14 novembro 2017

[Resenha] Morte de Tinta - Mundo de Tinta #03 - Cornelia Funke

Desta vez, com a ajuda de Dedo Empoeirado, Farid, Resa e Violante, Mo enfrenta o mais terrível de todos os vilões, o Cabeça de Víbora, numa batalha final, de vida ou morte.
Mas, antes dela, personagens já conhecidos dos livros anteriores vivem suas aventuras. Fenoglio, o autor de Coração de tinta, tem que combater Orfeu, plagiador que se utiliza de passagens de seu livro para reescrever e manipular a história. Meggie, ao se apaixonar por Farid, se depara com as alegrias e decepções do primeiro amor. Resa, mãe de Meggie, traz em seu ventre um novo herdeiro. E Mortimer, nosso herói, que no Mundo de tinta assume a personalidade do Gaio, espécie de Robin Hood, tem que lutar contra o próprio personagem que interpreta, já que pouco a pouco começa a se confundir com ele e a se esquecer de quem é no mundo real.

Livro: Morte de Tinta || Série: Mundo de Tinta 03 || Autor:  Cornelia Funke 
Editora: Companhia das Letras  || Ano: 2010 || Resenha livro 01, 02
 Gênero: Aventura, Fantasia, Infanto-juvenil
Classificação: 5 estrelas || Resenhista: Amanda



ALERTA SPOILER DO LIVRO 2
 SE VOCÊ NÃO GOSTA DE SPOILERS E AINDA NÃO LEU O PRIMEIRO OU O SEGUNDO LIVRO DESSA TRILOGIA, NÃO SIGA ADIANTE! QUEM BRINCA COM FOGO E NÃO FOR DEDO EMPOEIRADO SERÁ QUEIMADO. VOCÊ FOI AVISADO.

 "Como você saberia? Um livro provoca em você com certeza apenas o pensamento que daria uma bela fogueira numa noite fria. Mas eu vou te revelar a resposta mesmo assim. A gente tem vontade de fazer parte dele, o que mais seria?
Recapitulando: Após Fenóglio utilizar a filha de Língua encantada – Maggie – para dar vida a um novo Cosme tudo vai ladeira abaixo. Sem lembrança alguma, uma vez que ele é apenas uma cópia e não o verdadeiro príncipe – o novo Cosme faz tudo diferente do outro, naturalmente. Pede para que lhe contem suas aventuras e as batalhas que lutou tão bravamente e então decide que eles devem ir à guerra contra o grande vilão Cabeça de Víbora. Fenóglio no início fica receoso, vendo o vazio existente não apenas na lembrança de sua criação, como na própria alma, mas logo deixa que seus delírios de grandeza tomem conta e se convence que os dois juntos podem fazer tudo dar certo.

Tudo dá errado, óbvio. Cosme é massacrado e morre dessa vez sem que haja qualquer dúvida. E não apenas ele. Durante a rebelião Farid é fatalmente ferido e acaba morrendo também, mas Dedo Empoeirado resolve interceder e se oferece em troca para as Damas Brancas – que são as portadoras da morte no mundo de Tinta. Mortimer, já recuperado do tiro que levou de Mortola – mãe de Capricórnio, nosso primeiro vilão que descansa no inferno, já foi tarde – se envolve cada vez mais na pele do herói que Fenóglio criou para ele, especialmente depois de levar o tiro e ser tocado pelas “filhas da morte” e cada vez mais ele se sente como o Gaio e menos como Mortimer.
Fenóglio desolado com as centenas de mortes dos pobres camponeses que se juntaram a guerra insana incitada pelo falso Cosme, decide aceitar o pedido de Maggie e Farid e trazerem Orfeu, para ser seu aprendiz e escrever o final feliz que ele não conseguiu. ~Fim da recapitulação.
"Ela lia e lia e lia, mas se entupia com letras como uma criança infeliz com chocolate. O gosto não era ruim, mas a infelicidade continuava."
Morte de Tinta já começa nos apontando as grandes mudanças na personalidade no nosso doce encadernador Mortimer. Antes o amante de livros que mal sabia empunhar uma espada é agora um salteador, um dos heróis que se junta aos ladrões para lutar contra as injustiças do mundo de tinta. Um verdadeiro Robin Hood, mas Resa e Maggie ficam cada vez mais preocupadas com a ausência de medo e frieza nele. Após Resa descobrir estar grávida, o mundo de tinta passa a lhe parecer mais aterrorizador ainda, ela teme que seu marido acabe não voltando em uma de suas aventuras. Mas agora é Mo que não quer mais ir embora.

