[Resenha] O Livro Perdido das Bruxas de Salém

O Livro Perdido das Bruxas de Salém
Katherine Howe


Connie Goodwin queria que 1991 fosse um ano exclusivamente dedicado aos estudos para sua dissertação de mestrado em Harvard. No entanto, por insistência de sua mãe, acaba indo para o interior do condado de Essex cuidar da reforma da casa da avó. Assim que se estabelece no antigo casarão, começa um mergulho inevitável no passado daquele lugar e fica especialmente interessada pela figura de Deliverance Dane, uma mulher reconhecida em sua época por curar doentes, receitando remédios e poções.
É no condado de Essex que fica a famosa cidade Salem, palco dos históricos julgamentos de 1692, quando mais de 150 pessoas foram presas e acusadas de bruxaria e mais de vinte condenadas à forca. O episódio, considerado um dos mais infames da história dos Estados Unidos, ficou marcado como um triste exemplo de histeria coletiva, disseminada por uma comunidade em busca de vingança.
A pesquisa acadêmica sobre esse período e a busca pessoal de Connie por detalhes da vida de Deliverance Dane se cruzam ao longo de O Livro Perdido das Bruxas de Salem. Em certo momento, Connie tem certeza da existência de um "livro perdido" que guardaria os segredos da misteriosa personagem. Seriam remédios? Feitiços? A solução desse enigma é o grande impulso da história do livro, que investiga até onde pode ir o preconceito de uma sociedade contra alguns dos seus membros.
"Para a maioria das pessoas, culpar a bruxaria - uma explicação que estava fora de seu controle e personificada numa mulher isolada na sociedade - era preferível a encarar a possibilidade de estar correndo risco espiritual."

Esse livro chegou para mim de uma forma engraçada, pois, quando o solicitamos para resenha estava esgotado, então não havia mais expectativa nenhuma da minha parte de que ele fosse chegar. Eis que quando chego da faculdade, minha mãe me entrega um pacote e eu me deparo com quem? Com o Livro Perdido das Bruxas de Salém...

Connie está começando a sua pós-graduação, ela é historiadora, especializada na vida colonial americana e acaba chamando a atenção de um dos mestres mais renomados na comunidade acadêmica, Manning Chilton. O interesse desde o início parece suspeito, devido à postura superior e rígida do especialista com os alunos, mas Connie acaba atribuindo a atitude dele à sua competência como pesquisadora, sentindo-se orgulhosa de si mesma.

Ele então, começa a acompanhá-la de perto e até mesmo cobrá-la incisivamente sobre o progresso de sua pesquisa. Pesquisa que acaba sendo atrasada quando Connie é envolvida por mais um dos problemas de sua mãe.
Sua falecida avó, com quem quase não teve contato devido à relação difícil entre sua avó e sua mãe, deixa uma casa para elas. No entanto, a casa está abandonada há anos e os impostos que não vinham sendo pagos desde a época em que a avó ainda era viva foram se acumulando; a casa ficou completamente abandonada e cercada por vegetação, dificultando até mesmo encontrá-la, estando escondida no meio de todo aquele mato. Por fim, sua mãe que tem uma lábia impecável - a mãe dela é um daqueles "espíritos livres" bem no estilo paz e amor, gente - consegue enrolá-la para que passe o verão arrumando a casa para ser vendida.

À princípio, Connie se sente aborrecida por mais uma vez ter se deixado levar, perdendo tempo de trabalho/estudo. Visões e flashes rápidos começam a surgir em sua mente, desde que ela chega à casa aos quais atribui à sua mente criativa - devemos ter em mente que ela é uma pessoa muito voltado para o lado intelectual e é plausível que ela tenha chegado a essa conclusão, especialmente porque ela não teve uma figura materna consistente, emocionalmente falando, e sempre quis conhecer a avó - mas apesar de tudo, conforme o tempo vai passando, ela se estabelece numa rotina agradável. É quando encontra uma chave misteriosa com um nome escondido. Deliverance Dane.

"A maioria dos casos de bruxaria ocorreu esporadicamente. A bruxa típica era uma mulher de meia-idade que estava isolada na comunidade, por razões econômicas ou simplesmente por não ter uma família, e por isso não tinha força social nem política."

Curiosa, Connie começa a pesquisar a origem daquele nome. No começo, ela tem certa dificuldade e se depara com muitos becos sem saída, mas por fim, sua insistência acaba sendo recompensada: esse foi o nome de uma das mulheres condenadas por bruxaria em Salém, uma das quais ninguém tinha conhecimento. Até aquele momento. Essa nova fonte é o ponto de partida perfeito para a elaboração de seu trabalho.

Durante sua investigação, Connie conhece Sam, um restaurador. Desde o primeiro momento um vínculo parece se formar entre eles, no começo como uma simpatia, evoluindo para um flerte descontraído e relaxado. O que é perfeito para uma mulher tão focada quanto Connie. 

Não tem como não se apaixonar pelo Sam. Ele é engraçado, divertido e interessado. Ela, como uma pessoa intelectual que é, está sempre puxando os assuntos para a parte histórica, mas ao invés de se sentir entediado ou de ser condescendente, ele a escuta de verdade. Ele tem essa curiosidade que muitas pessoas perderam ao longo do caminho e se interessa pelas coisas sinceramente. É nítida a forma como a protagonista consegue se soltar perto dele, sendo ela mesma e sendo aceita e compreendida de uma forma que ela nunca conseguiu com a própria mãe. Que apesar de ser uma pessoa maravilhosa, vive em um mundo, uma realidade, completamente diferente de Connie. 

