[Resenha] Wicked - Gregory Maguire


      
Wicked
Gregory Maguire
Série The Wicked Years - Livro 1

 Imagine acompanhar a clássica e prestigiada história de O Mágico de Oz, de L. Frank Baum, pela perspectiva de Elfaba, a Bruxa Má do Oeste! Em Wicked, Gregory Maguire nos proporciona essa chance de conhecer o outro lado da moeda, e mergulhamos novamente no fantástico mundo da Terra de Oz. Neste livro, descobrimos todos os detalhes da vida da garota de pele verde que cresceu cercada de desafios e preconceitos, até se tornar uma bruxa infame uma esperta, irritadiça e incompreendida criatura que põe à prova todas as noções sobre a natureza do bem e do mal. A improvável amizade da Bruxa Má do Oeste e Glinda, a Bruxa Boa do Norte, donas de personalidades tão opostas que se tornam melhores amigas; a rivalidade das duas ao se interessarem pelo mesmo homem; e a reação ao governo corrupto do Mágico de Oz também estão no foco de Wicked. A obra de Gregory Maguire arrebatou milhões de pessoas em todo o mundo e baseou um musical na Broadway, que, desde sua estreia, em 2003, já quebrou diversos recordes e conquistou muitos prêmios, incluindo o Tony Awards, considerado o Oscar do teatro. Em 2016, o musical estreou em São Paulo.
Por meses tenho pensado em como escrever essa resenha, pois o livro é de uma densidade assustadora. As ideias ficavam torcendo-se  na minha mente e nada compreensível saía. Sendo essa uma das resenhas mais difíceis que já escrevi, espero que o resultado tenha sido satisfatório.
Lembre-se disto: nada está escrito nas estrelas. Nem nestas estrelas nem em outras. Ninguém controla o seu destino.
Eu moro no interior do Paraná e fiquei me coçando de vontade de assistir o musical que seria montado em São Paulo, mas na época era improvável que eu o assistisse. Então, em uma das minhas visitas regulares a livraria da minha cidade (sim, tem só uma) encontrei o livro que a Leya publicou aproveitando a onda do musical, e decidi me contentar com o que tinha a mão. E que surpresa!

A história do Mágico de Oz e o musical que surgiu do livro são ambos muito lúdicos, coloridos e voltados tanto para adultos quanto para crianças. Mas o livro Wicked é para adultos. Desde sua linguagem, até seu cerne. Essa não é uma história de redenção, não é sobre como a Bruxa Má do Oeste ficou má, nem serve como uma prova de que ela só é incompreendida, isso não é como Malévola. A essência dessa história é mostrar como não existe bem e mal, como nada nem ninguém pode ser simplesmente rotulado como uma coisa ou outra.
"[...]As pessoas que se dizem más normalmente não são piores do que o resto de nós. – Ele suspirou. – É com as pessoas que se dizem boas ou melhores do que o resto de nós que devemos nos preocupar.”
O autor transformou o mundo mágico de Oz em algo palpável, quase distópico. Assim como qualquer lugar real, Oz tem uma política e uma economia caótica, desigualdade social e fundamentalismo religioso, e em um lugar assim, tal qual o mundo real, tudo que existe são tons e mais tons de cinza. E é nesse mundo que nossos personagens com suas personalidades e motivações são inseridos.

Elfaba é nossa estrela. Durante as cinco partes do livro acompanhamos diferentes pontos da vida dessa incrível garota de pele verde e sua curiosa alergia a água. Começamos pela sua infância, onde conhecemos seus pais, o sacerdote unionista Frex e a mãe adúltera Melena, é aqui que começamos a perceber como Elfaba desde sempre sofreu com a rejeição causada pela sua pele verde. A segunda parte retrata o tempo passado na universidade de Shiz, onde nossa protagonista começa a conhecer melhor o contexto político do país em que vive, e começa a formar seus ideais, também é onde nos são apresentados personagens importantes como Galinda (e como ela se tornou nossa famigerada Glinda), Fyero, e Nessarose. Na terceira parte, o salto temporal é maior e nos deparamos com uma Elfaba militante, disposta a morrer pela liberdade e por uma Oz melhor, onde ela desenvolve relações muito importantes com outros personagens e que a mudam profundamente. Na penúltima parte vemos uma mulher desacreditada, uma militante que não sabe onde depositar sua fé e que está em busca de perdão. E finalmente, chegamos a parte que já conhecemos, o fatídico encontro entre Elfaba e Dorothy.

Como eu disse no começo dessa resenha, esse é um livro denso, e por mais que a história que eu descrevi pareça simples a forma como é contada não é nada simplória. Eu levei mais de um mês para ler suas parcas 494 páginas, não me entendam mal, é uma história arrebatadora, mas a todo momento precisava parar e refletir o que tinha acabado de ler. São reflexões incomodas, e que nos deixam intrigados. Todos os personagens têm seus cernes e agem de acordo com suas motivações: Elfaba, uma idealista em um país corrupto até o âmago, Fyero, o príncipe infeliz em seu casamento arranjado, Nessarose, alguém tão acostumada a estar no papel de vítima que não consegue se ver como outra coisa, Liir, um garoto desesperado por atenção e afeto.

