[Resenha] O Aprendiz - Taran Matharu

O Aprendiz
Conjurador #1


Em O aprendiz, primeiro volume da série Conjurador, Fletcher é um órfão de 15 anos e, para sua surpresa, conseguiu invocar um demônio do quinto nível. O problema é que apenas os nobres deveriam ser capazes de conjurar criaturas e usá-las na guerra contra os orcs. Mas plebeus como Fletcher também podem ser conjuradores, e o garoto consegue uma vaga na Academia Vocans, uma escola de magos que prepara seus alunos para os campos de batalha. Lá, ele irá enfrentar o bullying dos nobres, mas também aprenderá feitiços e fará amigos incomuns, como anões e elfos. Além de se provar digno de uma boa patente na guerra, Fletcher e seu grupo de segregados precisam se unir e vencer o preconceito que sofrem na desigual sociedade de Hominum.
“O maior inimigo de um guerreiro pode ser também seu maior professor.”
Hominum é o território dos humanos em um mundo dividido e em guerra. Homens lutam contra elfos e também lutam contra orcs. Os exércitos estão constantemente em luta nas duas frontes de guerra, e é assim por muitos anos.

A magia é passada de pais para filhos nas famílias nobres, e são poucos os plebeus que possuem alguma aptidão para mágica, e quando têm, em muitos casos, são filhos bastardos de nobres.

Cada mago pode exercer diversas funções no campo de batalha de acordo com suas aptidões, mas todos eles possuem demônios que capturaram do outro mundo. Eles acessam esse mundo através de um portal e lá, tentam capturar os melhores demônios que conseguirem, das melhores classes possíveis.

Quanto mais poderosos os demônios que possui, mais poderoso é o mago. Existem demônios de ar, fogo, terra e muitas outras categorias.

Fletcher é um simples menino de 16 anos, órfão e sem importância nenhuma. Foi abandonado em um pequeno vilarejo de Hominum, chamado Pelego. Lá, ele foi acolhido por Berdon, o ferreiro local, que o alimentou e o criou, até que Fletcher começasse a ajudá-lo na ferraria.

Ele não tinha grandes ambições na vida, sabia que era um simples órfão, constantemente discriminado pelos outros rapazes de famílias nobres. Principalmente Didric, filho de um dos nobres mais influentes da cidade e que nutria um ódio gratuito por Fletcher.

A vida segue normal até o dia em que um soldado aparece na feira livre contando histórias e mostrando um livro que, segundo ele, pertencia a um mago de batalha. E nesse livro conteria descrições de orcs e outras criaturas.

Todos ficaram maravilhados com as histórias, inclusive Fletcher. Ele reconhecia o valor daquele livro e sabia que nele continha coisas poderosas. Didric também se interessou pelo livro, e é óbvio que nada bom viria disso.

Depois de uma série de acontecimentos inusitados, o livro acaba parando nas mãos de Fletcher e, em um momento bastante impensado, ele lê um feitiço e um demônio aparece ao lado dele. O que ele ia fazer? Flecher não é um mago, é um simples órfão. Como tinha conseguido conjurar um demônio?

A situação fica bastante delicada e faz com que Fletcher tenha que fugir às pressas da cidade e, assim, ele parte para Corcillium, a capital, onde poderia começar uma nova vida e descobrir mais sobre seus poderes. Não é fácil deixar Berdon, a quem considera como um pai e que fez tudo por ele, mas para a segurança do dois, é necessário partir imediatamente.

E assim ele vai, sem saber qual vai ser o seu futuro, sem ter ideia do que fazer da vida, mas com uma convicção poderosa de ser alguém melhor por Berdon e por ele também.

Ao chegar a Corcillium, ele logo conhece um anão e um professor da Academia Vocans, para onde os aprendizes de mago são enviados para estudar magia. E esse professor reconhece em Fletcher um mago em potencial e o envia à Academia, que está prestes a começar as aulas.

Lá, ele é alocado na ala dos plebeus e logo percebe a divisão que existe entre os alunos, por classe social. As coisas não são fáceis, mas ele encontra amigos leais que o ajudarão a ser um mago.

Muitos desafios esperam por Fletcher. Ele precisa ter muita força, garra e determinação para passar por cima dos obstáculos e se provar digno de uma boa posição, ao mesmo tempo que descobre coisas sobre seu passado que podem atrapalhá-lo nessa jornada.

Esta é uma história com elfos, anões, orcs, magia, guerra e muito mais, que não te deixará respirar até chegar ao final. Venham conhecer o mundo de Fletcher.
“Tudo fazia sentido para Fletcher, como se ele estivesse se lembrando de algo havia muito esquecido. Ele nascera para aquilo.”