Com o coração cada vez mais tomado pela magia daquele mundo repleto de maravilhas, ele não consegue se imaginar indo embora e deixando todas aquelas pessoas que confiam no Gaio, nas mãos de um vilão tão terrível como Cabeça de Víbora, especialmente depois de saber que o livro que o tornava imortal continua inteiro, apesar de seus esforços - técnica de encadernador - para que o livro fosse se auto destruindo dentro de pouco tempo.
Orfeu se mostra um verdadeiro fanfarrão. Desde que veio para o mundo de tinta faz com que Farid seja seu escravo e cave seus tesouros para ele, enquanto o ameaça de não trazer Dedo Empoeirado de volta se ele não o obedecer. Acontece que apesar de seus esforços as damas brancas simplesmente ignoram suas tentativas. Mas ele persiste e decide que encontrou a isca perfeita para trocar pelo dançarino do fogo: o novo herói do mundo de tinta.
"Se ao menos pudesse se lembrar dele como ele era enquanto estava vivo, mas sempre voltava a vê-lo caído na mina em ruínas, tão frio e mudo, o coração feito gelo."
Com uma armadilha Orfeu se aproveita do desespero de Resa e do fato de Fenoglio parecer não conseguir mais escrever, para fazer um acordo. O Gaio chama as Damas Brancas para ele tentar negociar o retorno de Dedo Empoeirado e ele escreve o retorno da família de volta ao "mundo real".
Vale explicar que as Damas Brancas são criaturas feitas de saudade. Trazem uma sensação tão grande de nostalgia que faz as almas quererem acompanha-las a qualquer lugar e uma vez tocada por elas você nunca consegue se livrar completamente de seu canto de sereia. Elas aparecerão em sonhos, chamando, seduzindo, tentando, até que você deseje estar com elas novamente, mesmo sabendo que isso signifique morrer. Aqueles que foram tocados por elas também tem a capacidade de invocá-las, daí o interesse de Orfeu.
"... ele foi ainda mais burro que você. Acreditou que poderia me prender com palavras, a mim, que rejo o país onde não há palavras e de onde todas as palavras vêm."
Mas A Morte tem outros planos. Gaio/Mortimer é levado pelas Damas Brancas até onde está Dedo Empoeirado e lá a própria morte aparece, sob inúmeras formas para ele. Revelando o esquema de Orfeu e alertando-o do perigo. Mas a morte não está nada contente com ele tampouco. Ao tornar Cabeça de Víbora imortal com o livro, ele a deixou de mãos atadas e roubou o que era dela - a alma de Víbora - e a cada dia ele matava um inocente para provar-lhe que era ele quem estava no controle. A única coisa que a impediu de levá-lo antes foram as Damas Brancas que se encantaram pelo coração bondoso do Gaio. A morte então resolve lhe dar uma chance. Ele podia levar Dedo Empoeirado de volta em troca ele tem até o início da primavera para escrever no livro as três palavras que anularão a imortalidade de Víbora ou ela teria não apenas a alma dele e de Dedo Empoeirado, mas também a de sua filha.
Agora Mortimer tem que correr contra o tempo para salvar não apenas a sua vida, mas a de sua filha também... se ele falhar ele, sua família e todos que vivem no mundo de tinta estarão perdidos para sempre em uma história escrita com sangue. 
"A ela não restaria nada além de lembranças. E talvez isso fosse às vezes ainda pior do que nada."
E eu tenho que confessar: Me arrepiei com a cena do Mortimer falando com a morte. Gente que magia é essa que tem nos livros com a morte que ela parece tão foda assim?
E a Cornélia ainda abriu esse capítulo com uma quote de "A Menina que roubava livros". Como não amar essa diva?