O livro é uma pancada na cara, é muito forte, uma obra genial. E é por isso que sinto essa necessidade de realçar a diferença gritante do musical para o livro. Para os que assistiram o musical, sinto informar que aqui você não encontrará meias palavras, ou um final feliz, a realidade não é assim tão simples. Ao assistir o musical depois de ler o livro não pude evitar uma pontada de decepção ao ver algo tão complexo ser tão simplificado e distorcido, e acho que posso dizer que essa decepção também atinge os que trilharam o caminho contrário e tiveram toda aquela alegria fantasiosa esmagada pela crua realidade do livro. 
"Quanto mais civilizados nos tornamos, mais horrendas são as nossas diversões."
Vale dizer que embora a Leya tenha publicado apenas esse livro a história original continua com mais três livros: -Son of a witch; -A lion among men; -Out of Oz

Admito que comprei o segundo título da série em inglês, mas não tive coragem de começar. Sinto que preciso ler Wicked novamente depois de mais algum tempo, pois ainda não tirei todas as reflexões necessárias dele, afinal elas são muitas. A grande questão aqui é: como não dar 5 corações e indicar esse livro para o máximo de pessoas possíveis?

13 comentários:

  1. Oii Gabriela!
    Adorei sua resenha, parabéns!
    Eu tenho mta curiosidade de ler esse livro, já q o gênero me agrada bastante, eu gostei mto do enredo, espero ler em breve!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Aline!
      A leitura vale muito a pena, espero que você curta!
      Beijo!

      Excluir
  2. Oi Gabriela!
    Eu nunca fui muito fã dessas histórias, confesso. E por conta disso não tinha vontade de ler esse livro. Mas fique tranquila porque, apesar do seu receio em resenhar essa obra, acredito que você cumpriu seu papel já que fez alguém que não gostava da história, se interessar pelo livro.
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Priscila!
      Fico feliz que minha resenha tenha feito você se interessar, a história é muito boa e extremamente bem desenvolvida... Também me agrada muito saber que curtiu a resenha...
      Abraço!

      Excluir
  3. Tive com esse livro em mãos e perdia a oportunidade de leitura, pois só depois descobrir o quanto essa estória e original, e envolvente. Quando soube que tinha o musical fiquei querendo muito assistir, mas infelizmente não tive oportunidade. Enfim pela sua resenha da para notar que essa foi uma leitura e tanto, e que te envolveu bastante, até porque o enredo e muito bacana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lana!
      Eu tive a oportunidade de ver o musical, e como disse na resenha meio que me decepcionei, mas é muito bonito. Mas o livro me envolveu de uma forma única, são muitas reflexões...
      Beijos!

      Excluir
  4. Não assisti o musical, fiquei muito curiosa com o livro, com as reflexões que ele passa, pois mexeu muito com você. Deve ser uma leitura muito profunda e gostaria de conhecer essa Oz que mostra mais a realidade. Muito bom ter outros pontos de vista da personagem, e poder conhecer esse seu outro lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria!
      Nem me fale, é muito bom trazer personagens tão conhecidos como Glinda e a Bruxa Má mais perto da realidade, para esse nosso mundo cinza onde não existe bem ou mal apenas pessoas e suas motivações...
      Abraços...

      Excluir
  5. Nossa, esse livro deve ser muito legal. Nunca imaginei as coisa pelo lado da bruxa má, achei que ela já tinha nascido assim. Me interessei bastante pelo livo, principalmente porque sempre amei as estórias do magico de OZ. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tailane!
      É um lado totalmente novo de um mundo muito familiar para nós... Uma leitura fascinante...
      Beijo!

      Excluir
  6. Parabéns! A resenha ficou linda. E com tudo que você narrou, fiquei doida para ler, me pareceu tudo tão diferente do que costumamos ver em adaptações do Mágico de Oz. Só achei uma pena não ter a continuação, pois não sei ler em inglês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey Kris!
      Fico muito feliz mesmo que tenha gostado da resenha. Sobre a continuação existe uma versão antiga de 2007 da editora Ediouro em português, acho que vale a pena dar uma procurada na internet, se não achar usado pra vender deve ter um arquivo pdf ou até mesmo alguma tradução desses grupos de tradução, só precisa de um pouco de paciência pra achar hahhahahhahahhahhaha
      Beijos!

      Excluir
  7. Oi!
    Gosto muito das releituras dos contos de fadas, por isso assim que vi esse livro fiquei bem interessada nessa historia, gostei bastante desse enrendo que é mesmo bem diferente, mas ao mesmo tempo trás esses personagens característicos da historia, gostei desse mundo que a autora nos trás e estou curiosa para poder ler esse livro !!

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...