"A gente pode ter uma vida inteira, com todas as nossas opiniões, os nossos amores, os nossos medos. Com o tempo, todas essas partes de nós desaparecem. E depois as pessoas que poderiam se lembrar dessas partes também desaparecem, e de repente tudo o que resta da gente é o nosso nome em algum registro."
Mas Connie pode estar em perigo. Uma série de eventos estranhos começam a acontecer conforme ela se aprofunda em sua pesquisa e a verdade pode acabar sendo bem diferente do que ela poderia imaginar.

O livro se divide entre o que está acontecendo com Connie na atualidade e com o que estava acontecendo no passado com a família Dane. Podemos acompanhar as duas perspectivas e ver a tensão da mulher sendo acusada por algo que ela sabia que não tinha culpa. E ele tem elementos interessantes, o enfoque é mais voltado para o aspecto histórico, mesmo se tratando de uma ficção. O toque de sobrenatural, de magia é bem sutil.
Para quem gosta de história e se interessa pelo massacre em Salém e as teorias sobre o que desencadeou a caça às bruxas, esse livro é uma dica maravilhosa. Ele não te deixa entediado porque tem uma história ficcional acontecendo para te entreter ao mesmo tempo que nos mostra essas curiosidades. Vemos também as dificuldades de se realizar uma pesquisa, a forma como alguns funcionários agem que também funcionam como barreiras, que podem até desmotivar o pesquisador de fazer seu trabalho. Eu gostei muito, foi uma surpresa maravilhosa e espero que vocês também gostem!

15 comentários:

  1. Oii Amanda!
    Nem preciso dizer o qto fiquei louca por esse livro né? O enredo me prendeu total atenção, ainda mais gostando tanto do gênero creio q será uma leitura excelente!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aline!
      É um dos melhores e piores períodos da história, ne?! Assim como a 2ª guerra mundial, exerce um certo fascínio. Estou louca para ler O Martelo das feiticeiras, mas cadê o tempo? kkk
      Beijão ;)

      Excluir
  2. Olá amanda. Infelismente não me interessei pelo livro. Não sou muito fã de livros de bruxas ou estórias parecidas. Adorei a resenha mas não sei se um dia leria esse livro. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, que pena! Quem sabe mais adiante, ne?!
      Bjks

      Excluir
  3. Apesar de não ser muito fã de bruxas, fiquei muito curiosa com esse enredo, o fato dele misturar ficção com um acontecimento real na nossa história, é bem interessante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kris! Poxa, é legal. E a parte de "bruxa" é bem abstrata. Pode considerar como se ela apenas fosse uma pessoa com uma sensibilidade elevada, por assim dizer, ele foca mais na parte histórica e tenta explicar um pouco sobre as teorias mesmo. Vale a pena, viu?!
      Beijão ;)

      Excluir
  4. Oi!
    Ainda não conhecia esse livro, mas foi só ler a resenha para logo ficar interessada, gostei bastante de todo essa historia e da personagem, fiquei curiosa para saber mais sobre todo esse contexto histórico do livro e achei interessante a forma que acompanhamos a historia das duas personagens, se tiver oportunidade quero ler essa historia !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Suzana <3
      Espero que a oportunidade surge e você volte aqui para me dizer o que achou!
      Bjs.

      Excluir
  5. Sempre fui muito fan pelas estórias das Bruxas, apesar de não ler muitas pelo fato de que meu enfoque e realmente o romance, no entanto sempre me interesso ainda por se tratar da questão de como as Bruxas eram perseguidas naquela época, e como isso interferia em suas vidas, imagino que as pesquisa em relação ao tema nos deixa ainda mais instigados a continuar a leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza deixa, Lana!
      Estou morrendo de vontade de ler "O Martelo das feiticeiras", que retrata muito bem essa época e recria várias das torturas que as mulheres sofreram. Acredita-se que elas não tivessem dons reais, mas que fossem apenas conhecimentos passados de geração a geração sobre ervas medicinais - uma vez que a medicina naquela época era escassa, na melhor das hipóteses - e que a maior parte das mulheres perseguidas eram apenas uma forma da igreja se reafirmar e fortalecer o poder sob a ignorância do povo.

      Excluir
  6. Quero ler pois gosto de historias com bruxas e fiquei curiosa em saber mais sobre a família Done. E deve ter algum misterio pois quanto mais a personagem se aprofunda na pesquisa ela corre perigo. Achei legal abordar as dificuldades de se fazer uma pesquisa nem todos querem colaborar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Maria Alves eu também gostei bastante do relato da dificuldade na pesquisa. Todos já passamos por esses problemas, ne?!

      Excluir
  7. Oi, Amanda!!
    Adorei a resenha e fiquei roendo as unhas de curiosidade sobre esse livro!! Adoro livros que tenha bruxas na história e essa que se passa em Salem chamou muito minha atenção!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Marta *--*
      Espero que consiga ler e volte pra me dizer que gostou da história!
      Beijão ;*

      Excluir
  8. Eu quero ler esse livroooo!!
    Amo história de bruxas!

    ResponderExcluir

Laura Lendo...

Lud Lendo...

Luiza Lendo...