Eu também fiquei muito contente com a amizade do Príncipe Negro e do Mortimer. Sério. Ambos criaram um vínculo de amizade e camaradagem que eu não esperava mas, por outro lado... me decepcionei bastante com o Farid, eu não esperava que ele fosse tão egoísta como ele foi. Além de ficar namorando com outras mulheres enquanto estava longe de Maggie ainda foi super egoísta em vários momentos e ainda agia como se não tivesse sido nada demais. O que me salvou da decepção completa foi o surgimento do Doria (se quiserem saber sobre ele vão ter que ler, digo mesmo!). Também senti falta de uma participação um pouco mais ativa da minha rabujenta favorita, a Elinor, mas dei pulos de felicidade quando ela conseguiu ir para dentro do livro também. Senti falta de mais emoção no começo... foi meio lento, mas da metade pro final a coisa pegou fogo mesmo. Mas deve ser porque o Dedo Empoeirado tava morto ne?! #Parei. Hahaha

Falando sério agora, eu tenho que dizer que essa série ganhou meu coração. Eu já imaginava que os livros fossem superior ao filme, mas gente, eu não fazia ideia do quanto. A Cornelia tem um jeito de descrever as cenas tão real e poético que enternece o coração dos leitores. Não vejo a hora de ler outros livros dela. Fica aqui o meu pesar de ter terminado essa série maravilhosa. Me sinto órfã... Me deem um abraço virtual, ok? 


Para quem amou a trilogia O Mundo de Tinta, a autora respondeu a uma pergunta no goodreads sobre uma possível continuação: 

"Estou trabalhando em uma sequência. É chamado de THE COLOR OF REVENGE e se passará cinco anos após Inkdeath. Tenho 15 capítulos, mas como estou trabalhando em dois outros livros, não posso dizer ainda quando estará pronto. Eu considero publicá-lo em três partes para não fazer a espera muito longa."




Compartilhe!

8 comentários :

  1. Oi Amanda.
    Não li a sua resenha na íntegra porque pretendo ler essa trilogia e não queria pegar spoilers.
    Fiquei super animada ao saber que você gostou bastante da trilogia e que ela é muito melhor do que o filme. Eu vi o filme e gostei, então espero gostar bastante dos livros.
    Que bom saber que haverá continuação!! Até a continuação sair eu já devo ter lido os livros anteriores, espero rs
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fujo de spoilers, Pamela hahaha'
      Você vai amar, com certeza! O filme foi muito bom, especialmente por conta do elenco, mas não faz jus ao livro. A riqueza de detalhes e todo o sentimento que a Cornélia é capaz de transpor são o que fazem da história a maravilha que ela é <3 #esperandotambém

      Excluir
  2. Oi Amanda, li a resenha toda, mas nem posso dizer que entendi aquele recapitulando sem ter lido nada, então tudo bem rsrs e tem também o fato de que eu gosto de um spoiler esperto de vez em quando :D Achei a resenha bem completa, bem animada, gostei desse último livro publicado da série e de saber o quanto os livros são superiores ao filme. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, infelizmente não dava pra chegar sem contextualizar um pouco o anterior e fazer a ponte, por isso avisei que teriam spoilers dos anteriores logo no início ^^
      Espero que goste da história também ;)

      Excluir
  3. quero ler os livros, já que é melhor que o filme deve ser uma leitura maravilhosa, nossa como esse volume esta cheio de acontecimentos, fiquei pensando na cena da morte que te deixou arrepiada deve ter sido muito bem escrita. Ainda bem que depois melhora a leitura porque começos lentos deixa a leitura arrastada, as vezes da vontade de desistir, mas quando se sabe que vale a pena da um certo entusiasmo rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a gente começa às vezes com uma baita expectativa, porque o segundo foi tiro, porrada e bomba, aí a gente fica esperando que o próximo seja ainda mais intenso, mas também não foi nada que afetasse a história, é com dar uma maneirada no ritmo de vez em quando pra manter o leitor instigado hahaha'
      Beijos ;*

      Excluir
  4. Olá, estou com o primeiro volume da trilogia na minha estante e depois dessa resenha fiquei com vontade de começar a lê-lo agora mesmo! Todos falam que o livro é infinitamente melhor do que sua adaptação (como acontece na maioria das vezes), mas espero que possam fazer um reboot, para que esse universo maravilhoso criado por Cornelia possa se expandir. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá Nanda!
    Amei conhecer o livro, já havia ouvido flar mas nunca tinha lido nd sobre...
    Arrasou na resenha, qro mto conseguir ler e conhecer a escrita.
    Bjs!

    ResponderExcluir





Copyright © 2017 Every Little Book. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | OddThemes | ILUSTRAÇÃO: Yuumei