo tinha deixado para trás. A que todo mundo odiava.

E por incrível que pareça, Nan me ensinou que, dentre as escolhas possíveis, a melhor que se pode fazer é escolher nosso próprio lado; quando ela estava cansada de mendigar atenção, de usar e ser usada pelas pessoas, seguiu o caminho que só precisaria dela mesma para ser feliz, e assim, de uma maneira ou de outra, encontrou seu happy end.

A boa noticia é que em sua passada pelo Brasil, Abbi foi a autora mais fofa ever, agora tenho todos  os livros autografados. Tirei foto, disse que continuo odiando a Nan, e mesmo com o fim de Rosemary Beach, temos motivo para comemorar, pois FINALMENTE a editora arqueiro anunciou que em 2018 pretende publicar a série SEA BREEZE,  que já foi publicada e finalizada nos USA e conta com 9  livros ao total. Portanto, preparem-se para se apaixonar novamente muito em breve.

Compartilhe!

12 comentários :

  1. Ainda não li nada dessa autora, embora ela é bem comentada mas suas séries parecem ter muito livros. Um livro da vila a pessoa mais odiada da série deve ser bem divertido e ao mesmo tempo devemos ficar com raiva dela a não ser que de uma boa melhorada. Também odeio triângulos nem sei porque existem kk. Mas esse volume parece estar bem surpreendente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que me surpreendeu positivamente ( eu já tava pronta pra manda-la a forca ) kkkkkkk , não morri de amores, mas tbm não quiz decapita la hahaha. Tem série nova chegando no Brasil, em breve teremos novidades aqui!

      Excluir
  2. Já haviam tentado ler o primeiro livro da série, mas acabei abandonando, talvez seja porque na época a trama não tenha me cativado, depois com o passar dos anos, a série só foi crescendo, e hoje tem esse tanto livros. E ainda fico surpresa da autora consegui na conclusão surpreender o leitor, o que me deixa entusiasmada por saber o que esta estória tem. Outro ponto que gostei e que a autora consegue mostrar o lado da vilã que todos odiaram por tanto tempo. Entender o motivo de escolher a si mesma para ser feliz, sem precisar dos outros, isto por si só já foi suficiente para me desperta interesse na leitura, só não sei quando darei uma chance.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lanaaaaaaaa, deixa eu te contar , eu tbm não amava os primeiros livros , o Rush é um dos meu menos favoritos( se é que esse termo existe) , mas cada casal novo dava um quentinho no coração ...cheguei o fim sem querer dizer adeus , mesmo odiando a Nan rs, quando der uma chance vem aqui dizer pra gente o que tu tá achando !

      Excluir
  3. Olá!
    Tenho muita vontade de ler os livros da autora, pelo o que leio é excelente, fico cada vez mais ansiosa pra conhecer...
    Capas lindas!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rosemary Beach sem duvida está na prateleira dos livros do <3, Em breve teremos no Brasil Sea Breeze que é da mesma autora ( e a que eu mais amo de tudo que já li da Abbi), fica de olho que em breve traremos novidades ! Bjinho.

      Excluir
  4. Oii
    Tenho os primeiros livros da série, ainda não tive tempo de ler, mas já amo a série toda só de acompanhar as resenhas.
    Já sabia que a Nan era a personagem mais odiada por ser a mais "bitch", e quando vi que esse livro ia ser lançado imaginei que a Abbi ia ter que fazer um trabalho mto bom, como faz se passamos o tempo todo odiando uma personagem e em um único livro ela nos conquista? Que bom que a autora conseguiu, e ainda criou uma história maravilhosa! Espero comprar os outros logos, amo as capas da série..
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vi, pois é comecei a ler me sentindo desafiada pela Abbi , como assim me fazer amar a Bitch rs, mas no fundo Abbi nos faz provar da magica dela! Assim que for lendo volta aqui pra nos contar o que tá achando.Bju

      Excluir
  5. Eu sinceramente não gosto muito dos livros da abbi glines não gosto do gênero e sempre acaba por lanche parte um pouco hot o que Acaba atrapalhando a leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. è uma questão de gosto mesmo neh , fiquei um tempo meio enjoada de hot , mas da Abbi arrisco a dizer que não vou enjoar nunca !

      Excluir
  6. Oi!!!
    Não curto muito os livros da Abbi Gline, então não li nenhum dos livros da série Rosemary Beach, fica a indicação que sabe um dia eu possa mudar de ideia.
    Bjos

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei