[Resenha] Dois a dois - Nicholas Sparks

Dois a Dois
Nicholas Sparks

Skoob Editora Compre


Com uma carreira bem-sucedida, uma linda esposa e uma adorável filha de 6 anos, Russell Green tem uma vida de dar inveja. Ele está tão certo de que essa paz reinará para sempre que não percebe quando a situação começa a sair dos trilhos.
Em questão de meses, Russ perde o emprego e a confiança da esposa, que se afasta dele e se vê obrigada a voltar a trabalhar. Precisando lutar para se adaptar a uma nova realidade, ele se desdobra para cuidar da filhinha, London, e começa a reinventar a vida profissional e afetiva – e a se abrir para antigas e novas emoções.
Lançando-se nesse universo desconhecido, Russ embarca com London numa jornada ao mesmo tempo assustadora e gratificante, que testará suas habilidades e seu equilíbrio emocional além do que ele poderia ter imaginado.

"Ser pai é isso. Fazer o melhor possível, morrendo de medo de estar errando."

Faz um bom tempo que eu não lia nada do Nicholas Sparks e ele sempre consegue me surpreender um pouco com a profundidade com que aborda temas difíceis de uma forma realista e sensível. Não é difícil se colocar no lugar dos personagens e sentir tudo o que eles estão sentindo.

Russ é um homem muito doce. Ele é sensível e está sempre tentando agradar todo mundo, sua maior qualidade e também seu pior defeito. Por vezes, nos pegamos pensando em por que ele tinha que fazer sempre as coisas como os outros esperavam, por que essa necessidade de deixar todos felizes. E é bem óbvio. Ele é muito inseguro, tem essa necessidade de ser aprovado. Ele tem medo de não ser forte o bastante, capaz o bastante... sábio o bastante.

Desde o início o livro trava uma perspectiva onde ele relembra diversos acontecimentos, desde trechos de sua infância até lembranças mais recentes, onde ele vai tentar entender onde tudo começou a dar errado. Temos diversos ângulos de sua vida no decorrer do tempo, relacionamentos amorosos e com a família. Mas a história pega ritmo de verdade ao começar a contar sobre o casamento.

"– Posso perguntar o que aconteceu?
– Sei lá – começou ela. – É difícil explicar. Dizer que a gente se afastou soa meio clichê... Ultimamente, quando perguntam, respondo só que o casamento deu certo até que não deu mais, mas essa não é a resposta que a maioria das pessoas quer ouvir."

Russ namorava com a amável Emily e tudo parecia perfeito até Russ pisar na bola e dormir com outra mulher. Após esse erro trágico, o romance chega ao fim e mais tarde ele conhece Vivian, a mulher que eventualmente se torna sua esposa. Vivian é uma mulher complicada. Independente, cheia de confiança, ela encanta Russ e os dois começam a namorar. Acredito que ela via no Russ não o homem da vida dela, até porque Vivian parece ser o tipo de mulher prática que visa mais a segurança e bem estar pessoal. Ela engata um relacionamento com ele, segura do que quer: um homem estável, que compartilha da mesma visão - constituir uma família tradicional -, ter uma casa e conforto. Sim, a Vivian é materialista e diria que até meio fria, às vezes, em certas ocasiões, mas ela sempre foi ela mesma com Russ. Ela sempre foi voluntariosa, decidida, até mesmo dondoca. E ele aceitava porque precisava que ela fosse feliz para ele ser feliz.

"Talvez ela estivesse infeliz, ponto final. Ou talvez ela só pense que vai ser feliz com outra pessoa, mas felicidade duradoura não é algo que outra pessoa possa proporcionar. Ela vem de dentro."

Quando eles finalmente se casam, não demora muito tempo para decidirem ter um bebê. Quando London nasce, Vivian simplesmente decide parar de trabalhar para cuidar da filha e Russ passa a ser o principal responsável pela renda deles. Mas como sempre, ele simplesmente aceita, porque não consegue bater de frente com a esposa e correr o risco de que ela fique insatisfeita.

Depois de algum tempo, ao passar por situações complicadas no trabalho, ele decide abrir o próprio negócio, para consternação da mulher, apesar de ela não querer falar abertamente que desaprovava, tampouco o apoiou. Algum tempo se passa e sem clientes, ele começa a ficar tenso e Vivian deixa claro que não vai abrir mão de seu estilo de vida (suas compras no shopping) por causa dele. Porque a culpa é toda dele de ter saído do trabalho e nessa altura, ela não tem receio algum de jogar na cara dele. Nessa altura, London já está um pouco mais velha, fazendo todo tipo de atividades: aula de balé, aula de piano, aula disso e daquilo, com uma agenda mais lotada do que a de todos nós e Vivian até então era quem controlava e levava a menina para todas as aulas. Mas ela agora decide voltar a trabalhar. Nada mais, nada a menos com um dos caras que o marido mais detesta no mundo. Não precisa ser um gênio para adivinhar aonde isso vai dar.


Russ ao mesmo tempo que tenta fazer o próprio negócio dar certo, agora tem que tomar conta da filha e levá-la para as atividades - Vivian não queria deixar a menina em uma creche sem que pudesse visitar antes, mas o novo patrão não a deixa descansar um minuto, imaginem. Nem tampouco queria contratar uma babá faltando tão pouco tempo para a menina começar o jardim de infância - então sobra para Russ cuidar da filha e levá-la para todas as atividades, enquanto tenta bolar propagandas e ideias criativas para captar clientes para sua empresa. E é aí que ele começa a ficar mais próximo da filha e a criar uma ligação maravilhosa com a menina.


Não me entendam mal, Russ é um ótimo pai desde o começo, só que ele simplesmente ficava a maior parte do dia trabalhando, enquanto Vivian tomava conta da menina então, é simplesmente natural que a parceria entre elas fosse muito mais forte, até porque a figura materna é muito acentuada, especialmente na infância. Então, quando ele começa a passar mais tempo com a filha começa a perceber que ele não apenas gostava dela por ser filha dele, mas também da garota maravilhosa que ele via crescer diante de seus olhos. Mesmo com toda a correria, ele passa a apreciar esses momentos e eles se aproximam bastante, é lindo. 

É então que o inesperado acontece e Russ reencontra Emily. Eles voltam a ser amigos e ela é uma das pessoas que vocês mais vão amar nesse livro. A Emily é natural e espontânea, encanta à todos com sua simplicidade e doçura. Depois de um divórcio complicado, ela agora se torna mãe solteira e é uma das pessoas que mais vai apoiar Russ nessa nova fase de sua vida, pois é uma experiência que ela já passou e que conhece bem. Mas não pensem que ele foi um mártir e só teve a doce Emm o ajudando. Russ contou muito com o apoio da família, especialmente de sua irmã Marge.

Marge é uma pessoa maravilhosa que já passou por muitas dificuldades no passado. No livro, apesar de não termos os detalhes de como ela se sentia sobre determinadas coisas, é nítido que ela sofreu bastante, temendo no início que os pais não aceitassem que a filha gostasse de mulheres, até porque os pais eram frequentadores assíduos da igreja, mas no fim deu tudo certo. Apesar de durão, o pai deles é um homem maravilhoso e ao conversarem com o pastor e ele aconselhar que orassem e que se ela continuasse nesse caminho poderia acabar em uma vida de perdição ou o que fosse, ele simplesmente parou de frequentar os cultos.

"... terapia não tem a ver com mudar outra pessoa. Tem a ver com tentar mudar a si mesmo."

Mas como não pode faltar, o livro é recheado com momentos tensos e dramáticos. Me emocionei em alguns, tive raiva de outros - especialmente da esposa de Russ. Muitas pessoas devem ter ficado com muita raiva dela também, sem dúvida. E fiquei ainda mais impaciente por causa dele, por ele aceitar tudo. Por ele precisar tanto que ela estivesse satisfeita com ele. Ela o manipulava na cara dura muitas e muitas vezes, porque sabia que ele era muito inseguro e se aproveitava disso. No entanto, uma coisa eu tenho que pontuar aqui, Vivian é uma ótima mãe. Ela adora a menina e apesar de querer sempre fazer as coisas do seu próprio jeito, sempre faz de tudo para reservar um tempo com London para brincar de boneca, ler uma história toda noite, ir às compras... E acho que tudo contribuiu para que Russ se tornasse um homem melhor, eu realmente acredito que ele amadureceu muito. Se tornou um homem mais forte, mais sábio e muito capaz. E o melhor foi vê-lo acreditando em si mesmo e se tornando um pai incrível. 

Não tem como não amar a história, os personagens coadjuvantes. A relação dele com a irmã e com a parceira dela, Liz. Aliás, vocês vão amá-la. Elas parecem uma só realmente - inclusive ele fala isso no livro - por isso até esqueci de comentar. Elas tem uma relação incrível, muito unidas e é realmente especial a forma como se completam. Nenhuma exige mais do que a outra dá, por isso ambas se doam uma a outra de forma perfeita.

"Uma vez li uma coisa sobre amizade e nunca mais esqueci. Dizia assim: Amizade não significa há quanto tempo você conhece uma pessoa. Amizade significa alguém entrar na sua vida, dizer ‘Eu estou do seu lado’, e depois provar."

Dois a dois é uma narrativa linda e sensível sobre como o amor preenche tudo e conforta até nos momentos mais difíceis da vida. O tipo de livro que todos deveriam ler ao menos uma vez na vida.


11 comentários:

  1. Oi Amanda, então faz um tempo que não leio nada do Nichlas Sparks, confesso que fiquei meio traumatizada com o fato dele não economizar nos dramas e de que o final nem sempre era o que eu esperava, mas desde que vi o lançamento dessa capa eu fiquei super curiosa, a capa tá linda, e as resenhas que tenho lido da história me levam a pensar que vou curtir, ao menos espero. Então, sim, eu quero ler e curti sua resenha, já peguei alguns detalhes que ainda não tinha ouvido falar e gostei, como Emily e a relação dele com a filha deve ser a coisa mais fofa <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, Lili :D
      Ele é bem construído. Tenho ctz que vai gostar, apesar dessa pequena pegada dramática do Sparks!
      Bjs

      Excluir
  2. Oie!
    Adoro a escrita do Nicholas, ele escreve de uma maneira tão real que parece que você está na pele do personagem e sofre com ele em todo momento ..
    Ainda não li esse livro mas ele já está na minha infinita livro de desejados ☆
    O livro parece ser incrível ♡
    Adorei !

    Bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá *-*
      É verdade, ele nos envolve completamente!
      Nem me fale de lista de desejados, a minha também está gigantesca hahaha
      Bjoo

      Excluir
  3. Ainda não li nem um livro do Nicholas Sparks, mas sempre leio muitos comentários positivos sobre os livros dele, e por este motivo tenho diversos livros em minha lista de leituras, achei interessante este livro falar sobre a família, pelo jeito tem muitos personagens cativantes, e a história parece ser muito boa, espero poder ler este livro em breve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia sim, Mariele!
      Apesar desses toques dramáticos as histórias dele são sempre bem emocionantes.
      Bjs ;*

      Excluir
  4. Olá Amanda!
    Resenha linda, parabéns!
    Eu li apenas um livro do autor, pretendo ler mtos outros assim que surgir oportunidades, adoro a escrita dle.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline!
      Obrigada, leia sim, tenho certeza de que vai amar *-*
      Bjs

      Excluir
  5. Oi,
    A resenha é linda, mas eu tenho uma dificuldade com esse auto, Todo mundo ama, mas eu simplesmente não consigo terminar um livro dele, eu não gosto nem odeio, só é bem ok pra mim, apesar da resenha Linda acho que não iria gostar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline!
      Obrigada! Eu já estou até acostumada a sofrer, desde que comecei a ver doramas criei uma resistência emocional fortíssima hahaha'
      Fica a vontade, se resolver ler algum dia, volta aqui pra me contar o que achou.
      Bjs ;*

      Excluir
  6. Não sou fã do autor mas até que o livro parece ser legal, nos deixa refletindo sobre a família e como é importante esta presente, deve ser linda essa relação que criou entre o pai e a filha. A mãe da garota parece ser muito chata haja paciência com ela rs.

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...