Esse livro estava na minha lista faz um tempinho. Amei a capa, a premissa, o enredo, por me lembrar de histórias que amo muito.

Confesso que coloquei muitas expectativas em O Aprendiz e que uma parte delas não foi correspondida =x.

É um bom livro, com muitos elementos fantásticos conhecidos de histórias famosas, mas que o autor conseguiu transformar em algo totalmente novo, sem ficar o tempo todo lembrando de outros livros.

Tem elementos de Harry Potter, Eragon, Pokemon, Senhor dos Anéis, Trilogia do Mago Negro, e também de alguns jogos de RPG como Diablo e Warcraft. Gosto pouco dessas coisas? Não né, amo demais. E, por isso, esse livro foi uma aposta alta de Taran Matharu e, na minha opinião, ele falhou em alcançar todas as minhas expectativas.

Fletcher é o típico protagonista injustiçado, e põe injustiçado nisso. Órfão, abandonado na neve, perseguido pelos garotos nobres da cidade, trabalha muito na ferraria para ajudar Berdon, acaba tendo que fugir, descobre que tem magia, vai para escola de magia onde não conhece ninguém, não sabe nada e ainda assim consegue encontrar o seu caminho. Ele muda bastante, amadurece, evolui. É um personagem super bem construído e consistente.

A narrativa de Taran talvez tenha me incomodado um pouco, pela falta de profundidade na descrição do mundo e na ligação com os personagens. Eu senti muita falta de um glossário que explicasse as classes de demônios, os termos utilizados e também os lugares e governantes.

Gostei muito da premissa, a ideia do livro é muito boa, mas acho que o autor precisa melhorar no sentido do desenvolvimento da história. Eu simplesmente não consegui me conectar com os personagens.

O final foi bem instigante e, apesar dos meus pontos negativos, com certeza lerei o segundo, pois espero muito que melhore.

No geral, é um bom livro de fantasia, com bastante aventura, magia, demônios, elfos, anões e muito mais. A jornada de Fletcher está apenas começando, venha ler!
“— Essa é a diferença entre um bom guerreiro e um grande guerreiro. Rook se esforçou muito, mas perdeu aquela batalha. Não se esforce apenas.
Seja inteligente.”

4 comentários:

  1. Oi Luiza, li mago e que consegue fazer amigos e logo pensei em Harry Potter, mas pelo li a história é bem diferente e possui várias inspirações como você citou na resenha e também curti a premissa e a capa, e mesmo que alguns pontos tenham deixado a desejar fiquei interessada no livro. Como é só o primeiro livro espero que o autor trabalhe as falhas de desenvolvimento que você citou e pretendo acompanhar as resenhas e quem saber futuramente ler *__*

    ResponderExcluir
  2. Este e um livro que eu ainda não conhecia mas lendo sua resenha fiquei bastante curiosa, por se tratar de uma fantasia que se trata de magia, tem elfos, anão entre outros que fazem menção, ou se parecem com estórias já conhecidas por nos como HP. Enfim, ainda vejo que algumas coisas as lhe diferenciam, e isto e um grande ponto positivo. Uma pena que a autora conseguiu aprofundar a construção dos diálogos, e da estória de fantasia. Quando sabe futuramente dou uma chance a esta obra.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro "Dois Mundos", o primeiro da série "Tesouros da Tribo de Dana" da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi oi Luiza ;)
    Não conhecia a série Conjurador ou o autor, mas só em ter esses elementos de Harry Potter e Senhor dos Anéis, já fiquei super interessada em ler *-*
    Adoro livros de fantasia que falam sobre magia, e gostei de os homens do livro lutarem contra elfos, achei bem diferente esse mundo que o autor criou. Achei legal essa jornada do Fletcher para se tornar um mago.
    Mas que pena que os personagens não foram bem desenvolvidos e você não conseguiu se conectar com eles. Eu sei o que é isso, gostar da história como um todo mas não se apegar aos personagens.
    Quero ler sim, obrigada pela indicação ;)
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Comprei esse livro esse ano fui pela capa que chamou minha atenção, mas ainda não li, gosto de historias que envolvam magia e outros seres, fiquei curiosa pelo autor conseguir transformar elementos conhecidos em algo novo é difícil nesse gênero. A leitura parece que envolve e faz o leitor torcer pelo personagem e suas descobertas, pena que teve ponto negativo, mas espero que o próximo seja melhor já até saiu mas ainda não tenho.

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...